Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Uma conversa com Everton Gomes sobre os desafios do trabalhismo

Por Miguel do Rosário

01 de março de 2019 : 02h46

Nesta quinta-feira, tivemos o prazer de bater um longo papo com Everton Gomes, veterano militante trabalhista, hoje vice-presidente da Fundação Leonel Brizola-Alberto Pasqualini, no Rio de Janeiro.

Temas discutidos, por ordem:

– Identitarismo e o trabalhismo.
– Análise da vitória de Bolsonaro.
– Distorções semânticas da esquerda, como a abordagem do tema da meritocracia.
– Autocrítica dos erros da esquerda no governo.
– As armadilhas retóricas e políticas da luta contra os excessos da Lava Jato.
– As relações turbulentas do trabalhismo com o PT.
– A questão Venezuela.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Antonio M.

08 de março de 2019 às 10h24

O que a esquerda vai fazer?
Tirar o trabalhador da informalidade e possibilitar possibilitar ao trabalhador acesso
a um trabalho de quinta categoria com penduricalhos?

Responder

Paulo

02 de março de 2019 às 11h17

Concordo com o entrevistado na questão da divisão provocada na esquerda pelo discurso identitário, em todas as suas vertentes, especialmente quando cotejada com o trabalhismo, que é muito mais agregador. Mas, da perspectiva de um centrista, como eu, acho que esse discurso esquerdista é ainda mais deletério: ele cria confrontos entre setores da sociedade brasileira que coloca em risco a própria existência da ideia de nação, tal como cunhada ao longo de séculos, em nosso país. Dou só um exemplo com a questão das cotas raciais em universidades: isso está produzindo, a partir de um conceito importado, mal pensado, fora da nossa realidade, um crescente conflito racial, na nossa sociedade. Corremos, assim, um risco de passar da discriminação (que sempre existiu e era, até então, pouco a pouco, contornada e superada, de forma a propiciar a civilização brasileira) para o ódio racial…

Responder

Deixe uma resposta