Câmara discute privatização da Eletrobras

Progressistas devem ouvir mais

Por Redação

11 de junho de 2019 : 02h37

Debate realizado nesta segunda-feira 10, pela Fundação Tide Setubal, com apoio da Folha, reunindo professores e jornalistas, trouxe à tôna a necessidade de progressistas reinventarem o diólogo com segmentos conservadores da população.

A Folha publicou matéria hoje sobre esse debate.

“É preciso que o campo progressista se desloque do lugar da fala para o da escuta”, disse a socióloga Esther Solano, professora da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), durante o debate.

O encontro discutiu os resultados da pesquisa O Conservadorismo e as Questões Sociais, que pode ser baixado aqui.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

11 de junho de 2019 às 18h01

A proposta pode parecer conciliadora e demonstra aparente humildade da professora, mas a verdade é que o “progressismo” e o conservadorismo são campos opostos, na política, e que, de certa forma, só existem em razão do seu antípoda. Mas há uma assimetria, tal como a sinto, ao menos, que se revela decisiva, nessa relação: o “progressismo” – pela própria denotação com que se vê – quer destruir o conservadorismo, mas a recíproca não é verdadeira. O conservadorismo não significa estagnação. Roger Scruton aborda muito bem essa distinção. Nessa medida, algumas pautas de esquerda podem até ser acolhidas, como o combate ao racismo, mas não pela via de cotas raciais nas universidades, que, ao revés, o potencializa, aparta as pessoas. Isso não é para o Brasil!

Responder

Marcos

11 de junho de 2019 às 08h34

Os progressistas deveriam também tentar ser menos idiotas !

Responder

olinto

11 de junho de 2019 às 03h58

Avisa a socióloga aí que o progressista que mais sabe dialogar com setores conservadores (e mudancistas) está encarcerado.

Responder

Deixe uma resposta