Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

CNI: Brasil tem juros e spread mais altos do mundo

Por Redação

08 de julho de 2019 : 12h08

Na CNI

Brasil fica em último lugar no ranking de custo de capital, diz boletim da CNI

País tem a mais alta taxa de juros reais e o maior spread em relação aos seus principais competidores internacionais. Isso inibe os investimentos e aumenta o custo operacional das empresas

O Brasil está em último lugar no ranking da disponibilidade e custo de capital, que é um dos fatores determinantes da competitividade de um país. O ranking da disponibilidade e custo de capital, com dados de 2018, os últimos disponíveis, está na primeira edição do boletim Competitividade em Foco, elaborado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). A publicação compara o Brasil com 17 países de economia similar à brasileira: Argentina, Austrália, Canadá, Chile, China, Colômbia, Espanha, Indonésia, Índia, Coreia do Sul, México, Peru, Polônia, Rússia, Tailândia, Turquia e África do Sul.

“Mesmo com a recente queda nos juros, a situação não mudou. O Brasil mantém uma distância muito grande de seus principais competidores na questão custo de capital”, afirma o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco. “É preciso reduzir essa distância, ampliando as fontes e reduzindo o custo dos financiamentos”, completa Castelo Branco.

De acordo com os últimos dados disponíveis, o Brasil tem a mais alta taxa de juros real de curto prazo entre os 18 países avaliados. Naquele ano, a taxa anual real de juros de curto prazo do Brasil era de 8,8% ao ano, 68% acima dos 5,2% ao ano cobrados na Rússia, que está na 17ª colocação. O primeiro lugar a lista é da Espanha, onde a taxa real de juros era negativa, de 2,2. No Canadá (2º lugar), na Coreia do Sul (3º lugar), na Austrália (4º lugar) e na Polônia (5º lugar) a taxa de juros real também era negativa.

SPREAD – Além disso, o Brasil tem o spread da taxa de juros (diferença entre as taxas de captação e as cobradas nos empréstimos bancários) mais alto do que nos seus principais competidores. Em 2018, o spread no Brasil era 32,2 pontos percentuais, mais do que o dobro dos 11,9 pontos percentuais do Peru, que está em penúltimo lugar neste quesito. O primeiro lugar do ranking do spread é da Índia, com 0,5 ponto percentual. Em segundo lugar na lista, aparece a Coreia do Sul, com 1,6 ponto percentual, e, em terceiro, a Espanha, com spread de 1,9 ponto percentual.

“O alto custo do financiamento no Brasil reduz o investimento e também eleva o custo operacional das empresas, que dependem de capital de giro para equacionar a diferença entre os tempos de pagamento dos custos e recebimento das receitas de vendas”, diz o boletim. “O investimento é essencial para o crescimento do país, pois permite a incorporação de novas tecnologias e promove o aumento da produtividade”, completa o Competitividade em Foco.

O boletim mensal, que é feito com base no estudo anual Competitividade Brasil 2018-2019, é uma contribuição da indústria para o debate sobre as condições do Brasil em competir com economias similares nos mercados interno e externo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Netho

08 de julho de 2019 às 18h05

Nada de novo.
Desde o Plano Real, há um quarto de século, os juros reais e o ‘spread’ bancário lideram o ranking dos campeões internacionais.
O Brasil sempre foi considerado o país mais aprazível para os especuladores, excetuados aqueles enclaves representados pelos “paraísos fiscais” listados pela OCDE.
Os argentinos diriam que no Brasil, o mercado financeiro continua sendo “mas de lo mismo”.

Responder

Alan C

08 de julho de 2019 às 15h46

CNI não é uma instituição que estava junto com o pato da FIESP? hummm…. É como o Banco Central lançando balanço, ou, se preferir, o Ali Babá alertando os perigos das pessoas serem assaltadas. É o brazil onde o errdo virou o certo kkkk.

O cenário citado pela matéria não é um erro que deve ser consertado, é projeto.
Os (pouquíssimos) que decidiram que seria assim sabiam exatamente o que estavam fazendo e lucram como ninguém mais neste planeta e todos sabem quem são, até os pobres de direita, que adoram pagar mais e abanar o rabinho pros seus donos, uma burrice nunca antes vista na história da humanidade. É a barata optando pelo inseticida, sabe que vai definhar mas o importante é que a formiga petista morra, rs.

OBS: A matéria tem um erro, a China não tem economia parecida com o brazil, o PIB deles é 10x o nosso, a semelhança era nos anos 80 quando eles resolveram que seriam grandes e nos deixaram comendo poeira. Eles são hoje o que deveríamos ter sido….

Responder

    Justus

    08 de julho de 2019 às 17h43

    Pois é. E como é q a China fez isso? Com mais capitalismo, mais liberdade econômica, menos Estado, menos burocracia, menos regulações, menos proteções, e consequentemente mais riqueza.

    Responder

      Alan C

      08 de julho de 2019 às 18h08

      Hein?!?!? Menos estado??? CHINA?????

      Tá bom, rs….

      Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?