STF discute prisão em 2ª instância

O novo relatório fiscal do IFI

Por Redação

10 de setembro de 2019 : 12h43

O Instituto Fiscal Independente, vinculado ao Senado, divulgou o seu relatório mensal sobre a situação fiscal do país.

Alguns comentários sobre a tabela referente ao mercado de trabalho.

Temos 33 milhões de trabalhadores no setor privado com carteira assinada, mais 11,7 milhões de pessoas no setor público, o que totaliza 44,86 milhões de pessoas trabalhando para alguma empresa, privada ou estatal, mediante um determinado salário mensal. Essa é a base das pessoas que pagam a previdência, tem direito a décimo terceiro, férias.

A população ocupada, contudo, é de 93,58 milhões de pessoas, o que significa que temos outras 48,72 milhões de pessoas, ou 52% do total, trabalhando de uma outra maneira: conta própria, empregadores, trabalhador doméstico e trabalhador no setor privado sem carteira assinada.

Quando à diferença de rendimento, os números “médios” apresentados pelo IFI não significam nada, porque a diferença de renda no Brasil é tão abissal que não faz sentido olhar para médias.

Para baixar a íntegra do relatório, clique aqui.

Abaixo, o resumo dos principais pontos, conforme divulgado pelo próprio IFI. Eu separei também alguns gráficos.

– O crescimento de 0,4% do PIB no segundo trimestre manteve ritmo observado desde 2016. Sob a ótica da oferta, o maior impulso para a economia veio do setor de serviços. Pelo lado da demanda, as maiores contribuições foram dadas pelo consumo das famílias e pelos
investimentos. (Página 6)

– Incertezas existentes constrangem o consumo doméstico e os investimentos. As famílias têm mantido relativa cautela no consumo em razão das condições desfavoráveis no mercado de trabalho. O desemprego segue elevado e a criação de posições de trabalho tem ocorrido em segmentos informais da economia. Empresários adiam decisões de investimento em função da
baixa expectativa de demanda no futuro. (Página 7)

– Em julho, assim como observado em junho, houve melhora em algumas receitas administradas, especialmente as provenientes de tributação sobre o lucro, o que pode indicar um início de melhora da atividade econômica. De todo modo, é preciso esperar as próximas apurações em razão da greve dos caminhoneiros, ocorrida em maio de 2018, que reduziu a base de
recolhimento de alguns tributos. (Página 24)

– Em linhas gerais, entendemos que a meta de R$ 124,1 bilhões de déficit primário e o teto de gastos deverão ser cumpridos, apesar do espaço cada vez mais limitado para realização de despesas primárias. (Página 36 e página 39)

– A regra de ouro dependerá de aprovação de crédito adicional pelo Congresso, assim como ocorreu em 2019. Segundo o PLOA 2020, os créditos a serem aprovados pelo Congresso correspondem a 26% do Orçamento. (Página 40)

– No fim de agosto, o Executivo encaminhou ao Congresso a proposta orçamentária para 2020. O gasto discricionário ficará em nível historicamente baixo, comprometendo investimentos, cujo valor projetado é o menor em quinze anos. (Página 41)

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Netho

10 de setembro de 2019 às 14h22

Lamentável que o IFI, que de independente não tem nada, jamais tenha realizado quaisquer estudos demonstrando que, desde o Plano Real, o IMPOSTO INFLACIONÁRIO foi trocado pelo IMPOSTO ENDIVIDAMENTO, implicando um aumento da carga tributária de 25% para 34% do PIB.
Lamentável, principalmente, que o IFI não tenha demonstrado, em nenhum momento, a obviedade ululante de que 47,5% das receitas tributárias administradas pela Receita Federal estejam comprometidas com o pagamento de juros e amortização da dívida pública mobiliária interna.

Responder

Deixe uma resposta