Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Os ricos que aqui enriquecem não enriquecem como lá?

Por Miguel do Rosário

02 de janeiro de 2020 : 14h04

Por Fábio Salviano Lima Xavier (sociólogo) e Emerson Sousa (economista)

Conforme divulgado pelo Billionaries Report 2019, publicação do banco suíço UBS, as três maiores economias da América Latina – Brasil, México e Argentina – possuem 80 bilionários, ou seja, indivíduos com um patrimônio líquido superior a US$ 1 bilhão.

O Brasil é o solo natal de 58 dessas pessoas, o México possui 17 desses e a Argentina, outros cinco. Ao todo esses três países concentram 5/6 de todos os bilionários da América Latina e Caribe computados pela instituição financeira suíça.

O estoque patrimonial de todas essas personalidades está estimado em US$ 323.1 bilhões, sendo que US$ 179.7 bi é de origem brasileira, US$ 132.5 bi de mexicanos e US$ 10.9 bi de fonte argentina. Ressalte-se que os bilionários de todo o subcontinente acumulam uma fortuna de US$ 371.6 bilhões.

De acordo com os números publicados pelo UBS, da margem sul do Rio Grande até a Patagônia, os super ricos possuem um patrimônio líquido médio de US$ 3.8 bi. Na Argentina, esse valor é de US$ 2.2 bi; no Brasil, US$ 3.1 bi e, no México, US$ 7.8 bilhões. No conjunto desse trio de nações, a média é de US$ 4 bilhões.

Tais números tornam-se controversos quando se descobre que os produtos per capita dessa tríade não estão entre os maiores do planeta. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), com valor médio por habitante de US$ 11.1 mil, Argentina, Brasil e México estão longe do mundo desenvolvido nesse quesito.

A situação fica mais dramática quando se vê que o “podium” do desenvolvimento humano global, formado por Noruega, Suíça e Austrália, cujo produto per capita orbita uma média de US$ 71 mil possui 84 bilionários que acumularam um patrimônio de US$ 157.5 bilhões, perfazendo uma fortuna média de US$ 1.87 bi.

Para agravar ainda mais esse mosaico, é preciso frisar que, entre 1986 e 2015, a produtividade média do trabalhador nesses três últimos países girou em torno de US$ 49.3 mil, ao passo em que no trio latino-americano ficou em aproximadamente US$ 13.7 mil, ou seja, um valor quase quatro vezes menor.

Então, não faz muito sentido que essas três economias possuam a mesma quantidade de bilionários que a existente naquelas outras três e que tais elementos sejam até duas vezes mais ricos do que naqueles países desenvolvidos.

Resgatando uma observação feita por Celso Furtado, em uma de suas últimas entrevistas, faz sentido perguntar como países de baixíssima produtividade conseguem gerar bilionários mais ricos do que nos países desenvolvidos. A resposta dada pelo economista paraibano é tão crua quanto lapidar: “… concentrando renda!”.

Essa é uma hipótese plausível e, em vindo a ser confirmada, vai requerer das sociedades dessas três nações latino-americanas que repensem seus respectivos modelos de desenvolvimento, uma vez que ele estaria calcado numa iníqua estrutura de repartição da riqueza socialmente produzida.

Ainda assim, isso talvez não fosse um grande problema se muito dessas fortunas não fosse calcado no rentismo, na especulação e na depreciação do valor do trabalho assalariado. Muito embora o senso comum acredite que essas fortunas são resultado de um cotidiano esforço laboral, em verdade, elas se dão por meio da criação de leis que arrocham salários, do afrouxamento da regulação estatal e das desonerações das grandes fortunas. Em suma, elas podem ser tudo, menos resultado do suor do próprio rosto!

Dessa forma, provavelmente, a presença de tantos bilionários nesses países latinos não seja sinal de pujança, mas, em verdade, de uma disfuncionalidade. A forma pela são geridas as relações sociais de produção estariam voltadas para a acumulação desses privilegiados e, não, para o bem-estar geral.

É bem possível que, para esses povos, o problema talvez esteja na forma pela qual seus ricos ficam bilionários!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

5 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Aldemárcia

03 de janeiro de 2020 às 16h55

Parabéns pelo texto, Fábio Salviano e Emerson Sousa.
Nosso povo precisa se informar, acordar… Obrigada.

Responder

Alan C

03 de janeiro de 2020 às 09h48

Curioso, nenhum bolsominion acéfalo comentou aqui….

Responder

Paulo

02 de janeiro de 2020 às 17h33

Algo me diz que Porco Guedes chegará ao seu bilhão, depois do Governo…

Responder

Graça Ferreira

02 de janeiro de 2020 às 17h13

Parabéns pelo excelente texto

Responder

chichano goncalvez

02 de janeiro de 2020 às 14h37

A solução é simples, é o povo fazer a reforma agraria na marra e estatizar todas as empresas, e quem não se submeter existe a chamada forca, isso basta.Quando os operarios que controem as nações tiveram algum beneficio ? Quando houve derramento de sangre, a histoira nos mostra., quanto ao resto é tudo conversa fiada.

Responder

Deixe um comentário