Live diária do Cafezinho, hoje às 19:00

Twitter do Sérgio Moro. Na capa, o slogan de uma campanha realizada pelo ministério da justiça e segurança pública.

Moro utiliza campanha pública para alavancar candidatura individual

Por Tadeu Porto

06 de maio de 2020 : 19h05

Na mesma esteira em que vendeu uma entrevista “bombástica” com Sérgio Moro, a revista Veja também lançou o “lema” da campanha presidencial do juiz: “Faça a coisa certa, sempre”.

Na reportagem da coluna Radar, Robson Bonin destaca que já existe um outdoor com o “lema” junto da foto do juiz e também relembra que em sua “delação” (pedido de demissão do governo Bolsonaro) Moro repetiu três vezes o seu slogan de campanha.

Entretanto, o que chama mais atenção na coluna é a origem da “logo” da campanha presidencial de Moro. Segundo Bonin, ela foi criada por “amigos, ex-assessores e auxiliares do juiz”.

Oras, essa logo já existe há mais de um ano e foi anunciada como “campanha interna” do ministério pelo próprio Sérgio Moro, no seu Twitter pessoal.

Em abril do ano passado no Twitter, o Ministro da Justiça (uma função de Estado) anunciava a campanha “faça o certo, sempre” no Twitter

Ou seja, a mesma campanha (slogan, estética) que estampa atualmente a capa do Twitter de Sérgio Moro, um “cidadão comum” como eu e você, também estampa um campanha institucional de uma entidade pública, o MJSP.

Ou seja, palestras, notícias, vídeos e imagens com o “lema” de Moro estão sendo ofertadas pelo Estado.

Imaginem se a moda pega. Cada ministro utilizando sua máquina ministerial – pública (!!) – para fazer campanhas que, futuramente, casem com seus objetivos pessoais. Cada peça publicitária –  pública (!!) – vai tender a gerar trampolim de candidaturas sem fim.

Por exemplo, vamos considerar o acesso que a página Karnal Admiradores deu ao seu “lema presidencial” do lavajatista Moro, o tal do “faça a coisa certa”. Não é difícil imaginar se um juiz de primeira instância – salário máximo de 40mil pelo teto constitucional – tem ou não dinheiro para bancar uma campanha publicitária estrelada por Leandro Karnal.

Sérgio Moro fez um mega lançamento de uma campanha pública, sabe-se lá com que dinheiro, e agora tenta surfar nessa. Há um forte indício, portanto, da quebra do princípio da impessoalidade por parte do ex-ministro, afinal, ele utiliza pessoalmente uma campanha feita pelo Estado.

Por fim, como é poético ver que o grande engodo da política nacional é uma farsa até no slogan: pede para fazer a coisa certa, fazendo a coisa errada. 

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz

06 de maio de 2020 às 20h24

Falta de paciência, poderia estar no TFR4.

Responder

Paulo

06 de maio de 2020 às 19h33

Tadeu, não há quebra do princípio da impessoalidade – nem qualquer outro que rege a Administração Pública – porque Moro não é mais servidor público. E o princípio correto a ser invocado, caso se pudesse comprovar que Moro já tinha a intenção de utilizá-lo em campanha, quando Ministro, o que acho muito difícil, seria o da moralidade…

Responder

    Tadeu Porto

    08 de maio de 2020 às 12h30

    Oi Paulo! Cara, sei não. Ele mesmo está em quarentena nesse exato momento, pois a gente sabe que uma vez funcionário público tem acesso a informações que valem uma vida. Como eu disse: imagina se a moda pega? Se cada ministro for embora do cargo com o slogan do seu ministério? Não consigo achar uma coisa dessa normal. No mais, forte abraço e obrigado pelo comentário!

    Responder

      Paulo

      08 de maio de 2020 às 18h55

      Tadeu, o princípio da impessoalidade é dirigido aos administrados, no sentido de que “a atuação da Administração se conduza sem discriminações que visem prejudicar ou beneficiar determinado administrado, ou seja, funda-se na conduta e tratamento isonômico da Administração perante os administrados, com a destinação de atingir o interesse coletivo” (JUS.COM.BR). Por isso foi invocado pelo Ministro Alexandre contra a nomeação do amigo da família Bolsonaro para a direção-geral da PF. Mas entendi o que quis dizer. Abraço!

      Responder

Deixe uma resposta