Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

A Terra é plana

Por Pedro Breier

12 de julho de 2020 : 19h47

Não se assuste, cara leitora, este colunista não aderiu ao terraplanismo. A Terra é Plana (Behind the Curve, no original) é o título de um documentário (tem no Netflix) sobre o pitoresco debate acerca do formato do nosso planeta. No filme, composto basicamente por entrevistas, os traços paranoicos e megalomaníacos dos terraplanistas são apresentados de forma certeira e, na medida do possível, sutil. O resultado é positivamente engraçado.

Alguns dos defensores da Terra plana, estes um pouco menos delirantes, estão determinados a comprovar cientificamente que não vivemos sobre uma esfera. Seus experimentos são rigorosos (às vezes precisam do trabalho árduo de vários pessoas ou de generosas quantias de dinheiro) e invariavelmente refutam a teoria da Terra plana. Mas eles não desistem.

O documentário vai, contudo, além: aspectos psicológicos e sociológicos relacionados ao ressurgimento dos terraplanistas (esta teoria foi popular em momentos anteriores da história humana) são abordados por cientistas, psicólogos e outros entrevistados. A tese desvelada mais para o final da película me deixou pensativo: essas pessoas, ou ao menos boa parte delas, sempre sentiram-se rejeitadas pela sociedade; ao unirem-se a uma coletividade com um sentido comum, experimentam um acolhimento e um espírito de grupo que lhes faz sentir parte de algo maior. Como isso gera efeitos benéficos em suas vidas, é muito difícil convencê-las de que a ideia da Terra plana é simplesmente idiota.

***

Há algumas semanas, conversando com um amigo sobre o ensaio fascista que dá as caras no Brasil, ele falou algo na mesma linha. Tem muita gente que acabou de achar a sua turma e sente que está lutando por algo maior. Pessoas que sentiram-se à margem da sociedade (ao menos em relação a algum aspecto de sua personalidade) durante a vida toda e agora encontraram uma causa, um coletivo com o qual se identificar e algumas ideias pelas quais vale a pena dedicar sua atuação política.

Considerando que as ideias fascistas não são exatamente ideias, mas comandos de opressão e extermínio cuja origem parece ser um medo terrificante de tudo que cheire a algo diferente do que já se conhece, não basta derrotar o fascismo no campo institucional. Este é, sim, um imperativo, uma tarefa urgente que exige o emprego de todos os esforços possíveis. Entretanto, é necessário pensarmos em estratégias que mirem um objetivo de longo prazo: fazer com que a sociedade brasileira crie anticorpos intelectuais e morais contra o ideário fascista, para que este jamais veja a luz do dia outra vez.

Manifestação bolsonarista no DF, 19/04/2020 – Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

***

Trata-se de um trabalho árduo e lento (do contrário, não seria de longo prazo), porém essencial. Não é simples, afinal, estimular uma cultura democrática em uma população carente (em vários sentidos) como a brasileira.

Um projeto que revolucione a comunicação brasileira é um primeiro passo. Se o domínio do oligopólio de mídia era um inferno para as pretensões soberanas do Brasil, agora o cenário está ainda pior: a emergência de sofisticados sistemas de manipulação da informação e difusão de notícias falsas por meio de redes sociais precisa ser debatida e enfrentada com inteligência. Esperar pela boa vontade do Mark Zuckerberg (dono do Facebook, Whatsapp e Instagram), dos donos do Google (Larry Page e Sergey Brin) ou dos barões da mídia tradicional brasileira no combate às fake news é pedir para ser massacrado em todas as eleições.

Tornar o sistema de comunicação do país mais democrático, transparente e menos sujeito a interesses financeiros ou de nações estrangeiras seria uma conquista tremenda.

Mas, ainda assim, insuficiente.

Em um país desigual como o Brasil, é preciso, se quisermos uma população mais consciente politicamente, antes garantir o básico: comida na mesa, saúde pública e escola de qualidade para todos. A federalização do ensino básico e médio deveria estar no horizonte de futuros governos à esquerda. Uniformizar a educação em todo o território nacional parece ser uma boa medida para impedir que as dificuldades financeiras e as peculiaridades políticas de cada cidade ou estado resultem em um desenvolvimento desigual dos alunos.

Partindo daí, chegamos ao ponto nevrálgico para implementar uma cultura humanista, solidária e democrática na sociedade brasileira: nosso modelo de educação. Um bom começo é realmente aplicar o que a direita lunática acusa a esquerda de implementar: Paulo Freire. Sua tese de que deve ser desenvolvida uma consciência crítica nos alunos é fundamental para os tempos nos quais adentramos rapidamente – tempos de descontrole total da informação. Por isso mesmo, é possível defender a aplicação do pensamento de Freire fugindo do rótulo de “comunista” ou algo do gênero – um rótulo imbecil, de todo modo – que assusta parte importante da sociedade.

Pensemos, por exemplo, nas deep fake. Se nosso debate público é influenciado por fake news que chegam a virar folclore de tão grosseiras (como a da famigerada “mamadeira de piroca”), o que acontecerá quando montagens de vídeo extremamente realistas se espalharem por aqui? Há deep fakes tão bem feitas que somente por meio de softwares se pode confirmar a falsidade do material. Ou seja, qualquer político ou figura pública pode viralizar falando qualquer coisa que o autor da montagem deseje, inclusive “confessando” as coisas mais sórdidas imagináveis.

Agora reparem neste pequeno trecho de Pedagogia do Oprimido, livro seminal de Freire:

Outro recurso didático, dentro de uma visão problematizadora da educação e não “bancária”, seria a leitura e a discussão de artigos de revistas, de jornais, de livros (…). (…) parece-nos indispensável a análise do conteúdo dos editoriais da imprensa, a propósito de um mesmo acontecimento. Por que razão os jornais se manifestam de forma diferente sobre um mesmo fato? Que o povo então desenvolva o seu espírito crítico para que, ao ler jornais ou ao ouvir o noticiário das emissoras de rádio, o faça não como mero paciente, como objeto dos “comunicados” que lhes prescrevem, mas como uma consciência que precisa libertar-se.

Basta acrescentarmos as novidades comunicacionais decorrentes da evolução tecnológica (novos dispositivos, novas redes de comunicação) e temos aí uma habilidade indispensável para os nossos tempos: saber discernir informação bem embasada de notícia falsa, bem como ser capaz de identificar os vieses políticos e ideológicos que estão por trás de cada notícia ou comentário sobre os fatos do mundo. Qual mãe e qual pai não desejaria que as filhas e filhos saibam discernir as informações confiáveis dentre o oceano de notícias no qual estamos quase todos imersos? Cabe a nós apenas vender o peixe de Paulo Freire.

Paulo Freire: pedagogia crítica.

***

E buscar outros paradigmas também.

A Finlândia, por exemplo, possui um sistema educacional considerado modelo. O cineasta americano Michael Moore visitou o país para descobrir as razões; a visita foi retratada em um documentário de 2015 cujo título foi traduzido no Brasil como O Invasor Americano. Menos horas de estudo, quase zero lição de casa, desenvolvimento das habilidades lúdicas e criativas são algumas das dicas dos finlandeses, as quais visam proporcionar felicidade aos alunos, bem como prepará-los para o mercado do trabalho do futuro, quando esse tipo de habilidade deve predominar, considerando que as máquinas ficarão com o labor mais pesado e repetitivo.

Ressalte-se que a educação por lá é eminentemente pública: o fim do apartheid educacional entre alunos de escolas privadas e públicas deve, também, ser ponto central em um projeto revolucionário para a educação. É um debate complicado, não há dúvidas, e por isso mesmo deve ser suscitado o quanto antes. O objetivo, me parece, não pode ser outro que não o fim das escolas particulares. A ideia é levar a meritocracia a sério, não é mesmo? Abaixo, o trecho do documentário de Moore sobre a Finlândia:

***

Outro paradigma da humanidade, este mais profundo, que implora por uma intervenção da educação para começar a ser transformado, é o do egoísmo. O egoísmo, o pensar em si antes de todos os demais ou mesmo do planeta, é o sentimento basilar do modo de vida capitalista. É o egoísmo o motor da busca desenfreada por riqueza e status que, por sua vez, redunda em um consumismo altamente destrutivo – individual e coletivamente.

Estamos levando nosso planeta ao colapso ambiental, e isso é uma façanha e tanto. Se não adotarmos um modo de vida cooperativo (ou ao menos lançarmos as bases para este), nossa geração entrará para a história das civilizações do universo como a que colaborou para o fim da espécie humana sobre a Terra. As crianças devem aprender desde cedo que o egoísmo leva à violência, à opressão e à destruição, e que a cooperação, o trabalho em equipe e a solidariedade são ferramentas para a construção de uma sociedade próspera e pacífica.

E então voltamos aos terraplanistas. Há, neste grupo, semelhanças (inclusive de identidade) com aqueles que se aproximam das ideias fascistas. Nesta pandemia, aliás, os fascistas vêm empreendendo uma guerra alucinada justamente contra a ciência. Uma educação pública, universal, moderna e que ensine os alunos a pensarem criticamente é fundamental para que esse tipo de pensamento torto não viceje nas próximas gerações.

Existe, todavia, um problema para ser resolvido agora. Esses grupos estão por aí, pipocando. Percebe-se que são grupos cujas ideias são marginalizadas, muitas vezes porque são realmente intoleráveis em uma sociedade minimamente civilizada e racional. Contudo, empurrá-los ainda mais para o isolamento não deve resolver a questão. O problema continuará existindo, provavelmente com um acúmulo ainda maior de raiva por parte dos excluídos.

É evidente que há uma militância fascista agressiva e bem ciente de que sua visão de mundo é autoritária, violenta, odienta. Estes devem ser combatidos de forma enérgica, inclusive fisicamente, se necessário. Entretanto, há também, e são muitos, os que professam ideias grotescas sem muita noção do que estão defendendo. Em realação a estes, talvez seja interessante buscar, quando possível, o diálogo, o debate de ideias em termos respeitosos.

Em um encontro de cientistas mostrado em A Terra é Plana, o físico Lamar Glover faz algumas ponderações interessantes sobre os terraplanistas complexo de superioridade científico:

Não podemos apenas dizer que é um delírio ou chamá-los de malucos. Eu acho que muitas vezes quando usamos a palavra “maluco”, trata-se de um termo guarda-chuva. Quantos aqui já foram chamados de maluco? [Alguns levantam as mãos.] Terraplanistas, antivacinas… Quando deixamos essas pessoas para trás, nós deixamos mentes brilhantes emudecerem e estagnarem. Esses caras são cientistas em potencial que pegaram um caminho completamente errado. A sua natural propensão inquisitória e rejeição a normas poderiam ser benéficas para a ciência se eles fossem mais letrados cientificamente.

Lamar Glover em cena de A Terra é Plana

Quantas inteligências que poderiam contribuir para o bem estar da sociedade são capturadas por fenômenos políticos lamentáveis como o bolsonarismo? E por acaso não é um trabalho nobre – e necessário – restabelecer pontes com esses indivíduos?

Respiremos fundo e coloquemos as mãos à obra, portanto.

Encerro este artigo com as palavras de outro físico, Spiros Michalakis, também apresentadas em A Terra é Plana (vale a pena assisitr):

O problema que eu vejo está, na verdade, não no lado dos que acreditam em teorias da conspiração, mas do nosso lado, o lado da ciência. Às vezes é difícil não olhar com desprezo. Um amigo disse: “Às vezes o único jeito de fazer alguém mudar de ideia é pela vergonha”. E eu disse: “Não acho que esse recurso deva ser usado”. É o mesmo que dizer que se uma criança não entende uma matéria, não é culpa sua, como professor, é culpa dela. Eu não acredito nisso. Você simplesmente não desenvolveu sua empatia até o ponto de ver, a partir do ponto de vista deles, onde eles estão empacados. O pior cenário possível é você apenas empurrar completamente esses indivíduos para a franja da sociedade e, então, a sociedade simplesmente os perde.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

12 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

13 de julho de 2020 às 19h13

Onze milhões de brasucas e 2/3 dos jovens americanos acreditam nisso. E o perfil, creio eu, é o de protestantes – especialmente neo-pentecostais – de baixa renda e nível de escolaridade. Basta olhar o horizonte…E a ignorância parece não ter limites. Outro dia assisti a uma cena dantesca, quando caminhava aqui perto de casa: um rapaz de máscara aproximou-se de um grupo que se exercitava próximo a uma barra de exercícios, todos sem máscara, e foi hostilizado aos xingamentos, assim que saía do local. Será que é tão difícil perceber que o rapaz se protegia e aos demais, apenas, além de evitar ser multado?

Responder

dcruz

13 de julho de 2020 às 14h59

O problema do Brasil é uma doença chamada imbecilidade. O exemplo típico é o bozo que quanto mais imbecil ele se mostra, mais imbecis aparecem para segui-lo. É o Brasil que está muito doente, como diria o Ruy: “um sodalício de apedeutas.”

Responder

Marco Vitis

13 de julho de 2020 às 12h29

Retirar Bolsonaro e sua familícia do poder Executivo é um imperativo URGENTE. Anular a eleição de 2018, porque o general Mourão é da mesma natureza que Bolsonaro (aliás, o torturador coronel Brilhante Ulstra é um herói pra Mourão e Bolsonaro).
Mas há uma tarefa de longo prazo: investir numa verdadeira revolução Cultural. Uma parte significativa da sociedade brasileira está doente (fascismo, racismo, misoginia, homofobia…).

Responder

Paulo Cesar Cabelo

13 de julho de 2020 às 11h21

“Em um país desigual como o Brasil, é preciso, se quisermos uma população mais consciente politicamente, antes garantir o básico: comida na mesa, saúde pública e escola de qualidade para todos”
Se fosse assim não existiriam fascistas na Suécia.

Responder

    Pedro Breier

    13 de julho de 2020 às 16h06

    Este seria só um primeiro passo, Paulo. Sem o básico pra uma vida digna não tem nem como começar uma conversa sobre cidadania, cultura democrática… Mas com certeza esse básico não garante uma sociedade livre do fascismo.

    Responder

Beleleu

13 de julho de 2020 às 09h38

Lula diz q Ciro só pensa em Ciro e nunca chegará ao 2° turno de uma eleição presidencial. Ciro diz q Lula só pensa em Lula e está meio gagá. Lula sugere a Ciro q seja menos arrogante. Ciro sugere a Lula q pense em álibis melhores p/ manter-se fora da gaiola. Os dois têm razão. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Jerson7

13 de julho de 2020 às 09h32

Terraplanistas, socialistas, comunistas…cada um de nos acredita no que quiser. Kkkkkkkk

Responder

    gasparzinho

    13 de julho de 2020 às 12h16

    os bozolistas acreditam! uhauauhauh

    Responder

    O Demolidor

    13 de julho de 2020 às 13h17

    Esqueceu os nazistas e os ciristas…

    Responder

Henrique Martins

12 de julho de 2020 às 20h38

A propósito, pergunto aos terraplanistas:
Se a Terra é plana a água do mar vai prá onde?
Caí no universo?
Se caí por que nossos oceanos
ainda estão aí?

Responder

    José Ricardo Romero

    13 de julho de 2020 às 09h27

    Poderia também perguntar, Henrique, porque os navegantes no hemisfério norte só veem e se guiam pela estrela polar e porque no hemisfério sul só veem e se guiam pelo cruzeiro do sul. Ou ainda, porque os trópicos do capricórnio e do câncer têm o mesmo perímetro.

    Responder

    Oblivion

    13 de julho de 2020 às 13h31

    Se eu nao me engano eles dizem que as bordas sao feitas de paredoes de gelo. O pior de tudo é a ideia deles de que existe uma conspiracao global de todos países para manter o que eles chamam de mentira (que seria a Terra arredondada). Seriam dignos de pena se nao fossem de nojo. E pros demagogos deixo a pergunta: os terraplanistas teriam a desculpa da narrativa tb? Assim como mitologia pra explicar a origem da vida, mitologia pra explicar o universo ou o formato da Terra, nas escolas e cidades contemporaneas, é simplesmente coisa de malucos. Respeito e tenho religiao (sempre cheias de mitologias) mas nao venham utiliza-las pra explicar nossa realidade, pra isso temos cientistas estudando e buscando a explicação, mesmo que sempre haja pontos de incerteza ou alguns elos perdidos a explicaçao é sempre baseada em evidencias.

    Responder

Deixe uma resposta