Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

A Terra é plana

Por Pedro Breier

12 de julho de 2020 : 19h47

Não se assuste, cara leitora, este colunista não aderiu ao terraplanismo. A Terra é Plana (Behind the Curve, no original) é o título de um documentário (tem no Netflix) sobre o pitoresco debate acerca do formato do nosso planeta. No filme, composto basicamente por entrevistas, os traços paranoicos e megalomaníacos dos terraplanistas são apresentados de forma certeira e, na medida do possível, sutil. O resultado é positivamente engraçado.

Alguns dos defensores da Terra plana, estes um pouco menos delirantes, estão determinados a comprovar cientificamente que não vivemos sobre uma esfera. Seus experimentos são rigorosos (às vezes precisam do trabalho árduo de vários pessoas ou de generosas quantias de dinheiro) e invariavelmente refutam a teoria da Terra plana. Mas eles não desistem.

O documentário vai, contudo, além: aspectos psicológicos e sociológicos relacionados ao ressurgimento dos terraplanistas (esta teoria foi popular em momentos anteriores da história humana) são abordados por cientistas, psicólogos e outros entrevistados. A tese desvelada mais para o final da película me deixou pensativo: essas pessoas, ou ao menos boa parte delas, sempre sentiram-se rejeitadas pela sociedade; ao unirem-se a uma coletividade com um sentido comum, experimentam um acolhimento e um espírito de grupo que lhes faz sentir parte de algo maior. Como isso gera efeitos benéficos em suas vidas, é muito difícil convencê-las de que a ideia da Terra plana é simplesmente idiota.

***

Há algumas semanas, conversando com um amigo sobre o ensaio fascista que dá as caras no Brasil, ele falou algo na mesma linha. Tem muita gente que acabou de achar a sua turma e sente que está lutando por algo maior. Pessoas que sentiram-se à margem da sociedade (ao menos em relação a algum aspecto de sua personalidade) durante a vida toda e agora encontraram uma causa, um coletivo com o qual se identificar e algumas ideias pelas quais vale a pena dedicar sua atuação política.

Considerando que as ideias fascistas não são exatamente ideias, mas comandos de opressão e extermínio cuja origem parece ser um medo terrificante de tudo que cheire a algo diferente do que já se conhece, não basta derrotar o fascismo no campo institucional. Este é, sim, um imperativo, uma tarefa urgente que exige o emprego de todos os esforços possíveis. Entretanto, é necessário pensarmos em estratégias que mirem um objetivo de longo prazo: fazer com que a sociedade brasileira crie anticorpos intelectuais e morais contra o ideário fascista, para que este jamais veja a luz do dia outra vez.

Manifestação bolsonarista no DF, 19/04/2020 – Foto: Gabriela Biló/Estadão Conteúdo

***

Trata-se de um trabalho árduo e lento (do contrário, não seria de longo prazo), porém essencial. Não é simples, afinal, estimular uma cultura democrática em uma população carente (em vários sentidos) como a brasileira.

Um projeto que revolucione a comunicação brasileira é um primeiro passo. Se o domínio do oligopólio de mídia era um inferno para as pretensões soberanas do Brasil, agora o cenário está ainda pior: a emergência de sofisticados sistemas de manipulação da informação e difusão de notícias falsas por meio de redes sociais precisa ser debatida e enfrentada com inteligência. Esperar pela boa vontade do Mark Zuckerberg (dono do Facebook, Whatsapp e Instagram), dos donos do Google (Larry Page e Sergey Brin) ou dos barões da mídia tradicional brasileira no combate às fake news é pedir para ser massacrado em todas as eleições.

Tornar o sistema de comunicação do país mais democrático, transparente e menos sujeito a interesses financeiros ou de nações estrangeiras seria uma conquista tremenda.

Mas, ainda assim, insuficiente.

Em um país desigual como o Brasil, é preciso, se quisermos uma população mais consciente politicamente, antes garantir o básico: comida na mesa, saúde pública e escola de qualidade para todos. A federalização do ensino básico e médio deveria estar no horizonte de futuros governos à esquerda. Uniformizar a educação em todo o território nacional parece ser uma boa medida para impedir que as dificuldades financeiras e as peculiaridades políticas de cada cidade ou estado resultem em um desenvolvimento desigual dos alunos.

Partindo daí, chegamos ao ponto nevrálgico para implementar uma cultura humanista, solidária e democrática na sociedade brasileira: nosso modelo de educação. Um bom começo é realmente aplicar o que a direita lunática acusa a esquerda de implementar: Paulo Freire. Sua tese de que deve ser desenvolvida uma consciência crítica nos alunos é fundamental para os tempos nos quais adentramos rapidamente – tempos de descontrole total da informação. Por isso mesmo, é possível defender a aplicação do pensamento de Freire fugindo do rótulo de “comunista” ou algo do gênero – um rótulo imbecil, de todo modo – que assusta parte importante da sociedade.

Pensemos, por exemplo, nas deep fake. Se nosso debate público é influenciado por fake news que chegam a virar folclore de tão grosseiras (como a da famigerada “mamadeira de piroca”), o que acontecerá quando montagens de vídeo extremamente realistas se espalharem por aqui? Há deep fakes tão bem feitas que somente por meio de softwares se pode confirmar a falsidade do material. Ou seja, qualquer político ou figura pública pode viralizar falando qualquer coisa que o autor da montagem deseje, inclusive “confessando” as coisas mais sórdidas imagináveis.

Agora reparem neste pequeno trecho de Pedagogia do Oprimido, livro seminal de Freire:

Outro recurso didático, dentro de uma visão problematizadora da educação e não “bancária”, seria a leitura e a discussão de artigos de revistas, de jornais, de livros (…). (…) parece-nos indispensável a análise do conteúdo dos editoriais da imprensa, a propósito de um mesmo acontecimento. Por que razão os jornais se manifestam de forma diferente sobre um mesmo fato? Que o povo então desenvolva o seu espírito crítico para que, ao ler jornais ou ao ouvir o noticiário das emissoras de rádio, o faça não como mero paciente, como objeto dos “comunicados” que lhes prescrevem, mas como uma consciência que precisa libertar-se.

Basta acrescentarmos as novidades comunicacionais decorrentes da evolução tecnológica (novos dispositivos, novas redes de comunicação) e temos aí uma habilidade indispensável para os nossos tempos: saber discernir informação bem embasada de notícia falsa, bem como ser capaz de identificar os vieses políticos e ideológicos que estão por trás de cada notícia ou comentário sobre os fatos do mundo. Qual mãe e qual pai não desejaria que as filhas e filhos saibam discernir as informações confiáveis dentre o oceano de notícias no qual estamos quase todos imersos? Cabe a nós apenas vender o peixe de Paulo Freire.

Paulo Freire: pedagogia crítica.

***

E buscar outros paradigmas também.

A Finlândia, por exemplo, possui um sistema educacional considerado modelo. O cineasta americano Michael Moore visitou o país para descobrir as razões; a visita foi retratada em um documentário de 2015 cujo título foi traduzido no Brasil como O Invasor Americano. Menos horas de estudo, quase zero lição de casa, desenvolvimento das habilidades lúdicas e criativas são algumas das dicas dos finlandeses, as quais visam proporcionar felicidade aos alunos, bem como prepará-los para o mercado do trabalho do futuro, quando esse tipo de habilidade deve predominar, considerando que as máquinas ficarão com o labor mais pesado e repetitivo.

Ressalte-se que a educação por lá é eminentemente pública: o fim do apartheid educacional entre alunos de escolas privadas e públicas deve, também, ser ponto central em um projeto revolucionário para a educação. É um debate complicado, não há dúvidas, e por isso mesmo deve ser suscitado o quanto antes. O objetivo, me parece, não pode ser outro que não o fim das escolas particulares. A ideia é levar a meritocracia a sério, não é mesmo? Abaixo, o trecho do documentário de Moore sobre a Finlândia:

***

Outro paradigma da humanidade, este mais profundo, que implora por uma intervenção da educação para começar a ser transformado, é o do egoísmo. O egoísmo, o pensar em si antes de todos os demais ou mesmo do planeta, é o sentimento basilar do modo de vida capitalista. É o egoísmo o motor da busca desenfreada por riqueza e status que, por sua vez, redunda em um consumismo altamente destrutivo – individual e coletivamente.

Estamos levando nosso planeta ao colapso ambiental, e isso é uma façanha e tanto. Se não adotarmos um modo de vida cooperativo (ou ao menos lançarmos as bases para este), nossa geração entrará para a história das civilizações do universo como a que colaborou para o fim da espécie humana sobre a Terra. As crianças devem aprender desde cedo que o egoísmo leva à violência, à opressão e à destruição, e que a cooperação, o trabalho em equipe e a solidariedade são ferramentas para a construção de uma sociedade próspera e pacífica.

E então voltamos aos terraplanistas. Há, neste grupo, semelhanças (inclusive de identidade) com aqueles que se aproximam das ideias fascistas. Nesta pandemia, aliás, os fascistas vêm empreendendo uma guerra alucinada justamente contra a ciência. Uma educação pública, universal, moderna e que ensine os alunos a pensarem criticamente é fundamental para que esse tipo de pensamento torto não viceje nas próximas gerações.

Existe, todavia, um problema para ser resolvido agora. Esses grupos estão por aí, pipocando. Percebe-se que são grupos cujas ideias são marginalizadas, muitas vezes porque são realmente intoleráveis em uma sociedade minimamente civilizada e racional. Contudo, empurrá-los ainda mais para o isolamento não deve resolver a questão. O problema continuará existindo, provavelmente com um acúmulo ainda maior de raiva por parte dos excluídos.

É evidente que há uma militância fascista agressiva e bem ciente de que sua visão de mundo é autoritária, violenta, odienta. Estes devem ser combatidos de forma enérgica, inclusive fisicamente, se necessário. Entretanto, há também, e são muitos, os que professam ideias grotescas sem muita noção do que estão defendendo. Em realação a estes, talvez seja interessante buscar, quando possível, o diálogo, o debate de ideias em termos respeitosos.

Em um encontro de cientistas mostrado em A Terra é Plana, o físico Lamar Glover faz algumas ponderações interessantes sobre os terraplanistas complexo de superioridade científico:

Não podemos apenas dizer que é um delírio ou chamá-los de malucos. Eu acho que muitas vezes quando usamos a palavra “maluco”, trata-se de um termo guarda-chuva. Quantos aqui já foram chamados de maluco? [Alguns levantam as mãos.] Terraplanistas, antivacinas… Quando deixamos essas pessoas para trás, nós deixamos mentes brilhantes emudecerem e estagnarem. Esses caras são cientistas em potencial que pegaram um caminho completamente errado. A sua natural propensão inquisitória e rejeição a normas poderiam ser benéficas para a ciência se eles fossem mais letrados cientificamente.

Lamar Glover em cena de A Terra é Plana

Quantas inteligências que poderiam contribuir para o bem estar da sociedade são capturadas por fenômenos políticos lamentáveis como o bolsonarismo? E por acaso não é um trabalho nobre – e necessário – restabelecer pontes com esses indivíduos?

Respiremos fundo e coloquemos as mãos à obra, portanto.

Encerro este artigo com as palavras de outro físico, Spiros Michalakis, também apresentadas em A Terra é Plana (vale a pena assisitr):

O problema que eu vejo está, na verdade, não no lado dos que acreditam em teorias da conspiração, mas do nosso lado, o lado da ciência. Às vezes é difícil não olhar com desprezo. Um amigo disse: “Às vezes o único jeito de fazer alguém mudar de ideia é pela vergonha”. E eu disse: “Não acho que esse recurso deva ser usado”. É o mesmo que dizer que se uma criança não entende uma matéria, não é culpa sua, como professor, é culpa dela. Eu não acredito nisso. Você simplesmente não desenvolveu sua empatia até o ponto de ver, a partir do ponto de vista deles, onde eles estão empacados. O pior cenário possível é você apenas empurrar completamente esses indivíduos para a franja da sociedade e, então, a sociedade simplesmente os perde.

Pedro Breier

Pedro Breier nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo. É formado em direito e escreve n'O Cafezinho desde 2016, sendo atualmente um dos editores do blog.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Carlos

09 de julho de 2021 às 16h10

O que acontece com água se enchemos um copo de água, e TOMBARMOS UM POUCO ESSE COPO ?

Será que a água permanecerá grudada e presa no copo, assim como as águas dos oceanos estão grudadas no planeta esférico, já que tanto o copo com a água, como os oceanos recebem as mesmas influências que impedem que toda água dos oceanos, das caixas d’águas, dos lagos sejam jogadas fora da nossa atmosfera terrestre em nenhum dos seus SEMI-giros que o planeta dá constantemente.

Antes que alguém diga que consegue manter a água no copo simplesmente girando o braço, responderei que também a maioria das pessoas conseguem mas essa não foi a questão inicial.

E lembrarei a ele que não precisamos girar o copo para simular nenhuma rotação, E SIM APENAS TOMBAR UM POUCO O COPO, pois o planeta se ele é esférico ou globo e ela está girando no eixo imaginário numa rotação maior que a velocidade do som, garantirá que essa água permaneça no copo, assim como ela garante para os oceanos, caixas d’ água, lagos….

Interessante que nunca vi ninguém colar e vedar a tampa da caixa d’água de suas casas e nem colocar um cadeado, porque deve ser perigoso na hora que o planeta der os seus semigiros perder toda água das caixas d’águas, nossa senhora nesse momento de crise, de seca, baixos níveis de reservatórios não podemos nem sonhar em desperdiçar nem um pingo de água.

Agora na terra plana por fixa e não exitir a GRAVIDADE e sim DENSIDADE e FLUATUABILIDADE não tem mágica se enchemos um copo de água, e tombarmos um pouco esse copo lógicamente não permanecerá uma gota de água nesse copo. E isso é uma realidade passada, presente e futura no nosso planeta que é plano.

Responder

Carlos

13 de fevereiro de 2021 às 07h54

Desculpe a você que está lendo não é pessoal e nem dirigido a você e sim a todo sistema educacional, onde nosso dinheiro está sendo investindo e muitas vezes com muito trabalho e muito suor e não caindo do céu e nem nascendo em árvores, para auto custo das mensalidades escolares.

Fiquei com uma dúvida se a ozonosfera, camada de ozônio, ou camada de ozono tem um buraco, porque todo gás não foi sugado ou destruído pelo vácuo?

E como vácuo permite ou permitirá sua restauração, já que se trata de gazes?

Interessante também como pode existir tantos gases que separam o ar atmosférico do vácuo do espaço e todas elas serem insuperáveis em poder para suportar toda força do vácuo, o vácuo de todo universo em expansão deve ser muito fraquinho ou a atmosfera da terra ser muito poderosa, então porque será que a atmosfera da terra não suga todo vácuo do universo?

Acho que só na base da fé ou da teoria dos cálculos avançados dos antigos sábios cultuados até hoje como semideuses e que nem cinza existem mais que terá respostas para isso (lógico que o médium crente tem de fazer uma sessão espírita para receber mensagens, para conseguirem responder essas questões, porque provar para eles é muito complicado, e não é demonstrável fora dos livros e dos cálculos avançados e das sessões espíritas), parece até filme de ficção científica, ou aqueles desenhos de faz de contas.

Vamos supor que uma pessoa está na praia observando o navio a sua frente sumindo no horizonte do oceano

Opção A: O navio está descendo pela curvatura do planeta?
Opção b) O navio não está descendo pela curvatura do globo, porque a terra é plana?

Se a opção escolhida foi a opção A

Como então á água está chegando até a praia onde está o observador, água está subindo pelo globo e chegando até a praia onde está o observador?

Desculpe discordar das teorias dos semideuses do passado, mas água não sobe, ela só desce até se nivelar. E o navio não está descendo?

Não existe no planeta correnteza de água que sobe, a não ser com ajuda bombas mecânicas, será que se fazendo uma sessão espírita corretamente e com mais guias incorporados eles terão provas e não teorias matemáticas para mostrar?

Se a opção escolhida foi a B – É o que penso também toda água dos oceanos estão niveladas no nosso planeta que é totalmente plano e sua montanhas e vales só assim podemos medir o nível dela em qualquer localidade do planeta, e da mesma forma nivelar as bases de qualquer construção em qualquer localidade do planeta, e o navio sumiu da vista do observador foi pela perspectiva, baixa capacidade da visão, poluição, densidade atmosférica…

Hoje não se pode ter mais desculpas para não se verificar a esfericidade do planeta como na época dos semideuses idolatrados das teorias, hoje existe todo tipo de aparatos eletrônicos como por exemplo o lazer e trenas eletrônicas, etc, então é falta de vontade ou medo mesmo da verdade.

———

Talvez lá na página 70 dos livros dos mortos pode ter as provas de tudo que é mostrado nos livros escolares referente ao modelo terra globo, porque nos livros dos vivos só tem teorias.

“A grande uma grande distância e uma grande diferença entre teorias e provas científicas onde qualquer pessoa possa reproduzir e verificar e reproduzir.”

É possível se nivelar algo no planeta bola que não esteja no topo da bola, se não como todos engenheiros e construtores conseguem nivelar todas as bases de todas edificações em qualquer localidade do planeta ? ( minha casa e imagino que da maioria não foi erguida no topo de nenhum planeta)

Pelas laterais do planeta no formato de um globo acho que seria impossível se nivelar a base de qualquer construção, só se todas as construções tivessem suas bases todas niveladas fora do planeta, e ainda mais que o planeta gira no sentido de oeste para leste, minha casa então não estaria nivelada com o planeta porque minha residência não fica no topo da bola e nem perto do polo, e sim estaria encostada nela verticalmente e se eu fizer um buraco no chão pode ser perigoso sair levitando pelo vácuo do espaço, abaixo dos meus pés.

Psiu Sistema educacional a Terra é Plana desde que mundo é mundo, você o grande sistema educacional conseguiu arrendondar o planeta quadrado de antes do navegador Colombo, porque naquela época você e as igrejas riram bastante, chamaram ele de maluco e que se navegassem até beira era perigoso cair do quadrado., descobrir as Américas seria coisa de maluco né sistema educacional e igreja católica?..

Agora no modelo terra plana não tem esse perigo de se cair porque existe um domo invisível que Deus colocou está escrito em gêneses, para separar as águas primordiais e proteger toda vida dessas águas e super-resistente da qual nem um ser humano consegue passar, para passar tem quebrar ou destruir, ai estaríamos todos lascados. Estamos todos no aquário ou estufa de Deus.

E as únicas coisas que se movimentam é justamente o domo onde se encontra as estrelas, e o sol e a lua também giram em torno da terra, enquanto nosso mundo está paradinho da silva. Nosso planeta se movimenta e nem gira um mm sequer pra lado nenhum, quem não acredita deixa um prumo não magnético suspenso, e coloca uma filmadora gravando durante o dia, e pode ficar o dia inteiro assistindo esse vídeo que não ver o prumo se deslocando pra lado nenhum.

Mais uma prova, se o planeta estivesse girando no sentido oeste leste constantemente, todos ventos no planeta deveriam ser constantes, no entanto não é isso que acontece, pode se observar pelos galhos e pelas folhas das árvores que os ventos não são constantes, e pode se observar também ventos norte-sul num planeta que constantemente gira no sentido oeste leste.

Quem não teve curiosidade, verifique a velocidade de rotação do planeta, ele tem uma rotação maior que a velocidade do som, então é uma velocidade muito alta, pra ninguém sentir um fio de cabelo se mexer com seus ventos.

Agora se os ventos não são dentro do sistema atmosférico eles deveriam estar no topo, como então os foguetes conseguem transpor esses ventos sem se rebentarem ou serem jogados para outros lados.

Como os foguetes a base de combustível como o da primeira ida do homem a lua pode voar pelo espaço se ali é vácuo, no vácuo não pode ter combustão de nada por não existir oxigênio para queima do combustível, e como o sol ter labaredas de fogos nas suas manchas solares se onde ele se localiza no sistema terra globo é vácuo também?

Já li muitas vezes que o sol é atômico tudo bem, mas como explicar as manchas das labaredas, se é atômico?

Como pode a lei da gravidade ter tanto poder de segurar e manter milhares de toneladas de litros de água dos oceanos, e não ter força nenhuma sobre as nuvens de se carregarem de água de chuva, dos vapores das chaleiras de subir até as nuvens, do balão de voar, do peixe de nadar?

Eles devem ser bem mais leves que toneladas e toneladas de águas dos oceanos será que é Davi contra Golias, só pode.

Porque será que todos os níveis de marcação de altitude estão sempre na faixa positiva entre 0 e 1000 metros ou mais de altitudes em relação ao nível do mar?

Porque será que todas as pessoas então que moram nas localidades litorâneas não precisam descer nenhuma ladeira da circunferência do globo já que todos nós moramos ou no lado leste ou oeste da bola globo para se chegar a nenhuma localidade mais abaixo geográfica na escala negativa de medição de altitude, já que não moramos nem polo norte e nem no sul, nem em cima e nem baixo da terra modelo bola molhada.

Que legal seria se nós morássemos numa bola gigante que gira mais rápido que a velocidade do som ai bastaria apenas dar apenas alguns pulos para que o mundo todo passasse por debaixo de nossos pés, pra que carro, moto, bicicleta, avião, helicóptero, ou gastar dinheiro com petróleo se com apenas alguns pulos que dessemos bastaria para estar em qualquer localidade deste planeta.

Acorda Sistema global educacional, Psiu a Terra é plana!!

Aqui uns videos bacanas para vocês que não conhece sobre a terra plana e seus conceitos

200 PROVAS DE QUE A TERRA NÃO É UM GLOBO – DUBLADO
https://www.youtube.com/watch?v=7kYyMlQwo4M

PROFESSOR TERRA PLANA – O Sol Elétrico Da Terra Plana
https://www.youtube.com/watch?v=YkIlaVdO8P8

LUA: ATERRAMENTO ELÉTRICO DO SOL
https://www.youtube.com/watch?v=eu60Rfry6cc

TERRA PLANA/Sol filmado da janela de avião
https://www.youtube.com/watch?v=beXJX8Y1nrE

CANAL CIÊNCIA DE VERDADE
https://www.youtube.com/c/CienciadeVerdade/playlists

CANAL – O PROPAGADOR DA REAL –
https://www.youtube.com/channel/UCKpBN-WmiH7heSqGrgQIDuQ/videos

O SOL VERDADEIRO – IMAGENS INÉDITAS !
https://www.youtube.com/watch?v=CY4Q54PaYR0

TERRA PLANA _ IMAGENS REAIS DE PLANETAS E ESTRELAS HD
https://www.youtube.com/watch?v=cRlkTfS3dm0

(EXPERIÊNCIA EFEITO DAS MARÉ POR MAGNETISMO)
https://www.youtube.com/watch?v=MaYdKA3zjog

Responder

Paulo

13 de julho de 2020 às 19h13

Onze milhões de brasucas e 2/3 dos jovens americanos acreditam nisso. E o perfil, creio eu, é o de protestantes – especialmente neo-pentecostais – de baixa renda e nível de escolaridade. Basta olhar o horizonte…E a ignorância parece não ter limites. Outro dia assisti a uma cena dantesca, quando caminhava aqui perto de casa: um rapaz de máscara aproximou-se de um grupo que se exercitava próximo a uma barra de exercícios, todos sem máscara, e foi hostilizado aos xingamentos, assim que saía do local. Será que é tão difícil perceber que o rapaz se protegia e aos demais, apenas, além de evitar ser multado?

Responder

dcruz

13 de julho de 2020 às 14h59

O problema do Brasil é uma doença chamada imbecilidade. O exemplo típico é o bozo que quanto mais imbecil ele se mostra, mais imbecis aparecem para segui-lo. É o Brasil que está muito doente, como diria o Ruy: “um sodalício de apedeutas.”

Responder

Marco Vitis

13 de julho de 2020 às 12h29

Retirar Bolsonaro e sua familícia do poder Executivo é um imperativo URGENTE. Anular a eleição de 2018, porque o general Mourão é da mesma natureza que Bolsonaro (aliás, o torturador coronel Brilhante Ulstra é um herói pra Mourão e Bolsonaro).
Mas há uma tarefa de longo prazo: investir numa verdadeira revolução Cultural. Uma parte significativa da sociedade brasileira está doente (fascismo, racismo, misoginia, homofobia…).

Responder

Paulo Cesar Cabelo

13 de julho de 2020 às 11h21

“Em um país desigual como o Brasil, é preciso, se quisermos uma população mais consciente politicamente, antes garantir o básico: comida na mesa, saúde pública e escola de qualidade para todos”
Se fosse assim não existiriam fascistas na Suécia.

Responder

    Pedro Breier

    13 de julho de 2020 às 16h06

    Este seria só um primeiro passo, Paulo. Sem o básico pra uma vida digna não tem nem como começar uma conversa sobre cidadania, cultura democrática… Mas com certeza esse básico não garante uma sociedade livre do fascismo.

    Responder

Beleleu

13 de julho de 2020 às 09h38

Lula diz q Ciro só pensa em Ciro e nunca chegará ao 2° turno de uma eleição presidencial. Ciro diz q Lula só pensa em Lula e está meio gagá. Lula sugere a Ciro q seja menos arrogante. Ciro sugere a Lula q pense em álibis melhores p/ manter-se fora da gaiola. Os dois têm razão. Kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Jerson7

13 de julho de 2020 às 09h32

Terraplanistas, socialistas, comunistas…cada um de nos acredita no que quiser. Kkkkkkkk

Responder

    gasparzinho

    13 de julho de 2020 às 12h16

    os bozolistas acreditam! uhauauhauh

    Responder

    O Demolidor

    13 de julho de 2020 às 13h17

    Esqueceu os nazistas e os ciristas…

    Responder

Henrique Martins

12 de julho de 2020 às 20h38

A propósito, pergunto aos terraplanistas:
Se a Terra é plana a água do mar vai prá onde?
Caí no universo?
Se caí por que nossos oceanos
ainda estão aí?

Responder

    José Ricardo Romero

    13 de julho de 2020 às 09h27

    Poderia também perguntar, Henrique, porque os navegantes no hemisfério norte só veem e se guiam pela estrela polar e porque no hemisfério sul só veem e se guiam pelo cruzeiro do sul. Ou ainda, porque os trópicos do capricórnio e do câncer têm o mesmo perímetro.

    Responder

    Oblivion

    13 de julho de 2020 às 13h31

    Se eu nao me engano eles dizem que as bordas sao feitas de paredoes de gelo. O pior de tudo é a ideia deles de que existe uma conspiracao global de todos países para manter o que eles chamam de mentira (que seria a Terra arredondada). Seriam dignos de pena se nao fossem de nojo. E pros demagogos deixo a pergunta: os terraplanistas teriam a desculpa da narrativa tb? Assim como mitologia pra explicar a origem da vida, mitologia pra explicar o universo ou o formato da Terra, nas escolas e cidades contemporaneas, é simplesmente coisa de malucos. Respeito e tenho religiao (sempre cheias de mitologias) mas nao venham utiliza-las pra explicar nossa realidade, pra isso temos cientistas estudando e buscando a explicação, mesmo que sempre haja pontos de incerteza ou alguns elos perdidos a explicaçao é sempre baseada em evidencias.

    Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Bolsonaro O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade