Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

Ricardo Stuckert | Instituto Lula

A Globo e as saudades do neoliberalismo petista

Por Miguel do Rosário

13 de julho de 2020 : 17h01

O artigo do ex-diretor de redação da Globo, Ascânio Seleme, intitulado “É hora de perdoar o PT” produziu – sem trocadilho com o sobrenome do jornalista – uma celeuma curiosa.

Por um lado, inúmeros petistas reagiram com extrema irritação, como se Seleme tivesse ofendido profundamente a legenda.

Alguns outros, como o nosso colunista Theo Rodrigues aqui no blog, reagiram de maneira mais moderada, aceitando de bom grado o movimento da Globo, mas criticando o fato do colunista ter sugerido que, para que o PT fosse perdoado, amenizasse algumas de suas posições.

O artigo, no entanto, analisado de maneira desapaixonada, parece um esforço sincero de combater a rejeição ao PT junto a uma parte dos assinantes do jornal.

Trecho do artigo de Seleme:

Superada esta instância, que é mais fácil, terá de se ultrapassar também a índole autoritária que um dia foi semeada no coração do PT e vicejou. Exemplos são muitos, como a tentativa de censurar a imprensa através de um certo “controle externo da mídia”, de substituir a Justiça por “instrumentos de mediação” em casos de agressão aos direitos humanos, ou de trocar a gestão administrativa por “conselhos populares”. Se estas tentações foram barradas no passado, quando até o centrão apoiava o PT, certamente não prosperarão num ambiente muito mais polarizado como o de hoje.

As ressalvas de Seleme ao PT me parecem, todavia, inteiramente artificiais, como se ele quisesse fazer alguma crítica, mas não soubesse o que falar, pelas razões que entenderemos mais adiante.

Afirmar que o PT cogitou ou tentou “censurar” a imprensa, é mais que uma mentira; é uma ofensa à inteligência.

Em se tratando de política de comunicação, o PT fez um jogo duplo. Ao mesmo tempo em que algumas instâncias do partido distribuíam biscoito à militância com a história de “democratização da mídia”, o governo dava à Globo contratos bilionários de publicidade federal, e a cúpula do partido entendia que a Globo seria a sua emissora oficial. Nunca houve um esforço sério no partido para sequer pensar ou estudar o problema do sistema nacional de comunicação, quanto mais efetivamente realizar alguma mudança no setor. A militância foi deliberadamente enganada. A história de que Franklin Martins deixou uma “lei de mídia” pronta para ser enviada ao congresso, mas que foi engavetada por Dilma, fez parte dessa estratégia de iludir.

O PT jogou na conta da presidenta Dilma uma série de erros e covardias que não foram decisão dela, mas do Lula e da cúpula da legenda.

Com o bolsonarismo radicalizando à direita e fazendo campanha aberta contra a Globo, tratando-a, por mais surreal que isso nos pareça, como uma mídia de esquerda, esse movimento da Globo não é surpreendente: perdendo assinantes à direita, o jornal tenta reconquistar parcela dos eleitores de esquerda.

Como o próprio jornalista admite: “não se pode negar que parte considerável do Brasil é de esquerda”. Vender assinatura para esses brasileiros é um desafio se o jornal continuar sendo visto como um “inimigo ideológico” do petismo.

Outro articulista, Ricardo Cappelli, argumentou que seria o caso de “perdoar a Globo”, pensando que, se um grupo de mídia tão poderoso, hoje posicionado no campo de oposição a Bolsonaro, faz um aceno ao maior partido de esquerda, caberia a este, em nome do bem maior – que é enfraquecer o governo – aceitar uma aliança tática. Mao Tse Tung e os comunistas revolucionários não fizeram aliança com seu arqui-inimigo, o governo de Pequim, quando se tratou de derrotar o mal maior, o invasor japonês?

Reitero que o fato político que mais me surpreendeu foi a reação petista ao artigo. Se é compreensível que os petistas não confiem na Globo, parece-me um tanto irracional atacar um jornalista por um artigo que defende expressamente o PT.

Ah, a Globo defendeu o golpe, a Lava Jato, a prisão de Lula… Bem, nas eleições de 2018, aceitou-se alegremente o apoio de Joaquim Barbosa, cotado até mesmo para ministro da Justiça, e de tantos outros que também assumiram posições antipetistas, que não é coerente esse purismo todo hoje.

O que eu achei mais curioso, no artigo de Seleme, foi esse trecho:

“(…) O Brasil não tem tempo para esperar por uma outra esquerda, renovada e livre da influência do PT.”

Ou seja, a Globo não apenas faz um aceno amistoso ao PT, como se alinha à narrativa hegemonista do partido.

Estaria a Globo com saudades do neoliberalismo petista?

Sim, porque os argumentos de Seleme não poderiam ser mais artificiais. Os “erros” do PT apontados por ele não seriam a escolha fisiológica e desastrada de ministros do STF, tampouco a manutenção de uma política econômica profundamente ortodoxa. Os “erros” seriam esses fantasmas vendidos pela própria Globo, como o “controle externo da mídia”.

Quanto à corrupção, nem a Globo nem o PT parecem examinar o problema principal, que foi expor a nossa joia da coroa a uma campanha de desmoralização perigosíssima, que resultou em prejuízos incalculáveis para o país: depois da Lava Jato, partes importantes, estratégicas, da estatal foram entregues a preço de banana a setores frequentemente antagônicos aos interesses da própria Petrobras.

Se a Lava Jato foi, de fato, uma operação repleta de abusos, e que contou, eventualmente, com apoio de aparatos de inteligência estrangeiros, isso não redime o governo petista de ter entregue diretorias estratégicas da Petrobras a setores altamente corrompidos da política partidária.

Quando reclamamos que o PT não montou um sistema de inteligência capaz de proteger a Petrobras nem do assédio estrangeiro, nem da corrupção doméstica, não devemos esquecer que talvez não tenha sido uma falha, mas um projeto: talvez não interessasse à legenda montar um sistema de inteligência, pois este iria, fatalmente, desmontar esquemas partidários que integravam o projeto de poder da legenda.

Da Globo, porém, não deve se esperar nenhum apoio a qualquer projeto nacional soberano, pois sempre agiu como uma empresa norte-americana estabelecida apenas por acaso em território nacional. O sonho da Globo é um novo governo petista neoliberal, onde ela repita o seu teatrinho de mídia de oposição, receba seus bilhões de contratos de publicidade, enquanto o governo faz o serviço sujo de enriquecer ainda mais a nossa plutocracia.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

20 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Batista

14 de julho de 2020 às 23h23

“Quando certa manhã Ascânio Seleme acordou de sonhos intranquilos, encontrou-se em sua cama metamorfoseado numa trombeta monstruosa”, a tonitruar: “É hora de perdoar o PT”.

O alarido trouxe muita gente a apreciar a ‘metamorfose tonitruante’, alguns tentando explicar o ocorrido, porém, entre esses, ninguém, nem de longe, aproximou-se dessa JENIAL (em tributo ao ‘ansioso blogueiro’ que há um ano nos deixava) explicação, plena no que tange ao domínio do fato na literatura que permite-se viajar na última flor do lácio, como se maionese fosse:

“(…) esse movimento da Globo não é surpreendente: perdendo assinantes à direita, o jornal tenta reconquistar parcela dos eleitores de esquerda.
Como o próprio jornalista admite: “não se pode negar que parte considerável do Brasil é de esquerda”. Vender assinatura para esses brasileiros é um desafio se o jornal continuar sendo visto como um “inimigo ideológico” do petismo.”

Merece ou não, a Ema do Alvorada, pra acordar?

Responder

pe dy cabria

14 de julho de 2020 às 22h18

… qua, é lógico que se contra bolsão, tem que levantar bandeira pro PT.

Responder

Ismael

14 de julho de 2020 às 16h50

O que desagradou o chefete cirista do chazinho foi que Globo forçosamente reconhece que o PT é o único grande partido de esquerda (“não há tempo de se criar uma nova esquerda”). Essa é a razão da raiva do cirista.
Por outro lado, é muita cara de pau falar em “neoliberalismo petista” e por dois motivos:
1) primeiro que qualquer um pode perceber a diferença entre os governos FHC, antes, e depois do PT, com Temer e Bolsonaro no quesito política econômica neoliberal.
2) como se o Ciro fosse implantar uma economia heterodoxa caso fosse eleito enquanto engana imbecis com discurso nacionalista que não engana ao próprio Ciro.
Vcs deveriam tomar vergonha na cara e se colocar no lugar menor e secundário de vcs: “O CIRO ACABA DE APOIAR UMA BRECHA PARA A PRIVATIZAÇÃO DA ÁGUA” PL 4162,
Quer NEOLIBERALISMO MAIOR DO QUE ENXUGAMENTO DO ESTADO COMO ESSE, UM ENXUGAMENTO ASSASSINO E BRUTAL? Tomem vergonha e tenham noção.

Responder

Mateus Nogueira

14 de julho de 2020 às 07h42

Não é só a globo que saudades do “neoliberalismo petista”, todo mundo tem até o Ciro, mas ele não vai admitir é claro

Responder

Paulo Cesar Cabelo

14 de julho de 2020 às 01h38

Miguel do Rosário é conservador , quinta coluna , traidor , porém esse artigo foi extremamente lúcido.
Primeira vez que concordo com algo que ele escreveu.

Responder

Francisco

14 de julho de 2020 às 00h41

Certa está é a ema…

.

Responder

Alan C

13 de julho de 2020 às 23h00

Meu estômago não me permite comentar essa foto.

Responder

Fábio maia

13 de julho de 2020 às 20h19

Já vi todas críticas possíveis e inimagináveis sobre o PT. Autoritário, estadista, descumpridor de acordos, aparelhador. Neoliberal, foi, de lavada a melhor de todas.

Responder

    Alex B Autor

    14 de julho de 2020 às 23h27

    Fábio Maia, Ismael e Mateus Nogueira:onde assino no comentário de vocês, tão precisos foram?

    Responder

Alexandre Neres

13 de julho de 2020 às 19h46

O Sr. Miguel do Rosário não passa de um fanfarrão.

De todas as análises que li, sem sombra de dúvida, a mais tosca foi que o texto teve o intuito de vender jornal.

Olha a fotinha que ele colocou? O que me espanta é fazer isso com o telhado de vidro que ele tem. Quem governou, sabe que tem que lidar com diversas forças distintas, fazer mediações improváveis que desagradam a todos. Do jeito que o Miguel escreve, parece que para ele quando alguém é eleito pode fazer tudo o que bem quer, como se chegasse ao núcleo duro do poder.

Talvez o caminho seja mais fácil para os clãs políticos cujo poder passa de pai para filho tal qual uma capitania hereditária.

Neoliberalismo petista? Ciro Gomes foi do PDS, do PMDB, do PSDB, do Cidadania e do PROS. Miguel do Rosário justifica todos os pontos de vista do clã Ferreira Gomes. Quer algo mais neoliberal que o marco regulatório do saneamento básico? Ciro Gomes vive cortejando Rodrigo Maia, ACM Neto, FHC, Tasso Jereissati, Roberto Freire etc. etc. etc. Qual é a ideologia desses senhores? Antes de chegar lá, o que é totalmente diferente de quando você tem de governar e precisa fazer acordo com pessoas às quais se pudesse não trocaria nem um oi, Ciro já está entregando a rapadura. De antemão, mostra que faz qualquer negócio, e não está lidando com peixe pequeno, não.

Eu vejo aqui nesse blogue umas lives com o deputado Mario Heringer. Lixo puro. Peguem o histórico dos votos desse infeliz. Ele finge de égua, diz que quem sabe no porvir pode dar algum voto progressista. O arremedo de partido que é o PDT, que não guarda relação com o trabalhismo histórico, é presidido por quem mesmo? Especialidade do dito cujo é dominar a burocracia do partido e mandar lá dentro, como tantos outros velhacos que se especializam nesse métier nos mais diversos partidos. E ainda tem gente que quer gargantear decência em meio a ratos?

Miguel do Rosário acha que se pode fazer omelete sem quebrar ovos. Sua veia conservadora está cada vez mais à mostra. Defende disparates como fazer greve sem atrapalhar o trânsito, sem incomodar quem trabalha. Diz que o trabalhador preza a meritocracia, não por acaso uma ideologia neoliberal. Miguel do Rosário mora no Rio de Janeiro, cidade que resume bem a miséria na qual nós, brasileiros, estamos metidos. O morro e o asfalto revelam nossas mazelas a olhos nus. Apesar de ter todos os elementos à mão, em nome do conservadorismo do brasileiro, ele é contra as pautas identitárias. Defende o homem branco, estudado, velho, cis, se for autoritário e esquentadinho, ele vai pra galera.

O PT aderiu às janelas para a democracia, um gesto de quem está disposto ao diálogo. Tem que ter muito estômago para participar de algo com o Cidadania, só tapando o nariz. Entrementes, o Miguel do Rosário prossegue em sua sina de atacar recorrentemente o PT, tal qual o Ciro Gomes. Em todos os lugares que Ciro Gomes foi ultimamente, a única pergunta que interessava aos jornalistas é Lula e o PT, e ele cumpria o papel à risca e deitava falação, satisfazendo o jornalismo sabujo. Em pleno desgoverno boçal-ignaro, Ciro Gomes e Miguel do Rosário assestarem suas baterias numa hora dessas contra o PT é um crime de lesa-pátria.

Por fim, mas não menos relevante, lembro-me muito bem do que fizeram com Brizola no seu ocaso. A postura desse genérico de jornalismo que vejo aqui é deplorável, se prestando ao papel de caixa de ressonância da Globo, que pôs seu gabinete do ódio para atacar Lula e o PT por anos a fio, insuflando o antipetismo, que reverberou em toda a esquerda Brasil afora. Compactuar com os ataques incessantes de tal calibre, com o escopo de cancelar a maior liderança popular brasileira de todos os tempos e o maior partido de esquerda, legitimando a maior farsa judicial que já houve no país e uma imprensa que só cuida de seus interesses de classe, é um comportamento canalha.

Aceita que dói menos, a inveja é uma merda. Fechemos com Ascânio Seleme: “Esse agrupamento político, talvez o mais forte e sustentável da história partidária brasileira, tem que ser readmitido no debate nacional”.

Responder

    Ricardo JC

    14 de julho de 2020 às 17h25

    Amigo, já postei aqui antes e repito: o Miguel agarrou com unhas e dentes o anti-petismo. Não vou criticar o comportamento dele, pois todos tem direito à ter sua própria posição. Somente seria importante que a assumisse abertamente e não com este joguinho de bate-e-assopra que faz no blog. Quero ver o Ciro ir a algum lugar sem os votos do PT. O meu ele não terá (o teria, certamente, na última eleição se passasse à segunda rodada), em nenhuma hipótese. Repito, em nenhuma hipótese.

    Responder

Justiceiro

13 de julho de 2020 às 19h40

“Afirmar que o PT cogitou ou tentou “censurar” a imprensa, é mais que uma mentira; é uma ofensa à inteligência.”

Ah, teve sim, Miguel. Abaixo segue parte do PL que Lula quis empurrar no Brasil, mas foi contido.,

“O presidente Luiz Inácio Lula da Silva encaminhou ao Congresso projeto de lei que prevê a criação do CFJ (Conselho Federal de Jornalismo) e suas respectivas seções estaduais. O conselho terá poderes, segundo a proposta do governo, para “orientar, disciplinar e fiscalizar” o exercício da profissão e a atividade de jornalismo –inclusive com poderes de punir jornalistas.”
**************************

…com poderes de punir jornalistas.

E quem seriam os “conselheiros” desse conselho????

Responder

    Fábio maia

    14 de julho de 2020 às 09h01

    Os mesmos de qualquer conselho de classe. Ou agora a regulamentação de uma profissão virou autoritarismo?

    Responder

Paulo

13 de julho de 2020 às 19h27

Os petistas estão cheios de “pruridos morais” que não tiveram no Mensalão e no Petrolão. Luís Carlos Prestes, vivo fosse e se lhe acenassem com possível aliança com o diabo para combater um governo de direita, não teria dificuldade em aceitar. Posto isso, o PT está certo. E a Globo, errada na propositura – se é que o artigo representou, de fato, o pensamento dos Marinhos…Temos que buscar um novo caminho, não esquecendo que a Globo apoiou incondicionalmente as desastradas Reformas Trabalhista e da Previdência e ainda apoiará outras…

Responder

    Paulo

    13 de julho de 2020 às 19h32

    Só esclarecendo, quando eu digo que o PT está certo é supondo sua estratégia política (na verdade de Lula) de manter a narrativa da inocência a fim de não colapsar o Partido e jogar na lata de lixo da história seu líder principal e fundador…Quando Lula passar, terão a oportunidade de se retratarem…

    Responder

Jerson7

13 de julho de 2020 às 18h54

Como porque…? $$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$$

Responder

Antonio

13 de julho de 2020 às 18h19

“O Brasil não tem tempo para esperar por uma outra esquerda, renovada e livre da influência do PT.”

Ainda bem que ninguém precisa esperar. Estava adormecida. Mas reviveu. E não há Globo que consiga apagar.

Responder

    Justiceiro

    13 de julho de 2020 às 19h28

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK

    A foto mostra uma mulher com os olhos esbugalhados como se tivesse assustada.
    e deve ter ficado mesmo quando leu essa abobrinhas. Ascânio não fala pelo povo. E nem pela Globo..

    Responder

Romulo Macedo

13 de julho de 2020 às 17h52

Deixo este vídeo como background político do texto acima. Muito bom Miguel.

https://www.youtube.com/watch?v=l_1iXNf0KNg

Responder

Miramar

13 de julho de 2020 às 17h26

“Quando reclamamos que o PT não montou um sistema de inteligência capaz de proteger a Petrobras nem do assédio estrangeiro, nem da corrupção doméstica, não devemos esquecer que talvez não tenha sido uma falha, mas um projeto: talvez não interessasse à legenda montar um sistema de inteligência, pois este iria, fatalmente, desmontar esquemas partidários que integravam o projeto de poder da legenda.” – Penso o mesmo.

Responder

Deixe uma resposta