Live do Cafezinho: como trazer a classe média de volta para campo progressista?

Sara Winter e Damares Alves, em frame do vídeo em que Damares pede voto para Sara, em 2018, e a chama de filha.

Cheirinho de Idade Média

Por Pedro Breier

27 de agosto de 2020 : 15h38

Eu gostaria de convidar nosso mais recente crítico, o nosso ator Leonardo DiCaprio, para ele ir comigo a São Gabriel da Cachoeira [no Amazonas] e nós fazermos uma marcha de oito horas pela selva entre o aeroporto de São Gabriel e a estrada de Cucuí. Ele vai aprender em cada socavão que ele tiver que passar que a Amazônia não é uma planície e aí entenderá melhor como funcionam as coisas nesta imensa região.

Poderia ser uma fanfic sobre um militar brasileiro cuja obsessão por Leonardo DiCaprio o levou a enviar uma cartinha para Hollywood com esse estranho convite, mas é a fala do vice-presidente da República, Hamilton Mourão, no Fórum Mundial Amazônia+21. Confesso que ri, alto, da manchete da Folha sobre essa cuestão aí: Após críticas de Leonardo DiCaprio, Mourão convida ator para marchar oito horas na selva

Quando foi que acostumamos com esse nonsense?

O evidente descaso, ou pior, incentivo ao desmatamento e à destruição da Amazônia por parte do governo Bolsonaro, alvo de justas críticas do ator e ativista americano, é respondido com um surreal convite a uma caminhada na selva para perceber que a Amazônia “não é uma planície”, como se este fato tivesse o condão, em qualquer contexto argumentativo que se possa imaginar, de eximir o governo dos seus atos e omissões.

Mas, justiça seja feita, Mourão está apenas seguindo a linha do seu chefe. Em outra reunião sobre o mesmo tema, a Segunda Cúpula Presidencial pela Amazônia, Jair Bolsonaro mais uma vez não perdeu a chance de envergonhar-nos perante o mundo, conforme relatou a Ana Prestes em suas Notas Internacionais:

Nesse segundo encontro, o mundo inteiro noticiou a fala do presidente Bolsonaro, especialmente quando ele disse ser “mentira” que os incêndios estão devastando parte significativa da Amazônia brasileira. Ele contradisse dados de seu próprio governo que através do INPE deixam claro que em 12 meses aumentou em 33% a devastação da floresta. Ele ainda desafiou os líderes dos outros países a sobrevoarem a floresta e apontarem algum foco de incêndio ou hectare desmatado.

“Em vez de acreditar em dados científicos (do meu próprio governo!), que tal sobrevoar a Amazônia de helicóptero em busca de queimadas, presidentes?” Com ese talento para a argumentação, não surpreende que Bolsonaro seja adepto de regimes autoritários.

Outra justiça que precisamos fazer é mencionar o fato de que se pode criticar qualquer coisa nesse governo, menos a falta de coerência: a linha obscurantista é adotada em qualquer canto que se olhe. 

O caso da menina de 10 anos que foi estuprada pelo tio e teve a vida (ainda mais) infernizada por militantes bolsonaristas, por exemplo, pode ter tido o envolvimento do ministério comandado por Damares Alves, conforme esta matéria da Piauí. (Se você tem estômago sensível, não leia.)

Assessores da ministra, deputados e militantes bolsonaristas foram até a casa onde a menina morava com a avó, na cidade de São Mateus/ES, para convencê-las a não fazerem o aborto. Após a divulgação criminosa dos dados da criança pela famigerada Sara Winter (ex-assessora do ministério comandado por Damares), um punhado de alucinados foi protestar em frente ao hospital em que a menina faria o aborto, inclusive com gritos de “assassina”. Para uma menina de 10 anos, que somente não ouviu os urros dos mentecaptos porque as enfermeiras elevaram o volume da televisão em que ela assistia a desenhos animados. 

Conforme a matéria, a menina será “abrigada pelo poder público em outra cidade” pois, nas palavras do promotor da Infância e Juventude Fagner Cristian Andrade Rodrigues, “Para São Mateus elas não podem mais voltar. A vida delas lá seria um inferno”. 

Não há qualquer sentido ideológico, político, racional, sentimental, público, privado, não há qualquer resquício de lógica ou bom senso em participar de ou patrocinar uma campanha para que uma criança de 10 anos que foi estuprada seja obrigada a levar adiante uma gravidez que provavelmente mataria ambos, a menina e o feto.

Há, isso sim, um clima sinistro, um cheiro de Idade Média no ar, momento da história em que os fanáticos tinham cobertura institucional para impor seus dogmas grotescos para cima das pessoas que querem apenas viver suas vidas em paz.  

O obscurantismo grassa pelas esferas de poder. Oxalá sejamos competentes para enxotá-lo de vez da vida pública brasileira.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Hilux12

27 de agosto de 2020 às 19h54

Conseguem demostrar que emissarios do Ministerio foram no local…?

Ou vai passar como mentira que nao pode faltar para criar a narrativa…?

Responder

Andressa

27 de agosto de 2020 às 17h28

A da esquerda parece um trveco, a da direita parece a vovó Zilda da família dinossauro.

Responder

Salomão

27 de agosto de 2020 às 16h40

Essa tal de Sara Winter não parece ser pessoa completamente normal da cabeça, basta dizer que já foi feminista para confirmar a maluquice.

Responder

Jonathan

27 de agosto de 2020 às 16h34

Não é verdade que assessores da ministra foram sei lá onde…FAKE NEWS.

E nem é verdade que a Amazônia a partir do dia 1 de janeiro de 2018 começou a arder em chamas, basta frequentar para ver…FAKE NEWS.

Para um pais altamente subdesenvolvido onde há poucas estradas, nada de ferrovias, pouquíssimas industrias, onde o lixo impera soberano em qualquer lugar, até o mais remoto; onde não há esgotos na maioria das casas e quando há poucas vezes é tratado idoneamente; onde não há coleta do lixo doméstico e quando há não é diferenciada…para um lugar desse a Amazonia é um falso problema ambiental explorado por fins políticos/econômicos no Brasil e fora.

A UE usará essa papagaiada para não assinar o acordo com o Mercosul por pavor da concorrência com a agronegócio brasilerio contra o qual a agricultura europeia (que sobrevive de subsídios) não tem chance nenhuma de competir…fica aos tontos acreditar ou fingir de acreditar para levar para frente a narrativa por fins políticos e nada mais.

Responder

Deixe uma resposta