Despolarizando (11 h): o impacto da volta de Lula nas eleições de 2022. Convidado: Carlos Lupi

Foto: Carine Wallauer

Ciro: “O menos capaz de ganhar de Bolsonaro é o PT”

Por Redação

27 de fevereiro de 2021 : 17h01

Considerado um dos nomes que vem fazendo oposição ferrenha ao presidente Jair Bolsonaro no campo progressista brasileiro, o vice-presidente Nacional do PDT, Ciro Gomes, analisou o cenário eleitoral para 2022 e defendeu aliança de centro-esquerda e um amplo diálogo.

“Não tenho coragem de me propor a ser presidente do Brasil para governar sem um amplíssimo diálogo com as forças que me são diferentes. Busco alianças, desde que não sejam para roubalheira e loteamento de governo, mas, sim, à base de um plano de governo qualificado”, disse em entrevista a Folha.

Recentemente, partidos como o DEM presidido pelo ex-prefeito de Salvador, ACM Neto, e o PSD comandado pelo ex-ministro de Dilma e Temer, Gilberto Kassab, aprofundaram o diálogo com o PDT.

Nas eleições de 2020, os três partidos fizeram alianças e saíram vitoriosos em Salvador, Aracaju, Fortaleza e Natal (juntamente com o PSDB).

Para 2022, as alianças podem se repetir nas eleições para governador em Minas Gerais e Bahia, onde o PDT poderá ocupar a vice. Como cabeça de chapa, o partido pretende lançar candidatura em São Paulo, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Paraná, Ceará e Rio Grande do Norte.

Para deixar claro seu posicionamento na oposição, Ciro reiterou que não deixou de conversar com lideranças do PT que não estão sob alçada do ex-presidente Lula como o ex-governador do Rio Grande do Sul, Tarso Genro, o governador do Ceará, Camilo Santana, e o senador Jaques Wagner (BA).

“Converso muito com os petistas. Lá dentro, tem um grupo que acha que o Lula, com sua loucura e caudilhismo, está passando de qualquer limite. Faz as coisas sem consultar ninguém, joga só, é o Pelé”

Sobre a disputa em 2022, Ciro afirmou que Bolsonaro tem grandes chances de sair derrotado na disputa de 2° turno em 2022.

Porém, o pedetista ressaltou que essas chances diminuem drasticamente se o adversário do presidente for um candidato do PT e por isso vem dialogando com outras forças políticas para chegar ao segundo turno.

“Nesse quadro de hiperfragmentação, quem for contra o Bolsonaro no segundo turno tem tendência de ganhar a eleição. O menos capaz disso é o PT. Por isso, a minha tarefa é necessariamente derrotar o PT no primeiro turno”

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

49 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Patrice L

01 de março de 2021 às 01h27

Cafezinho fundou o Paris Café pro Ciro nem precisar mais gastar viagem pra lá

Responder

Stalingrado

28 de fevereiro de 2021 às 23h32

Qual é mesmo o partido político de Ssiru12%?

Responder

Stalingrado

28 de fevereiro de 2021 às 23h28

Ssiru12% quer ser o candidato da direita, mas não vai conseguir, nem o chefe dele, Tasso Jeirissati irá apoia-lo. O PT elegerá o próximo presidente da República.

Responder

EdsonLuiz.

28 de fevereiro de 2021 às 13h54

No Brasil, no 1º turno temos informalmente duas eleições: os ~30% de eleitores que escolhem candidatos à direita definem um nome à direita para disputar o 2º turno e os ~30% de eleitores que escolhem candidatos à esquerda definem um nome à esquerda para disputar o 2º turno.

Para aumentar suas chances, cada candidato – seja candidato com perfil à direita, seja candidato com perfil à esquerda – faz apelo aos ~40 de eleitores que escolhem candidatos sem levar em consideração o sabor ideológico. Para isso, modulam o discurso e buscam apoio de Partidos e atores políticos não ideológicos.

Ciro Gomes, nas eleições de 2018, se lançou candidato sem apoio de qualquer grupo à esquerda e com o apoio de um único partido não ideológico totalmente irrelavante. O único apoio relevante com que contava, o PSB, lhe foi retirado em uma movimentação de Lula e do PT não esperada: Marília Arraes, do PT, era apontada nas pesquisas de 2018 como governadora virtualmente eleita de Pernambuco, mas o PT, em uma violência partidária contra sua própria candidata e contra parceiros leais e antigos, que eram Ciro Gomes e o PDT, obrigou a virtual governadora Marília a retirar sua candidatura e em troca o PT ganhou a neutralidade do PSB na campanha. O PT, com essa violência, ferrou com Marília e, mais ainda, ferrou com Ciro Gomes, retirando no último minuto o único apoio relevante com que Ciro contava e cuja confirmação poderia atrair muito mais apoios. A candidatura de Ciro Gomes à presidência em 2018 foi sepultada ali, naquela violência praticada pelo PT contra ele. Eu imagino como Ciro precisou respirar fundo e se arrastar para manter em 2018 uma campanha já inviabilizada, mas da qual ele não podia mais recuar pelos compromissos com o seu Partido e com os candidatos do PDT a governador, senador e deputado.

Agora, para a campanha de 2018, Ciro Gomes se precavê ampliando o leque de apoios e seguindo a lógica de campanha de 1º turno no Brasil, que é o eleitor filtrar o candidato à esquerda e o candidato à direita que levará para o 2º turno. Se no 1º turno a campanha é um filtro no lado do espectro, Ciro é de esquerda e tem que definir na esquerda seu adversário nesse turno. É assim que o PT faz, é assim que todos fazem.

Mas observemos que Ciro Gomes não está propondo troca-troca. Não está negociando roubos e espaços de corrupção. E como Ciro é Ciro, já está avisando isso desde logo. O que Ciro está propondo é todos se juntarem para elaborar um Programa de Governo em conjunto, com ele, Ciro, como candidato.

Assim, Ciro Gomes define, acertadamente, que seu adversário de 1º turno é o PT e outros no lado esquerdo do espectro político, e definindo bolsonaro como adversário sem tréguas de todos os democratas, não importando se democratas de direita ou de esquerda.

Eu preferiria a composição primeiro de uma frente e de um programa, e depois a escolha de um candidato. Desse modo como se movimenta, Ciro Gomes faz fato consumado da própria candidatura. Por outro lado, eu admito que Ciro se movimenta de uma forma coerente e sem covardias, que é como o PT faz, como fez com Marina Silva (e essa foi covardia bem torpe, se lembram? Inimaginável! E a covardia contou com a cumplicidade de Fernando Haddad) e foi covarde também com o próprio Ciro.

Responder

    Ricardo JC

    01 de março de 2021 às 16h59

    Tenho que rir do seu texto. Me perdoe. Não existe isso de fazer programa “se” eu for um candidato. Até você percebe a tolice que isso representa em um país com o quadro partidário (e ideológico) fragmentado como o nosso. Por que isso não foi proposto antes das eleições de 2018 (se disser que foi, está mentindo…e sabe disso)? Ciro sempre apostou que o PT estava acabado e que isso ficaria provado na eleição de 2018. Pois ele quebrou a cara, pois mesmo com uma campanha curta, sob intensos ataques de todos os lados, o PT fez 47 milhões de votos em 2018 e ainda a maior bancada da Câmara Federal. Veja que não advogo pela candidatura do PT como a melhor estratégia, mas entendo perfeitamente o direito que o partido adquiriu, ao longo dos anos, de se colocar como opção. E a verdade é que ninguém à esquerda se elegerá se não contar com o apoio do PT. Até Ciro, se chegar ao segundo turno, somente se elegerá com os votos do PT. Pena que do jeito que vai, ele não vai tê-los. Prefere adular Rodrigo Maia (que o diga O Cafezinho) e ACM Neto do que pensar em uma estratégia que possa atrair o PT no segundo turno (se for o caso). Vai continuar apostando na derrocada do PT e jamais vai confessar que, na verdade, entre o PT (seja quem for) e Bolsonaro, ele prefere o Bolsonaro!!!

    Responder

      EdsonLuiz.

      02 de março de 2021 às 12h49

      JC,

      O seu, é um comentário de um petista. Eu respeito.
      Senão ficaremos um rindo do outro só porque pensamos algumas coisas diferentes. Mas eu vi também que, individualmente, pensamos no mínimo uma coisa igual.

      E o leitor/eleitor, este pode e tem direito de rir de nós dois.

      Responder

Alexandre Neres

28 de fevereiro de 2021 às 13h26

Ciro estava no segundo turno em Paris.

Ciro usa termos ofensivos como “lulo-petismo”, “caudilho”, tanto ao PT quanto a Leonel Brizola, repercutindo a Vênus Platinada e seu porta-voz Merval Pereira. Ciro repete os ataques da direita, como os que faziam de antanho aos comunistas.

Ciro quer recriar o centro imaginário que não existe mais no mundo real, novamente como a Globo. A centro-esquerda de Ciro contém o carlismo do DEM e Kassab do PSD, justo ele que fala tanto em corrupção como todo conservador que se preze. Nem com ACM Neto flertando com Bolsonero desistiu da aliança, sendo sério candidato a corno. A bem da verdade, Ciro quer refundar o PDS, partido do qual saíram todos os possíveis componentes da chapa.

Por óbvio, Leonel Brizola não é citado nem guarda qualquer relação com o neotrabalhismo. O PDT vai seguindo o mesmo caminho fisiológico e neoliberal do PTB.

Enfim, um ano antes das eleições, recaindo na mesma esparrela, Ciro anuncia nova ida a Paris.

Responder

Miramar

28 de fevereiro de 2021 às 13h17

“Qual a expressão mundial do Ciro?” Pergunte a UNICEF. E ao Noam Chomsky.

Responder

    Miramar

    28 de fevereiro de 2021 às 13h18

    Essa é uma resposta para a comentarista Iolanda.

    Responder

Miramar

28 de fevereiro de 2021 às 13h12

A equação é simples: independente da opção eleitoral, com exceção da ralé bolsonarista e da ralé petista, ninguém nesse país odeia Ciro Gomes( ainda que seja temido pelos Magnatas da Banca, o que todo mundo sabe com exceção dos pancadas militantes da “izquerda verdadera”). Já o PT é odiado por todos os seus não eleitores. De todas as ideologias.

Responder

Marco Farias

28 de fevereiro de 2021 às 13h02

Paris é uma festa.

Responder

Francisco*

28 de fevereiro de 2021 às 13h01

“CIRO E O PDT NÃO SÃO TRABALHISTAS, BRIZOLISTAS”

Quem explica isso é o brizolista e pedetista histórico, Vivaldo Barbosa, ex-Deputado federal constituinte, Secretário de Justiça do Brizola e Professor de Direito da UniRio, no artigo:

“Há método na loucura de Ciro, que passa por afastar Lula de 2022″, .

Ciro Gomes voltou a destilar seu ódio contra o PT e as demais forças populares em entrevista à Folha e revelou seu jogo político e ideológico.

Ciro revelou o seu papel, o que disse ser sua tarefa: tirar Lula e o PT do segundo turno e todas demais forças populares para ficar somente ele, o DEM e o PSD-Kassab contra Bolsonaro no segundo turno.

É lógico: todos da ARENA antiga, apoiadores do regime militar. ACM, Kassab, Ciro e Bolsonaro eram da ARENA, que depois passou a se chamar PDS, depois PFL e PP, depois DEM, PP, PSD, tudo chocado no mesmo ninho.

Ciro surge no ambiente politico das oligarquias e de gente endinheirada no Ceará, comandadas por Tasso Jereissati.

Agora, por traição à história e a Brizola, jogam o PDT no colo da direita, do conservadorismo.

Além disso, como Ministro da Fazenda de Itamar, implantou políticas neoliberais: Ciro baixou as tarifas de importação de diversos produtos, acelerando a desindustrialização do país, que deixou industrialistas estarrecidos.

(…) Brizola apoiou Ciro em 2002, é fato. Mas se desencantou no final, saiu da campanha, abandonou, inclusive, a campanha própria de Senador.
Nunca mais se viram, nem se falaram.
A não ser no dia em que Lula anunciou seu Ministério: os dois se cumprimentaram.
Lula havia chamado Brizola para troca final de ideias sobre o Ministério.

Não soa uma frase, um pensamento que lembre o trabalhismo e o pensamento fértil de Brizola.
No PDT, idem: não há mais nada de Brizola.
Nenhuma ideia do trabalhismo e de Brizola é lembrada.
(…) Virou um partido fisiológico, no caminho que seguiu o PTB.

Ciro falar que trabalha união de centro-esquerda com ACM Neto/DEM e Kassab soa tão estranho quanto suas falas em economia.
Como é possível qualificar de centro-esquerda essa gente neoliberal e fisiológica?

Sobre papel do Estado, mercado e desenvolvimento continua a mesma falta de definição e frases evasivas.
Nenhuma palavra sobre os direitos do povo brasileiro.
Nem sobre o domínio das nossas riquezas ou sobre nossa soberania.
Tudo o que marcou a trajetória do trabalhismo.

Ciro parece fugir do trabalhismo como o outro foge da cruz.
Ciro repete sempre lulo-petismo como xingamento.
Refere-se a Lula como “loucura e caudilhismo”.
Repete os ataques da direita, do conservadorismo, como se fazia antigamente com os comunistas.

E o faz às vésperas da possibilidade de devolver os direitos políticos de Lula, fazendo-se justiça com sua absolvição.
Uma luta que está envolvendo até gente no exterior.
Isto não é à toa, não é inocente.

Há método nessa loucura, como dizia Shakespeare.”

Responder

Carlos Jose

28 de fevereiro de 2021 às 12h10

Não voto em Ciro, e o segundo turno vai ser Bolsonaro X PT.

Responder

Ernesto E. Minguei

28 de fevereiro de 2021 às 12h00

Da série, “Paris não é uma Festa”:

‘E o incapaz, por atacar incessantemente o PT e Lula, desvairadamente, é o monsieur 12%.’

Responder

sidneig

28 de fevereiro de 2021 às 11h30

O primeiro paragrafo é o cúmulo da bajulação! O que o Cafezinho se tornou?…cadê os ciristas que criticavam aliança do PT com PMDB? A ideia é ressuscitar a velha ARENA, e o Cafezinho bajulando e apoiando.

Responder

James

28 de fevereiro de 2021 às 10h58

JAMES: “O MENOS CAPAZ DE GANHAR UM VOTO PETISTA É O CIRO!!!”

Responder

João Santana

28 de fevereiro de 2021 às 10h31

Sabem quando o Ciro chegará à Presidência da República? Jamé. É muito egoísta, não aceita o verdadeiro debate, tem apenas um projeto pessoal e não para o Brasil. Amadureça Ciro! Se não, vai morrer querendo.

Responder

José de Souza

28 de fevereiro de 2021 às 10h14

Ciro, ao contrário do que muitos dizem, tem sido coerente. Não há nenhuma surpresa no que ele disse. Faltando um ano e meio para a largada da sucessão presidencial, é hora de abrir o jogo. O subtexto dele é claro. Mesmo com o desastre do Bozo, a elite não aceita o PT de volta, que segue interditado. Já ele pode ser um nome palatável pra derrotar o Bozo. Assim tenta convencer parte do eleitorado petista. Por outro lado, manda um recado pra Mandetta, Huck e Doria: vocês não ganham o voto da centro esquerda, eu posso ganhar. Se insistirem nas candidaturas, o PT vai ao segundo turno e vocês terão que apoiar a reeleição do Bozo. Tem lógica. Não sou eleitor dele, mas sempre o considerei um democrata, nacionalista, social-liberal e um governante preparado. Minha rejeição é pelo projeto personalista e pessoal em demasia, o que não me inspira confiança. O rugido para os bancos e elites, uma vez no governo pode virar um miado. Mas é um nome no tabuleiro, sem dúvida.
Bozo e PT, cada um, teriam supostamente um mínimo de 25% dos votos na largada. Não será fácil pro Ciro quebrar essa realidade. Segue o jogo. Fez o lance correto a esta altura da partida. Mas tem muita água pra rolar ainda.

Responder

    EdsonLuiz.

    28 de fevereiro de 2021 às 22h56

    José de Souza,

    Eu achei a sua análise perfeita! E precisa!

    Responder

Ivan

28 de fevereiro de 2021 às 10h03

Ciro falou o óbvio.

Quem não é petista dificilmente vai votar em Lula/Haddad.

Quem é de direita votará maciçamente em Bolsonaro numa eventual disputa com o PT, assim como aconteceu em 2018.

O PT espera ganhar o segundo turno com os votos de quem mais além dos seus? Dos eleitores do PSOL e PC do B??

Pensem…

Responder

    Batista

    28 de fevereiro de 2021 às 12h37

    Então pensemos:
    2002 – PT
    2006 – PT
    2010 – PT
    2014 – PT

    2015/2016 – Golpe ‘Honduro-Paraguaio com Michel ‘Tem que manter isso, viu?’ Temer.

    2018 – Bolsonaro (ninguém lembra mais do partido): Com ‘lava jato’, a ‘maior Currupição’ da história da humanidade no JN da Globo, por 5 anos, incessantemente, Haddad/ Manuela candidatos a menos de um mês do 1º turno, substituindo Lula preso e impedido de ser candidato e derrota no 2º turno por 5% de votos válidos, graças aos omissos que preferiram um protofascista a um professor social-democrata.

    2022 – ????: Com ‘vaza jato’ nas tubulações lavajateiras em Curitiba e no PROJAC Marinho, a tragédia Bolsonaro não mais anunciada como em 18, mas escancarada e Haddad(Lula)/Magalu na campanha desde o início.
    Pensou?

    Responder

      Batata

      28 de fevereiro de 2021 às 21h53

      Suas tentativas de passar pano no PT, Batista, chegam a ser cômicas.
      Tipo aquele torcedor que vive contando vantagem mas cujo time não ganha nada de relevante a mto tempo.

      Responder

    Sebastião

    28 de fevereiro de 2021 às 13h40

    O PT ganhou quatro eleições como? Essa pergunta cabe a Ciro. Ele quer ganhar de Bolsonaro com os votos de quem? Porque ele sabe, que nem pro segundo turno vai, e busca a qualquer custo isolar o PT. Pra que este desista da candidatura. Só que, justamente pela covardia e projeto de poder dele – que ironicamente ele diz que é o PT, este partido não vai abrir mão da candidatura. O legado de Lula, dar uma margem, que coloca o PT no segundo turno. Então… Que Ciro baixe a guarda e seja mais humilde. Ainda tem o fator suspeição de Moro, que aumentará mais ainda a margem positiva do PT.

    Responder

      Ricardo JC

      01 de março de 2021 às 16h51

      Vou um pouco nesta linha sua, mas acho que sou bem mais duro que você, no que diz respeito ao Ciro. O que ele está fazendo é criando as condições para ir para Paris, de novo, no segundo turno. Seria honesto e coerente (como muitos comentaristas aqui gostam de pregar) se falasse a verdade e dissesse que entre o PT e Bolsonaro ele prefere o Bolsonaro!!!

      Responder

carlos

28 de fevereiro de 2021 às 09h42

O projeto do Ciro é a vaidade pessoal dele e da família depois os amigos como falaram aí o último Tango em Paris.

Responder

    Miramar

    28 de fevereiro de 2021 às 13h14

    O livro Projeto Nacional: O Dever da Esperança continua contínua a venda nas melhores livrarias.

    Responder

Dhaise Maria

28 de fevereiro de 2021 às 08h57

Ciro Gomes, lors de la dernière élection ici à Paris, a laissé le débat électoral plus enrichi. Nous espérons que vous reviendrez, car nous, Parisiens, apprécions votre participation. PARIS EST INOUBLIABLE.

Responder

marco

28 de fevereiro de 2021 às 08h23

Pt , nem com reza brava!

Responder

    Batista

    28 de fevereiro de 2021 às 13h20

    Assim reza a classe dominante, desassossegada desde 12 de maio de 1978, substituindo o sujeito da reza, Lula, para PT, desde 10 de fevereiro de 1980, agora ainda mais desassossegada, ensanduichada que está entre o PT e a extrema direita, do imaginado ‘terceirizado’ no segundo turno de 2018, apenas para derrotar Haddad do PT.

    Responder

Apropinquante

28 de fevereiro de 2021 às 07h16

Se o Ciro quisesse superar o PT, o PDT teria lançado chapa em todos os sindicatos de professores do Brasil em 2019. Mas ele entrou no coro de falar mal do Bolsonaro e esqueceu do projeto de desenvolvimento. Tanto o Haddad, quanto o Bolsonaro podem copiar algumas ideias do Ciro e chegar facilmente ao segundo turno. O Lula não está nem aí ele quer se vingar do Moro e da Globo e para isso tanto faz Haddad ou Bolsonaro.

Responder

Stalingrado

27 de fevereiro de 2021 às 23h33

Ssiru sendo Ssiru, estranho que OCafezinho ainda caia no conto do garoto de Tasso Jeirissati. O mote é o do Golpe de 2016, “Tudo, menos o PT”.

Responder

Aluisio Pessoa

27 de fevereiro de 2021 às 23h25

No papel de antipetista, Ciro pretende tirar votos do Bolsonaro? Com esse discurso não conseguirá votos na esquerda e tampouco da direita liberal que terá seus próprios candidatos. Assim como Moro e Dallagnol (já no ostracismo, o ex-governador terá espaço na mídia tradicional tão somente enquanto continuar tentando prejudicar o PT.

Responder

Alan C

27 de fevereiro de 2021 às 22h15

Já disse e repito:

ONDE ESTARÁ O PT, A DERROTA TB ESTARÁ.

Responder

James

27 de fevereiro de 2021 às 22h06

Não seria melhor o Ciro tentar tirar o Bolsonaro do que o PT do segundo turno?
Esse traste, que só sabe bater no Lula e no PT, não vai ter nem 10% no primeiro turno! E se, por milagre, passar para o segundo turno, não vai poder contar com o voto dos petistas com vergonha na cara, que certamente vão ter um compromisso inadiável em Paris.

Responder

    Miramar

    28 de fevereiro de 2021 às 13h21

    Existe petista com vergonha na cara?

    Responder

      James

      28 de fevereiro de 2021 às 22h19

      Quase todo petista tem vergonha na cara, Miramar. O que é difícil de encontrar é cirista. kkkkk

      Responder

CARLOS SANTOS

27 de fevereiro de 2021 às 21h40

Ciro e Bolsonaro são duas pessoas interrompidas!

Responder

dcruz

27 de fevereiro de 2021 às 20h35

Nas entrelinha o Ciro, sambinha de uma nota só, deixa claro que faz qualquer negócio com qualquer partido, direita, centro o escambau para ser presidente da república. Depois, se perder sempre haverá o chororô em Paris. Claro, sempre culpando os outros até infindáveis próximas eleições.

Responder

    Oblivion

    27 de fevereiro de 2021 às 21h33

    Engraçado, com exceção do dem, todos os partidos de direita e centro que o ciro conversa fizeram parte dos governos lula/dilma. Aliás, nao foi o kassab q foi ministro dos governos petistas? É trágico pra toda humanidade um desgoverno patético como o q temos agora, porém, o brasileiro merece… Quando nao sao fanáticos (ptistas e bolsonaristas) sao direitistas q acreditam na velha balela de meritrocracia, estado mínimo, etc…
    De todos, os ptistas fanáticos é o mais burro, q parece sofrer de amnésia.

    Responder

      Alan C

      28 de fevereiro de 2021 às 10h41

      Dilma defendendo com unhas e dentes Eduardo Cunha contra um ministro escolhido por ela…

      É ser muito capacho, muito vendido.

      PT nunca mais.

      Responder

Batista

27 de fevereiro de 2021 às 19h32

Crônica de uma Morte 12% Anunciada: ‘De volta a Paris’.

O maior inimigo de Narciro permanece sendo Narciro.

Responder

    carlos

    28 de fevereiro de 2021 às 09h45

    Esse ano eu acho com certeza, vou baixar de 12%.

    Responder

silvio

27 de fevereiro de 2021 às 18h06

Ciro Gomes, do alto dos seu 13% ainda crê numa aliança com a esquerda, sem conversas com Lula. Esses ataques não ajudarão a consolidar nada. Aliança com DEM? DEm é centro?

Responder

Sigma7

27 de fevereiro de 2021 às 17h46

O que Ciro não deve é exagerar na dose crítica e saber ir traçando sua própria trajetória. Também não deveria se preocupar exageradamente com alianças de primeiro turno, tendo sempre em mente as redes sociais para se comunicar, e apostando mais em apoio no segundo turno.

Responder

alteclinio martins

27 de fevereiro de 2021 às 17h40

Miguel gostaria de ler sua avaliação das últimas diatribes de Ciro Gomes.

Responder

alteclinio martins

27 de fevereiro de 2021 às 17h38

Quando é que o Ciro vai assumir o que nunca deixou de ser? De direita braba.

Responder

Jaime

27 de fevereiro de 2021 às 17h37

Finalmente ele disse uma coisa certa!

Responder

iolanda

27 de fevereiro de 2021 às 17h26

*estão
*acreditar

Responder

Iolanda

27 de fevereiro de 2021 às 17h24

O jornalista Fernando Brito, que foi assessor do Brizola, escreveu um artigo interessante e esclarecedor sobre a entrevista de Ciro, que conclui que Ciro anuncia sua ida a Paris com dois anos de antecedência. Segundo F. Brito, os erros do Ciro está em supor que Bolsonaro é um mal menor que os petistas, praticar um movimento político obtuso, lançar sobre Lula o que na verdade pratica, o projeto exclusivamente pessoal, se aproximar do carlismo e do PSD e, acredita, ser o melhor nome para enfrentar o governante atual (qual a expressão mundial do Ciro, fora de Paris, por exemplo?), Ele disse que primeiro precisa bater o PT no primeiro turno, todavia na eleição passada não conseguiu passar do Haddad. Entretanto, reconhece o F. Brito que ele tem direito a pleitear tudo que falou.

Responder

Deixe uma resposta