Paris Café: O que esperar da classe média para 2022?

Leo Lupi: Sobre frentes, diálogos e eleições

Por Redação

08 de abril de 2021 : 08h19

Por Leo Lupi

Reduzir o processo político às eleições é um dos grandes erros que ajudou a levar o Brasil à mediocridade atual.

É importante lembrar que a construção da redemocratização uniu Brizola, Ulysses Guimarães, Tancredo, Miguel Arraes, Teotônio Vilela, Mário Covas, Franco Montoro, Lula, FHC. Políticos de ideologias diversas ou até mesmo inconciliáveis, mas que promoveram a conciliação no processo político que envolve Anistia, Diretas, Constituinte.

Na primeira eleição pós-ditadura, em 1989, não formaram uma única chapa. Foram, aliás, muitas chapas. Todo o processo político anterior foi muito mais pujante e mobilizador do que a própria eleição.

Não quero fazer um texto falando de nomes específicos para a eleição de 2022. É claro que toda eleição é de extrema importância, e essa ainda mais. Mas política não é só eleição. O Brasil vive hoje um momento tão ou mais complexo que a ditadura, e reduzir o enfrentamento às eleições parece algo pequeno.

Afinal, até hoje não conseguimos (por diversas razões) produzir uma mobilização em torno de um impeachment. Uma parcela ainda razoável da população enxerga este governo de forma positiva. Temos um longo caminho pela frente no desafio de construir uma agenda minimamente comum no Brasil – como foi na redemocratização.

As eleições são ano que vem, os partidos estão fazendo suas articulações, cada candidato busca posicionar suas peças de forma a conseguir o espaço que julga pertinente.

Tirar o genocida do poder é imprescindível!

Mas a crise que o Brasil vive não começou com Bolsonaro, e não terminará com sua saída. O buraco é mais embaixo, e vai além de coligações partidárias e processos eleitorais.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

08 de abril de 2021 às 18h07

A crise que o país atravessa é culpa da maioria puramente fisiológica dos políticos brasileiros e da falta de lideranças que possam contê-los. Mesmo a esquerda, sempre crítica das más práticas políticas, como a corrupção, ao assumir o Poder fez pior…Bolsonaro, que a muitos parecia o redentor, a partir das investigações sobre seus filhos caiu no colo da velha política e traiu seu eleitorado (não que ele representasse algo diferente, mas pareceu a muitos…)

Responder

Alexandre Neres

08 de abril de 2021 às 12h32

Leo Lupi? O que é isso? O PDT virou capitania hereditária? Tá parecendo outra famiglia que eu conheço…

Responder

Deixe uma resposta