PARIS CAFÉ: Lula volta ao jogo e polariza com Bolsonaro. Quais os novos desafios?

Kakay responde ao ataque de Merval Pereira

Por Redação

11 de abril de 2021 : 15h30

O advogado criminalista Antônio Carlos de Almeida, o Kakay, respondeu ao ataque feito pelo jornalista Merval Pereira ao Grupo Prerrogativas que é formado por advogados e juristas críticos a Operação Lava Jato como Marco Aurélio de Carvalho e Lenio Luiz Streck.

Na sua coluna no O Globo, Merval afirmou que os profissionais do grupo estavam agindo como “proprietários da verdade jurídica” ao criticarem “com rispidez a uma entrevista que Fachin deu à revista Veja” onde o ministro declarou que “o caso ainda não terminou”, referindo-se ao julgamento no Plenário do STF nesta quarta-feira, 14, sobre sua decisão de enviar os processos contra o ex-presidente Lula a Justiça Federal em Brasília.

De acordo com o jornalista, o Grupo Prerrogativas entendeu que Fachin anunciou “uma manobra com objetivos políticos” e atacou os advogados e juristas.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luís MACHADO

14 de abril de 2021 às 22h20

respondeu de bermuda nos corredores do stf

Responder

Gil

14 de abril de 2021 às 17h32

Sabe o que significa 1.000 advogados acorrentados no fundo do mar? Um bom começo…!

Responder

Ricardo

14 de abril de 2021 às 15h01

Às únicas pessoas que irão acreditar em vc mesmo estando errado é sua mãe e o Kakai!👍👍👍🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣🤣

Responder

Jorge Ben Hur Franco

14 de abril de 2021 às 08h47

Este senhor usa o texto constitucional como ingrediente de suas elucubrações jurídicas. Aliás, suas preferências ao defender corruptos contumazes já o definem muito bem, ou seja, está a serviço da impunidade legalizada. É um exemplo negativo e um cancro para a democracia!

Responder

Renato

13 de abril de 2021 às 16h40

Se for em cana , será que o pobretão Miguel do Rosário acha que será defendido por Kakay…o advogado de 9 entre 10 endinheirados corruptos ?

Responder

Alexandre Neres

11 de abril de 2021 às 21h11

Segundo Merval, que faz terrorismo jornalístico, Fachin teria abraçado a tese da incompetência de Curitiba por esperteza, para causar prejuízo menor a Moro e a Lava Jato por causa da suspeição. Só que agora ele iria votar contra a incompetência por não ser o que ele pensa, isto é, o paranaense teria agido estrategicamente para beneficiar Moro, mas agora iria recuar. Esse agir não é compatível com o de um magistrado, advogados agem estrategicamente, mas para um juiz isso seria antiético. Fachin ao decidir monocraticamente pela incompetência, não poderia sequer levar para outra instância. Mais, ele não pode escolher para onde levar porque ele não é dono do processo. Segundo o regimento do STF, o órgão apropriado para julgar o recurso da incompetência seria a Segunda Turma. O membro da República do Paraná não é o juiz natural do caso vertente, só foi para a Segunda Turma porque pediu depois da morte do Teori, com o tempo revelou quem era e pôs as manguinhas de fora. Fachin diversas vezes atropelou instâncias, levou o julgamento para outras instâncias quando via que iria perder um julgamento, tentou proteger Moro da suspeição via julgamento da incompetência seis anos depois do pedido do advogado de Lula, foi quando se deu conta disso o rubinho barrichello. A suspeição precede a incompetência, quanto mais nesse caso que foi um ardil adotado por um chicaneiro. Aha uhu!

Responder

Paulo

11 de abril de 2021 às 17h02

“Se precisar, será certamente a um advogado que você vai se socorrer (sic)”. Claro, há uma reserva de mercado, pra esses profissionais, no Brasil. É por isso que 80% deles conseguem sobreviver. Mas o que ele disse, juridicamente falando? Nada, um vazio absoluto…

Responder

    Andre Puente Menasche

    15 de abril de 2021 às 14h22

    No meu entender, salvo um ou outro caso, não se trata de reserva de mercado. A prática de todas aquelas profissões que dependem de formação específica, não está aberta a leigos ou a professionals formados em outros países (salvo com os devidos procedimentos de reconhecimento) o que me parece normal. Imagina leigos ou médicos formados em Burkina Faso clinicando ou operando vc ou um ente querido seu. Ou vc morando em um edifício calculado por um pseudo engenheiro, Na advocacia ocorre a mesma coisa, ainda com um sistema de controle adicional que é o funil do exame de ordem. Trata-se uma mínima garantia da sociedade.

    Responder

Deixe uma resposta