PARIS CAFÉ: Lula volta ao jogo e polariza com Bolsonaro. Quais os novos desafios?

O novo “consenso de Washington” que a mídia brasileira tenta esconder

Por Redação

12 de abril de 2021 : 15h54

Enquanto a grande mídia brasileira se encontra interditada com a defesa sem questionamentos do arrocho fiscal e do teto de gastos, economistas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial vem propondo um conjunto de novas ideias, ou um novo “consenso de Washington”, que já vem sendo postas em prática em países desenvolvidos há algum tempo, e que agora, com a pandemia, se tornaram ainda mais prestigiadas.

A nova filosofia econômica é exatamente o oposto aos dogmas defendidos nos anos 1980 e 1990, quando o Brasil adotou as severas práticas neoliberais ainda no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), e as quais os governos petistas de Lula e Dilma Rousseff deram continuidade.

Naquela época, o consenso de Washington pregava com radicalidade que os déficits eram ruins para o crescimento – por isso a defesa exacerbada do arrocho fiscal -, que os trabalhadores deveriam pagar por serviços básicos como saúde, que o Estado deveria se manter o mais distante possível dos negócios e do planejamento econômico. Foram os tempos do “Estado mínimo”.

No Brasil, isso se refletiu no sucateamento do SUS, na manutenção de juros estratosféricos, no congelamento dos investimentos públicos, e na ausência de um projeto estratégico orientado para o desenvolvimento de novas tecnologias.

O teto de gastos, aprovado no governo Michel Temer e levado a risca pela “gestão” Bolsonaro, veio para piorar nossa situação.

Os desafios gerados pela pandemia, contudo, estão varrendo velhos dogmas. Na Inglaterra, o governo decidiu criar um banco inteiramente estatal para financiar obras públicas e gerar empregos. Nos Estados Unidos, o novo governo Biden deu início a um grande pacote de investimentos públicos, com ênfase na geração de empregos e na modernização da economia.

Há um esforço concentrado das economias avançadas para financiar a produção e distribuição de vacinas. Na última publicação do seu Fiscal Monitor, o FMI estima que controlar a pandemia no mundo pode render “mais de US $ 1 trilhão em receitas fiscais adicionais às economias avançadas, até 2025”.

FMI e Banco Mundial agora defendem o investimento maciço em educação, para recuperar o tempo perdido com as escolas fechadas na pandemia, e para ajustar os trabalhadores às mudanças radicais no mundo do trabalho. Isso exigirá a presença maciça do Estado, defendem agora os economistas ligados a essas instituições financeiras.

Nos EUA, epicentro do capitalismo mundial, temos o exemplo mais fiel no que diz respeito ao novo consenso de Washington. Recentemente, o presidente Joe Biden (Democratas) anunciou um pacote de investimentos públicos da ordem de US$1,9 trilhão. A medida foi elogiada pelo FMI.

Com a iniciativa, que supera em magnitude o New Deal de Roosevelt, Biden e diversos analistas esperam que o país consiga elevar sua renda nacional a um patamar maior que o previsto antes da pandemia.

A medida também deixa um recado importante: se o governo de um país reduzir investimentos, a nação estará suscetível a consequências que vão reduzir o potencial produtivo no longo prazo. Em outras palavras, o país estará condenando a a si mesmo ao atraso.

Apesar da defesa de investimentos públicos, o FMI continua louvando a prudência, mas desta vez com outra pegada. Nas reuniões da cúpula do fundo com a do Banco Mundial, falou-se em “contribuições de recuperação” o que nada mais é do que sobretaxas temporárias de cidadãos ricos e nos lucros corporativos.

O mote dessas contribuições é a crescente preocupação com a desigualdade e o abismo social causado por esse fenômeno. Nesta sua nova fase, o FMI destaca o desafio de “administrar ritmos divergentes de recuperação” entre países e entre grupos regionais após a pandemia, e como ajustar o “novo normal” ao processo de recuperação econômica.

No caso do Brasil, o grande desafio será vencer as resistências retrógradas do pensamento econômico nacional, hoje ancorado em ideias que se tornaram obsoletas nas mesmas escolas e centros que esse pensamento sempre usou como referência.

A solidão do neoliberal brasileiro nunca foi tão completa.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

marlon

13 de abril de 2021 às 10h15

No entanto estamos fadados aos fracasso com essa gestão federal. Melhor jair se acostumando.

Responder

putin

12 de abril de 2021 às 19h18

pau dos alemaes na familia addams, kkkk

https://revistaforum.com.br/noticias/tv-publica-alema-destaca-relacao-da-familia-bolsonaro-com-as-milicias/

Responder

Vinicius

12 de abril de 2021 às 19h04

Avaliem um texto com referências. Especialmente este que ficou bem construído.
Tema quente e super oportuno.
Parabéns!

Responder

Paulo

12 de abril de 2021 às 18h24

Pois é. Mas essa solidão se faz acompanhar de boa parte dos banqueiros, empresários e da grande mídia. Por isso é tão difícil combatê-la. Enquanto isso, vão rifando o patrimônio público construído a duras custas pelo povo brasileiro, ao longo de décadas ou até séculos, como é o caso do Banco do Brasil…Patrimônio esse que nos ajudou a ter aquela confiança no futuro do país, que hoje já não tem a mesma força. Não porque fôssemos estatistas ou comunistas, mas porque éramos e somos brasileiros…

Responder

Deixe uma resposta