Cafezinho & Cinema: conversa com Ducca Rios, diretor de Meu Tio José

Ex-presidentes e líderes políticos lamentam morte de Bruno Covas

Por Redação

16 de maio de 2021 : 15h14

Ao longo deste domingo, 16, os ex-presidentes Fernando Collor, Fernando Henrique Cardoso, Lula, Dilma Rousseff e Michel Temer lamentaram a morte do prefeito de São Paulo, Bruno Covas (PSDB), aos 41 anos. O tucano faleceu na manhã de hoje após travar uma batalha contra um câncer no sistema digestivo e metástase no fígado e nos ossos.

Além dos ex-chefes de estado, também lamentaram a morte de Covas lideranças políticas de diversos matizes ideológicos como o ex-prefeito de Salvador ACM Neto (DEM), o presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), Ciro Gomes (PDT) e Guilherme Boulos (PSOL).

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

16 de maio de 2021 às 16h42

Cadê o inominável?

Desde o início do seu desgoverno, artistas e políticos morreram a rodo e o dito cujo não prestou condolências aos familiares dos falecidos.

Por exemplo, João Gilberto morreu e o silêncio foi sepulcral. João foi um artista importantíssimo para a cultura brasileira e reconhecido mundialmente devido ao seu talento.

Major Olímpio, seu ex-aliado, faleceu e nada.

Coincidentemente, no dia em que se iniciaram os trabalhos da CPI, deu os pêsames para a família do ator Paulo Gustavo. Parece piada de mau gosto. Hipócrita.

Morre o político jovem e promissor para o PSDB, Bruno Covas, prefeito de São Paulo. Cabe às instituições e quem as representa se desincumbir do seu papel, cumprir o que exige a liturgia do cargo.

Mais uma vez um silêncio ensurdecedor emana do Alvorada. A questão é de humanidade, de traquejo, de empatia, de berço e de grandeza política. Tudo que falta ao eventual ocupante do Palácio.

Responder

Deixe uma resposta