Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Arthur Lira, ao centro, celebra vitória na eleição da Câmara.JOÉDSON ALVES / EFE

Com o avanço da CPI e do desgaste de Bolsonaro, PP pode liderar debandada do Centrão

Por Gabriel Barbosa

28 de junho de 2021 : 16h16

Com as últimas revelações feitas a CPI da Pandemia sobre o escândalo na compra da vacina indiana Covaxin e o possível envolvimento do líder do governo Ricardo Barros (PP-PR), será quase impossível que Jair Bolsonaro consiga virar o jogo e escapar do aprofundamento da crise de impopularidade e com a piora de perspectiva do seu governo, mesmo com o ritmo lento da vacinação e o ensaio de um aumento no valor do Bolsa Família, nada disso pode fazer melhorar sua imagem.

Entre os líderes do Centrão, que atualmente dão as cartas no governo e ocupam cargos em boa parte dos ministérios, a avaliação é que a situação de Bolsonaro continuará em declínio com o avanço das investigações da CPI. Entre os senadores, já existe a possibilidade e assinaturas para estender a comissão por mais 90 dias. O prazo inicial de encerramento é dia 27 de julho.

Com esse processo de derretimento de Bolsonaro, um dos partidos que pode sinalizar para os outras legendas do Centrão e liderar a debandada do grupo é o Progressistas.

O partido que é presidido nacionalmente pelo senador Ciro Nogueira (PI) saiu do baixo clero durante o primeiro ano do governo Bolsonaro (2019) para ser o principal partido de sustentação do Planalto em 2020, tendo como o auge a vitória de Arthur Lira (PP-AL) para a presidência da Câmara.

Mas o desembarque do bolsonarismo não significa necessariamente abandonar o governo. Uma das saídas que podem ser encontradas pelo grupo, como questão de sobrevivência e para tentar passar a borracha em Bolsonaro, é negociar sua entrada num possível governo tampão do vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB).

Em 2016, antes de votarem em massa pelo impeachment de Dilma Rousseff (PT), os líderes dos partidos do Centrão articularam e se acertaram com Michel Temer (MDB) para continuarem ocupando cargos e controlando ministérios. Após a saída da petista, houve um redesenho no governo, mas o pilar de sustentação continuava sendo esses partidos.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

João

28 de junho de 2021 às 21h19

Se a ideia é que em 2022 nem Mula nem Bozo vençam, eliminando Bozo agora fica mais fácil ganhar do Mula lá na frente.

Responder

Alan C

28 de junho de 2021 às 20h00

O PT aceita.

Responder

Jahel Costa

28 de junho de 2021 às 16h53

Se Mourão fosse um Temer, Bolsonaro já estaria no chão.

Responder

Deixe um comentário