Cafezinho das 3: por que as manifestações de domingo floparam?

Galo, jovem liderança de trabalhadores informais, é preso pela polícia paulista

Por Redação

29 de julho de 2021 : 08h36

Nesta quarta-feira, 28, o líder dos trabalhadores informais, Paulo ‘Galo’ Lima, foi preso por assumir a autoria do incêndio na estátua de Borba Gato nas manifestações do último sábado, 24, em São Paulo (SP).

Galo se diz representante do grupo chamado Revolução Periférica que assumiu a autoria do incêndio. Em vídeo compartilhado nas redes sociais, um grupo aparece subindo no Borba Gato com pneus que foram queimados na sequência.

Paulo prestou depoimento a Polícia Civil de São Paulo e mandados de prisão foram emitidos contra ele e sua esposa. Mandados de busca e apreensão também foram emitidos. Com os mandatos, ele se apresentou ao 11º Distrito Policial de Santo Amaro, em São Paulo.

“Sou integrante da Revolução Periférica. O ato que foi feito no Borba Gato foi para abrir um debate. Em nenhum momento aquele ato foi feito para machucar alguém ou querer causar pânico na sociedade”, disse à imprensa.

“Aquele ato foi feito para abrir um debate e o debate foi aberto. Aqueles que dizem que tem de fazer pelas vias democráticas, a gente buscou fazer isso: abrir o debate. Que esse debate ocorra para que as pessoas possam decidir se querem estátua de 13 metros de altura, que homenageia um genocida e um abusador de mulheres”, completou.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

EdsonLuiz.

29 de julho de 2021 às 16h01

Quem conhece um pouquinho das minhas opiniões repostadas aqui em ‘ocafezinho’ sabe que eu quero muito uma política econômica e social com prioridade naqueles que realmente precisam do Estado. E que defendo o desagravo permanente dos que ardem em sua alma a dor de humilhações históricas e de descuidos.

Todos sabem que eu não me ocupo da dicotomia Capitalismo..x..Anticapitalismo pelo fato simples de que o meu entendimento é o de que, constituído como modelo de estruturação do Estado e como sistema econômico só há o capitalismo. Eu já manifestei aqui a opinião de que, para mim, as assim chamadas ‘alternativas ao capitalismo’ não chegam a constituir um sistema. Mesmo o marxismo não constitui um sistema. De fato, mesmo o trabalho germinal de Karl Marx para análise do Modo de Produção Capitalista e a sua potencial extinção e substituição por outro sistema, uma vigorosa interpretação do Modo de Produção vigente, abstraídos os seus sofismas, contida nos três volumes do livro ‘O Capital’, é uma elaboração inconclusa de seu autor e nela não é encontrado sequer uma concepção de Estado alternativa ao Estado Capitalista.

Para um marxista com as influências positivistas – cruz credo – do engelísmo, a obra de Marx constitui a formulação de um sistema. Para esse tipo de adepto das reflexões de Marx, sua obra, que o adepto lê como bíblia, DETERMINA a substituição do capitalismo por outro sistema e essa ultrapassagem é um fato inevitável. Até um nome para o futuro eles já têm: Socialismo.

De outra forma, pelo entendimento de que, para mim, só há o Capitalismo e que qualquer proposta alternativa ao capitalismo, um esboço de proposta que seja, não passará de proposta artificial, inservível para mudar a produção e a reprodução de nossa existência em substituição ao modelo que temos em processo, eu defendo que a grande contribuição que podemos dar à sociedade é não impedir que o Capitalismo se implante em sua plenitude. Pelo contrário. Penso que se contribuirmos para a perfeita realização do capitalismo estaremos mais próximos daquilo que pode ser a sociedade futura, seja o Capitalismo como construção humanista, seja um novo sistema
que surja de dentro e a partir do Capitalismo, como resultante orgânica da experiência humana em suas interações.

Não sou um REVOLUCIONÁRIO, portanto. Disso resulta que eu só posso ser ou um PROGRESSISTA (termo muito usado atualmente de forma abusada por toda a gente que não é progressista de nenhuma forma) ou ser eu um REACIONÁRIO.

Reacionário eu não seria. Mesmo que as poucas virtudes da Direita que eu assimilo aumentassem e eu me transformasse em um conservador, seria um conservador progressista, como a conservadora e progressista dirigente alemã Ângela Merkel.

Sobra para mim a opção de ser um liberal progressista.

Como liberal progressista, ajo e defendo soluções negociadas. Jamais defenderia vândalos e vandalismos. Mas há que se atentar para certos gritos sociais que podemos, se formos reacionários, não sabermos ouvir e associar imediatamente e principalmente a vandalismos. Esses gritos altos e quentes podem não ser de vândalos. De repetente, os vândalos podemos estar sendo nós, por não sabermos ouví- los.

O incêndio da escultura do bandeirante Borba Gato é exemplo de um grito social há tanto tempo gritado e que nunca encontra ouvidos que o escutem.

Tenho alguns amigos escultores, todos posicionados ideologicamente muito à esquerda e por isso, com os anos, continuaram meus amigos, mas guardamos hoje alguma distância para conservar a saúde de nossa amizade. Eu não os ouvi sobre terem queimado o Borba. Ainda não os ouvi sobre isso. Mas suponho que aquiescerão, entristecidos.

O Borba Gato, aquela estátua monumental exposta em público, expõem o escárnio, a humilhação, o descuido e o aviltamento do outro.

E quem sou eu senão o meu outro.
O que a ele me exponho?
Exponho meu escárnio?
Exponho o que o humilha?
Exponho a ele o meu descuido com a dor que lhe queima na alma?

Então, se for isso o que eu faço. Se eu não consigo entender que os Borba Gatos expostos nas ruas e nas praças são homenagens a escravizadores de negros e de índios, e que também pode homenagear hoje os escravizadores de crianças, de mulheres e de outros, então REACIONÁRIO é o que eu sou!

Em tempo: se houver necessidade de cotização para a defesa e libertação desse rapaz, por favor, ajudem. E se puderem, me avisem.

edsonmaverick@yahoo.com.br

Responder

canastra

29 de julho de 2021 às 11h28

O esquerdismo brasilerio é isso…presunçào, arrogancia e bla bla democratico para desfarçar a clara veia autoritaria.

O PT perdeu as eleiçoes e nao se apresentou a posse do PR do proprio Pais mas foram na posse de Maduro…precisa dizer mais para explicar a merda que està na cabeça desses animais ?

O conceito dedemocracia esquedista é esse.

Responder

Alexandre Neres

29 de julho de 2021 às 11h17

Do brilhante professor e jurista Silvio Almeida nas redes sociais:

“”A absurda e ilegal prisão do Paulo Galo é apenas mais uma das expressões de uma sociedade autoritária em que uma estátua vale mais do que a vida humana, algo que já venho dizendo desde o ano passado. Este caso merece toda a nossa atenção e mobilização porque o que acontecer servirá de exemplo para que outras prisões do tipo sejam realizadas. A vida de pessoas como o Galo sempre servem como campo de testes para projetos autoritários. Afinal, se alguém com a liderança e visibilidade dele pode ser pego por algo que nem cabe prisão imaginem o que poderia ser feito com alguém com menos articulação?

Por isso, nossa atenção total, mesmo para aqueles que não conhecem o Galo ou que discordam da ação realizada. Ele não está preso por causa da estátua. Está preso pelo que significa a luta dele neste momento de avanço da precarização do trabalho; está preso para mandar um recado a todos que ousam desafiar o poder e seus símbolos. Há tempos venho falando com diversas pessoas fora do Twitter – que é onde as coisas realmente acontecem – que é preciso pensar em como cuidar de pessoas como o Galo, tão importantes para nós e que tem um papel central para a construção do nosso país. O Galo está muito bem assistido juridicamente, tem advogados experientes e que sabem o que precisa ser feito. Posto isso, insisto: precisamos pensar seriamente em como oferecer proteção para nossas lideranças que não se resumem a solidariedade e falatório de rede social depois que o fato ocorreu. A solidariedade é algo cuja oferta muitas vezes se oferece antes e em silêncio para não colocar a vida de pessoas em risco.

Aos defensores da memória de Borba Gato: há um homem preso ilegalmente por supostamente tentar botar fogo em algo que não pega fogo e isso deveria ser suficiente para despertar o terror no coração dos liberais. Temos todos o dever de clamar pela liberdade do Galo e, para quem que pode, dar apoio concreto a ele e sua família. E aos colegas juristas: serão bem-vindos pareceres e artigos que demonstrem tecnicamente não apenas o absurdo de se prender alguém com tal motivação mas que responsabilizem o Estado pela MANUTENÇÃO acrítica e sem a devida contextualização histórica de monumentos que homenageiem torturadores e assassinos de negros e indígenas, cuja função é legitimar a posição de quem odeia o povo brasileiro.”

Responder

Paulo

29 de julho de 2021 às 10h14

Canalha! “Vias democráticas”, diz ele. Por mim, mofaria na cadeia, mas logo estará na ruas para aprontar de novo, segundo seu senso esquerdista atrabiliário…

Responder

Bandoleiro Cansado

29 de julho de 2021 às 09h31

Antés poe fogo e depois abre o debate…genial esse cara hein !!

Esquerdismo é um transtorno mental e nada mais.

Responder

Jonathan

29 de julho de 2021 às 09h29

Ele ta certo, o debate foi aberto para saber se esse animal é um asno ou um mulo…kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Responder

Deixe um comentário