Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Imagem: Divulgação

Ministro do STF volta a criticar atuação de Moro e Dallagnol

Por Redação

20 de dezembro de 2021 : 12h41

Ainda na entrevista concedida ao UOL, o ministro Gilmar Mendes (STF) voltou a criticar a atuação do ex-juiz Sergio Moro e do ex-procurador Deltan Dallagnol (MPF) durante a Operação Lava Jato. O magistrado também comentou a entrada de ambos na política partidária.

“Agora, pelo menos, seguiu o caminho normal. Vai fazer política, vincula-se a um partido político. Nós vimos inclusive declarações dele de que ele já tinha recebido convite para ser ministro de Bolsonaro entre o primeiro e o segundo turno”, lembrou Gilmar.

Ainda nas palavras do ministro, tudo que esteja relacionado a Moro tem relação com arbitrariedades e corrupção.

“Nós criamos uma rede de arbitrariedades. Tudo o que está associado ao modelo Moro, de alguma forma, tinha uma conotação de arbitrariedade. A senadora Juíza Selma, que era chamada de ‘Moro do Pantanal’, foi cassada por corrupção. O Bretas, no Rio de Janeiro, é chamado de ‘Novo Moro’. Esse nome parece que não dá sorte”, disse.

Por fim, o ministro ressaltou que Moro e Deltan confessaram que “sempre jogaram juntos”.

“É a confissão de que eles já jogavam juntos antes. Isso é formalidade? Grampear advogados, fazer combinação com o promotor, receber sugestões sobre testemunhas, controlar as delações”.

Assista a entrevista completa!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

21 de dezembro de 2021 às 23h24

Reacionários unidos jamais serão vencidos!

Defensores a toda prova do marreco e adversários do Prerrô: Querlon, Galinzé, Ronei, Paulo, Toni, Kleiton, Valeriana, Canastra, Zulu e EdsonLuiz (não o Kober).

Responder

Sá Pinho

21 de dezembro de 2021 às 14h22

Um Edson Luiz é um Edson Luiz, outro EdsonLuiz é outro EdsonLuiz.

Um Edson Luiz vai ao fulcro do judiciário, pela justiça, outro EdsonLuiz vai ao xucro da justiça, pelo noticiário judiciário.

Um Edson Luiz garimpa princípios da justiça, outro EdsonLuiz garimpa justificativas na justiça.

Um Edson Luiz enseja que Moro conspurcou o judiciário, ao olhar do povo, outro EdsonLuiz enseja que Gilmar compuscou o judiciário, ao olhar do outro EdsonLuiz, que à moda compuscarda fez o verbo conspurcar-se.

Responder

Edson Luiz Kober

20 de dezembro de 2021 às 19h18

Sou advogado, além de triste
é emblemático o que setores do judiciário fizeram. Como vamos fazer para resgatar a credibilidade do judiciário? Um poder cuja referência deve ser de garantir os direitos do cidadão? Falo em credibilidade pois o grande herói Moro tem toda essa rejeição. Certamente pq o povo entendeu.

Responder

EdsonLuiz.

20 de dezembro de 2021 às 17h32

O Gilmar devia usar os exemplos que cita e também seguir ” o caminho normal”: se filiar a um partido político e buscar legitimidade eleitoral.

…e assim parar de compuscar a legitimidade do STF, legitimidade já tão compuscarda com as repetidas interpretações de ritos processuais que estão garantindo impunidade para corruptos como Eduardo Cunha, Flávio Bolsonaro, … (se você quiser, acabe de preencher a lista de corruptos, muitos deles já condenados, que Gilmar Mendes e outros STF’s têm beneficiado com seu garantismo de impunidade para criminosos.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Bolsonaro O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade