Analista da Ideia fala sobre “voto útil” dos eleitores de Ciro a Lula no 1° turno

Imagem: Divulgação

Rodrigo Garcia pode migrar para o União Brasil após desistência de Doria

Por Gabriel Barbosa

31 de março de 2022 : 09h03

A decisão do governador de São Paulo, João Doria (PSDB), de desistir da candidatura a presidência e consequentemente terminar o seu mandato como chefe do executivo paulista, não somente pode abrir uma crise sem precedentes entre aliados, mas também causar uma reviravolta no cenário eleitoral.

O vice-governador, Rodrigo Garcia, que migrou do DEM para o PSDB com a promessa de que iria ser o candidato a sucessão de Doria, poderá se filiar ao União Brasil. Vale ressaltar que Garcia deixou o DEM pela “porta da frente”, mantendo sua boa relação com o ex-prefeito de Salvador, ACM Neto.

Nas próximas horas, Garcia deve se reunir com Neto e o presidente nacional do União Brasil, Luciano Bivar (PE), para ajustar os ponteiros. Também vai ser colocado na mesa a possibilidade de Garcia abrir palanque para Sérgio Moro e/ou Eduardo Leite (PSDB-RS) em São Paulo.

Vale lembrar que nesta semana, Leite renunciou ao cargo de governador do Rio Grande do Sul e anunciou sua permanência no ninho tucano. Ele não falou diretamente em pré-candidatura, mas sinalizou que seu nome estaria a disposição.

Na reunião de hoje, também devem participar o deputado federal Aécio Neves (PSDB-MG) e o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE), as duas principais lideranças pró-Leite dentro do PSDB. Já Sérgio Moro decidiu migrar para o União Brasil.

O movimento brusco e as vésperas do prazo final da janela partidária é avaliado como uma estratégia para Garcia prosseguir com sua pré-candidatura ao Palácio dos Bandeirantes, independente de Doria, já visto como “traidor” entre as lideranças locais e nacionais.

Nos últimos meses, o vice-governador conseguiu o apoio de prefeitos e lideranças do interior paulista, onde o voto conservador é mais forte. Outro detalhe relevante é que a desistência de Doria poderá causar uma evaporação da base aliada paulista e a migração para Garcia, em forma de apoio.

Além disso, o União Brasil poderá oferecer uma estrutura de campanha mais robusta a candidatura de Garcia, compensando a falta da caneta, já que Doria vai permanecer isolado no governo paulista até 31 de dezembro.

Gabriel Barbosa

Jornalista com passagens pelo Grupo de Comunicação O POVO (Ceará), RedeTV! e Band News FM. Pós-graduando em Comunicação e Marketing Político.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

carlos

31 de março de 2022 às 14h02

O povo Paulista tem que ficar esperto , contra a invasão dos candidatos cariocas, em São Paulo não sei pq o TRE de São Paulo aceitou, o Flávio Bolsonaro, que deu um traço na justiça Paulista, morando no Rio e de repente arranja um endereço de residência em São Paulo. E o povo de São Paulo, não votarem em cariocas, como Mario frias, como Tarcísio de Freitas, Eduardo bolsonaro , …

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador da Bahia O Xadrez para Governador de Minas Gerais O Xadrez para Governador de São Paulo O Xadrez para Governador do Rio de Janeiro Novo Presidente da PETROBRAS defende preços altos Cadê o churrasco do povo, Bolsonaro? Preço explodiu! Conservadores? A atual juventude brasileira O Indulto sem Graça de Bolsonaro Os Principais Eleitores de Lula Os Principais Eleitores de Ciro Gomes