Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Bolsonaro e Malafaia - Divulgação/Presidência da República

Bolsonaro tem 61% dos votos válidos dos evangélicos fluminenses

Por Miguel do Rosário

17 de maio de 2022 : 15h49

Há notícias boas para Lula na pesquisa Quaest entre eleitores do Rio de Janeiro, divulgada hoje, e também alguns sinais preocupantes.

Comecemos pelas boas.

Lula cresceu dois pontos na espontânea, de 21% para 23%. Se uma candidatura avança na espontânea, não há de que reclamar muito, porque esse é o eleitorado mais importante, o mais fiel.

Bolsonaro avançou 1 ponto na espontânea, e agora tem 25%.

Ciro Gomes permaneceu estagnado em 1% na espontânea, e todos os outros candidatos somam apenas 2%.

Outra notícia muito boa para Lula é que ele ficou firme no cenário de segundo turno, com 47%, mesmo percentual de março. Não perdeu um ponto. Bolsonaro, por sua vez, cresceu 2 pontos, e foi para 38%, 9 pontos atrás de Lula.

A notícia preocupante para Lula está na estimulada, que mostra o ex-presidente perdendo 4 pontos e empatando com Bolsonaro, em 35%.

Entretanto, como Lula cresceu na espontânea e não perdeu nenhum ponto no cenário de segundo turno, sua candidatura demonstrou robustez.

Aparentemente, o que houve no Rio de Janeiro foi uma reacomodação do voto evangélico, um setor onde o bolsonarismo é muito organizado.

Como a pesquisa anterior não trazia a estratificação por religião, não dá para medir a variação, mas com base nos números de agora, eu arriscaria um palpite: o crescimento de 4 pontos de Bolsonaro na estimulada veio do voto evangélico, setor no qual Bolsonaro agora tem 50% dos votos totais, contra 25% de Lula e 4% de Ciro.

Por outro lado, Lula tem 40% entre católicos, contra 28% de Bolsonaro e 9% de Ciro.

Esse crescimento de Bolsonaro junto aos eleitorado evangélico é um fenômeno nacional, mas que repercute com mais força no Rio de Janeiro, que é o estado onde esse segmento é mais representativo.

Segundo a Quaest, os evangélicos representam 33% do eleitorado fluminense. Ainda assim, é importante destacar, eles estão atrás dos católicos, que correspondem a 35%.

Outras religiões correspondem a 11%, e o eleitorado fluminense “sem religião” é de 20%.

Em votos válidos, o peso do bolsonarismo no eleitorado evangélico fica mais evidente: Bolsonaro chega a 61% dos votos evangélicos do Rio de Janeiro, contra 30% de Lula e 5% de Ciro.

Deter o avanço do bolsonarismo junto à comunidade evangélica fluminense será o maior desafio para Lula.

Entretanto, a pesquisa traz alguns trunfos importantes para Lula, a começar por seu bom posicionamento na capital e periferia.

Segundo a Quaest, Lula lidera na capital com 36%, contra 30% de Bolsonaro e 6% de Ciro.

Na Baixada, os dois estão empatados, mas Lula tem ligeira vantagem numérica: 38% X 37%.

Bolsonaro lidera apenas no interior, onde pontua 39%, contra 32% de Lula.

A vantagem de Lula na capital é um fator estratégico, porque ajudará o ex-presidente a construir sua campanha a partir do centro, irriadiando-o naturalmente para o interior.

A propósito, a força de Lula na capital coincide com a de Marcelo Freixo, que também lidera na capital. Com isso, há uma convergência interessante, que ajudará muito a construir a campanha Lula-Freixo a partir de setores influentes da metrópole.

A vantagem de Lula entre o eleitor jovem é outro trunfo estratégico de Lula, porque o eleitor jovem é mais ativo em redes sociais, e, portanto, mais apto a produzir e compartilhar conteúdo político em favor de seu candidato.

Segundo a Quaest, Lula tem quase o dobro dos votos de Bolsonaro entre eleitores com idade de 16 a 24 anos: 43% X 23%. Ciro tem apenas 5% desse eleitorado.

Na faixa seguinte, de eleitores com 25 a 34 anos, Lula também lidera, embora com vantagem menor: 37% X 34%.

Conclusão

Os números mostram um movimento de reoganização das forças bolsonaristas, a partir sobretudo de suas bases evangélicas. É preciso ficar atento se já houve um esgotamento dessa tendência, pois Lula também possui muitos eleitores da comunidade evangélica, que ainda podem reagir à tentativa de lideranças religiosas pró-Bolsonaro de usar sua influência para fazer proselitismo eleitoral.

De qualquer forma, a pesquisa não é ruim para Lula, pois seu crescimento na espontânea e sua posição firme no segundo turno – reitero – é um sinal muito forte de solidez política.

A mesma pesquisa diz que 58% dos entrevistados acham que Bolsonaro não merece ser reeleito. Essa rejeição do presidente junto ao eleitorado fluminense pode avançar durante a campanha, na medida em que os eleitores de Lula, especialmente os mais jovens, entre os quais o petista goza de larga vantagem, começarem a se mobilizar de maneira mais ativa.

Baixe a íntegra da pesquisa aqui.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Sebastião

18 de maio de 2022 às 00h11

O que Lula precisa é de freios. Ele sem uma assesoria, periga resvalar. Fala demais, e isso atrapalha ele. Todo o cuidado será pouco, quando se tem adversários querendo explorar. E como eles se retroalimentam de fake news, eles compartilhar nas suas redes sociais.

Pautas conservadoras e polêmica Lula tem que esquecer. Outra pauta é a regulação da mídia. Qual jovem, vai querer sua liberdade cerceada? Lula pensou em criar mecanismo de controles. Isso, só faria ele perder votos dos eleitores jovens.

Espero que após a pesquisa do RJ, Lula reveja muitas falas.

Responder

carlos

17 de maio de 2022 às 18h29

É porque os É vangelicos cariocas, já estão acostumados, que os pastores cariocas, usam uma pistola .40 como bibilia, é assim pra elas é normal.

Responder

John Jahnes

17 de maio de 2022 às 17h05

Quer dizer

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina