Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Créditos: Reprodução Internet

A revanche do povo pobre

Por Miguel do Rosário

25 de junho de 2022 : 13h53

O último Datafolha trouxe excelentes notícias para Lula, a começar pela consolidação, já vista na pesquisa de maio, de um percentual acima de 50%, em votos válidos, nas simulações de primeiro turno.

A oscilação de um ponto para cima ou para baixo, tanto de Lula e Bolsonaro, deve ser desprezada como insignificante, por estar abaixo da margem de erro.

Precisamente, Lula aparece com 47% dos votos totais (53% dos votos válidos), contra 28% de Bolsonaro e 8% de Ciro Gomes.

Os outros candidatos estão, objetivamente, descartados da competição, pela absoluta falta de competitividade.

Mesmo que não consiga vencer no primeiro turno, o ex-presidente Lula aparece com excelente pontuação nas simulações de segundo turno com Bolsonaro: 57% a 34%. Em votos válidos, isso corresponderia a uma surra histórica de 63% X 37%.

O melhor desempenho do PT, em segundos turnos, ocorreu em 2006, quando Lula venceu José Serra (PSDB) por 61% a 39%.

Lula tem hoje, portanto, o melhor desempenho de um candidato do PT já teve em simulações de segundo turno feitas a mais ou menos 100 dias da eleição.

Observação importante sobre o gráfico acima: na época da pesquisa (junho de 2018), Lula era o candidato oficial do PT a presidência da república; mas ele foi impedido pela justiça eleitoral, meses depois, de disputar o pleito, em virtude de uma condenação criminal (anulada anos depois pelo STF) que o fez cair na lei da “ficha limpa”.

Em virtude da extrema polarização do pleito, é cada vez mais instrutivo analisar os cenários de segundo turno, como expressões de uma dinâmica que pode se repetir já no primeiro turno.

O gráfico abaixo, com alguns setores selecionados, resume muito bem a dinâmica atual das eleições. Entre cidadãos de baixa renda (até 2 salários de renda familiar), que representam 52% do eleitorado brasileiro, o ex-presidente Lula obtém uma performance impressionante, com 73% dos votos válidos. É revanche do povo pobre, após toda a opressão que sofreu desde que as agitações golpistas, sobretudo a partir da Lava Jato, começaram a produzir instabilidade política e crise econômica no país.

Lula também registra desempenho fulminante entre mulheres, chegando a 70% dos votos válidos. Em nenhum outro pleito presidencial da nossa história democrática, houve uma alinhamento tão forte das eleitoras mulheres em torno de uma candidatura.

Observação similar se estende aos eleitores jovens. Há muito tempo, um candidato do PT a presidência não tinha um desempenho tão forte, a 100 dias das eleições, entre eleitores com idade até 24 anos. Segundo o Datafolha, Lula pontuaria 69% entre jovens até 24 anos, em votos válidos, num eventual  segundo turno com Bolsonaro.

Passemos, no entanto, a analisar os cenários de primeiro turno.

Fizemos uma tabela comparativa dos votos espontâneos do candidato do PT versus o principal adversário do campo conservador, nas últimas seis eleições presidenciais (incluindo a deste ano). Os dados se referem, naturalmente, a pesquisas Datafolha.

Lula pontuou 37% na espontânea, contra 25% de Bolsonaro e 3% de Ciro Gomes. Mas Lula já teve uma performance similar antes, que foi em 2006. Pesquisa Datafolha realizada em 22 de agosto de 2006 trazia Lula também com 37%. Essa foi a pesquisa mais similar à divulgada por estes dias, em termos de distância do pleito, que encontramos no site do Datafolha.

Há diferenças importantes entre o Lula de agosto de 2006 e o Lula de junho de 2022.

Em alguns pontos, o Lula de hoje é mais forte. Por exemplo, o Lula de junho de 2022 tem 43% dos votos espontâneos de eleitores de baixa renda, contra 39% do Lula de agosto de 2006.

A vantagem de Lula entre jovens e eleitores com nível superior apresenta importância estratégica para as guerras culturais que caracterizam hoje a dinâmica político-eleitoral.

Num eventual segundo turno com Bolsonaro, o petista venceria o atual presidente por 55% a 44% entre eleitores com nível superior.

Em junho de 2018, Lula aparecia nas pesquisas com 47% dos válidos entre eleitores com ensino superior, contra 53% de Bolsonaro.

Entretanto, a comparação com eleições anteriores também ajuda a ressaltar alguns números preocupantes para Lula, em especial a sua rejeição, que permanece muito elevada, principalmente em setores de classe média. 

Segundo o Datafolha, 57% dos eleitores com renda familiar entre 5 e 10 salários disseram que não votariam em Lula “de jeito nenhum”. 

Apesar desse eleitorado representar, segundo o próprio Datafolha, 16% do eleitorado, é um setor social muito barulhento, com atividade intensa nas redes sociais, e será necessário uma estratégia muito bem ponderada para reduzir a rejeição junto a este segmento. 

Outro alerta importante: em nenhuma eleição anterior, a direita teve um candidato tão forte no primeiro turno. Segundo o Datafolha, Bolsonaro tem 25% dos votos espontâneos. De 2002 a 2018, o principal candidato da direita sempre partiu de menos de 20% na espontânea a 100 dias da eleição. O que mais chegou perto da pontuação atual de Bolsonaro foi José Serra em 2010, que tinha 19% na pesquisa Datafolha de julho daquele ano. 

Isso tem uma explicação simples, contudo, que é o fato dele ser muito conhecido, e ser o presidente da república. Mas isso é um agravante, e não um paliativo. Se Bolsonaro é presidente, significa que tem instrumentos à mão para chacoalhar o tabuleiro, de maneira que é importante, para a militância progressista, jamais subestimar esse adversário.

Conclusão

A conjuntura indica uma situação de amplo favoritismo para Lula.

Simone Tebet, depois de semanas sendo apresentada pela mídia, com grande pompa, como a rainha da terceira via, não emplacou. Ao contrário, caiu de 2% para 1%, de maneira que seu capital político, mesmo que se juntasse a outro candidato, não significaria muita coisa. 

Ciro avançou um ponto, mas perdeu capital político, porque está cada vez mais distante dos primeiros colocados, e não conseguiu empolgar nenhum setor da sociedade. Tem apenas 3% do voto espontâneo. O esforço narrativo de sua militância, de fazer uma comparação com o cenário de 2018, em que Bolsonaro teria sido uma “surpresa”, não condiz com a realidade. Em junho de 2018, Bolsonaro liderava a pesquisa espontânea, com 12%, à frente de Lula, que tinha 10%, e sobretudo já era o campeão das classes médias. Aliás, desde 2006, sempre houve um candidato de direita com forte entrada no eleitorado de classe média. Bolsonaro tinha 21% entre eleitores com renda de 5 a 10 salários, no Datafolha de junho de 2018, e hoje tem 42% nesse mesmo segmento! E isso na pesquisa espontânea! Ciro tem 5%.

A sucessão de tiros no pé da parte de Ciro deixa o observador sem fôlego. Num dia arruma briga com um humorista amado pelo campo progressista, e acaba de perder os últimos votos à esquerda que ainda tinha. No outro, associa as Forças Armadas ao narcotráfico e ao crime organizado na Amazônia e destrói as pontes que ele mesmo vinha construindo com setores à direita. 

Entretanto, o que mais tem produzido mal estar, na campanha de Ciro, não é seu aspecto ridículo, como os desenhos animados do Cartunista Tímido, mas as baixarias, distorções e mentiras reiteradas proferidas pelo próprio candidato. Se o PT pegou pesado com Marina em 2014, a campanha de Ciro este ano pode ser considerada a campanha mais baixa e mentirosa de que se tem notícia desde a redemocratização. Mesmo que aponte sua metralhadora giratória também para Bolsonaro, já ficou evidente que seus ataques mais virulentos (inclusive pelo tom emocional que dá a eles) se dão contra Lula. Afinal, Ciro usa a proximidade política de que desfrutou com Lula para fazer violentíssimos e covardes ataques morais, afirmando saber, por experiência própria, que “Lula é corrupto”. Nas últimas entrevistas, passou a dizer que Lula tem “filho ladrão”, uma baixaria que nem Bolsonaro teve coragem de fazer.

Suas acusações contra o processo de “desindustrialização” e “concentração bancária” são irresponsáveis. Ciro finge ignorar que os governos Lula tentaram levar adiante um audacioso programa de industrialização do setor de óleo e gás, e que foi exatamente por isso que a operação Lava Jato foi deflagrada, com auxílio do Departamento de Justiça dos Estados Unidos. A industrialização do setor de óleo gás, a partir dos investimentos da Petrobrás, inauguraria uma nova era para o setor de energia no país, e consolidaria as bases para um amplo processo de reindustrialização do país.

A concentração bancária do país, por sua vez, começou nas administrações de Collor e Itamar Franco, com a entrega de bancos estaduais para os grandes bancos privados do país, com participação inclusive de Ciro Gomes quando foi ministro da Fazenda ao final do governo Itamar. Culpar Lula por um processo que se iniciou muito antes de sua chegada ao poder, é uma forma covarde e mesquinha de manipular a história.

Lula também comete seus escorregões, mas o seu capital político, infinitamente superior, lhe permite margens de manobra mais folgadas. Além do mais, como Lula conseguiu construir uma base mais ampla, com a participação de sete partidos, e setores plurais da sociedade, essa estrutura serve ao mesmo tempo como retaguarda crítica e blindagem política.

Apesar do cenário ter se mantido estável, de uma pesquisa para outra, o tempo passou. E  assim como a gravidade – o poder de atração da matéria – se multiplica conforme nos aproximamos de um objeto de grande massa, o mesmo ocorre na política. A medida em que as eleições se aproximam, o crescimento da expectativa de poder, para um candidato que tem acima de 50% (em votos válidos) nas pesquisas, é mais significativo do que oscilações abaixo da margem de erro. 

Ou seja, mesmo tendo oscilado um ponto para baixo no último Datafolha, a expectativa de vitória de Lula cresceu, porque uma pesquisa realizada ao final de junho está mais próxima das eleições do que a realizada em maio.

Além do mais, há outros fatores que fortalecem Lula, além das pesquisas. Diferentemente de outos candidatos, ele está sendo muito bem sucedido na construção de alianças e palanques. Já tem palanques garantidos fortes em todo o Nordeste e Sudeste, regiões que representam cerca de 70% do eleitorado nacional. Em São Paulo, em particular, principal colégio do país, Lula não apenas lidera nas pesquisas realizadas até agora, como tem um candidato de seu próprio partido à frente das sondagens para o governo do estado. 

A propósito, reportagens recentes informam que Lula está prestes a resolver o mais importante imbróglio de sua aliança com o PSB, que é a disputa entre Haddad e Marcio França, para definir quem será o candidato do campo progressista ao Palácio dos Bandeirantes. Ao que tudo indica, França aceitará a indicação para o Senado, e apoiará Fernando Haddad. Com isso, Geraldo Alckmin, ex-governador de São Paulo, e dono de um importante capital político no estado, ficará livre para correr o interior, em busca de votos e alianças para a chapa da qual é o vice. 

Caso essa última notícia se confirme, Lula terá encaixado uma das últimas peças na engrenagem política que deverá usar para vencer as eleições de outubro. 

A preocupação central de Lula e seus apoiadores nem deveria ser a vitória em primeiro turno.

Desde que vença o primeiro turno com razoável vantagem, e que seus aliados nos estados também consigam um bom desempenho,  Lula poderá construir uma estratégia extremamente eficaz para vencer no segundo. E isso sim é importante, vencer as eleições, derrotar Bolsonaro, seja no início, seja no fim de outubro.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Alexandre Neres

27 de junho de 2022 às 04h51

Andressa é uma tremenda cara de pau. Depois de Bolsonaro só ter conseguido falar 30 segundos sob vaias em Caruaru, teve a pachorra de se dirigir a Campina Grande. Só que não teve a ousadia de dar as caras.

No show da Juliette, teve que ouvir um lulaço e a direção do evento mandou que parassem as manifestações políticas, quiçá sob o comando do presida. Deve ter metido o rabinho entre as pernas e ter ido chorar na cama que é lugar quente.

Este é o meliante que recorrentemente Andressa diz que é recebido de braços abertos pela população, só se for pelos patrões. Entrementes, Lula caminha a passos largos para tornar a ser presidente, graças ao lugar de destaque que ocupa nos corações e mentes brasileiros..

Responder

Tiago Silva

26 de junho de 2022 às 21h39

A consolidação dos votos em Lula parte do seguinte pressuposto de expectativas:

1- Eleitorado sem renda e desempregado: Vagas em Universidades Públicas, Investimento Público e Programas de Assistências Sociais;

2- Eleitorado pobre: Reforma Trabalhista para que se recupere direitos e aumente o Salário Mínimo;

3- Eleitorado classe média (Trabalhador): Reforma Tributária e vagas em concurso público;

4- Eleitorado classe média (Empresário ou que se acha empresário): estão ideologizados e são os maiores eleitores de Bozo, sem perspectiva de mudança;

5- Eleitorado classe alta: lucram com o desgoverno Bozo e apenas podem perder pelas oscilações de rendimentos financeiros e análogos. Nunca votaram em Lula e não votarão, apenas buscam oportunidade de lucrar com o Governo/Estado.

Daí, “a revanche do povo pobre” (e mulheres principalmente) é contra a política neoliberal que mais atingiu o povo pobre e parte da classe média. Devería-se consolidar esse eleitorado e talvez buscar avançar no Sul e no norte a partir de se buscar o voto de pobres, mulheres e classe média (inclusive neopetencostais) que buscam uma maior estabilidade e qualidade de serviços públicos disponibilizados. Dificilmente se conseguirá votos com as classes altas e quem se acha empresários, aliás dever-se-ia esconder Alckimin para não perder votos dos que esperariam MUDANÇAS nas políticas neoliberais (iniciadas mais ostensivamente com Joaquim Levi, depois Temer e Bozo), ou seja, pobres, mulheres, jovens e classe média que sabe que o discurso do “empreendedorismo” só faz lucrar poucos.

A tendência é se consolidar essa polarização de luta de classes (e luta de sexo), mas o desafio vai ser manter essa expectativa de mudança contrária ao neoliberalismo/elitismo e, principalmente, efetivar essas mudanças (Reforma Trabalhista, Reforma Tributária, Reforma Ambiental, Mais vagas em Universidades Públicas, Mais Empregos, Mais qualidade e extensão dos serviços públicos, Mais Saneamento e Moradias, Melhor Segurança Pública e Meio Ambiente etc)… pq se houver frustração dessas expectativas (por isso Alckimin deveria ser escondido, já que não ganha votos, não ganha em bancadas no CN e ainda pode perder votos por ser elemento para descrédito na mudança e ainda desengajar a militância que teria batalhas decisivas em redes sociais), vão novamente explorarem o “anti-petismo” para efetivarem esse neoliberalismo elitista e excludente mais outra vez!

Responder

Ugo

26 de junho de 2022 às 08h39

Se o Bolsonaro movimenta esse tanto de gente por onde anda imagina-se o candidato que tem 20% a mais de eleitores o que não deve juntar de pessoas quando aparece em público…SQN. kkkkkkkkkkkkkk

Porquê o fantoche do STF não aparece em público ? Que líder popular é esse ?

Responder

Ugo

25 de junho de 2022 às 21h18

Eu acho que acabou a conversa fiada de classificar, de descriminar, de rótular para humilhar e oprimir o tal de pobre para depois passar a mão na cabeça e se apresentar como alguém que se interessa por ele.

Está tudo resumido nessa frase a canalhice desses vermes: “A nossa política é a arte de dividir as pessoas para a gente ficar com o poder” Tilden Santiago (um dos fundadores do PT e embaixador em Cuba de alguns anos atrás).

Responder

Batista

25 de junho de 2022 às 20h32

Enquanto no nordeste fogueiras aquecem e iluminam a marcha de São João, com direito em Campina Grande a presença do desgovernante do Brasil, acompanhado do prefeito e de ministros, entre eles Queiroga, todos devidamente homenageados musicalmente pelo povo presente na festa, conforme os vídeos dos link’s:

https://twitter.com/i/status/1540695816599351297
https://twitter.com/i/status/1540683045618864133

Fogueiras outras crepitam cada vez mais altas no planalto central, deixando ainda mais ‘esperneantes’ os devotos do desgovernante, que agoniados pelos resultados das pesquisas rasparam o tacho com o mais do mesmo de 2018, adicionando vídeos de motociatas e de marchas com “deus” pedindo voto, em desesperada tentativa de tamparem o sol com a peneira em relação as mesmas e agora para desviarem a atenção do escândalo voraz que crepita no Ministério da Educação, já tendo queimado cara e mãos do desgovernante, com a adição de nitroglicerina pura obtida em vídeos do ex ministro da educação, que segundo os meios informativos podem colocar o desgovernante no centro do escândalo e na ribalta da policia federal e da justiça.

A coisa já esteve melhor no cercadinho do Alvorada…

Responder

Paulo

25 de junho de 2022 às 18h56

Os jovens foram doutrinados por anos a fio nas escolas (até nas particulares, como meus filhos confirmaram) e as mulheres querem manter e ampliar privilégios, sempre. Enquanto os homens não acordam e alguns – especialmente no Parlamento – se omitem vergonhosamente, elas vão “passando a boiada”…

Responder

Jonathan

25 de junho de 2022 às 16h44

Menor taxa de desemprego desde 2015 e com uma pandemia que durou 2 anos.

Se a pandemia o emprego hoje estaria quase completamente recuperado após a passagem tá tragédia pandemica petista que assolou o Brásil.

A inflação o dólar e gasolina estariam em patamar normal (sem palhaçadas populistoides de PPI, PPU e PPO da Petrobrás).

Os brasileiros não são tão idiotas de voltar na desgraça como a Folha e a Faria Lima acham.

Responder

Romei

25 de junho de 2022 às 15h30

Datafolha diz que Bolsonaro tá atrás de Lula no Sul….https://fb.watch/dT3jSJsRXU/

Responder

Alexandre Neres

25 de junho de 2022 às 14h57

Vem aí a vingança do povo preto, dos povos indígenas, das vadias, das lésbicas, das bichas, das travestis, dos famélicos, dos descamisados, dos sem-teto, dos sem-terra, dos retirantes, dos artistas, dos trabalhadores, dos servidores, da juventude e quejandos contra a elite do atraso mais inculta e vulgar do planeta, a ponto de se vincular à barbárie mais tosca representada na figura do capetão.

Responder

Tony

25 de junho de 2022 às 14h39

A exploração do tal de pobre acabou.

Responder

William

25 de junho de 2022 às 14h09

95% dos brasileiros são pobres e miseráveis, são as mesmas pessoas que elegeram Bolsonaro em 2018 e automaticamente em 2022.

A canalhice para rotular e explorar as pessoas acabou faz tempo.

Desçam de pé de alface, passou da hora: https://fb.watch/dS_tKzeWrS/

Responder

Saulo

25 de junho de 2022 às 14h03

O que restou é analisar as pesquisas para se dar uma bombada na cabeça, uma animada.

A esquerda está falida e continua perdendo tempo dia após dia.

Responder

Kleiton

25 de junho de 2022 às 14h00

Essa é a situação de Lula: https://www.facebook.com/tonyyely/videos/4111862462239994/

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina