Bahia: Refinaria privatizada provoca desabastecimento de Gás de Cozinha

Reprodução/Jornal da USP

Heloisa Buarque de Almeida explica como a extrema direita usa o termo gênero contra mulheres

Por Redação

12 de março de 2023 : 17h10

“Dizem que gênero é ideologia, mas eles são ideólogos”, diz pesquisadora sobre extrema direita

Publicado em 12/03/2023 – 11h12

Por Caroline Oliveira – Brasil de Fato – São Paulo (SP)

Brasil de Fato — Heloisa Buarque de Almeida, professora de Antropologia e Gênero da Universidade de São Paulo (USP) e pesquisadora do Núcleo de Estudos dos Marcadores Sociais da Diferença (Numas), afirma que “há um movimento antigênero que pega o termo gênero e fala que é uma mentira, que só existem homens e mulheres”.

Em suas palavras, “o gênero é, na verdade, uma concepção teórica que problematiza essa ideia e diz que existem homens e mulheres vivendo em condições muito diferentes. Nem toda mulher é mãe ou será mãe. O gênero desconstrói uma série de obviedades no imaginário mais conservador da família.”

“Eles associam muito o gênero à família, o que pode ser observado pela defesa da família que vem sempre junto com o ataque à teoria de gênero. Por isso, eles dizem que o gênero é uma ideologia. Na verdade, eles são ideólogos de gênero, mas não sabem disso porque imaginam as mulheres e os homens de uma maneira limitada.”

A pesquisadora explicou em entrevista ao Brasil de Fato como a extrema direita nacional adotou a ideia de gênero como termo pejorativo para deslegitimar e atacar as pautas e os direitos ligados às minorias políticas, principalmente as mulheres.

Brasil de Fato: A senhora é do campo de estudos da teoria de gênero. Como a ideia de gênero ganhou força na sociedade?

Heloisa Buarque de Almeida: O gênero é um campo de estudos teóricos que cresceu e ganhou grande repercussão, entrando na agenda da ONU e mundial a partir dos anos 90 e 2000. Gênero foi virando um termo que se associou ao crescimento de direitos, tanto para as mulheres, inclusive os direitos sexuais e reprodutivos, quanto para outras minorias sexuais e identidades de gênero. Mas, claro, é essencialmente também sobre os direitos das mulheres. Temos a Lei Maria da Penha, que usa a palavra “violência em razão de gênero”.

Mas gênero também fala de como ser homem e mulher varia socialmente, e de como se constroem masculinidades e feminilidades que mudam ao longo do tempo. Isso não é fixo. Ao fazer isso, o gênero acaba sendo um campo de estudos que também inclui pensar em outras identidades de gênero, como as questões das pessoas trans, das pessoas que não se identificam com o gênero binário.

E é nesse gancho que a extrema direita entra para atacar os direitos das minorias?

Algumas análises e analistas mostraram isso, que nos anos 80 e 90, a Igreja Católica começa a reagir com um movimento antigênero, acusando o gênero de estar destruindo a família natural, que seria de homens e mulheres.

O primeiro incômodo com o gênero é contra os direitos do casamento homoafetivo. É daí que vem o movimento antigênero, que também é contra os direitos das mulheres, como os direitos reprodutivos, principalmente o acesso à contracepção e a legalização do aborto, assim como os direitos sexuais e reprodutivos, o direito à saúde reprodutiva e o acesso à saúde.

De fato, há um movimento antigênero que pega o termo gênero e fala que é uma mentira, que só existem homens e mulheres. O gênero é, na verdade, uma concepção teórica que problematiza essa ideia e diz que existem homens e mulheres vivendo em condições muito diferentes. Nem toda mulher é mãe ou será mãe. O gênero desconstrói uma série de obviedades no imaginário mais conservador da família.

Eles associam muito o gênero à família, o que pode ser observado pela defesa da família que vem sempre junto com o ataque à teoria de gênero. Por isso, eles dizem que o gênero é uma ideologia. Na verdade, eles são ideólogos de gênero, mas não sabem disso porque imaginam as mulheres e os homens de uma maneira limitada.

O gênero é mais do que uma ideologia, é uma construção social complexa. No Brasil, o mais grave é que isso tem sido usado para atacar escolas públicas, professores e professoras, a presença de professores que estão fora da matriz binária de gênero, como homossexuais e pessoas trans.

A partir desse contexto político, que se soma a um histórico de ascensão da extrema direita e à estrutura de Estado inserido num sistema capitalista, que sabemos ter suas contradições, como a senhora acredita que o governo Lula vai lidar com as pautas feministas?

Lula já acenou positivamente no sentido de construir e reconstruir o Ministério das Mulheres, colocando mulheres diversas em cargos aliados ao Executivo. Já há um aceno positivo. Ele está empenhado em direitos humanos, considerando a diversidade de mulheres, pessoas negras e indígenas em cargos importantes. Isso é muito relevante.

O difícil é que vai ter que lidar com um Congresso muito conservador. Embora a gente tenha também tido a felicidade de algumas pessoas da esquerda bastante politizadas que trazem esse tema ao terem sido eleitas, elas serão minoria no Congresso Nacional e nos legislativos estaduais também.

É difícil saber, mas eu acho que a gente tem acenos positivos de tentativas de políticas importantes, de retomadas, como o Bolsa Família. Essa já é uma política que melhora a vida das mulheres em condições mais precárias, por exemplo. A gente tem aceno para reordenação, como a volta de investimentos. Por exemplo, o 180, que era o número de denúncia de violência contra a mulher, estava praticamente desmontado, mas está sendo reorganizado para poder ter denúncias de violência doméstica.

Agora, eu acho que tem essa outra batalha que é a cultural mesmo, que a gente tem para enfrentar no Brasil com esse tema. Então, será uma batalha no legislativo, assim como enfrentaremos a batalha para colocar o debate na arena pública de um modo mais reflexivo.

Qual é a importância de pensarmos em políticas transversais e com uma pauta interseccional?

A abordagem interseccional é fundamental. Não tem mais como fazer política sem isso. É fundamental ter um Executivo preocupado em ter mulheres negras, indígenas e trabalhadoras importantes nos cargos. Isso faz toda a diferença. É preciso manter esse tema na pauta, porque se você coloca somente mulheres de elite, é muito fácil esquecer de todos os temas.

Nós temos temas que são transversais e que podem unificar as mulheres em torno de algumas coisas, assim como podem unificar homens e mulheres, brancos e negros. A luta não é só por uma boa política, mas também por considerar a diversidade social e ter efeitos para todo mundo. Por exemplo, ter assistência integral de saúde é fundamental e o SUS tem um modelo universal porque parte de uma política interseccional que reconhece a diversidade.

O Estado e o exercício do poder, a política, têm espaços diminutos e hostis às mulheres historicamente. Gostaria que a senhora falasse um pouco sobre isso e sobre os limites que esse quadro impõe à capacidade de mobilização e a efetivação dos direitos das mulheres.

Em termos de gênero, direitos das mulheres, acesso a espaços públicos e esfera política, a proporção de mulheres no Congresso e no Executivo é baixíssima. Até mesmo a crescente feminização no Judiciário é relativa, porque os cargos mais altos tendem a ser masculinizados.

No Brasil, além de existir uma tradição de participação política familiar, ou seja, quando aparecem mulheres é porque vêm de famílias de políticas, as mulheres muitas vezes não estão presentes para representar a demanda de mulheres por direitos ou uma pauta feminista. Algumas mulheres que não têm o menor compromisso com a questão feminista e que, portanto, não olham para questões que ficam invisíveis.

É possível desenvolver políticas públicas a partir da entrada de pessoas que estejam atentas a essas questões, que demandem e saibam olhar para as desigualdades sociais do Brasil. Não basta ser mulher, é importante saber olhar para além das próprias experiências, incluindo as questões das mulheres de classe popular, negras, indígenas, etc. É importante ampliar a pauta feminista para incluir essas questões.

Pode-se dizer que os momentos em que houve conquistas foram aqueles que tiveram bastante pressão social e de retomada da participação popular?

Mesmo com baixa proporção de mulheres, a gente teve no Brasil presenças importantes em conselhos e um pouco no legislativo muito combativas que estiveram na Constituinte nos anos 80. Apesar da baixa participação de deputadas, houve uma grande penetração das pautas feministas no Estado devido à presença dessas mulheres. Isso ocorreu na administração do Estado, tanto nos governos federais quanto estaduais.

Por exemplo, em 1985, começamos a ter no Brasil as Delegacias de Defesa da Mulher, uma política muito inovadora. Isso aconteceu mesmo a despeito de termos poucas mulheres, porque havia naquela época um órgão de pressão, que eram os conselhos estaduais da condição feminina, que promoveram e foram apoiados. Foi um momento de redemocratização em que algumas pautas feministas conseguiram entrar na esfera do Estado, e isso teve épocas de avanço e retração.

No governo Bolsonaro, por exemplo, houve um retrocesso nesse sentido, mas no primeiro governo Lula houve um crescimento na participação feminina, culminando num Ministério dedicado a isso.

Edição: Rodrigo Durão Coelho

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Mandrake

12 de março de 2023 às 19h20

Concordo com essa “mulher”…o genero é uma teoria, uma invençào.

Responder

Ugo

12 de março de 2023 às 17h42

Essa mulher cheira cloroquina em dose indústriais, só pode ser.

Responder

Dudu

12 de março de 2023 às 17h37

“Nem toda mulher é mãe ou será mãe”…mas até onde eu sei toda mulher nasce com o aparato reprodutor feminino.

Esta idiota está claramente explorando as mulheres e a homossexualidade para fins políticos…lixo.

Responder

Galinze

12 de março de 2023 às 17h28

Eu acho que está senhora além de falar uma série impressionante de asneiras e ter claros problemas cognitivos confunde o gênero com o sexo.

Até onde eu sei o tal de gênero humano não foi revogado (por enquanto) e nem o sexo masculino ou feminino.

Dito isso se alguém que nasce homem e se sente mulher ou mulher que se sente homem faça o caralho que quiser sem encher o saco dos outros e tá tudo resolvido.

Responder

Deixe um comentário