Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Paulo M.Leite denuncia aliança de conservadores e esquerdóides no movimento anticopa

Por Miguel do Rosário

28 de maio de 2014 : 20h09

Excelente artigo do Paulo. Desde que o Brasil soube que iria sediar a Copa, o orçamento de Educação mais que dobrou. De 2007 a 2013 foram gastos mais de R$ 500 bilhões em educação.

Os estádios custaram R$ 8 bilhões, e foram financiados (o dinheiro voltará). Me recuso a contabilizar gastos em mobilidade urbana ligados à Copa como um gasto ruim contra o qual deveríamos protestar.

O problema do Brasil não é a Copa, que ao cabo será um encontro de civilizações, e mostrará o Brasil ao mundo, com suas qualidades e suas mazelas. Acho importante também o mundo conhecer nossos problemas, me incomoda às vezes a visão idílica que alguns países tem daqui.

O problema do Brasil é a sonegação, a concentração da mídia, a corrupção abafada por uma imprensa que se finge de imparcial mas que protege os grandes corruptos, instituições vulneráveis à pressão dos barões da mídia, como o STF e o Ministério Público… Além, é claro, dos maiores problemas de todos: a pobreza e a desigualdade, essas chagas que ainda assolam a sociedade brasileira!

*

A GUERRA CONTRA A COPA

Depois de combater políticas de bem-estar, nossos dinossauros escondem números reais e usam fantasia social

Na medida em que dados concretos começam a ser divulgados, começa a ficar claro que a guerra contra a Copa é expressão de um delírio conservador que recebe, acessoriamente, o apoio ruidoso de uma retórica de ultra-esquerda – bastante comum em situações políticas como a atual.

Alguns números.

A sugestão de que os estádios de futebol tiveram reajustes e sobrepreços excessivos não resiste a uma matemática contábil. A inflação acumulada do país, no período, chegou a 40%. A alta média dos estádios ficou em 36%. Num país que convive com metas inflacionárias como política oficial, reajustes desse tipo são parte natural da paisagem dos investimentos públicos e privados.

Imaginar que o futebol retirou dinheiro da Educação é um acinte. Entre 2007, quando o país foi confirmado como sede da Copa,e o ano passado, os gastos do MEC com educação subiram mais do que o dobro, em valores deflacionados. Como algumas pessoas podem ficar em dúvida diante destes números, que contrariam tudo o que se disse e se ouviu nos últimos meses, aqui vão os dados completos, ano a ano:

em 2007, o gasto foi de R$ 50,2 bilhões;

em 2008, ocorreu um crescimento superior a 10%, e as verbas passaram para R$ 56,4;

em 2009, houve uma alta ainda maior, para R$ 67,1;

em 2010, o salto, de quase 15%, levou para R$ 78,3;

em 2011, foi para R$ 87,5;

em 2012, para R$ 100,5.

em 2013 chegou a R$ 107,00.

[Obs Cafezinho: total R$ 547 bilhões entre 2007 e 2013].

Os gastos totais com a Copa, somando empréstimos públicos, privados, investimentos estaduais e municipais, chegam a R$ 26,7 bilhões.

Não é pouco dinheiro, convenhamos. Mas é menos, por exemplo, que metade do patrimonio da família Marinho, dona da TV Globo, segundo a revista Forbes. Em outra conta: num país com PIB de R$ 4,5 trilhões, os R$ 26 bi continuam sendo um bom dinheiro mas não vamos perder a perspectiva dos números.

Agora, algumas ideias.

É claro que toda pessoa tem direito de ser contra a realização da Copa no Brasil.

Em 2007 levantei críticas neste espaço – como qualquer pessoa, interessada na arqueologia da internet, poderá comprovar.

Sete anos depois, essa discussão está fora de lugar. Depois da crise de 2008, a maior do capitalismo mundial em 85 anos, não é possível ignorar o lugar da Copa no estimulo a investimentos realizados no país. Os trabalhos da Copa garantem um acréscimo anual de 0,4% no PIB brasileiro. Também ajudam a criar 3,6 milhões de empregos. Talvez não seja a melhor saída. Nem a mais duradoura. Mas cabe lembrar que, sem alternativas, que jamais foram apresentadas, as pessoas não tem o que comer nem o que vestir, não é mesmo? Do ponto de vista dessas pessoas, a Copa já é uma vitória, ainda que parcial, beneficiando a população mais pobre. Ou desemprego no orçamento dos outros não arde?

Além de sugerir medidas de austeridade, que afundaram a Europa, alguém apareceu com ideias mais adequadas, socialmente aceitáveis?

A campanha contra a Copa é antiga. Se você fizer a arqueologia de seus críticos, irá encontrar declarações solenes de que o governo brasileiro deveria render-se definitivamente a supostas mediocridades nacionais e devolver a Copa para a FIFA. O argumento, na época, é que nem os estádios ficariam prontos. Sem comentários, não é mesmo?

O debate seguinte foi outro. Nossos dinossauros se tornaram sociais – e foi para isso que a aliança com porta-vozes de uma retórica de ultra-esquerda se tornou necessária.

Repare: a mesma turma que em 2007 – o ano em que o Brasil foi escolhido como país-sede –derrubou a CPMF, aquele imposto semi-invisível que garantia verbas para a saúde pública, resolveu pedir dinheiro para postos de saúde como argumento para combater a Copa.

Sem ruborizar, teve a mesma reação diante do programa Mais Médicos.

A tecnologia política é conhecida. Depois de negar recursos que poderiam, de forma consistente e duradoura, promover uma mudança real na saúde pública, vamos à rua pedir hospitais padrão-FIFA.

Com todo respeito pela população que dá duro na fila dos hospitais públicos – e também pelos que são ludibriados regularmente pelos planos privados – cabe perguntar: quem queremos enganar com isso?

Quem está falando de indignação real? Quem joga na hipocrisia total?

 

vvv

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

25 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Suzana Oliveira Lima

31 de maio de 2014 às 13h04

O cenário de referência adotado
neste estudo aponta que a Copa do
Mundo de 2014 vai produzir um
efeito cascata surpreendente nos
investimentos realizados no País.
A economia deslanchará como
uma bola de neve, sendo capaz
de quintuplicar o total de
aportes aplicados diretamente
na concretização do evento e
impactar diversos setores.
Além dos gastos de R$ 22,46
bilhões no Brasil relacionados à
Copa para garantir a infraestrutura,
e a organização (veja quadro nesta
página), a competição deverá
injetar, adicionalmente, R$ 112,79
bilhões na economia brasileira, com
a produção em cadeia de efeitos
indiretos e induzidos. No total,
o País movimentará R$ 142,39
bilhões adicionais no período
2010-2014, gerando 3,63 milhões
de empregos-ano e R$ 63,48
bilhões de renda para a população,
o que vai impactar, inevitavelmente,
o mercado de consumo interno,
como é possível notar na tabela
da página 6. http://fgvprojetos.fgv.br/sites/fgvprojetos.fgv.br/files/estudo_9.pdf

Responder

Caroline

30 de maio de 2014 às 18h27

Esse texto só pode ser uma piada. Não importa se o orcamento na educacao aumentou. O que importa são os resultados. Não vejo os alunos com uma educacao de maior qualidade… vejo, sim, analfabetos funcionais, pessoas que nao sabem interpretar textos, que não conseguem raciocinar matematicamente (logicamente) o que me leva a conclusão de que os valores estão sendo mal investidos. Não há outra explicacao.
Valores sao necessarios, mas boa gestão é essencial.
Ainda, que ridícula a comparacao com pessoas que possuem patrimonio, se as pessoas sao ricas é pq alguém lá atrás investiu mto e se arriscou mto p isso… dinheiro não vem de graça p ngm… a não ser para os corruptos bandidoa e é apenas estes que devem ser criticados. Eu sou de classe média, mas gostaria de ser rica, como todo mundo… hipócrita é quem nega isso… mas quero q o dinheiro chegue p mim com trabalho, mto trabalho e se Deus quiser vai chegar!
Esse discurso de pobres x ricos é mto hipócrita!

Responder

Neuza matias Catarino

29 de maio de 2014 às 09h16

Este povo e uma esquerda rejeitada, frustados, que se dizem esquerda porque tem vergonha de dizer que no fundo são diereita enrustido e mediocres que não quer o crescimento do pais, não tem discurso, pois não tem covcção do que quer. a resposta ta bem na nossa frente eles se juntaram com esta corja da direita, e so as pessoas com o mesmo objetivo se juntam. quer prova maior da falsidade deles, principalmente da Marina uma pessoas que mostrou não ter ideologia e nem carater.

Responder

Vitor

29 de maio de 2014 às 08h50

Muito bom! Apenas um ponto em relação ao dinheiro dos estádios vai voltar… Nem todos! Quem pagará, afinal, o estádio de Brasília? Muitos outros são estaduais, portanto é dinheiro do povo do mesmo jeito…

Responder

    Miguel do Rosário

    29 de maio de 2014 às 08h59

    Volta sim, pela venda de ingressos.

    Responder

      Vitor

      29 de maio de 2014 às 11h13

      Ingressos de que?

      Responder

Roger Araujo

29 de maio de 2014 às 11h47

os mesmos que detonam o evento, estarão nos estadios, no camarote vip logicamente.

Responder

Roger Araujo

29 de maio de 2014 às 11h47

os mesmos que detonam o evento, estarão nos estadios, no camarote vip logicamente.

Responder

Roger Araujo

29 de maio de 2014 às 11h47

os mesmos que detonam o evento, estarão nos estadios, no camarote vip logicamente.

Responder

Leticia Miranda

29 de maio de 2014 às 01h27

Fabricio, acho engraçado você dizer que o partido foi dos trabalhadores e ignorar que a política do atual governo é responsável pela maior criação de postos de trabalho com carteira assinada da história.E também pela maior elevação do salário mínimo e pela maior da renda média dos trabalhadores. E, por fim, não consigo acreditar que o Psol seguirá achando que o PT deve se dar ao luxo de rejeitar apoio dos políticos brasileiros e que deveria abrir mão de governar o país. Afinal, governar é tarefa fácil e que prescinde de apoio (tá “seeeerto”). É ridículo que se imponha de maneira tão intransigente que o PT recuse toda espécie de apoio essencial à sua governabilidade. Mais ridículo ainda que essa imposição intransigente que nega a realidade do quadro político no qual o PT governa, e que, ao assim fazer, insista em classificá-lo como conservador e centrista, ao mesmo tempo em que, sem nenhuma justificativa melhor do que a governabilidade, se vota 85/90% das vezes junto com o PSDB e o Democratas, ao mesmo tempo em que se vai, junto com esse povo, ao Supremo pedir para que os escândalos de corrupção do PSDB não sejam investigados,e que se comemora junto com essa corja o fim da CPMF e se vai junto com ela, atendendo ao chamado da mídia e da maciça campanha por ela empreendida contra o evento, para as ruas fazer um protesto insano e culpar a Copa (e não o o fim da CPMF,imagina) pelos problemas ba Saúde Pública brasileira. Psol mostra a sua cara! Quero ver quem paga para vocês esconderem o rosto dos black blocs e os bicos dos tucanos. Plim-plim

Responder

    Fabrício Godoi

    29 de maio de 2014 às 12h16

    Você não prestou atenção no que escrevi e respondeu apenas um ponto. Não é possível analisar a realidade de forma tão compartimentada.
    Mas, mesmo assim, é óbvio que é preciso fazer concessões e aproximações. O problema é com quem. Enquanto você, petista, critica a esquerda por um suposto vínculo com o PSDB (vínculo que é facilmente derrubado), ao mesmo tempo não critica e aceita tacitamente o vínculo com as oligarquias nordestinas, por exemplo. Sarney é representante da antiga política patrimonialista brasileira, um câncer que há muito já deveria ter sido derrubado. E seria, se Lula não os tivesse usado no passado recente (o que não diminui sua habilidade de leitura política).
    Resumindo: essa postura acrítica, de quem não olha pra si, que está afastando cada vez mais o PT da esquerda.

    Responder

O Cafezinho

29 de maio de 2014 às 03h05

José Roberto, esses aí que você menciona foram eleitos. Se o povo elegesse melhores representantes, o governo não precisaria desses aliados.

Responder

O Cafezinho

29 de maio de 2014 às 03h05

José Roberto, esses aí que você menciona foram eleitos. Se o povo elegesse melhores representantes, o governo não precisaria desses aliados.

Responder

C.Paoliello

28 de maio de 2014 às 23h24

O governo nem precisa mas manifesto todo o meu apoio ao muito que a presidenta Dilma fez nesses 3 anos e meio de mandato e fará ainda mais no 2º mandato. As realizações são em todas as áreas, principalmente na promoção do emprego e do salário, vitais para qualquer povo do mundo.
E, de quebra, meu solene desprezo pela especulação financeira que nada produz e ainda vive do parasitismo dos que trabalham honestamente.

Responder

Fabrício Godoi

28 de maio de 2014 às 22h13

E com relação ao estado de exceção em pleno curso?
E as Leis que permitem deveres e direitos diferenciados para parcelas do território (entornos de estádios) ou parcelas de populações?
E a questão da especulação imobiliária e da expulsão das populações pobres?
E a questão do tal “Regime Diferenciado de Contratações”, que permite licitação sem projeto executivo?
E a violência das polícias, incluindo a federal (que – em pleno estado de exceção – poderá proibir manifestações!)?
Será possível que o apoio ao partido do governo (que um dia foi, de fato, dos trabalhadores) é tão cego que lhes permite ver o óbvio?
Será que não são capazes de assumir o deslizamento do PT em sentido do centro, permitindo que absurdos se instalem em nossa nação?
Você concorda, de verdade, que o povo é vira-lata, como disse Emir Sader (que eu gostava muito)?
Você concorda, sério que você concorda que os manifestantes com críticas à esquerda do governo são esquerdoides???
Você acha mesmo que alguém de esquerda vai se associar aos conservadores?
Ops! Para essa última pergunta eu já tenho resposta. É só olhar a base nojenta de apoio do partido do governo (que, apesar de tudo, ainda tem algo de esquerda).
.
Desculpe a “forma” da mensagem, mas o ataque que o PT promove à esquerda é reflexo da falta de senso de autocrítica.
O deslizamento do PSDB para a direita foi definitivo e parece que o PT vai seguir o mesmo caminho com relação ao centro… vai se “PMDBizar”.

Responder

Veronica M Almeida

29 de maio de 2014 às 00h45

Falta federalizar a educação básica e o ensino médio… aí a coisa vai andar! Enquanto esses municípios tomarem conta… :/

Responder

Jose Roberto

29 de maio de 2014 às 00h13

Engraçado quando se fala em conservadores aí vc olha,MALUF,COLLOR,SARNEI,LOBÃO,RENAN,tudo isso aliados de um governo q de diz progressista

Responder

    sergio m pinto

    28 de maio de 2014 às 23h12

    Fica muito feio torcer as coisas dessa maneira. Já tomou seu toddynho hoje?

    Responder

Mais do Mesmo

29 de maio de 2014 às 00h02

Peço que ajude na Campanha #LiberaGilmar

https://www.facebook.com/events/295064677335995/?context=create&source=49#

Responder

Mais do Mesmo

29 de maio de 2014 às 00h02

Peço que ajude na Campanha #LiberaGilmar

https://www.facebook.com/events/295064677335995/?context=create&source=49#

Responder

Otrebor Roberto

28 de maio de 2014 às 23h24

Destaco essas duas partes do resumo, qualquer semelhança com o que o PSOL e PSTU vem fazendo não é mera “coincidência”. Fora que a mídia silenciou sobre o caso do cinegrafista morto e dos Black Blocs com o PSOL:

2ª etapa: deslegitimação :
• Manipulação do anticomunismo.
• Impulsionamento de campanhas publicitárias em defesa da liberdade de imprensa, direitos humanos e liberdades públicas.
• Acusações de totalitarismo e pensamento único.
• Fratura ético-política.

4ª etapa: combinação de diversas formas de luta:
• Organização de marchas e tomada de instituições emblemáticas, com o objeto de cooptá-las e convertê-las em plataforma publicitária.
• Desenvolvimento de operações de guerra psicológica e ações armadas para justificar medidas repressivas e criar um clima de ingovernabilidade.
• Impulsionamento de campanha de rumores entre forças militares e tratar de desmoralizar os organismos de segurança

Responder

Otrebor Roberto

28 de maio de 2014 às 23h24

Destaco essas duas partes do resumo, qualquer semelhança com o que o PSOL e PSTU vem fazendo não é mera “coincidência”. Fora que a mídia silenciou sobre o caso do cinegrafista morto e dos Black Blocs com o PSOL:

2ª etapa: deslegitimação :
• Manipulação do anticomunismo.
• Impulsionamento de campanhas publicitárias em defesa da liberdade de imprensa, direitos humanos e liberdades públicas.
• Acusações de totalitarismo e pensamento único.
• Fratura ético-política.

4ª etapa: combinação de diversas formas de luta:
• Organização de marchas e tomada de instituições emblemáticas, com o objeto de cooptá-las e convertê-las em plataforma publicitária.
• Desenvolvimento de operações de guerra psicológica e ações armadas para justificar medidas repressivas e criar um clima de ingovernabilidade.
• Impulsionamento de campanha de rumores entre forças militares e tratar de desmoralizar os organismos de segurança

Responder

Otrebor Roberto

28 de maio de 2014 às 23h23

Miguel, o PSOL e o PSTU (são os dois que colocam “militantes” nesses micro-protestos forjados) seguem essa cartilha da CIA aqui:
http://daditaduraademocracia.wordpress.com/

Pode observar o resumo do método G. Sharp, é exatamente o que os dois e o PSDB vêm fazendo, junto com a turma do Bolsonaro:
http://advivo.com.br/blog/iv-avatar-da-bacia-do-parnaiba/os-golpes-e-o-metodo-passo-a-passo-de-gene-sharp

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina