Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Extradição de Pizzolato será julgada hoje

Por Miguel do Rosário

05 de junho de 2014 : 03h50

É hoje. Uma turma de três juízes decide hoje, dia 5 de junho, se Henrique Pizzolato, um dos condenados da Ação Penal 470, deve ou não ser extraditado ao Brasil. Como o fuso horário da Itália é adiantado em relação ao Brasil, o resultado poderá ser divulgado de manhã ou início da tarde. 

Um dos temas mais importantes para a justiça italiana, na hora de decidir ou não pela extradição, é a condição dos presídios brasileiros. A Itália, berço do humanismo e do direito penal moderno (com Cesare Beccaria), é muito sensível a questões de direitos humanos.

A nossa Procuradoria Geral da República está jogando duro na Itália. O chefe de gabinete do procurador-geral, Eduardo Pelella e Vladimir Aras, secretário de cooperação jurídica da PGR, passaram a quarta-feira compilando dados sobre os presídios brasileiros, para prestar esclarecimentos às autoridades italianas. Boni de Moraes Soares, diretor do departamento internacional da AGU também foi à Roma para monitorar a decisão italiana.

Haverá sustentação oral do advogado de Pizzolato, Alessandro Sivelli, de um promotor italiano, e de um advogado local contratado pela Advocacia Geral da União.

Se Pizzolato obtiver uma vitória, a expectativa é que seja libertado imediatamente. Os crimes relacionados à sua fuga, como o uso de passaporte falso não incorrem em penas pesadas e poderão ser classificados como procedimento rotineiro de pessoa à procura de asilo político. Quase todos os foragidos políticos brasileiros perseguidos pela ditadura, por exemplo, falsificaram passaportes.

É um bocado assustador constatar que o Brasil tem milhares de presos em situação ilegal, por causa da morosidade do Judiciário e da defensoria pública, e o Estado brasileiro manda tantos representantes de alto nível à Itália para garantir a extradição de um réu que nós, que estudamos a Ação Penal 470, presumimos ser inocente dos crimes pelos quais é acusado.

Isso é para a gente entender o poder da mídia.

Se perder, Pizzolato poderá apresentar recurso à Corte de Cassação, a instância judicial mais alta da Itália. E depois ainda haverá a decisão política do Ministério da Justiça da Itália. Por fim, Pizzolato poderá entrar com recurso junto à Corte Europeia.

Segundo o advogado, que não falou com a imprensa brasileira, mas falou com alguns blogs, mesmo se perder, não há risco de Pizzolato ser extraditado esse ano, tornando-se uma atração de circo para a mídia de oposição badalar em plena campanha eleitoral.

Se ele ganhar hoje, Pizzolato será solto e o governo terá que pedir à Itália para que faça o julgamento lá. Esse é o maior pesadelo de todos aqueles que articularam as tramoias da Ação Penal 470, porque haverá oportunidade de expor, à Justiça italiana, as inúmeras ilegalidades, inconsistências, omissões e mentiras que cercaram o julgamento.

Além do fato, absurdo, do mesmo juiz responsável pela investigação ter sido o mesmo que julgou, o mesmo que definiu as penas, e o mesmo que praticamente se postou na porta da cadeia. Isso rompe todas as regras de um julgamento justo, em que a pessoa que investiga não pode ser jamais a mesma que julga. A falta do duplo grau de jurisdição, outra arbitrariedade gritante contra Pizzolato (assim como para a maioria dos réus), que nunca exerceu cargo político, também deverá constituir um vício relevante a ser apreciado pela Justiça italiana.

Se Pizzolato perder hoje, a decisão vai se arrastar por alguns anos.

Esses são os fatos.

Entretanto, o mensalão envolve tantos interesses poderosos, que nunca se sabe o que pode acontecer. Não dá para saber, por exemplo, se os mesmos tentáculos políticos, midiáticos e financeiros que se articularam aqui para exercer uma pressão massacrante sobre o STF terão condições de fazer algo parecido na Itália. Mas alguma coisa eles devem tentar. Os 60 bilhões da família Marinho, que correspondem a mais que o dobro da fortuna de Silvio Berlusconi, para alguma coisa tem de servir.

275986_Papel-de-Parede-Noite-em-Veneza--275986_1920x1200

Veneza, norte da Itália, onde nasceu o direito penal humanista

 

Atualização: Publicado agora há pouco no Globo: (…) juízas Donatella Di Fiore, Marinella Di Simone e Danila Indirli, todas da Corte de Apelação de Bolonha. São elas quem deverão decidir, numa audiência imprevisível hoje, às 14h30 (10h30 em Brasília), se o brasileiro vai ou não ser extraditado para o Brasil. A audiência vai acontecer numa sala simples e pequena no térreo do tribunal, que tem o nome de Mario Amato, um juiz assassinado em 1980 por investigar grupos neofascitas. Pizzolato vai estar sentado no banco dos réus, à esquerda de Donalleta Di Fiore, que presidirá a audiência numa mesa que tem um pequeno quadro escrito: “A lei é igual para todos”.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

paulo

05 de junho de 2014 às 10h21

se Pizzolato não for estraditado, vai ser uma bomba atômica no Mentirão.

Responder

Asclê Junior

05 de junho de 2014 às 10h37

Se for extraditado o Barbosa volta da aposentadoria.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina