Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

Mídia prossegue campanha de criminalização da política

Por Miguel do Rosário

18 de junho de 2014 : 13h48

O problema de comunicação não é apenas do Executivo. Diante dos ataques que sofre da imprensa, o Legislativo também deveria exibir um pouco mais de autoestima e desejo de defender a sua imagem perante a sociedade.

Sei que é arriscado defender o Senado, diante de uma opinião pública viciada e udenista. A antipolítica é a pior doença atual no Brasil, e contamina todos os espectros ideológicos.

Observe a matéria abaixo, publicada no Globo de hoje com destaque. Ocupa quase uma página inteira. Aliás, a página inteira é dedicada à campanha antipolítica. Metade é a matéria sobre o recesso do Senado, outra metade é sobre Tiririca.

ScreenHunter_3998 Jun. 18 13.33

Ora, legislativos do mundo inteiro tem seus recessos, períodos em que os políticos retornam às suas bases, fazem articulações políticas, estudam a conjuntura.

Pretender que o trabalho de um senador, seja de esquerda, seja de direita, se limita ao “bater ponto” no Senado é ofender a inteligência e insultar a democracia.

Um senador é como um escritor, não pára de trabalhar porque não está em Brasília ou diante da máquina de escrever. O tempo dedicado à pesquisa, à observação, à discussão, é tão importante quanto o tempo passado dentro do Senado.

Além disso, até parece que a imprensa faz uma cobertura decente do trabalho dos senadores quando estão em Brasília. A imprensa só se interessa pelos escândalos, pelas CPIs, pelas brigas. Não faz o minimo esforço em despertar o interesse dos leitores pelos trabalhos das comissões especializadas, pelos debates parlamentares, por qualquer coisa de realmente útil produzida pelo parlamento.

Lembro-me de um livro de Gore Vidal, Linconl, que há alguns anos, no qual fala de um momento crucial da vida política e parlamentar os EUA. Os senadores às vezes tinham recesso de meses, por várias razões, como a dificuldade de transporte da época, mas também pela necessidade dos senadores de fazerem articulações políticas em seus estados. Ninguém os criticava por “não trabalhar”, ou por continuar recebendo salários, como faz o Globo.

A crítica da imprensa ao parlamento é vulgar, sensacionalista, despolitizante. Desinforma. Acentua a ignorância política do leitor. Incentiva o preconceito antipolítica e afasta o brasileiro do trabalho de seu parlamento, que pese seus inúmeros defeitos, é o único que ele possui.

ScreenHunter_4000 Jun. 18 13.48

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

JrFla

18 de junho de 2014 às 16h20

Se a globo falou mal do Tiririca deve ser: porque ele é mais assíduo do que Aecio ou ele vota em Dilma.

Responder

Deixe um comentário