Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

A derrota moral de Eduardo Cunha

Por Miguel do Rosário

27 de maio de 2015 : 23h15

Cunha conseguiu emplacar a primeira vitória do financiamento empresarial para campanhas eleitorais.

Ainda faltam outras votações, e depois tudo tem de ser votado também pelo Senado. O resultado ainda pode mudar.

Mas foi uma vitória suja, porque feita através de um golpe baixo, atropelando um acordo político público feito com todas as lideranças partidárias.

A isso se reduziu Eduardo Cunha, a um golpistazinho barato, que não cumpre acordos com seus próprios colegas de casa.

Sua imagem na história, que já era ruim, ficou ainda mais degradada.

Para mim, Eduardo Cunha perdeu outra vez. E desta vez foi uma derrota ainda mais triste, porque conspurcada pela baixeza, pela deslealdade, pela traição.

O presidente da Câmara precisa do respeito inclusive daqueles que lhe fazem oposição.

Cunha não tem mais isso.

Infelizmente, a democracia perdeu também. O dinheiro continua a ser o valor mais alto de uma campanha política.

Isso é o que já temos hoje, e o que a sociedade organizada queria mudar. Era a bandeira principal da OAB, da CNBB, dos movimentos sociais, de todas as centrais, de milhares e milhares de pessoas que vem se reunindo há anos.

Mas tudo isso gerou um fenômeno interessante. Cunha conseguiu uma coisa incrível. Empurrou a OAB para a esquerda.

Aliás, a virulência golpista da mídia, as conspirações judiciais, tudo isso tem levado uma boa parte da sociedade, inclusive setores mais conservadores – com exceção, é claro, daquela parte lobotomizada pela imprensa corporativa – para o campo progressista.

Os movimentos da política tem dessas coisas, e talvez a história nos tenha preparado para caminhar por essa direção mesmo.

Cunha, ao descumprir acordos e se tornar, de maneira tão descarada, um vilão, ajuda a criar uma polarização interessante, onde o PT, ainda cambaleante e confuso diante dos ataques que tem sofrido, e por seus próprios erros, encontra uma brecha política pela qual, se fizer os ajustes internos corretos, pode voltar a crescer.

CGD0SjyVAAAJMP2

*

Abaixo, o lamento do deputado Jean Wyllys em suas redes sociais.

Por Jean Wyllys, no Instagram.

A força da grana suja e as tenebrosas transações venceram essa batalha, infelizmente.

Apesar de ter sido derrotado ontem, Cunha fez de tudo para conseguir o que queria. Atropelando o regimento interno da Câmara, os acordos feitos publicamente no plenário sobre a pauta de votações e a civilidade política mínima (que desde sua chegada ao Trono não existe mais), o presidente da Casa, que se acha imperador, colocou em votação pela segunda vez o financiamento empresarial de campanha, e dessa vez conseguiu. Um “segundo turno” para reverter o resultado do primeiro, mesmo que isso seja uma aberração institucional, porque já era matéria vencida.

E, por incrível que pareça, o placar da votação mudou. Quer dizer, deputados que ontem tinham votado NÃO à constitucionalização da corrupção, hoje votaram SIM. Por que será?

Os hipócritas do PSDB e do DEM, que gostam tanto de bater panela “contra os corruptos”, votaram em bloco a favor da corrupção institucionalizada. Porque o que foi aprovado é isso.

Financiamento empresarial de partidos significa privatização da política para que as empresas, as corporações econômicas, o poder do dinheiro mande e desmande. Empresa não doa, faz investimento, e recebe em troca muito mais do que investiu. Não é por acaso que 255 dos atuais 513 deputados federais receberam para suas campanhas dinheiro das empreiteiras envolvidas na Operação Lava-Jato.

O Congresso deu as costas à população, mais uma vez, em defesa de obscuros interesses.

O financiamento empresarial da política prejudica sua vida cotidiana, porque quando o Estado serve aos interesses daqueles que pagaram as milionárias campanhas dos candidatos, os interesses do povo ficam relegados. E porque as enormes quantias de dinheiro que eles investem fazem com que seja muito difícil que os candidatos independentes do poder econômico (e, portanto, com campanhas pobres) se elejam.

Não deixemos essa aberração contra a democracia passar.

Proteste, reclame, mobilize-se, faça barulho, manifeste-se nas redes e nas ruas.

Diga não à contra-reforma de Cunha!

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

43 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Heliane Ferreira

16 de julho de 2015 às 08h40

E nós daqui endossando tudo que ele faz na medida que aceitamos tudo. Cidadão golpista, vingativo que só pensa no poder, mas com um rabo enorme na corrupção de longa data, é só pesquisar qdo era secretário do Garotinho e “foi convidado” a sair devido ao encaminhamento duvidoso de licitações, entenderam????

Responder

Luís CPPrudente

29 de maio de 2015 às 10h38

O Achacador Cunha, atual presidente da Câmara dos Deputados, é um bandido que rouba os valores da democracia, um bandido que legaliza a corrupção ao permitir que ele e outros pilantras continuem manipulando eleitores.

Esse pilantra, esse bandido tem que ir é para a cadeia.

Responder

Heliane Ferreira

29 de maio de 2015 às 08h17

Temos que guardar matérias como esta para “refrescar” a memória dos eleitores nas eleições. É um *&¨%$##

Responder

Martha silva

28 de maio de 2015 às 14h23

O que esperar desse mio do mio na camara!!!

Responder

Linno Parker da Silva

28 de maio de 2015 às 14h43

Se o Legislativo é o retrato mais fiel da sociedade seria essa sociedade o verdadeiro câncer da nação? Seria o fardo da recente escravidão tão pesado assim? Esse caso de amor com seu capataz nunca terá fim?

Responder

italo

28 de maio de 2015 às 11h42

Tudo indica que o Cunha combinou com Gilmar para garantir constitucionalizaçao da corrupção. Vergonha no Congresso, traidores de eleitor.

Responder

Luciano Machado

28 de maio de 2015 às 11h20

O povo queria a reforma política para acabar com o financiamento privado e o que a turma do Cunha faz? EXATAMENTE O CONTRÁRIO! Se fizerem uma pesquisa nas ruas e perguntarem as pessoas se elas são a favor da doação de dinheiro de empresas a partidos políticos, veremos que 90% serão contra! O próprio STF já estava sendo coerente com a constituição antes do pedido de vistas do Gilmar Mendes. Ontem foi a noite da vergonha! A reforma política que o povo quer não é isso! A Câmara de Deputados está tomada por uns 300 picaretas com a liderança de um psicopata.

Responder

Douglas G Carlos

28 de maio de 2015 às 14h17

Golpista e salafrário. Não tenho outros adjetivos para descrever este sujeito. Cadê os paneleiros?

Responder

Juma Marrrua

28 de maio de 2015 às 09h41

Caríssimo Miguel, nada a vê vc atribuir a derrotada do financiamento público ao Achador Mor do Cunha. Esse demente apenas preside a casa, quem votou nessa palhaçadas foram os outros ladroes. Eu nenho nojo do Cunha, mas atribuir a ele essa derrota é portanto muita ingenuidade de sua parte. O Cunha pode colocar em pauta o que ele quiser, quem votou votou consciente e seguro, o Cunha não forçou ninguém a ser favorável a doação empresarial. Seguramente dessa vez o Cunha nada tem a ver com isso.

Responder

Vitor

28 de maio de 2015 às 09h29

Miguel, vc viu isso?
http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/05/1632911-projetos-do-stf-criam-auxilios-do-berco-ao-caixao-para-magistrados.shtml
Perdi totalmente o respeito pelo Lewandowski. Pra mim virou apenas um pilhador dos cofres públicos! Vergonhoso demais isso que ele propõe!

Responder

    Miguel do Rosário

    28 de maio de 2015 às 09h51

    Viraram uns mandarins. Mas tinha que haver um movimento no legislativo pra barrar isso

    Responder

      Vitor

      28 de maio de 2015 às 10h16

      Pois é… O problema é que nosso legislativo é todo enrolado com a justiça (ou com alto potencial de ser) e não querem desagradar os marajás do judiciário…

      Responder

    Ana

    28 de maio de 2015 às 23h38

    Vitor, isto foi publicado na Folha, é verdade mesmo?

    Responder

      Vitor

      29 de maio de 2015 às 12h01

      Foi publicado na Folha, daí a ser verdade eu não sei, mas parece que sim…
      Sério, é de dar nojo…

      Responder

Suzana Moreira

28 de maio de 2015 às 09h35

#ForaCunha!

Responder

Ana Santos

28 de maio de 2015 às 09h21

Tá pouco se lixando…

Responder

Claudia Guilherme

28 de maio de 2015 às 09h16

Fora Cunha!

Responder

André Pais

28 de maio de 2015 às 04h50

E vcs acham que ele está preocupado? Rrsss

Responder

Grace Diniz

28 de maio de 2015 às 04h38

A culpa não é só desse idiota, é de todos que votaram com ele; todos, sem exceção, são a favor da corrupção.

Responder

Moisés Eller

28 de maio de 2015 às 03h42

Moral, que moral?

Responder

Josias Vicente

28 de maio de 2015 às 03h37

Quem perdeu moral para esse cunha achar…??

Responder

Rômulo Gustavo Martinez

28 de maio de 2015 às 03h33

Mas que moral?

Responder

Manoel

28 de maio de 2015 às 00h03

Estou estarrecido. Hoje comprovou-se que na hora que o cunha quiser o impedimento, ele passa!

Responder

Regina Carvalho

28 de maio de 2015 às 03h03

Fico cá imaginando a$ empre$sa$ pre$$ionando Cunha e como ele con$seguiu reverter e aprovar. Quanto $erá que foi o per capta?

Responder

Luis Sergio Pinto

28 de maio de 2015 às 02h59

Nosso problema não é o Eduardo Cunha, é a justiça, que tem esse marginal nas mãos e não abre inquérito contra ele. Temos que fazer uma grande campanha para que o Janot seja mais rápido com os processos contra esse marginal.

Responder

Linno Parker da Silva

28 de maio de 2015 às 02h56

Ele é um dos homens da globo. Tem poder ilimitado. Não se trata de perder a moral. Ela é abstrata. Mas esse poder é bem real. E assusta.

Responder

Messias Franca de Macedo

27 de maio de 2015 às 23h54

A derrota moral do IMORAL [eduardo] CUnha!

… O Sabotador Geral da Nação exerce um protagonismo que não é ‘delle’!
O [eduardo] CUnha é, apenas, uma reles representação da imundície que responde pela alcunha infame de “elite” brasileira!
Todo um aparato logístico criminoso respalda o escroque!
Inclua-se “a paciência de Jó” de certo “supremo”:
prometeu que, finalmente, devolverá o processo no final de junho!
Óbvio, o parceiro CUnha “está dando conta do recado”!
Em tempo hábil!
NOTA FÚNEBRE: enquanto estiverem “soltos, todos soltos”, o sentido de democracia no Brasil não passará de mera figura de retórica!
Retórica capciosa!
Escrotos vendilhões da pátria!
A canalhice venceu!

Responder

    Messias Franca de Macedo

    27 de maio de 2015 às 23h55

    Intervenção Federal na Câmara dos dePUTAdos “do [eduardo] CUnha” JÁ!…

    Responder

      Messias Franca de Macedo

      27 de maio de 2015 às 23h55

      … Cadê os ‘coxinhas’ revoltados(as)?!
      Ah canalhas!

      Responder

indignada

27 de maio de 2015 às 23h48

Estou estarrecida com a manobra rasteira do “filho da cunha” – decididamente esta câmara não me representa !!!!
Se não houver uma limpeza geral nos candidatos na próxima eleição, votarei nulo, com certeza.
Chega de arbitrariedades, chega de safadezas, chega de ver deputados votando por interesse exclusivamente seu , se lixando para o que pensa quem o colocou lá.
A reforma política não poderia NUNCA ser feita pelos interessados em que não haja reforma alguma …
Afinal, os quase 8 milhões de brasileiros que pediram uma assembléia constituinte, em setembro de 2014, para se fazer a reforma , não significam nada??
Um boçal sozinho consegue comandar 512 deputados a seu bel prazer?
Chega, a paciencia acabou; Lula tinha meia razão pois só achou 300 picaretas ; eu acho que são 512 !!

Responder

Dea Fonseca

28 de maio de 2015 às 02h38

A canalhice impera neste país. A bandidagem foi eleita. Deve ser isto que o povo que elegeu este congresso quer.

Responder

Fabio Fábio

28 de maio de 2015 às 02h29

Infelizmente, derrota moral serve pra nada…. :(

Responder

Sandra Francesca de Almeida

28 de maio de 2015 às 02h29

#ForaCunha
Vergonha também dos que ontem tiveram uma posição e hoje outra. A pergunta que não quer calar: o que se passou neste curto espaço de tempo?

Responder

Cláudio Pereira

27 de maio de 2015 às 23h28

Cunha não pode ser derrotado no que não tem. Nunca teve nem nunca terá moral. Foi uma vitória arrebatadora da canalhice, e ser canalha é com ele mesmo. Entreguemos a coroa a ele, louvemos sua competência ignóbil. Ganhou porcamente, levou porcamente, o congresso atual é lama pura, onde as exceções confirmam a regra.

Responder

Erasmo Augusto

27 de maio de 2015 às 23h25

Infâmia, podridão, ignomínia!!!!!
Estou estarrecido.
Sem palavras…

Responder

Ana Quaiato

28 de maio de 2015 às 02h23

eles já o elegeram para isso, pq tem a cara perfeita, tem a falta de etica necessária!

Responder

Takeo Antônio

28 de maio de 2015 às 02h23

#PalpatineDeHavainas

Responder

Takeo Antônio

28 de maio de 2015 às 02h22

#PalpatineDeHavainas #OImpérioContraataca

Responder

Antonio Moreira da Silva

28 de maio de 2015 às 02h22

ele tem ?????

Responder

Marcelo Santos

28 de maio de 2015 às 02h20

Cunha o maior FDP contemporâneo q conheço.. Ih..esqueci de Aécio e fhc

Responder

Claudio Gonçalves

28 de maio de 2015 às 02h19

Não há como escapar ileso depois de patrocinar tantas vilanias. Espero ansioso para ver a queda desde verme.

Responder

Leandro Felipe Bueno Tierno

28 de maio de 2015 às 02h16

Se dependesse da esquerda, acho que NUNCA IAM VOTAR NADA. Muito lero-lero, e pouca ação.

Responder

    O Cafezinho

    28 de maio de 2015 às 02h20

    Não viaja, Leandro. A Câmara trabalha muito. Tem conservadores, de esquerda, de tudo, mas se aprova muita coisa.

    Responder

Deixe um comentário