Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

OPI-002.eps

Discutindo os vícios do sistema penal moderno

Por Miguel do Rosário

02 de agosto de 2015 : 14h52

No Nassif, encontro um post indicando esse vídeo-aula com o Juiz de Direito Alexandre Morais da Rosa (TJ/SC). O gancho é a referência à tática usada por Sergio Moro para convencer réus a delatar, a partir de 26m 25s.

Eu assisti a referência e acabei por me envolver com o vídeo e o assisti quase na íntegra.

É uma aula fantástica sobre a realidade do julgamento penal, feita por juiz pelo qual senti grande simpatia.

Para desespero dos trolls e coxinhas, o Cafezinho tem muitos leitores e fãs entre juízes, advogados, juristas, procuradores, e demais profissionais do direito.

Faço parte ainda de um grupo de whatsapp de juristas de esquerda, todos extremamente críticos aos arbítrios e ilegalidades da Lava Jato.

Os trolls e coxinhas querem nos acusar de defender sempre “bandidos”, “mensaleiros”, “corruptos”.

Não.

Somos todos radicalmente contra a corrupção.

E por isso mesmo não queremos que o combate à corrupção seja corrompido!

Não queremos que o combate à corrupção seja manipulado, como se fez tantas vezes no Brasil, para produzir mais corrupção!

É um paradoxo e uma contradição.

Os mesmos que passam a vida acusando o Brasil de ter um Estado paternalista, inchado, que se autointitulam liberais, que acusam o PT ou a esquerda por defenderem um Estado forte, são os mesmos que se aferram aos setores menos democráticos do Estado: os aparelhos de repressão.

Em todos os momentos de totalitarismo, na esquerda ou na direita, os setores do Estado mais crueis, mais nocivos à liberdade, sempre vieram dos aparelhos de repressão: tribunais, polícias e procuradorias.

Em alguns momentos, o Estado é democrático apenas na aparência, mas o autoritarismo se incrusta através da ideologia autoritária das instituições meritocráticas que cuidam do sistema judiciário e penal.

É o que está acontecendo no Brasil.

O Brasil tem aparelhos de repressão repletos de vícios totalitários. Sem contar que nossa referência maior é o Estado americano, que também possui vícios horríveis, mas aos quais eles, os americanos, estão acostumados por serem uma democracia muito antiga e possuírem um sistema de comunicação infinitamente mais plural.

Estou assistindo, na Netflix, a série The Good Wife, produzida pelos irmãos Ridley e Tony Scott.

É uma série fantástica, que mostra as intrigas dentro das procuradorias, a corrupção judicial, e o vale tudo para se privar seres humanos de sua liberdade.

Mostra também como a democracia moderna ainda é imperfeita.

Pessoas são condenadas à morte, ou a penas severíssimas, com base em acusações falsas, montadas por procuradores mais interessados em suas carreiras do que na justiça.

A vida e a liberdade dos indivíduos ficam a mercê de uma guerra de egos entre procuradores, advogados de defesa e juízes.

No vídeo-aula mencionado e reproduzido no início do post, menciona-se uma pesquisa com oito juízes israelenses que revelam o arbítrio que perpassa o sistema penal moderno.

Os juízes tomam decisões vitais para a liberdade de um cidadão com base se estão mais ou menos cansados, mais ou menos com fome.

Isso é democracia?

No Brasil, o problema é trágico.

Centenas de milhares de cidadãos permanecem encarcerados sem uma condenação!

Enquanto isso, as associações de juízes e suas representações sindicais só pensam em elevar seus salários, e ampliar suas gratificações, que já são, de longe, as maiores do mundo!

E agora, para piorar, um juiz do Paraná, com apoio do corporativismo da categoria, se arvora um justiceiro da mídia, punindo antecipadamente a tudo e a todos, determinando prisões preventivas ou provisórias de qualquer pessoa, independente da densidade probatória das acusações. Determina inclusive a prisão de um almirante da Marinha, maior cientista nuclear do país, uma pessoa que, por si só, é uma peça fundamental na economia energética de uma nação de 202 milhões de pessoas.

A prova?

A prova apresentada pelos procuradores e aceita pelo juiz é que este senhor de 76 anos teria recebido, ao longo de seis anos, cerca de 4 milhões de reais.

Ora, cada procurador e o próprio juiz deve ter recebido quantia similar ou mais ao longo dos últimos seis anos!

Se o almirante estivesse atrás de dinheiro poderia ter obtido, num único minuto, trinta, quarenta vezes mais, bastando para isso vender a sua própria pesquisa a países estrangeiros ou multinacionais!

Sergio Moro mandou prender Othon Pinheiro sem que este tivesse qualquer direito à defesa!

Em Minas, um delegado da PF mandou prender um empresário sem sequer uma ordem judicial!

A questão penal, por ser ligada organicamente à liberdade, é uma das questões mais essenciais da doutrina democrática.

É como amante da liberdade e da democracia, portanto, que o Cafezinho permanecerá sempre crítico ao Estado repressor, sobretudo quando, além de repressor, ele se torna conspirador, e tenta invadir e dominar a esfera política!

Quando Millor Fernandes falou que imprensa de verdade tem de ser oposição, ele talvez se expressaria melhor se deixasse claro que o principal alvo do criticismo jornalístico deveria ser o aparelho repressor do Estado.

O Executivo tem oposição naturalmente na sociedade, inclusive institucionalmente, através do Legislativo, sempre composto por forças divergentes entre si.

Quem critica o Judiciário, o Ministério Público, a Polícia Federal, a mídia, as corporações?

Uma imprensa verdadeiramente democrática tem de ser crítica sobretudo ao Judiciário e ao Ministério Público, porque são as instituições que, por não passarem pelo filtro do sufrágio, e por terem membros vitalícios, mais precisam ser arejadas pelo debate crítico e livre que deveria caracterizar uma democracia!

Os membros de partidos políticos e os próprios membros do governo também deveriam participar desse debate, que não deveria ser tabu, e sim um debate fundamental para o aprimoramento do mundo em que vivemos.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Rodrigo Santos

03 de agosto de 2015 às 14h49

“Faço parte ainda de um grupo de whatsapp de juristas de esquerda, todos extremamente críticos aos arbítrios e ilegalidades da Lava Jato.”

E como faço para entrar nesse grupo?

Responder

peter

03 de agosto de 2015 às 08h54

José Dirceu preso NOVAMENTE hoje pela manhã. TOMA petralhada imunda!

Responder

    Miguel do Rosário

    03 de agosto de 2015 às 11h01

    Ele já estava preso. Fascistas se contorcem de alegria, hein?

    Responder

Jair Santos

03 de agosto de 2015 às 09h45

a sociedade brasileira precisa urgentemente discutir a questão judiciária…parabéns pelo texto.

Responder

Heliane Ferreira

02 de agosto de 2015 às 22h55

AVe Moro

Responder

Caique de Paula Pereira

02 de agosto de 2015 às 18h32

Caro Miguel,

Coxinha e Trolls, são antes de qualquer coisam, IMBECIS, Néscios, Beócios de 1ª Grandeza, prefiro uma conversa séria com meu Cachorro, pois ele é muito mais inteligente e equilibrado, além de não ser massa de manobra.

Responder

    Caique de Paula Pereira

    02 de agosto de 2015 às 22h07

    Viu? Como falei, Coxinhas e Trolls são a nata do NADA.

    Responder

Dannty Sá

02 de agosto de 2015 às 20h16

Excelente análise. Mas
Confesso que não vi o vídeo inteiro!

Responder

Andrea Carvalho Alfama

02 de agosto de 2015 às 20h12

Welton Roberto

Responder

Andrea Carvalho Alfama

02 de agosto de 2015 às 20h11

Esse vídeo é uma aula obrigatória pra quem quiser entender melhor a estratégia utilizada pelo Sérgio Moro no julgamento da lava-jato.

Responder

Marcos Portela

02 de agosto de 2015 às 20h08

Lava Jato CONTRA CORRUPÇÃO ou GOLPE FEDERAL? Como pode uma INSTITUIÇÃO FEDERAL, no estado do Paraná, ATACAR ESTATAIS e EMPRESAS brasileiras, DESEMPREGANDO milhares no país, alegando COMBATER a CORRUPÇÃO, CONTRADIÇÃO de quem usa TARJAS PRETAS para ESCONDER e INVALIDAR PROVAS de CORRUPÇÃO contra PARTIDOS de OPOSIÇÃO como PSDB e DEM, que aliados a GRANDE MÍDIA mais parecem uma ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, INSTALANDO o CAOS no país, usando a política do QUANTO PIOR MELHOR, panelinha que virou PANELAÇO.

Responder

Marcos Portela

02 de agosto de 2015 às 20h08

Lava Jato CONTRA CORRUPÇÃO ou GOLPE FEDERAL? Como pode uma INSTITUIÇÃO FEDERAL, no estado do Paraná, ATACAR ESTATAIS e EMPRESAS brasileiras, DESEMPREGANDO milhares no país, alegando COMBATER a CORRUPÇÃO, CONTRADIÇÃO de quem usa TARJAS PRETAS para ESCONDER e INVALIDAR PROVAS de CORRUPÇÃO contra PARTIDOS de OPOSIÇÃO como PSDB e DEM, que aliados a GRANDE MÍDIA mais parecem uma ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA, INSTALANDO o CAOS no país, usando a política do QUANTO PIOR MELHOR, panelinha que virou PANELAÇO.

Responder

Roberval Silva

02 de agosto de 2015 às 19h19

Vamos descriminalizar todas as drogas.

Responder

Deixe um comentário

Por que devemos confiar nas Urnas Eletrônicas? Viaje no Universo Profundo com o Telescópio James Webb O Xadrez para Governador do Ceará