Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Brasília- DF 26-11-2015 Foto Lula Marques/Agência PT A senadora Vanessa Grazziotin faz a leitura do relatório final da CPI do Carf.

CPI do Carf termina com pedido de 28 indiciamentos e sugestão de mudança no conselho

Por Redação

03 de dezembro de 2015 : 19h28

na Agência Senado

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou crimes e fraudes cometidos no âmbito do Conselho Administrativo de Recursos Fiscais (Carf) encerrou seus trabalhos nesta quinta-feira (3). Foi aprovado o relatório de Vanessa Grazziottin (PCdoB-AM), solicitando o indiciamento de 28 investigados, a maioria advogados e ex-integrantes da instituição.

Entre os investigados, estão o ex-vice-presidente do órgão, José Ricardo da Silva e o empresário Juliano Nardes, sobrinho do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes. Ele é acusado de receber propina de empresas beneficiadas em julgamentos pelo Carf.

Também estão na lista, entre outros, Paulo Ferraz, ex-presidente da Mitsubishi no Brasil, e Mauro Marcondes, que teria atuado como intermediário no caso de fraude envolvendo a montadora japonesa.

Reformulação do conselho

Vanessa lembrou que as investigações apontam para fraudes em julgamentos envolvendo recursos da ordem de R$ 19 bilhões. Por isso, uma das recomendações de seu relatório, já acertada com o presidente do Senado, Renan Calheiros, é a solicitação para que a comissão de juristas responsável pelo anteprojeto de desburocratização apresente proposta de reformulação do conselho. Ficou acertado, segundo Vanessa, que a comissão de juristas trabalhará com base na proposta a ser enviada pelo governo federal, que criou um colegiado interministerial com prazo de 30 dias para apresentá-la.

— Acredito que já no início de 2016 podemos estar recriando o Carf. Além de ter sido tomado por quadrilhas, é ineficiente. Em 20 anos, o atual modelo de contenciosos recuperou apenas 2% do desviado por evasões — informou.

Para a senadora, a reforma do Carf desviará as discussões sobre novas receitas para o governo federal. O discurso, segundo ela, passará “do aumento de impostos para uma maior eficiência na arrecadação”. Vanessa acredita ainda que é consenso o fim da paridade no órgão, pela qual metade dos conselheiros são indicados pelo setor privado.

Para o presidente da CPI, Ataídes Oliveira (PSDB-TO), o modelo de paridade foi o principal responsável pela ineficiência e corrupção que teria tomado conta do Carf. Por isso, ele quer a aprovação de sua proposta (PEC 112/2015), pela qual os conselheiros seriam selecionados por concurso público.

— No Japão, são todos auditores de carreira que atuam nesses contenciosos. Com a participação garantida do Ministério Público, isso resolve o problema — defende.

O relatório final da CPI será enviado agora para a Polícia Federal e o Ministério Público, entre outras instituições. Por iniciativa de Ataídes, também será enviado o voto em separado apresentado por Randolfe Rodrigues (Rede-AP), que não chegou a ser aanalisado

Medidas Provisórias

Ataídes e Randolfe informaram que, a partir do próximo ano, trabalharão na coleta de assinaturas visando à criação de uma comissão parlamentar mista de inquérito, com o objetivo de investigar a suposta venda de medidas provisórias.

O caso veio à tona no aprofundamento da Operação Zelotes, da Polícia Federal, envolvendo grupos e empresas já investigados pela manipulação de julgamentos no Carf. Randolfe queria que a CPI do Carf fosse prorrogada para investigar o caso. Ele foi, porém, voto vencido.

Para Randolfe, havia também elementos para que os ex-ministros Erenice Guerra (Casa Civil) e Silas Rondeau (Minas e Energia) figurassem na lista de indiciados. Vanessa disse que durante toda a semana esteve aberta para a apresentação de sugestões por parte dos senadores, o que não foi feito por Randolfe antes da reunião final.

O caso da suposta venda de medidas provisórias, na opinião da senadora, não tem relação direta com o Carf e será alvo de mais investigações por parte da Polícia Federal, do Ministério Público e do próprio Congresso Nacional.

Para Ataídes, o caso não pôde ser aprofundado na CPI devido à “blindagem da base governista”. Ele entende que a presidente Dilma, o ex-presidente Lula, seu filho Luís Cláudio, e os ex-ministros Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência da República) e Erenice Guerra teriam envolvimento com as negociações de MPs.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Enrico Grecovs

04 de dezembro de 2015 às 20h17

poxa…mas o grande vilão não era o filho do Lula?Cade?Só mais um monte de coxinha corruto safado…..Entre os investigados, estão o ex-vice-presidente do órgão, José Ricardo da Silva e o empresário Juliano Nardes, sobrinho do ministro do Tribunal de Contas da União (TCU) Augusto Nardes.
Também estão na lista, entre outros, Paulo Ferraz, ex-presidente da Mitsubishi no Brasil, e Mauro Marcondes, que teria atuado como intermediário no caso de fraude envolvendo a montadora japonesa….só tucano safado pra variar……

Responder

Lis Peixoto

04 de dezembro de 2015 às 02h21

Talita

Responder

Fernanda D. Scherer

04 de dezembro de 2015 às 00h09

E o Gerdau ? E a RBS?

Responder

Petralha Zuero

03 de dezembro de 2015 às 21h50

E a RBS investindo pesado na queda da Dilma.Não tem gente mais ¨onesta¨que eles.

Responder

Bruno Santos

03 de dezembro de 2015 às 21h42

Responder

    O Cafezinho

    03 de dezembro de 2015 às 21h49

    ahahaha, figueiredo. que exemplo de líder democrático, não? quantos votos ele teve mesmo?

    Responder

    Bruno Santos

    03 de dezembro de 2015 às 21h51

    Naquela época Vagabundo não tinha vez…hoje os valores estão trocado ,

    Responder

    Bruno Santos

    03 de dezembro de 2015 às 21h56

    Não sei quem é vc cafézinho mas vc como eu sabemos de todos os podres de Lula e do PT…e de todos os partidos…sabemos que o Lula hoje é bilionario ,e ele compra quem ele quiser…eu sempre trabalhei honestamente

    Responder

    Mazinho Moraes

    03 de dezembro de 2015 às 22h08

    que lindo é a democracia, por termos o privilégio de ver esse tipo de coisa acontecer e não conseguir nada, nenhum êxito!! kkkkk teu direito de se manifestar é muito bom, sorte de vc nunca ser a maioria!!!

    Responder

    Mazinho Moraes

    03 de dezembro de 2015 às 22h09

    Bruno Santos , vc seria comprado pelo LULA?? kkkkkk, pelo que falou, tua lógica se aplica facilmente com vc, kkkkk

    Responder

    Dennison Santos Carvalho

    04 de dezembro de 2015 às 10h10

    O que dizer de um lambe botas? Me responda Mazinho Moraes ???

    Responder

    Bruno Santos

    04 de dezembro de 2015 às 10h35

    Cara como vc Dennison que defende um governo corrupto o maior da História desse país,como é esse PT…com certeza não é de graça todos ai ganham algum trocado…mas se pra vc esta bom viver em um país de Ditadura Comunista e comandado por guerrilheiros parabéns pra vc

    Responder

Bruno Santos

03 de dezembro de 2015 às 21h41

Q

Responder

David M. Do Nascimento

03 de dezembro de 2015 às 21h36

A receita federal foi a instituição que mais confie e veja aí! Instituições governamentais… Não dá pra confiar em nenhuma!

Responder

Deixe um comentário