Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Notas anti-apocalípticas: Retomada da obra da Refinaria Abreu e Lima é esperança de emprego

Por Redação

05 de janeiro de 2016 : 20h27

Petrobras terá R$ 756 milhões para investir este ano no empreendimento

no Jornal do Commercio

A Petrobras terá R$ 756 milhões para investir na Refinaria Abreu e Lima (Rnest) este ano. O valor está previsto no Orçamento Federal de 2016 e será utilizado para retomar as obras da primeira etapa do empreendimento, que foram suspensas em 2014 em função das investigações da operação Lava Jato. A expectativa é de que o reinício da construção reanime a economia de Pernambuco, com a geração de 2 mil empregos só na construção pesada. Apesar da boa notícia, o processo não será imediato porque a Petrobras terá que voltar a licitar a obra para só depois começarem as contratações do canteiro.

A parte do primeira etapa que será retomada é a construção da Unidade de Abatimento de Emissões de Enxofre (SNOX), responsável por diminuir a emissão de poluentes na atmosfera. O primeiro contrato de construção da unidade foi assinado entre a Petrobras e o consórcio Ebe-Alusa em 2011, com orçamento previsto em R$ 574,6 milhões. Em 2014 as companhias entraram em divergência sobre valores dos aditivos e o consórcio abandonou a obra. Sem a construção do equipamento, a Rnest só foi autorizada a processar 64% da capacidade total da primeira etapa.

O governo do Estado e a Petrobras assinaram um termo de compromisso para permitir que a refinaria funcione na sua totalidade, mediante condições de processamento de um tipo de petróleo menos poluente enquanto a SNOX não fica pronta. De acordo com a Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), a previsão é que a licença de operação de 100% da refinaria seja liberada na próxima segunda-feira. A licença só terá validade de um ano, na tentativa de garantir que a obra do equipamento ambiental seja concluída. Procurada pelo JC, a Petrobras não se pronunciou até o final desta edição para informar sobre o início do processo de licitação, número de operários e previsão de conclusão da obra.

EMPREGOS

A retomada da obra da Rnest é apontada como uma alternativa para reduzir o desemprego no setor da construção pesada. A desmobilização da Abreu e Lima, iniciada em 2014 e concluída no ano passado, deixou 40 mil trabalhadores sem emprego. Foi a segunda maior onda de desligamentos do Brasil, atrás apenas da construção de Brasília nos anos 1950. No mercado, a informação é de que 90% da primeira unidade SNOX esteja concluída e outros 75% da segunda (porque os equipamentos na refinaria são sempre em pares).

“A construção pesada está sofrendo bastante com o desemprego. No dissídio de 2014 eram 38 mil trabalhadores e no ano passado restavam apenas 2 mil na refinaria. O equipamento SNOX deverá contratar 2 mil pessoas. É importante porque é alguma oportunidade. As grandes obras, a exemplo da Transposição do São Francisco e a Transnordestina estão em ritmo lento”, diz o assessor do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Construção de Estradas, Pavimentação e Obras de Terraplenagem em Geral de Pernambuco (Sintepav-PE), Leodelson Bastos. Ele destaca que mesmo que a construção já estivesse avançado, a paralisação por mais de um ano vai exigir altos índices de retrabalho. A empreiteira que vencer a licitação vai contratar montadores, armadores, soldadores, encanadores industriais, caldeireiros e outros profissionais da área.

LICITAÇÃO

No ano passado, a Petrobras tentou relicitar a obra da unidade SNOX, mas suspendeu o processo em julho por conta dos preços ofertados pelas empreiteiras e pela falta de concorrentes. Depois das denúncias da Lava Jato e dos levantamentos do Tribunal de Contas da União (TCU) apontando sobrepreço e irregularidades, a fiscalização sobre os novos contratos deverá aumentar. A Refinaria Abreu e Lima começou com orçamento de US$ 2,5 bilhões e tem previsão de fechar em US$ 20 bilhões.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

9 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maurilio Francisco de Assis

07 de janeiro de 2016 às 01h45

ufa que venha logo

Responder

Francisco Das Chagas Lemos

06 de janeiro de 2016 às 22h04

foi em qual governo que foi construida a refinaria…….

Responder

Luciano Gomes

06 de janeiro de 2016 às 16h58

Triste é ver brasileiros que não conseguem se colocar no lugar dos milhares de trabalhadores que tem suas famílias e seus empregos em risco. E entram na onda do quanto pior melhor, que só leva ao sofrimento de milhares de famílias, devemos a fazer é estimular a investigações em todas as empresas pertencentes ao governo. Pra que isso aconteça, é necessário que não entremos em diz que me diz de alguns que não estão querem “mudanças” e sim poder. Não tiveram e, continuam não tendo projeto para o nosso Brasil. A casa grande só interessa grana e poder, o resto é apenas o resto.

Responder

Maria Regina Novaes

06 de janeiro de 2016 às 14h05

E a grana que era do psb e psdb…não vai ser apurada?

Responder

Joel Araujo

06 de janeiro de 2016 às 12h44

Essa é uma ótima notícia. Espero que o sindicato local não atrapalhe como fez durante a primeira fase, quando exigia mundos e fundos por ocasião dos dissídios coletivos, e o pessoal tinha uma improdutividade de cerca de 40%. Não tem empresa que aguente isso!

Responder

Joel Araujo

06 de janeiro de 2016 às 12h44

Essa é uma ótima notícia. Espero que o sindicato local não atrapalhe como fez durante a primeira fase, quando exigia mundos e fundos por ocasião dos dissídios coletivos, e o pessoal tinha uma improdutividade de cerca de 40%. Não tem empresa que aguente isso!

Responder

Antonio Henrique Siqueira

06 de janeiro de 2016 às 11h51

Fala baixo, o Moro pode ouvir e tentar estragar tudo.

Responder

Ivan Nascimento

06 de janeiro de 2016 às 09h49

Depois de hiperfaturamento , corrupção, um Chaves Morto Vivo , um bando de petralhas…e, esses Vermes ainda acham pouco ?

Responder

Deixe um comentário