Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

File illustration picture showing the logo of car-sharing service app Uber on a smartphone next to the picture of an official German taxi sign in Frankfurt, September 15, 2014. A Frankfurt court earlier this month instituted a temporary injunction against Uber from offering car-sharing services across Germany. San Francisco-based Uber, which allows users to summon taxi-like services on their smartphones, offers two main services, Uber, its classic low-cost, limousine pick-up service, and Uberpop, a newer ride-sharing service, which connects private drivers to passengers - an established practice in Germany that nonetheless operates in a legal grey area of rules governing commercial transportation. REUTERS/Kai Pfaffenbach/Files (GERMANY - Tags: BUSINESS EMPLOYMENT CRIME LAW TRANSPORT)

Corrida barata de Táxi? Você não deve ter percebido o verdadeiro custo do Uber

Por Redação

04 de fevereiro de 2016 : 18h09

no Partido Pirata

Para entender porque nós vemos tão poucas alternativas genuínas para os gigantes de tecnologia americanos, é instrutivo comparar o destino de uma companhia como o Uber – avaliada em mais de 65 bilhões de dólares – com a do Kutsuplus, uma inovadora startup finlandesa que se viu forçada a fechar no último ano.

A aspiração do Kutsuplus era ser o Uber do transporte público: ele operava uma rede de mini-ônibus que iriam pegar e deixar passageiros em qualquer lugar em Hesinki. Previa o uso de smartphones, algoritmos e sistemas em nuvem desenvolvidos para maximizar eficiência, cortar custos e prover um engenhoso serviço público. Gerado a partir de um projeto de uma Universidade local que operava em um orçamento limitado, Kutsuplus não tinha ricos investidores capitalistas por trás dele. Isso, talvez, é o que tenha contribuído para o seu fim: a autoridade de transporte local o achou muito caro, apesar do impressionante crescimento anual de 60%.

Por outro lado, “caro” é tudo que o Uber não é. Enquanto você talvez esteja tentado atribuir os baixos custos do serviço à sua engenhosidade e escala global – será ele o Walmart do transporte? – sua disponibilidade tem uma proveniência muito mais banal: sentado em toneladas de dinheiro de investidores, o Uber pode se dispor a queimar bilhões com o objetivo de nocautear investidores, sejam eles velhas empresas de taxi ou startups como Kutsuplus.

Um artigo recente no “The Information”, um site de notícias de tecnologia, sugere que durante os três primeiros trimestres de 2015 o Uber perdeu USD 1,7 bilhões enquanto ganhava USD 1.2 bilhões em receitas. A empresa tem tanto dinheiro que, em pelo menos algumas locações norte-americanas, ele vem oferecendo corridas a taxas tão baixas que eles não poderiam nem mesmo cobrir o custo combinado do combustível e a depreciação do veículo.

O jogo do Uber é simples: ele quer fazer com que as taxas fiquem tão baixas de modo a aumentar a demanda – ao atrair algum dos clientes que de outra forma teriam usado o seu próprio carro ou o transporte público. E para fazer isso, ele está disposto a queimar muito dinheiro, enquanto rapidamente se expande em industrias adjacentes, de comida à entrega de pacotes.

Uma questão óbvia mas raramente perguntada é: o Uber está queimando o dinheiro de quem? Com investidores como Google, Amazon de Jeff Bezos e Goldman Sachs por trás dele, Uber é um perfeito exemplo de uma empresa cuja expansão global foi facilitada pela inabilidade de governos em taxar os lucros feitos pelas gigantescas Instituições Financeiras e Empresas de alta tecnologia.

Colocando de forma grosseira: o motivo pelo qual o Uber tem tanto dinheiro é, bem, porque governos não tem mais. Ao invés disso, o dinheiro está estacionado em contas situadas no exterior do Vale do Silício e Empresas de Wall Street. Olhe para a Apple, que recentemente anunciou ter reservas de 200 bilhões em dinheiro potencialmente taxável no exterior, ou o Facebook, que recentemente anunciou lucros recordes de 3,69 bilhões de dólares em 2015.

Algumas dessas empresas escolheram compartilhar sua generosidade com governos – tanto Apple e Google concordaram em pagar alíquotas de impostos bem menores do que eles deveriam, na Itália e no Reino Unido respectivamente – mas tais movimentos tem mais como objetivo legitimar os questionáveis arranjos de impostos que eles estiveram utilizando do que em tentar faze-los pagar a alíquota correta.

Compare isso com o péssimo estado das coisas na qual a maioria dos governos e administradores de cidades se encontra hoje. Famintos por receitas de imposto, ele frequentemente fazem as coisas ficarem piores ao se comprometerem com o pior da política de austeridade, encolhendo orçamentos dedicados à infraestrutura, inovação ou criando alternativas para o voraz “capitalismo de plataformas” de Silicon Valley.

Sob essas condições, não é nenhuma surpresa que serviços promissores como Kutsuplus tiveram que fechar: desligado do aparentemente infinito suprimento de dinheiro da Google e Goldman Sachs, o Uber teria ido à falência também. Não é, talvez, nenhuma coincidência que a Finlândia seja um dos mais religiosos defensores da austeridade na Europa: ao deixar a Nokia falir, o país talvez tenha perdido outra chance.

Não sejamos ingênuos: Wall Street e o Vale do Silício não irão subsidiar o transporte para sempre. Enquanto a perspectiva de usar publicidade para reduzir os custos de uma viagem do Uber ainda é remota, a única maneira dessas firmas refazerem seus investimentos é espremendo ainda mais dinheiro e a produtividade dos motoristas do Uber ou eventualmente – uma vez que todos os seus competidores estejam fora do mercado – aumentando os custos da viagem.

Ambas essas opções soam como um problema. O Uber já está tomando porcentagens cada vez mais altas das tarifas de seus motoristas (esse número recentemente foi visto subindo de 20% para 30%), enquanto também tentam passar mais custos relacionados diretamente a checagens de histórico e educação sobre segurança diretamente aos seus motoristas (através das chamadas taxas de direção segura).

A única escolha aqui está entre mais precariedade para motoristas e mais precariedade para passageiros, que terão que aceitar taxas mais altas, com ou sem práticas controversas como aumento de preços (preços vão pra cima quando a demanda está alta).

Além do mais, a empresa está ativamente tentando solidificar seu status como uma plataforma padrão para transporte. Durante os recentes conflitos na França – onde motoristas de táxi estiveram protestando para fazer com que o governo percebam as suas demandas – Uber se ofereceu a abrir suas plataformas para qualquer motorista de táxi profissional que quisesse um segundo emprego.

Desnecessário dizer, tais plataformas – incluindo pagamentos, reputações e sistemas de precificação apropriadamente administrados e transparentes – deveriam ter sido estabelecidos pelas cidades há muito tempo atrás. Isso, juntamente com o encorajamento e apoio de startups como Kutsuplus, teriam sido a resposta regulatória correta ao Uber.

Infelizmente, existe muito pouca política de inovação nesse espaço e a principal resposta do Uber até agora veio de outras empresas muito parecidas com o Uber e infelizes com a sua dominância. Portanto, o Ola da Índia, o Didi Kuaidi da China, o Lyft dos Estados Unidos e o GrabTaxi da Malásia formaram uma aliança, permitindo que clientes possam agendar táxis das empresas uns dos outros nos países onde eles operam. Isso é o mais próximo de criar um sistema de apoio viável onde inovadores como Kutsuplus podem florescer. Substituir o Uber pelo Lyft não irá resolver o problema, já que os dois possuem o mesmo modelo agressivo.

A lição mais ampla aqui é que a política de tecnologia de um país está diretamente dependente de sua política econômica. Um não pode florescer sem o apoio ativo do outro. Década de uma atitude negligente com tributação combinada com uma aderência estrita à agenda da austeridade comeram os recursos públicos disponíveis para experimentar com diferentes modelos de prover serviços de transporte.

Isso permitiu empresas enxugadoras de impostos e capitalistas de risco – que enxergam a vida no dia a dia como um terreno ideal para brincar de empreendedorismo predatório – como as únicas fontes viáveis de apoio para tais projetos. Não surpreendentemente, tantas delas começam como Kutsuplus apenas para terminar como o Uber: tais são as restrições estruturais de trabalhar com investidores que esperam exorbitantes retornos de seus investimentos. Encontrar e fundar projetos que não teriam tais limitações não deveria ser em si tão duto. O que será difícil, especialmente dado o atual clima econômico é encontrar o dinheiro para investir neles.

Taxação parece ser a única maneira de avançar – aliás, muitos governos não tem a coragem de pedir o que é devido a eles. O acordo entre o Google e o Tesouro do Reino Unido é um exemplo.

As opiniões deste artigo não refletem necessariamente a opinião do Partido Pirata. Link original aqui.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

32 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Marcelo Drumstick

08 de fevereiro de 2016 às 00h08

Até onde se sabe, o principal diferencial competitivo do Uber, nem é a menor tarifa e sim o melhor serviço… Dizer que essa a opinião do The Guardian, não o exime de tê-la traduzido e postado.

Responder

Daniel Coruja

06 de fevereiro de 2016 às 15h44

Marcio Erika Toni

Responder

Montorso Monttorso

06 de fevereiro de 2016 às 01h43

valew o cafezinho esse eh um artigo que um bolsonaro denfederia facil, fui daqui não compartilho mais nada.

Responder

Montorso Monttorso

06 de fevereiro de 2016 às 01h32

teoria barata de conspiração!! me poupe cafezinho e esse guardian!!

Responder

Montorso Monttorso

06 de fevereiro de 2016 às 01h29

num fala merda que artigo imbecil hein cafezinho!! pqp!!

Responder

Thiago Pelucio

05 de fevereiro de 2016 às 14h22

Mauricio Campos, veja elementos interessantes para o debate

Responder

    Mauricio Campos

    05 de fevereiro de 2016 às 14h26

    ah não uber de novo, brasileiro gosta de uber porque é um povo caipira que adora novidade do estrangeiro, eta nóis…

    Responder

    Thiago Pelucio

    05 de fevereiro de 2016 às 14h30

    Leia a matéria. Seus argumentos vão melhorar, até porque não é só no Brasil que está tecnologia é disruptiva

    Responder

    Marcelo Drumstick

    08 de fevereiro de 2016 às 00h09

    Até onde se sabe, o principal diferencial competitivo do Uber, nem é a menor tarifa e sim o melhor serviço… Dizer que essa a opinião do The Guardian, não o exime de tê-la traduzido e postado.

    Responder

Luciano Oliveira

05 de fevereiro de 2016 às 13h45

Mais seguranca por año ser profesional

Responder

Aléxia Bretas

05 de fevereiro de 2016 às 11h51

Flávia Coelho

Responder

Mikael Oliveira

05 de fevereiro de 2016 às 11h35

Menos que o do táxi

Responder

Luiz Felipe Coelho Lima

05 de fevereiro de 2016 às 10h05

Bacana. Mais um site de humor no Brasil… Tá cheio de motorista e usuário de Uber reclamando nas redes sociais né? Ao mesmo tempo, geral elogiando o poder público na internet, esse sim sabe pensar e gastar com eficiência! Último ponto, onde será que o Uber gastou 1,7bn de Dólares se não tem nenhum carro em seu nome? Senso crítico faz bem, entender de matemática também! Beijo

Responder

    O Cafezinho

    05 de fevereiro de 2016 às 12h45

    A matéria é do jornal inglês The Guardian, bicho

    Responder

    O Cafezinho

    05 de fevereiro de 2016 às 12h46

    Eu nem tenho opinião formada sobre Uber. Na verdade, até gosto do Uber. Mas é preciso debater, para o bem de todos, não?

    Responder

    Luiz Felipe Coelho Lima

    05 de fevereiro de 2016 às 15h26

    Debater sempre irmão. Gosto da provocação e da divergência. Li a matéria no original semana passada e achei viagem. Se vc observar quem fez a conta do prejuízo foi o site “the information” – citado pelo Guardian. Parece muito mandrake dado que uber não tem despesa de depreciação e combustível pois não possui frota própria. Outro ponto é que acho apelativo transferir um debate da Inglaterra pro Brasil “as it is” dado que a regulação e o sistema público de transporte são bastante diferentes dos nossos. Existe um debate enorme lá fora sobre moralidade de empresas que usam engenharia tributária para pagar pouco imposto nos países desenvolvidos. Aqui no Patropi a gente ainda está na parte do roubo e da sonegação. Nem engenharia tributária dá pra fazer ainda. Minha opinião é que o estado se demonstra inapto a lidar com dinheiro (vc não vê o Itaú ou a Vale sendo roubados na dimensão que fizeram na Petrobras, Eletrobrás), portanto se vc reduz o dinheiro disponível ao estado menor o tamanho da merda que ele vai fazer.

    Responder

    Marcelo Drumstick

    08 de fevereiro de 2016 às 00h08

    Até onde se sabe, o principal diferencial competitivo do Uber, nem é a menor tarifa e sim o melhor serviço… Dizer que essa a opinião do The Guardian, não o exime de tê-la traduzido e postado.

    Responder

Beatriz Alkmim

05 de fevereiro de 2016 às 07h56

Não dirijo, e há 20 anos meu transporte é taxi. Sou absolutamente contra o Uber, pelo fato deles são serem obrigados a se submeter às mesmas regras impostas pela BHTRANS. Não sei quem afere seu taxímetro e inspeciona o carro anualmente, eles não têm obrigatoriedade de cursos de direção defensiva, não têm limitações de embarque e desembarque, aumentam substancialmente o valor da corrida quando a demanda é grande( e aí vão segurando o atendimento para permitir esse leilão), e não precisam ficar circulando (pois agendam as corridas) , o que significa que cada vez teremos menos táxis na rua para corridas eventuais ou de emergência.

Responder

Suely Marques Rocha

05 de fevereiro de 2016 às 05h28

Viajou na maionese…pela mor…

Responder

Marcos Neves

05 de fevereiro de 2016 às 04h00

Walter Ramos

Responder

Marcelo Mendes Ferreira

05 de fevereiro de 2016 às 01h49

Desculpe fuuuuuiiiiiiiii

Responder

Grego Grego

05 de fevereiro de 2016 às 00h22

João Vilar

Responder

Raphael Castilla

04 de fevereiro de 2016 às 23h07

Esquerdistas so pensam em taxar tudo

Responder

Fabio L. Gouvea

04 de fevereiro de 2016 às 23h03

Gustavo esse fala sobre tecnologia e economia, dois assuntos de seu agrado e domínio

Responder

Thiago Chini

04 de fevereiro de 2016 às 22h36

Cafezinho virou pago???

Responder

    O Cafezinho

    05 de fevereiro de 2016 às 12h46

    A matéria é do The Guardian, traduzida para o português.

    Responder

    Montorso Monttorso

    06 de fevereiro de 2016 às 01h31

    grande bosta que eh the guardian não faz mo minimo sentido e ainda queima o filme da pagina a toa!!

    Responder

    Thiago Chini

    06 de fevereiro de 2016 às 01h32

    O Cafezinho deixarei de seguir a página assim.

    Responder

    Diogo Scobee Marra

    06 de fevereiro de 2016 às 09h58

    O Guardian Golpista?

    Responder

    Marcelo Drumstick

    08 de fevereiro de 2016 às 00h08

    Até onde se sabe, o principal diferencial competitivo do Uber, nem é a menor tarifa e sim o melhor serviço… Dizer que essa a opinião do The Guardian, não o exime de tê-la traduzido e postado.

    Responder

Mauricio Cardoso Bento

04 de fevereiro de 2016 às 22h13

A lancha da “motherfucker”.

Responder

Deixe um comentário