Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

Moro debocha do direito de defesa de João Santana

Por Redação

19 de fevereiro de 2016 : 09h54

Comentário: João Santana pediu acesso a uma investigação que meganhas da Lava Jato (incluindo Moro) já vazaram pra Veja. A regra básica do direito é que ninguém pode ser acusado sem saber do que está sendo acusado.

Em tempos de ditadura judicial-midiática, Moro acha tranquilo vazar uma denúncia para Veja. Isso pode.

Dar direito ao réu de se defender do massacre midiático causado por vazamentos seletivos, não pode.

A mídia pode ter acesso à acusação contra um cidadão brasileiro. O cidadão acusado, não.

Só quero ver até onde vai essa palhaçada.

O sigilo vale só para o cidadão, não para a mídia, que recebe as informações ditas sigilosas. O cidadão fica assim vulnerável duplamente. É massacrado pelo Estado vazador (criminoso, portanto), por um lado, e pela mídia inquisitorial e partidária, de outro. Alguém avisa a Moro que o Conselho Nacional de Justiça agora obriga juízes a investigarem vazamentos.

Se a investigação contra João Santana é sigilosa, como isso vazou para a Veja, e se vazou para a mídia, como assim deixar o investigado vulnerável a esse tipo de ataque político?

***

Moro ironiza João Santana ao negar acesso a investigação

na Folha

O juiz Sergio Moro negou acesso aos advogados de João Santana aos autos da investigação sobre pagamentos realizados pela Odebrecht ao marqueteiro, responsável pelas campanhas presidenciais de Lula (2006) e Dilma Rousseff (2010 e 2014).

Segundo Moro, responsável pela Operação Lava Jato na primeira instância, a abertura dos dados ao publicitário poderia pôr em risco o rastreamento de recursos financeiros ou mesmo levar à destruição de provas.

“Foram instauradas investigações que ainda tramitam em sigilo. Medida como rastreamento financeiro demanda para sua eficácia sigilo sob risco de dissipação dos registros ou dos ativos. Como diz o ditado, dinheiro tem coração de coelho e patas de lebre”, escreveu o juiz, em despacho datado de terça (16).

No último dia 12, a Folha revelou que a Lava Jato investiga indícios de pagamentos da Odebrecht ao marqueteiro das campanhas presidenciais em contas no exterior.

Na ocasião, tanto a Odebrecht quanto Santana se recusaram a comentar, alegando que não tiveram acesso ao inquérito, conduzido pela Polícia Federal em Curitiba.

A investigação tem um de seus focos em valores recebidos por Santana em 2014, quando ele fez as campanhas de Dilma, no Brasil, e de José Domingo Arias, derrotado no Panamá –país onde a Odebrecht tem forte atuação.

Logo após a publicação da reportagem, advogados do marqueteiro pediram acesso à investigação junto à 13ª Vara Federal de Curitiba.

Na negativa, Moro escreveu que o fato de “jornais e revistas terem especulado” sobre a investigação não altera a necessidade de sigilo.

O magistrado provoca Santana: “Evidente, querendo, poderá o investigado antecipar-se à conclusão da investigação e esclarecer junto à autoridade policial seu eventual relacionamento com o grupo Odebrecht”.

No despacho, Moro menciona ainda manuscrito encontrado na casa do lobista Zwi Skornicki, apontado pelo delator Pedro Barusco como intermediário de propina.

O documento é uma carta escrita por Mônica Moura, mulher e sócia de Santana, indicando contas no Reino Unido e nos EUA. A informação foi revelada pela revista “Veja”, em janeiro.

“Eventuais condutas criminosas [de Zkornicki] ainda estão em fase de apuração [“¦] Caso o requerente [Santana] tenha de fato alguma relação com referida pessoa poderá igualmente antecipar seus esclarecimentos à autoridade policial”, escreveu Moro.

OUTRO LADO

Procurados, João Santana e seu advogado, Fábio Tofic, não quiseram se manifestar. Na ocasião em que pediu o acesso ao inquérito, a assessoria de publicitário afirmou que ele “nunca negou que possui empresas no exterior” e que Santana aguardaria “para apresentar os detalhes de sua vida financeira às autoridades competentes”.

Na semana passada, a Odebrecht também não quis se manifestar por não ter tido acesso ao inquérito.

 

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

13 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Italo Rosa

05 de novembro de 2016 às 08h01

claro que ninguém detém. interessa aos golpistas então está acima da lei.

Responder

Jojo The Man

03 de agosto de 2016 às 00h40

Cara , começo a achar Hitler e Mussolini fichinhas perto disso.

Responder

Geysa Helena Dantas Guimarães

13 de junho de 2016 às 17h36

E fica assim? Ninguém detém essa coisa insana?

Responder

17Abril2016

13 de junho de 2016 às 11h26

N A O E X I S T E J U S T I C A N O B R A S I L

Responder

Vicente

19 de fevereiro de 2016 às 12h53

Falta o Dr. Moro explicar:
“Moro manda libertar a publicitária Nelci Warken e o empresário Ademir Auada, que havia sido detido sob suspeita de estar destruindo documentos”.
Estranho, não? Honestos destruindo documentos? Ligados à Mossack.
A verdadeira razão da soltura é que :
A mansão dos Marinho, em Paraty, é de propriedade de uma offshore, a Vaincre LLC, controlada pela mesma Murray Holdings LLC e que pertence à Mossack Fonseca.
Quanto medo, hein?

Responder

Maria Goretti Melo Vasconcelos

19 de fevereiro de 2016 às 13h07

O caixa forte sabe de tudo, tem que ser envestigadokkkkk.

Responder

    O Cafezinho

    19 de fevereiro de 2016 às 13h08

    envestigado é ótimo

    Responder

    O Cafezinho

    19 de fevereiro de 2016 às 13h09

    “envestiga” o cara, mas deixa ele saber do que está sendo “envestigado”. se a Veja pode saber, o réu tem que saber também, para poder se defender.

    Responder

      Marcos Souza

      19 de fevereiro de 2016 às 11h21

      Ué, mas se Veja sabe, basta João Santana comprar Veja para saber do que está sendo acusado, oras ! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

      Responder

        Mauricio Gomes

        19 de fevereiro de 2016 às 12h51

        Esse estrume Marcos Souza “kkkkkkk” deveria ser bloqueado, pois trata-se de um canalha, covarde e um verme fascista. Provavelmente fruto da cópula entre uma rata (sua mãe) e um verme com microcefalia (seu pai).

        Responder

        Vicente

        19 de fevereiro de 2016 às 12h57

        Vem cá, Marcos Souza, tu és milionário?
        Eu mesmo respondo: não, se fosse não estaria perdendo tempo comentando em blog sujo. Então tu és um oprimido que ajuda o opressor a continuar a explorar o povo. Parabéns!
        Continue votando no PSDB. Obrigado!

        Responder

Tormenta Maia

19 de fevereiro de 2016 às 12h48

Moro debocha de todos os direitos! Debocha do Brasil! É um moleque pau mandado!!!!

Responder

Joel Araujo

19 de fevereiro de 2016 às 12h46

A cada dia que passa, aumenta o meu asco por esse juiz!

Responder

Deixe um comentário