Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Senador Aloysio, quem te viu, quem te vê!

Por Redação

03 de maio de 2016 : 19h29

Foto: Imagem de uma pessoa com a camisa estampando Marighella e o rapper Jubart M10, montada sobre a foto de George Gianni

por Washington Luiz de Araújo, no Bem Blogado

“Quem não a conhece, não pode mais ver pra crer. Quem jamais a esquece, não pode reconhecer”.

As duas frases da música “Quem te viu, quem te vê”, de Chico Buarque, nos remete a muita gente que hoje em dia está do outro lado do balcão; gente que saiu do lado da esquerda, do povo, e pulou para o lado do capitalismo extremado, da defesa do empresariado, do “entreguismo”, da aversão aos projetos sociais. Um desses nomes é o do hoje senador Aloysio Nunes Ferreira.

Um dia após o vexaminoso domingo de 17 de abril, quando a Câmara Federal colocou em prática o seu intento de ruptura democrática e usurpação, o senador viajou para Washington e lá defendeu o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff. Esse mesmo Aloysio um dia participou ativamente na ALN – Ação Libertadora Nacional, ao lado do inimigo número um da ditadura militar: Carlos Marighella. Hoje, sobre o papel que desempenhou na luta contra o golpe militar de 1964, Aloysio mantém em sua biografia oficial somente 10 palavras.  Somente 10 envergonhadas palavras.aloysio doi codi

Em contraponto a um traidor da causa, que hoje apresenta no Senado um projeto de lei proibindo servidor público de fazer greves, existem muitos nomes. Um deles é o de Raphael Martinelli, 92 anos, presidente do Fórum Permanente de Ex-presos e Perseguidos Políticos. No último domingo, 1º de maio, Raphael estava lá no Anhangabaú, São Paulo, comemorando mais de 70 anos de presença em atos do Dia dos Trabalhadores.

Esse ativista que sempre foi de esquerda, que nunca trocou de lado, esteve com Aloysio Nunes Ferreira no longínquo ano de 1968, quando participaram de uma expropriação, o assalto ao trem pagador da linha Santos-Jundiaí.  Em entrevista à revista “Carta Capital”, Martinelli recorda:  “Tinha o grupo que fazia o serviço e o grupo que aguardava a descarga. Ele tinha que esperar onde o trem parasse, ali em Pirituba, para recepcionar os companheiros que iam descer com a carga. O Aloysio, além de fazer a segurança, estava para receber a carga do trem, o dinheiro. Todo mundo estava armado. Num ato desse, a gente não ia com intenção de matar ninguém, mas tínhamos que estar preparados”.

Aloysio considera sua atuação contra a ditadura militar um erro. Aos 71 anos, ainda tem tempo, no entanto, de rever essa posição e considerar um erro apoiar um golpe parlamentar, sujando até as 10 palavras que sobraram sobre sua participação contra o golpe militar em  sua biografia oficial.

Os cinco anos de luta armada contra a ditadura militar pela ALN ele assim resumiu: “Por conta de ações contra a ditadura militar, precisou sair do Brasil”. Será que um dia reconhecerá como um erro ser um dos próceres da entrega do pré-sal aos Estados Unidos e do atentado aos direitos dos trabalhadores, algumas das ações que estão no bojo do golpe do qual ele, Aloysio, é hoje um dos líderes? Em 2015, o senador tucano se dizia contra o impeachment (golpe), pois queria ver Dilma “sangrar” até 2018. Expressões esdrúxulas para quem lutou contra a ditadura e viu companheiros como Marighella serem torturados e depois metralhados. Sobre essa manifestação, o jornalista Juca Kfouri afirmou: “Um senador da República dizer que quer ver uma presidente sangrar… Epa! Para tudo. Um ex-exilado político, da luta armada, dizer isso… Não é a atitude de um senador e sim de um pitbull e não dá para fazer política com um pitbull”.

Em 2009, por ocasião dos 40 anos do assassinato de Carlos Marighella, foi elaborado  um  manifesto com mais de 200 assinaturas. Entre os signatários, antigos companheiros de luta contra a ditadura, políticos, intelectuais e artistas. Não há a assinatura de Aloysio Nunes Ferreira, por quem Marighella nutria admiração, como lembrou para a “Carta Capital” a militante Iara Xavier Pereira, que militou ao lado do comandante da ALN e que teve o irmão, Iuri Xavier, assassinado pela ditadura em 1972: “Ele [Marighella] tinha uma confiança muito grande no Aloysio. Era muito benquisto por ele”.

A bem da verdade, Aloysio esteve presente a uma homenagem a Marighella em 2009, mas convenhamos, é muito pouco, ou quase nada, se refletirmos sobre o quanto o hoje senador tem feito contra os trabalhadores e contra as causas libertárias. Marighella foi brutalmente torturado e assassinado numa emboscada, não merecia isso de uma pessoa a quem muito considerava. Ninguém merece.

Veja aqui um vídeo com o destemperado senador em 2014, sendo abordado pelo blogueiro Pilha:

 

Aqui, Aloysio em Washington, sendo desmascarado por brasileiras:

 

Aqui uma homenagem do Mano Brown ao grande ativista Carlos Marighella:

Washington Luiz de Araújo é jornalista

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Clayton da silva santos

03 de março de 2017 às 16h21

Quem sabe ele nunca foi Comunista e sim um espião do regime militar e informante dos Militares penso que ele era um agente.

Responder

Roberto de Azevedo

04 de maio de 2016 às 00h12

Quem te viu quem te vê!

Responder

Pafúncio Brasileiro

03 de maio de 2016 às 22h30

Esse Aloysio 300m, ao ir para a extrema direita, quer sempre provar á direita que ele está mais ainda no extremo, do que os que lá já estão. Com isso ganha confiança total da Casa-grande e “surfa” a vontade. Mesmo no presente, ele já foi para o lixo da história a ser contada no futuro.

Responder

Antonio Passos

03 de maio de 2016 às 19h58

Há uma grande lição nisto, um homem precisa ser julgado pela história, pelo conjunto de sua obra. Porque até seres ínfimos de caráter, como é o caso deste cara, podem eventualmente se engajar em causas nobres, sem que os motivos tenham coisa alguma de nobre.
Um caso oposto ao deste canalha acima, seria o de Getúlio, uma grande alma a serviço do povo, que teve seus dias de ditador. Entretanto o restante de sua história mostrou o grande caráter de que era dotado e que seu objetivo sempre foi o bem do povo.

Responder

    Emilio Roberto Topel Konrath

    20 de outubro de 2016 às 18h57

    Este ai sempre foi um infiltrado. Foi aos EUA ´para receber sua paga.

    Responder

Gustavo Horta

03 de maio de 2016 às 20h49

JÁ RASGARAM A CONSTITUIÇÃO!!
NÃO EXISTE MAIS. RASGADA E PISOTEADA!

O golpe já aconteceu! E assim o farão!
GOLPE DADO, PODER TOMADO, TUDO NA NORMALIDADE! FOI ASSIM EM 1964 E OS TOGADOS REPETEM SUA CUMPLICIDADE COM O GOLPE!
Está comprovado que esta quadrilha – políticos corruptos, mídia canalha e corrompida, judiciário covarde e executivo, em boa medida resultado desta promiscuidade para a tal governabilidade – fará o que quiser com nosso pobre país. Apropriou-se do poder, já o fez!
Nem sei se falta mesmo só a coragem, se seria apenas covardia do STF!

Pobre povo brasileiro que sequer sabe reagir.
Pobres de nós.

Nossa ação somente poderá ser assim sutil e permanente. “Nós conhecemos a língua que eles entenderão: Prejuízos, muitos”

>> https://gustavohorta.wordpress.com/2016/03/29/nos-conhecemos-a-lingua-que-eles-entenderao-prejuizos-muitos/

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina