Fundador do Instituto Ideia vê chance de Lula vencer no 1° turno

Arquivo Público de Pernambuco

Dois tiros que atingem a história de Cristóvão Buarque

Por Rogerio Dultra

15 de maio de 2016 : 14h46

Por Denise Assis

O senador da República Cristóvão Buarque estava no entroncamento das ruas Guararapes com Dantas Barreto, no Centro de Recife, no dia 1 de abril de 1964. Tal como Jonas Albuquerque e Ivan Aguiar, acreditava que deveria defender o governador Miguel Arraes, que em seguida seria deposto e preso. Apeado do poder, como já o fora o presidente João Goulart, por sua defesa à reforma agrária.

Ao lado dos dois estudantes Cristóvão marchou com a coluna de colegas, gritando palavras de ordem pelo que acreditava ser o justo naquele momento. Hoje, 52 anos depois, ao defender o seu voto ante um novo golpe, este, com o seu apoio e anuência, classificou de “antiga” a luta que custou a vida dos dois jovens naquela tarde, em Pernambuco.

A família de Ivan, indignada, reagiu. Ivan e Jonas tombaram pelo que acreditaram, entrando para a história como as primeiras vítimas do golpe de 1964. Cristóvão seguiu solerte com seu discurso, jogando no limbo tudo o que um dia acreditou.

Ao revisitar as fotos publicadas no Diário de Pernambuco, do dia 2 de abril, o dia seguinte ao fato, ainda se pode observar, mesmo que a imagem esteja amarelecida, borrada pela ação do tempo, a coluna de militares formada, portando submetralhadoras e fuzis acoplados a tripés, apontando ameaçadoramente para os estudantes. Estes, armados apenas por seus gritos e palavras de ordem, se embolaram na hora dos tiros desfechados contra eles, e que atingiram Ivan e Jonas.

Nos dois casos, a morte foi instantânea. Sem chance de reação. Nos atestados de óbito, que durante anos foram trancafiados nos arquivos da Polícia pernambucana, a palavra “homicídio” foi grafada com nitidez. Na foto do jornal, ainda que antiga, sem condições de reprodução, dá para ver a fumaça do tiro recém-disparado, na direção dos estudantes.

Impressiona o aparato pesado frente àquele aglomerado de não mais do que 200 jovens, munidos apenas da coragem de lutar pelo que acreditavam.

A mesma coragem que Cristóvão Buarque – titubeante como só os que se acovardam podem estar, na hora de cometer uma grande injustiça – não teve para impedir um golpe em curso. Ivan e Jonas estão, hoje, na história reescrita pela Comissão Nacional da Verdade, no espaço dedicado aos que tombaram em busca de liberdade.

Cristóvão Buarque ainda está escrevendo a sua história, no Senado Federal, onde já deu mostras de que o verbete que lhe está reservado deverá ser bem menor do que quando ali entrou, professando a defesa dos direitos dos cidadãos.

Arquivo Público de Pernambuco

Arquivo Público de Pernambuco

Rogerio Dultra

Professor do Departamento de Direito Público da Universidade Federal Fluminense (UFF), do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Justiça Administrativa (PPGJA-UFF), pesquisador Vinculado ao INCT/INEAC da UFF e Avaliador ad hoc da CAPES na Área do Direito.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

16 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Júlio De Lemos Lemos

16 de maio de 2016 às 17h06

MAIS UM QUE ADERIU AO “CANALHISMO BARATO” POR PURA VINGANÇA, SÓ PELO FATO DE TER TIDO DIVERGÊNCIA COM O PT!!

Responder

Euclides SantaCruz

16 de maio de 2016 às 11h14

A resposta que o senador merece deverá ser dada na próxima vez que ele se candidatar…foi eleito com o voto da esquerda e traiu seu eleitorado bandeando para o lado dos golpistas.

Responder

Valcir Barsanulfo

16 de maio de 2016 às 08h31

O Cristovão ti ti ti, traiu seus ideais e a memória dos seus amigos assassinados em 64, agora o pobre senador trai a si próprio. Destino cruel a quem já nasce traidor.

Responder

Maria Helena

16 de maio de 2016 às 07h30

Cada um tem seu preço. O deputado cristovao tem preço de liquidação.

Responder

Pedro Martins

16 de maio de 2016 às 07h21

Quem sabe o Buarque ainda não nos surpreenda?

Responder

Paulo Ribeiro Júnior

16 de maio de 2016 às 01h15

a aminésia de um covarde

Responder

boronov

15 de maio de 2016 às 22h02

PITACO DO BORÔ: TALVEZ O VERDADEIRO CRISTÓVÃO SEJA O CRISTÓVÃO GOLPISTA. QUANTO AO JOVEM, NO FRAGOR DA JUVENTUDE, ESTE QUERIA APENAS IMPRESSIONAR ALGUÉM.

Responder

emerson57

15 de maio de 2016 às 21h43

Em 2038 será eleito ÇERRA45 vice fegacê…..viiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiixe!
Depois esse senadorzinho Cristovam terá o seu dia de glória afinal:
concorrerá como vice (ui!) na chapa de dona Osmarina em 2042.
Nome da chapa A sonhática e o Divagante.

Responder

Fábio José Vieira

15 de maio de 2016 às 21h45

HORA DO ESCRACHO de #

TermerGolpista – Hoje nas ruas de São Paulo – https://www.facebook.com/midiaNINJA/videos/649878805170268/

Responder

YorkshireTea

15 de maio de 2016 às 20h03

É só mais um filho do cunha, golpista, calhorda. Não merece respeito algum.

Responder

Luiz Carlos

15 de maio de 2016 às 19h52

Conheço outros, inclusive da artistas, que agora vivem tranquilamente nos recantos da zona sul carioca, principalmente Gávea, Leblon e São Conrado, onde são vizinhos de artistas globais, que leem todos os dias O Globo. Vivem completamente alienados do novo Brasil que se criou e que agora merecia atuação destes antigos idealistas.
Quem realmente tem a veia idealista de justiça e liberdade jamais a perde. Então estes são simples oportunistas que o acaso colocou em locais ou eventos importantes. Cristóvão, Serra, Freire são destes.

Responder

Almir Silva

15 de maio de 2016 às 19h40

Senador Cristovam Buarque, após toda a sua trajetória na política o Sr. não se sente minimamente envergonhado?

Responder

Marivane

15 de maio de 2016 às 18h39

Uma esquerda de brincadeira. Diferente de um Chico Buarque, que continua com os mesmos princípios até hoje

Responder

maria nadiê Rodrigues

15 de maio de 2016 às 17h59

Todos sabemos que Cristóvão, Paulinho Fraqueza, e qualquer outro que se diga indignado com esse ou aquele ato do governo(interino), está mais é dizendo que quer um carguinho, nem que seja de secretário. É tudo jogada, pois sabem que um voto para Cunha, Temer, a Mulher da Cobra, etc., vale mais que toda a riqueza do mundo. Já imaginou se após tanta visibilidade, tanta labuta, essa gente tem que arrumar as trouxas e voltar pra casa? Seria uma saia justa muito difícil de tirar.

Responder

gilberto

15 de maio de 2016 às 15h39

Senador, ainda dá tempo. Afinal, se o homem não mudasse ainda estaríamos puxando as mulheres pelos cabelos, com uma clava no ombro e morando numa caverna. Prove que o senhor evoluiu!

Responder

Ben Alvez

15 de maio de 2016 às 15h36

Bye bye, Cristóvam.

O lixo da história te espera.

Responder

Deixe um comentário

O Xadrez para Governador do Ceará Lula ou Bolsonaro podem vencer no 1º turno? O Xadrez para Governador de Santa Catarina