Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A Globo purifica Bolsonaro durante 4 horas nas águas do G1

Por Redação

18 de maio de 2016 : 19h34

por Bajonas Teixeira de Brito Junior, colunista do Cafezinho

O portal G1 virou uma filial do rio Jordão. Após os Marinhos desviarem essas águas sagradas para sua homepage, deixaram Bolsonaro imerso durante boa parte do dia. A imagem entrou no ar por volta das 11:00hs e permaneceu até às 15:30hs, ou seja, um banho que durou mais de quatro horas – ao menos na exposição que a Globo fez questão de dar ao ritual. E não foi uma imagem qualquer a que ganhou destaque, mas uma imagem de lídima pureza, de homens brancos vestidos de branco, e em tamanho superior ao padrão normal. A chamada buscou mergulhar a atenção do leitor no assunto, anunciando que a matéria trazia um vídeo.

Bolsonaro imagem G1

A solenidade do momento, os gestos contritos, a atmosfera plácida, a vestimenta branca ainda imaculada, tudo conspira para induzir o leitor a crer numa renovação. O batismo é o ritual de purificação pela água, que em geral nas religiões cristãs se relaciona como o renascimento e a salvação pelo perdão dos pecados. Para aquele que reconhece seus pecados e se arrepende, o batismo é a via de remissão e purificação. Ocorre que o mutismo dos últimos dias de Bolsonaro não é um voto de silêncio, mas um temor advindo do processo aberto pela OAB-RJ.

Não é o primeiro nem o milésimo caso de afonia política. Veja-se o caso exemplar de Sérgio Cabral, há tanto tempo recolhido. Observe-se Aécio, que a cada novo escândalo passa uma ou duas semanas sumido das homes, para depois voltar como se nada se tivesse passado, lépido, faceiro e sorridente. Dificilmente a mídia vai por conta própria desentocar os políticos em reclusão voluntária. O que aliás, pelos efeitos bem conhecidos do agendamento, faz com que esqueçamos que eles um dia existiram.

Essa é uma razão a mais para indagar sobre os interesses da Globo em dar tamanho destaque a Bolsonaro no exercício do seu retiro político e da sua retratação espiritual. Ou será que não, que tudo aquilo não passou de uma encenação calculada para produzir certos efeitos? Na verdade, é interessante observar que não foi só uma mera fotografia casualmente tomada do ritual o que apareceu na home. Foi também um vídeo, o que exigiu uma produção. Basta ver a qualidade do áudio, em que se escuta nitidamente as palavras do pastor e de Bolsonaro.

Muito provavelmente, houve também, além da produção, um ensaio para que nada ficasse fora do script. Enfim, o quadro bíblico que foi estampado nas águas do portal do G1, foi na verdade um produto de exposição midiática com objetivos publicitários e políticos. E, como o assunto é por demais óbvio, não precisamos fazer mistério – se tratava de regenerar a imagem de Bolsonaro após 1) sua exaltação da figura do torturador Bilhante Ustra, que parece não ter sido bem recebido pelos próprios setores que apoiam seu fascismo e 2) o processo aberto pela OAB – RJ, através do seu presidente, ele mesmo filho de um desaparecido político, que pede a cassação do mandato de Bolsonaro.

Além de dizer que Eduardo Cunha entraria para a história, Bolsonaro fez, no dia 17 de abril, uma menção ao torturador e assassino serial Brilhante Ustra, dedicando a ele seu voto favorável ao impeachment de Dilma.  Foram essas as suas palavras:

“Perderam em 64, perderam agora em 2016. Pela família, pela inocência das crianças em sala de aula, que o PT nunca teve, contra o comunismo, pela nossa liberdade, contra o Foro de São Paulo, pela memória do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff, pelo exército de Caxias, pelas Forças Armadas, pelo Brasil acima de tudo e por Deus acima de tudo, o meu voto é sim”.

Com base nessa mixórdia de facínora, que junta no mesmo barco a inocência das crianças e o coronel Ustra, indivíduo acusado de atrozes sevícias e da morte e do desparecimento de 60 pessoas, a OAB pede a cassação de Bolsonaro por quebra do decoro parlamentar e ainda que, por elogiar um notório torturador, responda na justiça por apologia à tortura.

O resultado disso, foi que Bolsonaro sofreu a primeira tosa, e como se sabe, o pássaro que tem as asas cortadas fecha o bico por algum tempo. Quem tem dado asas a esse pássaro sinistro são a complacência da mídia e a indiferença da Justiça, que fingem não ver nem ouvir. Bastou, porém, o processo aberto pela OAB, em 25 de abril, pedindo sua cassação para que o pássaro ficasse mudo. Aliás, já teria sido um grande serviço da OAB-RJ nos ter mostrado que toda aquela fanfarronada estridente hauria sua coragem do silêncio das instituições. Ou seja, Bolsonaro só chegou aonde chegou, pela cumplicidade da Justiça, do Ministério Público Federal, da mídia e das centenas de colegas parlamentares.

Sua ficha corrida inclui inúmeras barbaridades, violações verbais indescritíveis, como a que cometeu com a deputada Maria do Rosário por discordar de sua defesa dos direitos humanos, afirmando que não a estupraria por ela não merecer. Essas práticas, em si mesmas, já configuram assédio moral grave, ou seja, tortura psicológica e terrorismo mental.  O fato de que a Câmara não o tenha expulso ainda, constitui um claro índice de indigência e nulidade política dessa instituição.

No entanto, o que é novo na situação atual, criada após a denúncia da OAB, é que a própria Globo tenha erguido em sua home um templo para a purificação de Bolsonaro. Por que fez isso?

A única explicação é o que tentamos expor no artigo anterior a este, Suprema Esquizofrenia ? Globo ataca o projeto de aumento do STF. A Globo não está brincando de derrubar presidente, o que está em jogo para ela é questão de vida ou morte, um tudo ou nada em que todas as alternativas tem que ser cogitadas e antecipadas. É muito elucidativa, nessa direção, as últimas linhas do Editorial da revista Época que a Globo usou para se expressar e que analisamos na matéria citada acima:

“Outra patologia da política brasileira é o corporativismo arraigado. Os deputados não querem se indispor com integrantes de corporações poderosas como o Judiciário e o Ministério Público Federal. Os lobbies organizados prevalecem. A sociedade que não consegue fazer ouvir sua voz só pode se perguntar: a quem apelar?”

A quem apelar?

Aqui está o motivo para reabilitar Bolsonaro. Ele, mas não apenas ele, são alternativas que a Globo pretende manter no bolso do colete para o caso de fracasso do golpe que trouxe Temer na cabeça. Se, como está dito ali em linhas e entrelinhas, o governo de Temer, que se camufla num mimetismo pouco convincente de democracia, desmoronar, a quem apelar? A Globo já respondeu: um de suas alternativas é Bolsonaro, ou seja, se for preciso, um golpe militar.

É interessante observar que a home do G1, deu destaque ao longo do “dia da purificação”, em proporções próximas de tempo, aos nomes que provavelmente imagina que podem ser promovidos em caso de desespero de causa. Assim, se a foto de Bolsonaro ficou aproximadamente das 11:00hs às 15:30hs, passou a partir das 13:50 hs, a ter a companhia da advogada Janaína Paschoal e, a partir das 15:30 hs, junto com o discurso de Temer, entrou a imagem do juiz Moro discursando, com destaque para a frase: “É preciso não ter ódio no coração”. A partir daí, e durante algum tempo, permaneceram na home as imagens de Bolsonaro, Janaína e Moro. Enfim, a Globo semeia as suas alternativas. Mas não poderá esquecer que quem planta vento costuma colher tempestade.

Bolsonaro, Janaína e Moro_15.30 hs

Bajonas Teixeira de Brito Júnior – doutor em filosofia, UFRJ, autor dos livros Lógica do disparate, Método e delírio e Lógica dos fantasmas, e professor do departamento de comunicação social da UFES.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Bolsonaro

19 de maio de 2016 às 19h02

#BOLSONARO2018 pode começar a chorar!

Responder

    Renan Lima

    30 de junho de 2016 às 19h46

    Simm

    Responder

gilberto

19 de maio de 2016 às 10h29

Agora que o Jordão ficou contaminado ninguém mais poderá ser purificado naquelas águas.

Responder

Picapau amarelo

19 de maio de 2016 às 07h46

Tem um erro, não foi em Israel, foi na Palestina ocupada pelo sionismo.

Responder

Helena

18 de maio de 2016 às 23h15

Bolsonaro afogar-se no Jordão??? Pela madrugada. Bolsonaro é bagre digno de um Canal do Mangue no Rio ou de um Tietê. Não tem cacife para coisa melhor.

Responder

Camem Oliveira

18 de maio de 2016 às 22h18

Curioso…será que Globo tá vendo a “vaca ir para o brejo” e vai investir na EXTREMA DIREITA?

Mas falando sério.

Para desviar a atenção dos brasileiros, a Globo (JN) foi buscar nos arquivos da PRG uma suposta denúncia contra Lula, segundo a qual, o ex-presidente teria montado uma “engenharia” com a conivência de Delcídio Amaral e seu chefe de gabinete para evitar a delação de Nestor Cerveró. Segundo a Globo, Lula teria pago 250 mil reais em cinco parcelas, através do filho do pecuarista Carlos Bumlai.

Supondo que essa “engenharia” tenha ocorrido, o que disse Cerveró aos procuradores da Lava Jato:

1. Que Lula teria sido beneficiado por obras na refinaria de Pasadena pela Odebrecht (aliás, obras que não ocorreram); Ao STF, ele disse que as obras teriam sido feitas pela UTC (como assim? Odebrecht ou UTC?);

2. Que FHC teria recebido propina de 100 milhões de dólares na venda de uma subsidiária da Petrobras na Argentina, época em que Delcídio era diretor da estatal e filiado ao PSDB em 2001;

3. Que o senador Aécio Neves recebeu 250 mil reais de Furnas, parte de uma propina de 1 milhão de reais onde também estariam envolvidos Eduardo Cunha e a cúpula do PMDB.

Ora, pelas denúncias, quem deveriam estar realmente preocupados mesmo seriam FHC, Delcídio e Aécio Never.

Mas, diante de tanta “trapalhada” na primeira semana do governo Temer (extinção do MinC, entrevista do ministro da Justiça, redução do SUS, emissão de passaporte diplomático para o pastor da igreja de Cunha, recriação da CPMF e hoje a “certeza” de que Cunha – mesmo de casa – está mandando muito, “mandando” Temer indicar André Moura como líder do governo na câmara), a Rede Golpe está sem saber o que fazer para segurar tanta “trapalhada” em menos de uma semana de governo ILEGÍTIMO.

Basta lembrar que André Moura (PSC-SE) foi aquele deputado que chantageou Dilma – em nome de Cunha – em abrir o processo de impeachment, caso o PT não garantisse os votos para salvar seu “chefe” no Conselho de Ética. André responde a OITO processos no STF, dentre eles homicídio, compra de votos, lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e peculato. Um baita de um currículo para ser o LÍDER de TEMER na Câmara, não?

Fato…

Responder

Robinson Pimentel

18 de maio de 2016 às 22h15

Quem dera o deixasse, fisicamente, submerso, por quatro horas… sem oxigênio, claro.

Responder

Leopoldo Pereira

18 de maio de 2016 às 21h30

Deveria ter deixado ele submerso por 4 horas….

Responder

Deixe um comentário