Análise em vídeo das manifestações do 2 de outubro e as vaias a Ciro

The Paraguayan flag is seen next to other members of the Mercosur during the XLIII Mercosur presidential summit in Mendoza, 1050 Km west of Buenos Aires, Argentina on June 29, 2012. AFP PHOTO / Juan Mabromata

Uruguai isolado e pressionado por Brasil e sócios no Mercosul

Por Redação

07 de julho de 2016 : 15h26

por Francisco Montiel, no La Onda Digital / Tradução: Coletivo Vila Vudu

“A República Bolivariana da Venezuela rechaça as declarações insolentes e amorais do chanceler provisório do Brasil, José Serra” (Chanceler Delcy Rodríguez, da Venezuela, em Montevidéu)

Reunião extra agenda do presidente Tabaré Vázquez, com uma delegação chefiada pelo chanceler brasileiro José Serra, que chegou na 3ª-feira a Montevidéu, pôs em evidência que o Brasil já está encaminhando uma série de medidas políticas e diplomáticas contra o governo da Venezuela.

A entrega da presidência pro tempore do Mercosul à Venezuela, que o Uruguai reiterou várias vezes que faria nos próximos dias, nos termos do protocolo do Mercosul, foi torpedeada por uma declaração formal do Brasil, de que não aceitará. Essa iniciativa seria uma das primeiras medidas propostas pelo governo de Michel Temer contra seu contraparte presidente Maduro.

Nessa direção, Serra propôs ao governo uruguaio adiar até agosto a entrega da presidência pro tempore à Venezuela. Se o governo de Vázquez não aceitasse, a Argentina assumiria a presidência demostrando que mudaria de postura – se se considera o que, há uma semana, foi anunciado pelos chanceleres Rodolfo Nin Novoa e Susana Malcorra em Montevidéu (suspensão da reunião de cúpula de presidentes prevista para 12 de julho, com reunião de chanceleres onde seria feita a transferência da presidência).

Já há várias semanas circula na imprensa regional a seguinte pergunta: “O que há por trás do conflito sobre a Venezuela, no Mercosul?

Serra disse ao governo uruguaio que o bloco deve esperar até agosto, “quando Venezuela já terá realmente concluído os procedimentos que o Mercosul exige há quatro anos, e que ainda não completou”. Destacou que “a Venezuela é um problema, por causa das dificuldades internas e exigências legais não cumpridas.”

O chanceler paraguaio Eladio Loizaga, disse à imprensa: “A situação da Venezuela complica-se mais a cada dia, e precisamos ter à frente do Mercosul um país que tenha tranquilidade interna, paz, para que possa levar adiante os desafios que teremos no próximo semestre”.

Simultaneamente, segundo anunciou a publicação Sumarium, a estatal venezuelana Petróleos de Venezuela (Pdvsa) comunicou à Petropar que iniciará processo judicial se, até 10 de junho, o Paraguai não pagar o que deve, total que, segundo a petroleira venezuelana já chega a 287 milhões de dólares – disse Eddie Ramón Jara, presidente de Petropar à [agência] EFE”.

O diário La Nacion da Argentina noticia que “Um dos argumentos para que o presidente venezuelano não tome posse (na presidência pro tempore do Mercosul) é que a Venezuela é o único país do bloco que resiste a avançar na direção de um acordo de livre comércio com a UE, motivo pelo qual os parceiros temem que venha a impor empecilhos às negociações. De fato, os demais países já haviam concordado que as conversações com a Europa continuariam a cargo do Uruguai, mesmo que deixasse a presidência. A intenção da Casa Rosada é que a presidência do Mercosul continue com Tabaré Vázquez, presidente do Uruguai, ou que passe para Mauricio Macri”.

La Nacion acrescenta que “com o intento de reforçar a aliança militar com o Brasil, o ministro da Defesa da Argentina, Julio Martínez, concluiu um rápido giro por Brasília e São Paulo, ocasião em que manifestou a autoridades brasileiras o interesse da Argentina em participar da fabricação aqui [na Argentina] dos aviões super-sônicos Gripen NG, com tecnologia sueca. “Queremos ser parte do contrato que Embraer firmou com a sueca Saab, e podemos fazê-lo mediante a Fábrica Argentina de Aviones (FAdeA)” – disse Martínez a La Nacion.

Para o chanceler Nin; “o jurídico tem precedência sobre o político”, na Venezuela há uma “democracia, não há ruptura institucional, e até que aconteça não podemos prejulgar (…). A lei, hoje, manda entregar a presidência do Mercosul à Venezuela”.

A chanceler venezuelana Delcy Rodríguez disse, sobre as iniciativas de Serra em Montevidéu: “A República Bolivariana da Venezuela rechaça as declarações insolentes e amorais do chanceler provisório do Brasil, José Serra”.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

10 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Ferraço

11 de julho de 2016 às 11h59

Parabéns a Serra e Macri por colocarem os ditadores venezuelanos em seu devido lugar. Se Brasil e Argentina boicotarem esse bloco chinfrim, ele acaba.

Responder

Marcelo léltsin

09 de julho de 2016 às 12h15

Serra sabe fazer o jogo sujo.

Responder

André Monteiro

07 de julho de 2016 às 23h31

Só um milagre mesmo para fazer a Dilma voltar. Se eles estão agindo assim é porque tem a certeza que ela não volta mais. Pagamento ao judiciário, perdão das dividas dos estados, renuncia de dinheiro,…tudo isso são indícios que não tem mais volta. Temos que lutar e nos preparar para quebrar a cara desses canalhas! Nada de ser bonzinho! Nada de paz e amor! Vamos colocar nossas propostas socialistas a mostra. Não podemos ter vergonha disso. Vamos para cima deles!!!

Responder

robertoAP

07 de julho de 2016 às 18h56

O Serra não é chanceler e muito menos provisório. O Serra é um ZERO à esquerda, um cucaracha golpista que se apossou daquilo que não lhe pertence, ou seja, um ladrão. E ladrão não pode dar opinião sobre Mercosul nem sobre coisa alguma.

Responder

Antonio Passos

07 de julho de 2016 às 18h40

Era só o que faltava, a República de Bananas Paneleiras num conflito internacional. E considerando os acordos que a Venezuela tem com a Rússia, olha a guerra fria ficando morna na América do Sul.

Responder

    Roberto

    09 de julho de 2016 às 23h46

    o Brasil tem mais acordos e importância para com a Russia do que a Venezuela, fora os brics.

    então, com certeza receberíamos o apoio deles se ouve-se conflito

    Responder

Jst

07 de julho de 2016 às 18h06

O chanceler paraguaio Eladio Loizaga, disse à imprensa: “A situação da Venezuela complica-se mais a cada dia, e precisamos ter à frente do Mercosul um país que tenha tranquilidade interna, paz, para que possa levar adiante os desafios que teremos no próximo semestre”.

Se assim fosse, o Brasil deveria ter sido expulso do Mercosul porque está sendo governado por golpistas e ladrões.

Responder

JOHN J.

07 de julho de 2016 às 15h52

FOI MAIS OU MENOS ASSIM QUE COMEÇOU A ATUAL SITUAÇÃO DO ORIENTE MÉDIO.
SERRA E TEMER JÁ ESTÃO SE PREPARANDO PARA A GUERRA COM SEUS VIZINHOS.
ETA GENTE BOA.
(DE BICO)

Responder

rogeriobezerra

07 de julho de 2016 às 15h38

Subordinar, outra vez, a América Latina ao terrorista estados unidos, é o projeto dos golpistas e traidores que, por enquanto, ocupam o Planalto.

Responder

Maurilio

07 de julho de 2016 às 15h34

É a sua marca registrada: fazer estragos por onde passa. O desmoronamento da UE, via Brexit, e do Mercosul com esse sujeito.

Responder

Deixe um comentário