Mais de 70% dos eleitores já estão decididos sobre o voto presidencial, diz DataFolha

A dura marcação sobre o 12º jogador

Por Penélope Toledo

14 de julho de 2016 : 17h55

Por Penélope Toledo*

O jogo entre Chapecoense e Corinthians transcorria normalmente quando o árbitro Ricardo Marques Ribeiro repentinamente paralisou a partida. Não houve invasão do campo, ninguém ferido, tampouco desentendimento entre jogadores. Ele apontou para a arquibancada, de lá é que vinha o motivo: torcedores exibiam faixas de protesto.

Oras, o juiz é juiz do jogo, não do estádio. Para interferir sobre o que se passa por detrás do alambrado, tem que ser algo que prejudique a partida, como objetos atirados no gramado, ou uma razão muito séria, como os atos racistas que suscitaram paralisações na Espanha, México e outros países. Paralisar por causa de protestos, além de ser censura política vedada no Artigo 5º da Constituição Federal, é perseguição ao 12º jogador!

Não é a primeira vez: o clássico Corinthians e São Paulo só recomeçou depois que o capitão corintiano convenceu a torcida a retirar suas faixas. A desculpa é o Estatuto do Torcedor, que em seu Artigo 13, proíbe “mensagens ofensivas” no estádio, “inclusive de caráter racista ou xenófobo”. Pedir punições por desvio de merendas, jogos antes das 22 horas, fim da torcida única e democracia, entretanto, não é ofensivo, racista ou xenófobo.

A marcação sobre o 12º jogador tem sido dura. Com variação entre os estados, não pode faixas, não pode bandeiras (nem do clube), não pode tambor, não pode instrumentos musicais, não pode camisas de torcidas organizadas, não pode sinalizadores, não pode cerveja, não pode ter duas torcidas. Pasmem, já tive que jogar minha bombinha de asma fora e ouvi relato da proibição de livros, por ser “inflámavel”.

Esta repressão faz parte da criminalização das torcidas, na medida em que os elementos característicos do ato de torcer estão fora das “leis” e são associados a algo errado (além da associação entre torcida e violência). Além disto, joga uns contra os outros, pois atribui punições ao clube, como perda do mando de campo e multas, a um ou mais torcedores, indignando os demais.

Faz parte, também, da elitização do futebol, caracterizada pela “arenização” dos estádios, pelos altos valores dos ingressos e a consequente expulsão das figuras lendárias que povoavam as gerais, pela busca do torcedor “padrão Fifa” – o torcedor adestrado, bonzinho, que consome nas arenas, não protesta, não xinga e é fotogênico quando aparece na tela da televisão, enquanto o narrador diz “a família brasileira está de volta aos estádios”.

Mas o torcedor de verdade resiste! E a cada rodada surge uma nova desobediência, um novo grito de sobrevida, algum sinal que evidencie que o 12º jogador ainda está no jogo. Nenhum juiz, nenhum estatuto, nenhuma federação será capaz de acabar com a alegria genuína de se sentar no concreto da arquibancada e promover uma festa mágica de cores, luzes e sons, sem censuras. Porque a gente tem a consciência tranquila de quem sabe que torcer não é crime.

*Penélope Toledo é jornalista com passagem pelo jornal Lance!

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

6 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

M Claudia

17 de julho de 2016 às 01h47

Isso faz parte do golpe escravocrata que quer acabar com todos os direitos do povo, e agora com suas alegrias também. Não pensei que fosse viver para ver tanta crueldade se manisfestar em parte dos brasileiros. Mas este é o preço a pagar por termos alimentado por tanto tempo um monstro chamado Globo.

Responder

renato andretti

15 de julho de 2016 às 02h02

gente, perdi o tesão de assistir jogos.
uma que só passa na globo
na bandeirantes, tem o neto, não dá
e depois do 7 x 1, nasceu o coxinha
uniformizado, me dá coceira só de ver.
eu não aguento o galvão …não dá..

Responder

Guimarães Roberto

15 de julho de 2016 às 00h36

Gostaria de ver as torcidas não comparecerem aos estádios até que não houvesse mais jogos em horários das 22 horas.

Responder

Antonio Passos

14 de julho de 2016 às 20h38

A torcida eles querem que seja de primeiro mundo, mas os times são de QUINTO mundo. Porque apesar das fortunas que giram, nossos clubes continuam pobres, miseráveis, roubados pela Globo e alguns por seus próprios dirigentes (amigos da Globo todos eles).

Responder

gilberto

14 de julho de 2016 às 20h23

Eis um dos motivos pelos quais as arbitragens no futebol são muito ruins. O árbitro deve ficar atento aos lances do jogo, a fim de bem desempenhar sua atividade típica.

Responder

Eugenio

14 de julho de 2016 às 19h06

Viva a Democracia “curintiana” ! ! Na época da ditadura militar, o futebol foi instrumento de manipulação para ocultar e desviar mentes e corações das atrocidades cometidas nos porões da tortura. Salve o saudoso Dr. Sócrates e Vladimir. Reinaldo, do Atlético Mineiro, e o grande João Saldanha. Fizeram História em defesa da Democracia. Viva a Liberdade de expressão !

Responder

Deixe um comentário