Comentários sobre o áudio vazado de André Esteves (BTG Pactual)

Ibope: no Rio, Crivella permanece na liderança da disputa apesar de vantagem diminuir

Por Redação

21 de outubro de 2016 : 13h36

no IBOPE Inteligência

O IBOPE Inteligência realizou, em parceria com a TV Globo, a segunda pesquisa de intenção de voto para prefeito do Rio de Janeiro no segundo turno das eleições. De acordo com o levantamento realizado entre os dias 17 e 19 de outubro, Crivella (PRB) permanece na liderança da disputa, com 61% dos votos válidos, enquanto Marcelo Freixo (PSOL) tem 39%.

Quando se consideram votos brancos, nulos e eleitores indecisos, Crivella recebe 46% das intenções de voto (5 pontos percentuais a menos do que o aferido na pesquisa anterior), enquanto Marcelo Freixo cresce 4 p.p. e obtém 29% das menções. Neste momento, 21% dos eleitores declaram a intenção de votar em branco ou anular o voto (mesmo percentual do estudo anterior) e 4% não sabem ou preferem não responder a pergunta (eram 3%).

Destaques por segmentos
– Neste momento, as intenções de voto em Crivella mantêm-se mais expressivas entre os eleitores menos instruídos (até a 8ª série do ensino fundamental) e entre os que possuem renda familiar de até 5 salários mínimos. Além disso, Crivella se destaca entre os eleitores de 35 a 44 anos e passa a se destacar entre os de 25 a 34 anos.

– Marcelo Freixo mantém seu melhor desempenho entre os eleitores mais jovens, de 16 até 24 anos, e entre os que possuem Ensino Superior. As intenções de voto no candidato do PSOL são também maiores entre eleitores com renda familiar mensal superior a 5 salários mínimos.

print21101

***

Leia a pesquisa inteira aqui

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

4 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tereza Brandão

24 de outubro de 2016 às 16h44

Crivella vai ganhar! Esse jogo sujo do Frouxo não vai adiantar!

Responder

Fábio Brito

23 de outubro de 2016 às 00h50

https://REBELDESILENTE.WORDPRESS.COM/2016/10/22/DENUNCIA-EXPLOSIVA-ABALA-A-BLOGOSFERA/

DENÚNCIA EXPLOSIVA ABALA A BLOGOSFERA!!!

A LISTA QUE TODOS QUEREM CONHECER, NO MOMENTO, NÃO É A LISTA DO DEPUTADO EDUARDO CUNHA É A DA REDE GLOBO!!!

LISTA EXPLOSIVA DA REDE GLOBO PROMETE REVELAR LÍDERES, DIRIGENTES DE PARTIDOS E PARLAMENTARES DA ESQUERDA BRASILEIRA QUE ESTÃO NA FOLHA DE PAGAMENTO DA EMISSORA E SERIAM TRAIDORES DO POVO BRASILEIRO, APENAS QUINTA-COLUNAS, APENAS OUTROS X-9.

Responder

Ben Alvez

21 de outubro de 2016 às 19h31

O Rio de Janeiro já foi governado pelos Marotinhos e sobreviverá a Crivella e sua igrejinha de lavagem de dinheiro.

Responder

    Josemar Madiba Moisés

    22 de outubro de 2016 às 13h56

    Fazem tudo parte da mesma GANG

    Moro há 4 aos com família e vivo aqui a 17 anos e posso dizer a quem quiser que FREIXO, é a melhor opção, sem dúvidas. Não simpatizo e nem voto no PSOL, mas, sei de longe, que dada a situação, Freixo é a melhor opção.

    Porquê?

    Pensem ai no fator tempo e histórico curricular…

    Os últimos governadores fluminenses foram, em ordem..

    MARCELO ALENCAR – de 01/01/1995 ha 01/01/1999 – PSDB – Governador eleito – tempo de mandato 4 anos

    ANTHONY GAROTINHO – de 01/01/1999 há 06/04/2002 – PDT/PSB – Governador eleito que renunciou mandato – tempo de mandato 3 anos e 4 meses

    BENEDITA DA SILVA – de 06/03/2002 há 01/01/2003 – PT – Vice-Governadora eleita – tempo de mandato 8 meses

    ROSINHA GAROTINHO – de 01/01/2003 há 01/01/2007 – PSB/PMDB – Governadora eleita – 4 anos

    SÉRGIO CABRAL FILHO – de 01/01/2007 há 03/04/2014 – PMDB – Governador eleito – tempo de mandato 4 anos

    LUIZ FERNANDO PEZÃO – de 03/04/2014 à atualidade – PMDB – Governador eleito –

    FRANCISCO DORNELLES – de 28/03/2016 até à atualidade – PP – Governador interino

    Vamos ao fatos…

    às manobras… após Marcello Alencar, que destroçou, privatizou tudo o que podia, ou não, no estado, veio Anthony Garotinho, puxando pra si, forçosamente, o legado de Leonel Brizola no coração do povo fluminense e na esteira da repulsa da população às ações do PSDB no governo. Seguindo a linha do tempo, após Garotinho licenciar-se para concorrer `Presidência da República, Benedita da Silva, ocupou o Palácio Guanabara por 8 meses, sob intenso ataque dos meios de imprensa, especialmente o grupo O Globo, a população deu mais um mandato a Garotinho, dessa vez sob a égide de sua esposa, Rosinha Garotinho.

    Sobre Rosinha destaca-se que uma de suas primeiras atitudes no governo foi instituir o ensino religioso nas escolas estaduais. Ponto. Rosinha, acossada pelas organizações Globo, incomodadas com o grande poder político que a “Família Garotinho” alcançara decide apoiar, Sério Cabral, ao governo, a contra gosto, e anunciando-o como “a salvação da lavoura”.

    Sérgio Cabral, único governador reeleito do RJ montou e formou, junto a Delta Construtora e a outras organizações, um poder paralelo aqui no estado, aliando-se aos vários grupos de milicianos que atuam dentro do estado, tudo comandado dentro da Assembleia Legislativa, aos cuidados da família Picciani. Cabral e o PMDB quebraram o Rio de Janeiro.

    ligações…

    CABRAL

    (por Wikipédia)

    “Em março de 1987 ingressou na vida pública quando assumiu a Diretoria de Operações da TURISRIO – Companhia de Turismo do Estado do Rio de Janeiro, no governo de Moreira Franco.”

    “Em 1992 se candidatou à prefeito pelo PSDB. Aproveitando a alta popularidade do então prefeito Marcello Alencar e a impopularidade de Leonel Brizola no governo do estado, Cabral lançou o slogan “Quero ser um novo Marcello sem o Brizola para atrapalhar”. Ficou à frente de Alfredo Sirkis, Amaral Neto, Francisco Dornelles, João Mendes e Regina Gordilho. Contudo ficou em quarto lugar perdendo para Cesar Maia e Benedita da Silva, que se enfrentaram no segundo turno; e para Cidinha Campos.

    Em 1996, foi novamente candidato a prefeito do Rio pelo PSDB, perdendo a eleição no segundo turno para Luiz Paulo Conde, do PFL.

    Em 2000, estava cotado para ser o candidato do PMDB à prefeitura do Rio de Janeiro, mas decidiu apoiar o candidato à reeleição Luiz Paulo Conde, do PFL.”

    “Em 29 de outubro de 2006, com apoio dos ex-governadores Anthony e Rosinha Garotinho, foi eleito, em segundo turno, governador do Rio de Janeiro pelo PMDB, em chapa com Pezão, com 5.129.064 votos (68% dos votos válidos em todo o Estado), derrotando Denise Frossard do PPS que obteve 32% dos votos válidos. Foi empossado em 1 de janeiro de 2007.”

    (por Extra/O Globo) “ Desde que seu primo, o hoje vice-governador Francisco Dornelles, deixou o Senado, Susana Neves Cabral, a primeira mulher do ex-governador Sérgio Cabral, já pulou mais do que batata quente nos gabinetes do PP.

    a Susana NEVES é prima do Áh! É Sim, do pó.

    (por R7.com)

    “Aécio Neves e Sérgio Cabral trocam

    afagos em filme sobre Tancredo

    Não podia ser mais cordial o encontro entre o governador do Rio de Janeiro, Sérgio Cabral (PMDB), e o senador mineiro Aécio Neves (PSDB) na noite de terça-feira (25) durante a pré-estreia do filme “Tancredo, a Travessia”, que conta a trajetória do presidente Tancredo Neves (1910-1985), avô do ex-governador mineiro.

    A amizade de mais de 20 anos, reforçada pelo parentesco de Aécio com a ex-mulher de Cabral, Suzana Neves, ficou ainda mais intensa após a mobilização do senador contra a proposta de divisão dos royalties do petróleo aprovada na semana passada pelo Senado e que, se mantida, causará grande prejuízo a Estados produtores do minério, como o Rio.

    Ao chegar a um cinema da zona sul da capital fluminense, Aécio disse que agiu “por um novo pacto federativo” e cobrou “generosidade” do governo federal.

    – Faltou ao governo [federal] cumprir o papel de coordenador da federação e ter um pouco mais de generosidade, abdicando da receita futura da União, que era a proposta do senador Francisco Dornelles (PP-RJ), que eu apoio. Tenho conversado muito com o Sérgio [Cabral] e compreendo claramente suas razões.

    Poucos minutos depois, Cabral chegou ao cinema e se referiu ao senador mineiro como “um amigo querido desde 1980”. O governador revoltou-se especialmente contra o trecho da proposta que altera contratos já firmados de exploração de petróleo.

    Cabral, que hoje terá mais uma reunião com a presidente, em Brasília, disse que “o que está em discussão é um princípio básico de respeito ao ato jurídico perfeito”.

    – Esse é o princípio geral que o senador Aécio defende, e não é à toa que estamos diante de um documentário de seu avô Tancredo Neves, que era um democrata. Foi esse princípio que levou o [então] presidente Lula a vetar [outro projeto de mudança da divisão dos royalties], no ano passado, e espero que leve a presidenta Dilma a fazer o mesmo.

    Antes do início da sessão, Aécio e Cabral se abraçaram e posaram para fotos com familiares. O governador do Rio se desmanchou ao dizer que era “impossível” se aproximar ainda mais do Aécio, “um amigo querido desde quando presidimos juntos a Juventude do PMDB, em 1980”. Aécio, por sua vez, classificou a amizade entre as famílias Neves e Cabral como “indestrutível”.

    (do estadão)

    “Aos 22 anos, o estudante de Direito Marco Antônio Neves Cabral vai todas as tardes ao Palácio Guanabara, sede do governo do Rio, entre as aulas na PUC, que frequenta de manhã e à noite. Assiste a algumas reuniões, participa de solenidades. Não é contratado, nem em cargo comissionado. É uma espécie de estagiário informal, interessado em gestão pública. O acesso ao poder é garantido por um laço familiar: o rapaz é filho do governador Sérgio Cabral (PMDB) e segue os passos do pai na política.

    Marco Antônio é presidente da Juventude do PMDB, mesmo cargo ocupado por Cabral em 1982. Também é vice-presidente do PMDB do Rio. O sangue da política não está apenas do lado paterno. A mãe, Suzana Neves, ex-mulher de Cabral, é prima do senador mineiro Aécio Neves, provável candidato do PSDB ao Planalto. Os avós de Suzana e Aécio eram irmãos: Francisco e Tancredo Neves. Por compromissos partidários, Marco Antônio não foi este ano ao tradicional encontro anual dos Neves, em São João del-Rey, mas tem contato com a família mineira.”

    _________________________________________

    Ou seja, mesmo com a população fluminense dando um basta às ações do PSDB através dos anos, tanto é verdade, que o PSDB aqui no RJ, inexiste, nada representa. Aqui todos sabem que Cabral somente pode se eleger governador assim que saiu do PSDB e foi ara o PMDB…fluminese, o PMDB do Cunha.

    Crivela faz parte dessa mesma quadrilhada. Não afastará o PMDB do Cunha/Cabral/Milícias/Piccianis, apenas acobertará os golpistas que ficaram à mingua e só ganham aqui à base de muita Globo e Bíblia

    Crivella e a continuação do caos…

    Após Cabral/Neves/Garotinhos/Cunhas e Picciani’s o que se avizinha é IURD no governo.

    O que se anda dizendo aqui, à boca pequena é que só irá trabalhar em cargos de comando na prefeitura quem for evangélico…, e de direita.

    Creio que é para engordar os dízimos das agremiações religiosas que infestam cada esquina dessa cidade…, quase a ponto de explodir.

    Ou seja,

    de uma forma ou de outra, as igrejas evangélicas, mais sórdidas, vão ganhar dinheiro do povo para manter seus nababescos senhores de senzalas religiosas.

    Edir Macedo, dono da TV RECORD, é tio do Crivella. A VEJA/Globo/Folha estão apavorados, as verbas de propaganda, por causa do Google, não dão pra dividir e pagar as contas do PROJAC, faz é tempo.

    Francisco Dornelles, atual governador interino, é tio do Áh!,É sim, do pó.

    Cabral é Neves.

    O que se sabe porá aqui é que os Marinhos, embora, poderosos, na tela, estão com medo e não podem sair do país, o PanamáPapers, a Traffic(JHavilla), o Triplex de Paraty, os deixaram de rabo muito, muito preso e ainda vão dar pano pra manga.

    Com Freixo na prefeitura, certamente, o condomínio PSDB/PMDB/PP/DEM não entram nem nos pórticos imaginários da Cidade Nova e muito menos poderão dar guarida à turma do Cunha, que já está desesperada por aqui.

    Com Marcelo Freixo, a cidade e o estado começarão a respirar outras ideias e horizontes políticos.

    ou

    se preparem para o caos.

    Sem

    A IURD, que não entra em Angola, chegará ao governo de umas das maiores cidades do mundo. E irá cindir mais ainda a sociedade fluminense e nacional.

    Sectarismo e fascismo religioso eis Marcello Crivela/Edir Macedo na prefeitura.

    Responder

Deixe um comentário

Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro O Brasileiro se acha Rico ou Pobre?