Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Uma luz na noite sem estrelas do Brasil atual

Por Miguel do Rosário

28 de outubro de 2016 : 16h40

(Foto: Henry Milleo, no site da Tribuna do Paraná).

Arpeggio – 28/10/2016

Por Miguel do Rosário

O voto de Luiz Fux, na votação de ontem sobre o direito de greve do funcionalismo público, não deixou dúvidas de que os ministros aderiram ao golpe de maneira muito consciente e determinada. Fux não escondeu o raciocínio: “na atual situação do Brasil, muitas greves virão. Estamos aqui para evitar que o Brasil pare”.

É uma dessas frases lapidares, de altíssimo valor histórico, similar ao “às favas com os escrúpulos”, de Jarbas Passarinho, e ao “primeiro fazemos o bolo crescer, para depois dividirmos”, de Delfim Netto.

Fux admitiu que o STF prejudicou o direito de greve do funcionalismo público com objetivo explícito de enfraquecer a força política dos setores mais organizados da classe trabalhadora, todos em luta contra o processo de retirada de direitos inaugurado pelo golpe.

Sou crítico à greve do funcionalismo público. Assim como sou crítico a muitos clichês esquerdistas que eu considero simplesmente formulações mal feitas.

Entretanto, a questão da greve no serviço público era uma coisa que já vinha sendo discutida no legislativo, com debates abertos e transparentes. Na verdade, a Constituição Brasileira já permite que o judiciário corte o salário de grevistas em alguns casos, e há várias regras, distintas para as diferentes categorias, que devem ser seguidas pelos servidores, de maneira a preservar o direito do cidadão ao atendimento.

A decisão do STF é uma demonstração de autoritarismo, como quase tudo que tem vindo de lá.

Recentemente, Ricardo Lewandowski disse numa palestra que o século XXI seria o século do judiciário, assim como o século XIX teria sido do legislativo e o século XX do executivo. O Nassif fez uma crítica e Lewansowski ligou para o blogueiro para explicar sua posição.

O ministro Luis Roberto Barroso seguramente deve concordar com Lewandowski, pois também tem rodado os salões repetindo uma coisa parecida, o de que o STF representaria uma espécie de vanguarda.

A frase de Lewandowski é uma estupidez, um lugar comum idiota.

Aconteceu alguma coisa muito grave no Brasil. Jogaram algum tipo de tóxico na água bebida por nossa casta jurídica, que faz com que até mesmo os seus representantes mais ilustres se deteriorem intelectual e moralmente,

Se há algum sentido falar em século do judiciário seria para criticar profundamente essa aberração, e não festejá-la.

Quando se fala que o século XX foi do Executivo, por exemplo, o sentido moral a ser extraído de tal afirmação não deveria ser sob a forma de uma profunda crítica a um modelo que produziu os maiores massacres da história da humanidade?

Se o século do Legislativo testemunhou, no auge da revolução industrial, a mais desumana e brutal exploração da mão-de-obra, e o século do Executivo foi um tempo de ditaduras e guerras, o século do Judiciário caminha para se tornar uma era de golpes brancos, autoritarismo disfarçado e Estado policial.

Lewandowski é outra decepção. Ele é a prova viva de que não adianta apenas, para um presidente da república, indicar ministros do Supremo. Por melhores que eles sejam, e por mais garantias que possuam, eles permanecem vulneráveis às investidas da mídia. De uma forma ou outra, todos são cooptados e corrompidos. Os vaidosos ganham prêmios. Os tímidos são intimidados. Os corruptos são comprados.

Evidentemente, é muito mais barato para as elites cooptarem alguns ministros do que seu candidato obter mais de 54 milhões de votos.

O governo teria de indicar ministros, mas investir também num sistema de comunicação que não os abandonassem no meio da floresta, cercados pelas bestas-fera da mídia, que é o principal partido político da direita brasileira. Não basta indicar ministros. É preciso protegê-los da cooptação midiática.

O direito de greve do funcionalismo público deveria ser regulamentado via congresso nacional, através de um debate com representantes das categorias. Com sua decisão, o STF não apenas promoveu um retrocesso no campo dos direitos sociais, que prejudicará os pequenos servidores na base da pirâmide do serviço público. Ele também deixou claro que, para o golpe, interessa apenas o atendimento aos interesses da pequena casta de nababos encastelada na sua pontinha superior.

Ainda ontem, uma comissão no Congresso aprovou um projeto de medidas enviado pelo próprio governo que dará, entre outras coisas, em plena crise fiscal, aumento de 37% aos delegados de polícia federal.

A conta do golpe está sendo paga às custas do sacrifício da imensa maioria da população brasileira. Uma casta jurídica se descolou completamente do interesse da população, agora vista como um inimigo a ser combatido. Mas os seus interesses de casta, eles sim, estão sendo atendidos.

Nesse contexto de direito penal do inimigo, ainda vemos a atual presidenta do STF, ministra Carmen Lucia, convocando reunião para discutir segurança pública com agentes do exército.

José Serra é mencionado numa delação da Odebrecht de ter recebido caixa 2 numa conta da Suíça. Para a imprensa, porém, não vem ao caso. O que importa são os pedalinhos de Lula sobre os quais não pairam nenhuma prova de que foram comprados com dinheiro sujo.

Na Carta Capital, a matéria de capa repercute furo do Cafezinho sobre a nova política de publicidade federal do governo Temer: às corporações de mídia, tudo; aos outros nada.

O golpe é uma noite sem estrelas.

No meio de um breu tão absoluto, a luta dos estudantes das escolas públicas contra as reformas autoritárias do governo Temer emerge como um facho tão brilhante que, por um segundo, pareceu iluminar o país inteiro.

O que foi possível enxergar durante este segundo, tão rápido quanto um relâmpago, não foi o presente, ainda imerso nas sombras da truculência de nossas elites.

Pudemos enxergar, no entanto, um pouco do nosso futuro. Vimos as novas gerações determinadas a resistir pelo tempo que for preciso até recuperar seus direitos, sua esperança e a soberania de todos.

O discurso de Ana Julia despertou um espírito novo.

Num país dominado por traidores e covardes, no estado onde se desenvolveu a casta jurídica mais truculenta, elitista e parcial, nasceu uma delicada e poderosa flor.

Na voz de uma frágil e sensível menina de dezesseis anos, o Brasil voltou a reconhecer a si mesmo. Não somos os brutucus de camisa verde e amarela manipulados pela Globo. Não somos os violentos que xingam adversários políticos em hospital.

O Brasil é uma democracia adolescente, frágil, que precisa lutar contra todos os poderosos do mundo para se consolidar, e que, neste processo de luta, assim como Ana Julia, aprenderá o que é política, cidadania e liberdade.

Finalmente, o monstro golpista, com seus juízes, delegados, promotores, barões de mídia, com seus aliados no imperialismo, encontrou uma força maior do que ele: uma menina que luta.

O golpe, dominado por velhos, homens, brancos, ricos, truculentos, cretinos, ignorantes, encontrou, em Ana Julia, o seu pior adversário: ultrajovem, mulher, mestiça, simples, inteligente, culta, sensível.

Na voz de Ana Julia, vislumbramos a nossa vitória.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Maria Amaral

28 de outubro de 2016 às 22h56

Parabéns pelo texto primoroso! Mas o revisor deu uma cochilada e a frase ficou meio esquisita: “Não somos os brutucus (???) de camisa verde e amarela manipulados pela Globo”.

Responder

    Daniel

    29 de outubro de 2016 às 03h11

    Sim, Miguel estava inspirado quando escreveu este texto, com certeza pela esperanca mostrada por esta garota de 16 anos. Mas acho que nao havera tempo para os progressistas lutarem democraticamente, o rolo compressor nao para, nao vai dar tregua, esta mutilando a passos largos nossa democracia e estado de direito. O Congresso e o Senado sao os mesmos que cassaram a Democracia, cassar o resto dos direitos e’ fichinha. Os Progresistas sao pouco mais que 100 na camara e pouco mais que 20 no Senado. Se cassaram a Presidente sem crime de responsabilidade, este congresso tambem e’ ilegitimo. Sem uma revolta popular, o Brasil estara fadado a pelo menos meio seculo de escuridao, pois formaremos algumas Ana Julia’s e o PIG formarao muito mais facistas. E’ uma luta desigual, nao tem como ser republicano com facistas. A escolha seria a mesma que D. Pedro bradou, Independencia ou Morte, nos dias de hoje, Democracia ou Morte.

    Responder

Antonio Souto Coutinho

28 de outubro de 2016 às 20h49

Essa garota dá esperança ao país. Aliás, os atuais secundaristas estão lutando pela democracia com o só o fizeram antes do golpe de 1964. Estão dando uma lição aos adultos conformados e aos inocentes manipulados pela mídia tradicional.

Responder

Antonio Passos

28 de outubro de 2016 às 19h46

Demoramos a perceber a força do golpe, porque era bizarro demais acreditar que o STF seria sua viga de sustentação principal. Mas é isso aí, está tudo transparente agora, definitivamente assumimos nossa condição de Republiqueta de Bananas. Não temos homens com H maiúsculo, nas posições chave, para sermos uma grande nação. E temos de admitir que Dilma foi uma anã, onde precisávamos de uma gigante.

Responder

    ari

    28 de outubro de 2016 às 20h29

    É comum ouvir-se, após uma revolução ou coisa que o valha: “não era bem isto que eu queria”.
    Desculpe discordar, mas dava para perceber embora o tamanho da tragédia esteja muito além das expectativas dos mais pessimistas

    Responder

João Bosco

28 de outubro de 2016 às 17h55

Por que será que aderiram inteiramente ao GOLPE? Qual o medo?

Responder

    Geraldoribeiro Magela

    28 de outubro de 2016 às 18h01

    são golpistas por natureza, sabujos dos americanos, mercantilistas de escravos, o unico meio de se livrar deles é com uma espada na garganta deles.

    Responder

Italo Rosa

28 de outubro de 2016 às 17h35

ouvi o discurso dessa menina, ela lutando com a emoção, o que se percebe pela voz presa na garganta. Clareza de exposição, de visão, a coragem deslumbrante contra essa podridão toda que se abateu sobre o país. Ana Júlla é o futuro, a honradez, o caráter, que a classe dominante não conhece. Verdadeiramente uma luz nessa noite tenebrosa que vivemos.

Responder

    Geraldoribeiro Magela

    28 de outubro de 2016 às 17h55

    infelizmente nossos sonhos só podem virar realidade com sangue.

    Responder

      Jst

      28 de outubro de 2016 às 22h57

      Também acho. se o pau não quebrar o brasil estrá fadado a miséria moral, intelectual e econômica.
      E quem está nos colocando nesta situação são funcionários públicos não eleitos pela população para legislar e um bando de comprados eleitos pelo povo.
      Para votarem contra qualquer interesse do país é porque acreditam no que votam ou estão recebendo para votar? Será que é agora que o verdadeiro mensalão está rodando?
      Este governo é inimigo do brasil. o futuro desta menina e de milhões de outros que não pertencem as castas jurídicas e a elite está sendo jogado no lixo junto com o brasil.
      Jamais imaginei ver uma situação desta em nosso país.
      A única solução é um levante popular.

      Responder

rogeriobezerra

28 de outubro de 2016 às 17h28

Ús da “Justiça” tão com tudo e não estão prosa… Mas o dia deles chegará!
Quantas horas, mesmo, trabalham ús dotô de preto?

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou?