Live do Cafezinho: como trazer a classe média de volta para campo progressista?

Brasília - DF, 11/11/2016. Presidente Michel Temer durante Gravação pa Rede TV - Roda Viva no Palácio da Alvorada. Foto: Beto Barata/PR

Maior do que a falta de caráter da imprensa é a cara-de-pau de sua criação

Por Redação

16 de novembro de 2016 : 05h24

por Pablo Villaça, em seu Facebook

“Como você conheceu a Marcela?” é a pergunta-síntese da desintegração ética do jornalismo brasileiro.

Primeiro, porque é absolutamente irrelevante. O cara é considerado ilegítimo por imensa parcela da população (e É); sua vida romântica não importa. Como ele é um golpista abominado pela população — até mesmo por quem não gostava de Dilma —, não dá entrevistas e, assim, esta seria uma oportunidade ímpar para que jornalistas de verdade pudessem questioná-lo sobre a gravação do “ministro” Jucá no qual este planeja o golpe; sobre os 23 milhões de caixa 2 depositados na conta do “ministro” Serra; sobre o cheque de um milhão em seu próprio nome, e assim por diante. “Ah, mas eles perguntaram sobre o cheque!”. Não, eles TOCARAM NO ASSUNTO, o que é bem diferente. Questionar é fazer perguntas complementares, apontar as provas que desmentem a resposta e, principalmente, voltar ao assunto se o entrevistado tenta desviar o foco da conversa.

Em vez disso, os “jornalistas” (haja aspas pro Brasil de hoje) preferiram fazer perguntas adolescentes que seriam bem mais apropriadas em uma matéria de Caras.

Em segundo lugar, fizeram uma pergunta cuja resposta todos sabem: ele conheceu a esposa quando tinha 60 anos e ela, filha de um amigo, era menor de idade.

O único propósito da pergunta, portanto, era o de tentar “humanizá-lo”. E quem faz isso não é jornalista, é um Relações-Públicas.

Não é à toa que, após a entrevista, Temer, o Pequeno, gravou um vídeo no qual agradeceu pela propaganda. E, sim, ele disse “propaganda”. Porque maior do que a falta de caráter de nossa imprensa é a cara-de-pau de sua criação.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Raimundo Nonato de Castro

16 de novembro de 2016 às 11h39

Vergonhoso é se dizer um profissional e fazer o papel ridículo que estes jornalista fizeram.

Responder

Paulo Zeka

16 de novembro de 2016 às 08h23

Somos milhões de Ana Maria Braga diriam os “apresentadores” do programa- “propaganda” do qual o homenzinho participou. Falha da produção: faltou a cozinha como cenário.

Responder

Deixe uma resposta