Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Legalização da maconha no Canadá deve movimentar US$ 18 bilhões

Por Miguel do Rosário

06 de novembro de 2017 : 07h29

Na Exame

Canadá se prepara para legalizar maconha em julho de 2018

O plano do primeiro-ministro Justin Trudeau pode enfrentar mais resistência no Senado, onde o projeto deve chegar no fim do ano

Toronto – O Canadá se prepara para tornar realidade uma das mais polêmicas promessas eleitorais do primeiro-ministro do país, Justin Trudeau: legalizar o consumo recreativo da maconha.

O projeto de lei está tramitando no parlamento com o objetivo de ser aprovado até julho de 2018. A Câmara dos Comuns está estudando a proposta, que deve ser aprovada sem maiores problemas, já que o Partido Liberal, liderado por Trudeau, tem a maioria da casa.

Os planos do primeiro ministro, no entanto, podem enfrentar mais resistência no Senado, onde o projeto deve chegar no fim do ano.

Vários senadores expressaram dúvidas sobre a aprovação da lei até julho de 2018, com quer Trudeau. O senador independente André Pratte, por exemplo, disse que a data é um “limite político” que o Senado não é obrigado a cumprir.

Paradoxalmente, o possível bloqueio do projeto de lei é fruto de outra promessa que o primeiro-ministro fez na campanha eleitoral: que os senadores liberais seriam independentes do partido.

Até Trudeau chegar ao poder no fim de 2015, os senadores estavam submetidos às regras disciplinares dos partidos, mas o primeiro-ministro liberou os liberais em prol de uma democratização no Senado.

No Canadá, os senadores não são escolhidos pelo voto popular. O primeiro-ministro no poder é responsável por indicar os membros que irão compor a casa.

Portanto, essa recém-obtida liberdade de ação pode travar a aprovação de uma proposta polêmica sem que Trudeau, o governo e o Partido Liberal possam impedir.

Por enquanto, senadores como Pratte não indicaram que vetarão o projeto de lei elaborado na Câmara dos Comuns, mas indicaram que levarão o tempo necessário para fazer emendas que considerarem necessárias e imprescindíveis.

“O que temos que levar em consideração é que devemos fazer nosso trabalho a sério. É isso que vamos fazer”, explicou Pratte.

O possível atraso na legalização do consumo recreativo de maconha pode causar muitos problemas. Cidades como Toronto já estão sofrendo com os paradoxos da proibição atual e a legalização do futuro.

Há meses surgiram na cidade dezenas de lojas que vendem maconha, se antecipando ao projeto que vai legalizar o cultivo, a posse e o consumo de cannabis no país.

Apesar de oficialmente as atividades dessas lojas se limitarem à venda de maconha para fins medicinais, que é legal no Canadá, algumas delas também vendiam o produto para outros compradores.

Após meses permitindo a operação desses estabelecimentos, Toronto teve que se posicionar sobre o assunto e fechar dezenas desses locais. Ou, pelo menos, limitar as suas atividades até que o projeto de lei tenha sido aprovado pelo parlamento do Canadá.

A pressa dos empreendedores é compreensível por causa da magnitude do negócio. Segundo a Deloitte, o mercado de maconha no Canadá, quando se tornar legal, vai movimentar US$ 18,4 bilhões.

Além disso, as empresas canadenses podem se transformar em líderes do setor em nível mundial, por exemplo, no desenvolvimento de tecnologias para o cultivo legal da planta.

No Canadá, parte da imprensa está comparação a situação à “corrida do ouro” na América do Norte em meados do século XIX, quando foram descobertas jazidas do mineral precioso na Califórnia.

Dezenas de milhares de pessoas vindas de todas as partes do mundo viajaram para a Califórnia na busca de ouro, uma forma de fazer fortuna rapidamente e com facilidade.

Centenas de indivíduos e empresas no Canadá estão se apressando para estar na melhor posição possível para quando a venda da maconha for autorizada no país.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

2 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Bruno

06 de novembro de 2017 às 21h45

Vai nessa também Brasil! Chega de sofrer tá na hora de regulamentar esse mercado que já existe! Tá na hora de retirar o dinheiro das mãos erradas. Legaliza Brasil , ajudem nos a termos uma melhor qualidade de vida! chega de termos que trabalhar suar e termos que entregar nosso dinheiro nas mãos de traficantes comprando uma erva de péssima qualidade correndo riscos de contaminação por fungos e bactérias causando mais mal do que a propria erva em si!

Responder

Lobi

06 de novembro de 2017 às 16h34

Canadá deve estar exportando a erva e/ou produzindo algum produto a base disso.
Tem interesses bilionários muito diferente da tal erva recreacional.
Sem chance que os caras tão fumando 18 bilhões de dollares em erva.

Fiz uma pesquisa rápida e logo veio uma matéria da vice — claro, sempre vice..
maconha news é na vice…

Atualmente, existem 29 países que reconhecem alguma forma de cannabis medicinal, mas apenas dois desses países – Canadá e Países Baixos – exportam ervas medicinais para uso médico. De fato, o mercado de exportação de maconha medicinal é dominado por apenas quatro produtores canadenses de ervas : Cronos Group, Canopy Growth Corporation, Aphria e Tilray.

Responder

Deixe uma resposta