Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

A nota covarde da PFDC contra a operação “Esperança Equilibrista”

Por Miguel do Rosário

07 de dezembro de 2017 : 15h00

Eis que, diante de tanta repercussão negativa à operação “Esperança Equilibrista”, um obscuro departamento do MPF, pago com nossos impostos para cuidar dos “direitos do cidadão”, aparece para fingir que existe. E solta uma nota que reproduzimos abaixo.

A timidez e covardia da nota é tão grande que, com muita dificuldade, descobrimos, no finalzinho dela, uma crítica à operação: “a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão convida a uma reflexão sobre o eventual uso exagerado de medidas coercitivas, especialmente no ambiente da academia, a qual goza de autonomia constitucional”.

A nota vem com tantos salameleques, desculpas e tautologias idiotas sobre a “necessidade de investigar” que se torna quase ilegível.

Ao invés de focar na violência contra professores e servidores, a nota destaca, genericamente, a importância do memorial.

Veio-me à imaginação a seguinte cena: um bando de camisas negras fascistas invadem uma universidade em Roma, espancam professores e alunos, prendem outros tantos, e, no meio da confusão, quebram uma estátua de Cesare Beccaria, o fundador do humanismo penal no mundo. Então, um órgão oficial qualquer do governo italiano, um órgão que ainda tentava dar a si alguma importância, lança uma tímida nota na qual enfatiza a necessidade de se combater a subversão nos ambientes acadêmicos, mas que a estátua de Beccaria deve ser restaurada e protegida; e, por fim, pede uma “reflexão” sobre eventuais exageros no necessário corretivo dado a professores e alunos.

Prezados gestores da PFDC, se é para criticar, então critiquem sem medo, diretamente, objetivamente!

A covardia também é uma forma de corrupção!

No site do MPF

PFDC lança nota sobre operação policial na UFMG e o Memorial da Anistia Política

07/12/2017 11:41

O órgão do Ministério Público Federal reforça a importância das políticas de preservação da memória sobre as graves violações de direitos ocorridas durante a ditadura militar no Brasil

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC) – órgão do Ministério Público Federal – lançou nesta quinta-feira (7/12) nota pública acerca da operação “Esperança Equilibrista”, deflagrada ontem pela Polícia Federal para investir supostos desvios de recursos públicos, na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), destinados à implantação do “Memorial da Anistia Política do Brasil”.

Nota PúblicaNa nota, a PFDC destaca que embora repudie o uso indevido de recursos públicos em qualquer hipótese, a implementação do Memorial da Anistia Política constitui parte da política pública de justiça de transição e sua conclusão é indispensável para a preservação da memória sobre as graves violações aos direitos humanos perpetradas durante a ditadura militar no Brasil e a resistência que milhares de cidadãos ofereceram ao autoritarismo no País.

Confira abaixo a íntegra da manifestação:

A Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão (PFDC), do Ministério Público Federal, acompanha com preocupação a notícia de supostas irregularidades na construção do Memorial da Anistia Política na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – a qual teria dado origem a uma investigação criminal, com o cumprimento de medidas de busca e apreensão na UFMG e a condução coercitiva de professores e dirigentes universitários.

Embora a PFDC repudie o uso indevido de recursos públicos em qualquer hipótese, reforça que a implementação do Memorial da Anistia Política constitui parte da política pública de justiça de transição e sua conclusão é indispensável para a preservação da memória sobre as graves violações aos direitos humanos perpetradas durante a ditadura militar no Brasil e a resistência que milhares de cidadãos ofereceram ao autoritarismo no País.

Qualquer iniciativa de investigação de desvios de recursos na implementação do Memorial não pode ser usada para depreciar a importância jurídica e histórica da preservação da memória sobre o legado de violações aos direitos humanos no regime militar autoritário.

Nesse contexto, a PFDC considera ser infeliz a denominação dada à operação policial, a qual se apropria de passagem de música de Aldir Blanc e João Bosco, imortalizada na voz de Elis Regina, e que se tornou hino da luta por liberdades e direitos no País, especialmente daqueles que foram mortos, torturados ou desapareceram por força da repressão política durante a ditadura militar.

Finalmente, a Procuradoria Federal dos Direitos do Cidadão convida a uma reflexão sobre o eventual uso exagerado de medidas coercitivas, especialmente no ambiente da academia, a qual goza de autonomia constitucional. Evidentemente que essa autonomia não impede a apuração de crimes, porém seu rompimento deve ser reservado às situações de gravidade que, em um juízo de ponderação, justifiquem a presença de forças policiais no ambiente da universidade, a qual traz tristes memórias, oriundas justamente do período autoritário sobre o qual o Memorial da Anistia Política irá se debruçar.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

José Rubens

07 de dezembro de 2017 às 22h07

UFMG, orgulho do mineiro sapiens.

Responder

ANTONIO AGUIAR

07 de dezembro de 2017 às 17h05

Fux, que assume o stf em fevereiro, disse que o supremo pode ser uma escola para formação dos políticos que a população está a ‘exigir’.

Não há qualquer limite na indecência e soberba dessa classe.

O fundo do poço, local escolhido pelo Capital para colocar a política brasileira…
O judiciário sendo desmascarado dia a dia mas, como o mimado pirracento narcocandidato, mantém sua condição de intocável …

Está claro que já se sentem mandatários ‘legítimos’ dessa estranha nação #BraZil, onde um acordão nacional também desmascarado sequer faz tremer o #Golpe.

Entendo que essa tragédia só pode estar acontecendo pela ignorância completa na maioria do povo, em todas as classes sociais.

Dez@2017, acabamos de ganhar a segunda posição no ranking dos países com a população mais sem consciência sobre sua própria realidade.

É isso.
Vamos à luta!
Abs.

Responder

jose carlos vieira filho

07 de dezembro de 2017 às 17h04

Essa turma esrá mais preocupada com garantir a bufunfa no fim do mes.

Responder

Miguel F Gouveia

07 de dezembro de 2017 às 16h59

E desde qd o MPF se guia por repercussões?

Responder

João Ferreira Bastos

07 de dezembro de 2017 às 16h41

Somente o povo na rua para reverter o golpe

o resto é Luar de Paqueta

Responder

José Henrique Coutinho dos Santos

07 de dezembro de 2017 às 16h40

Então tá. Se é para refletir, então reflitamos. Até quando posso ficar refletindo? Quando for pra para de refletir, alguém me avisa por favor…

Responder

Luiz

07 de dezembro de 2017 às 15h33

O Brasil acabou. Restaram ratos e roer os despojos.

Responder

Calebe

07 de dezembro de 2017 às 15h28

Infelizmente viramos um país dos canalhas, temos de resistir para revertemos esta situação, temos que apear estes canalhas, ladrões e moralistas do poder, também infelizmente inclua-se a tal bancada evangélica, que de cristãos não têm nada.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade Auxilio Brasil x Bolsa Família: O que mudou? As Refinarias da Petrobras À Venda pelo Governo Bolsonaro