Sabatina de Manuela na Carta Capital

Intervenção é interdição na democracia

Por Rogerio Dultra

17 de Fevereiro de 2018 : 17h50

(Foto: DCM)

Por Rogerio Dultra dos Santos

O Rio de Janeiro assiste, estupefato, a chegada de Michel Temer e sua trupe para a grande farsa da intervenção militar. Assumidamente uma medida de exceção, que suspende a jurisdição civil sobre ações realizadas pelas agências de segurança, a intervenção de Temer brinca com a esfarrapada desculpa do “caos” e da “violência”.

É um movimento tão canalha que remete claramente não só às intervenções da Ditadura Empresarial-Militar de 1964, mas que alude, talvez com maior paralelismo histórico, aos estratagemas dos governos da Primeira República (1889-1930). Naquele momento, o país também não dispunha de um projeto nacional, mas de um acordo velhaco que garantia a divisão do poder entre os Estados mais influentes através de um federalismo interventor.

Diferentemente do que dizem historiadores com plumagens tucanas, a Primeira República, assim como o regime Temer, nunca significou a superação do autoritarismo (seja o do Império, seja o do “Estado-Novo do PT”) ou da corrupção, mas sim o seu aprofundamento subalternizado a interesses oligárquicos, no primeiro caso, e exógenos, no segundo.

Assim, mais que uma manobra para suspender a votação da reforma da previdência, ou um “ensaio” macabro para a normalização de intervenções futuras, a medida de exceção de Temer é uma importante etapa da estratégia de controle dos interesses que sustentam o regime.

A intervenção representa, nesse sentido, um artifício global para reforçar a gerência sobre economias politicamente periféricas, como está se tornando o Brasil. Intromissão internacional que se insinua diariamente pelos soft powers, isto é, pelos instrumentos de criação artificial de opinião (incluindo produtos culturais de massa como Netflix e quejandos), ela visa derrubar a nossa autonomia proto-democrática. Para tal, gera desestabilização econômica e social, fragilização das instituições e  criminalização da classe política. Tudo para subordinar o poder nacional a instâncias não-governamentais e internacionalizadas.

A intervenção militarizada por força de decreto inconstitucional prenuncia uma sabotagem na forma de governo democrático que aprofunda o golpe no mandato de Dilma Rousseff, porque é uma sabotagem capilarizada, que atinge o poder local, que inviabiliza qualquer articulação ou tentativa de resistência. Da mesma forma que as intervenções nos Estados durante a Primeira República.

A intervenção de Temer, portanto, não vem para confirmar a incompetência ou o descontrole de Pezão, governador do Rio, mas para reforçar o padrão de desprezo pela autonomia do político sobre outras esferas não majoritárias, como a judicial ou a econômica. A intervenção inconstitucional de Temer avisa, mais uma vez, que a época da política, da força do processo democrático, do respeito aos mandatos eleitorais, chegou ao fim.

A intervenção de Temer, nesses termos, é um símbolo a prenunciar que a destruição surreal que o país sofreu nesses quase dois anos desde a destituição de Rousseff ainda não alcançou o seu ápice.

A nossa tragédia é que talvez a única reação política viável diante desse quadro – onde a voz das ruas não conta mais, e onde uma greve geral parece não entrar nunca no horizonte de resistência –, teria que vir do Congresso, como uma CPI da Lava-Jato, por exemplo.

O problema não reside apenas na inviabilidade política da reação do Legislativo acontecer, e a tempo, mas do fato de que as lideranças políticas dos principais partidos (incluindo aqui 23 Senadores do PMDB, PT, PSDB e outros), e não somente Lula, sobrevivem sob a espada draconiana da nossa Justiça Lava-Jato.

Talvez a imagem que mais capte este dia de tristeza seja a da – ao meu ver – campeoníssima Escola de Samba Tuiuti, ao representar um povo por um lado bestializado, a bater panelas para a sua própria desgraça e, por outro, escravizado, submetido a um Presidente-Vampiro que suga a democracia do país e o leva para tempos cada vez mais sombrios. Será que Temer, depois do mis-en-scène do anúncio da intervenção, assistirá o desfile das Campeãs hoje à noite? Se o fizer, mais uma vez a realidade fantástica superará a carnavalização da política.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

18 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Jose Barros dos Santos

18 de Fevereiro de 2018 às 19h39

TEMER É LIXO SOLUÇÃO É LULA

Responder

Professor Mauro

18 de Fevereiro de 2018 às 14h46

É evidente que esse fajuto decreto da intervenção no Rio de Janeiro é um golpe midiático e eleitoreiro do corrupto vampirao e os 300 corruptos do golpe judiciário e parlamentar de 2016.
O jornal New York Times, Le Monde, EL País, Al Jazeera e muitos outros publicaram matérias sobre essa farsa.
As tropas do exército estão no Rio de Janeiro desde o início das Olimpíadas de 2016 quando o vampirao foi vaiado logo na abertura do evento em 2016 poucas semanas após o GOLPE judiciário e parlamentar.
Efetivos do Exército estão no Rio de Janeiro desde essa época e foram retirados aos poucos das favelas do Rio. A saída das tropas do exército nos morros ocorreu antes do natal. Entretanto seis mil militares permaneceram na avenida Brasil para que a REDE GLOBO mostrasse a ação do governo que de nada adianta. Nem todo o exército do Brasil ou da China resolverão essa questão pois o CÂNCER ou seja a metástase está no governo e na mídia golpista PIG que faz propagandas diuturnamente atacando o Rio de Janeiro pois lá é a vitrine da REDE GLOBO TIME LIFE e da CIA para manter a colonização do Brasil.
O general Braga Neto desabafou com razão a mídia é o maior problema do Rio de Janeiro.
Notem nas estatísticas do IBGE o MAPA DA VIOLÊNCIA DO BRASIL Rio de Janeiro aparece em 18o lugar.
Com taxas de violência maiores que a do Rio de janeiro estão SERGIPE, ALAGOAS, RIO GRANDE DO NORTE, RONDÔNIA, BAHIA, PARÁ, MINAS GERAIS, ACRE, PARANÁ E RIO GRANDE DO SUL todos com taxas de violência acima de 40 homicídios por grupo de 100 mil habitantes.
O general Braga Neto tem razão ao desabafar: “tem muita mídia nessa história”. Bastaria fechar a sinistra REDE GLOBO TIME LIFE no Brasil e o Rio de Janeiro viverá em paz. O livro A HISTÓRIA SECRETA DA REDE GLOBO mostra as cenas de GANGSTERISMO que marcaram a criação da REDE GLOBO TIME LIFE no Brasil. O livro revela que Roberto Marinho recebeu 61 milhões de dólares do GRUPO ESSO, TIME, LIFE e de dois maiores bancos credores do Brasil. Esse foi o maior mensalão internacional já feito no Brasil Roberto Marinho recebeu milhões em propinas para ajudar a escravizar o Brasil e transformar numa gigantesca colônia do império do Norte.
A roubalheira foi tamanha na implantação da REDE GLOBO TIME LIFE que Roberto Marinho recebeu um imóvel milionário na região nobre da cidade do Rio de Janeiro na avenida Jardim Botânico número 266 era um prédio público luxuoso sede do SUMOC atual BANCO CENTRAL era antiga Superintendência da Moeda e Crédito. Esse prédio vale seis milhões de reais e PASMEM foi doado poucos dias depois do golpe militar de 1964. No dia 27 de maio de 1964 o governo militar entregou esse prédio que atualmente é a sede da sinistra REDE GLOBO TIME LIFE mais conhecida como REDE TUCANA DE SUBMISSÃO AO IMPÉRIO DO NORTE uma sinistra rede de corrupção e desmonte nacional criada para saquear as riquezas do Brasil

Responder

Reginaldo Gomes

18 de Fevereiro de 2018 às 13h14

A organização mundial de saúde tem mandar seus melhores cientistas para o Brasil , para aprender como que 3 dias de intervenção militar conseguiu acabar com a epidemia de febre amarela ; ela simplesmente sumiu , parece até que nunca existiu!!!!!! É um milagre!!!!!
Foi igual em 2016 , assim que foi confirmado o golpe, 3 epidemias viraram fumaça instantaneamente: chikungunia, zika e dengue; um milagre triplo!!!!! Parecia até que essas epidemias nunca existiram;
Intrigante, é ou não é??????????
Ou DEUS é brasileiro?
(hipótese: percebem a falta de escrúpulos golpista?)

Responder

jose carlos lima

18 de Fevereiro de 2018 às 11h51

O golpismo da Globo: de primeiro de abril de 1964 a 17 de fevereiro de 2018

https://jornalggn.com.br/blog/jose-carlos-lima/o-golpismo-da-globo-ontem-e-hoje-voltou-a-democracia

Responder

Pedrão Paulada

18 de Fevereiro de 2018 às 11h32

Extra!
Exercito brasileiro extirpa a metástase do RJ, acaba de ocupar a sede das organizações Globo.

Responder

Igor

18 de Fevereiro de 2018 às 11h00

Quando arrumarem outro gancho para se pendurarem, o que será logo logo pois a criatividade da esquerda caviar de materializar heróis imaginários só perde pra sua capacidade de mentir e manipular os incautos e servis militantes (ou seria melhor chama-los de miliciano), esquecerão da maravilhosa paraíso de Tuiuti

Responder

Perrela

18 de Fevereiro de 2018 às 10h51

Esse tal de Fux-se é um gaiato!

FUX, QUE AMEAÇA LULA, JÁ LIBEROU FICHA-SUJA

Presidente do TSE, ministro Luiz Fux, que já afirmou que ficha-sujas são “irregistráveis”, em alusão ao ex-presidente Lula, concedeu decisão liminar a um político enquadrado na Lei da Ficha Limpa, suspendendo os efeitos de sua condenação criminal e permitindo que ele concorresse nas eleições municipais de 2016; caso se refere ao registro de candidatura de Vicente Diel, do PSDB, ao cargo de vice-prefeito de São Luiz Gonzaga (RS); “Determino expedição de ofício ao órgão da Justiça Eleitoral para comunicar a suspensão da condenação contra o autor até o julgamento final desta ação cautelar”, escreveu Fux no documento

Responder

Messias Franca de Macedo

18 de Fevereiro de 2018 às 10h36

… E lembrar que até ‘ontem’, no período pré-neo 1964 (sic), pululavam pixulecos obscenos com as imagens dos presidentes legítimos e honestos Lula e Dilma Rousseff!
Na telinha do Projac da Globo Oragnizações MafioCriminosas a serviço da destruição do Brasil!
Sim, lá isso são Forças Armadas, sô?
Com o STFede e o restante nazigolpista e antinacionalista tudo dentro!
E o ódio figadal aos pobres escorrendo dos caninos sanguinolentos destes infames vira-latas!

Responder

Carlos Mota

18 de Fevereiro de 2018 às 10h09

A VOLTA DA CENSURA

Temer censura vampiro e Tuiuti se acovarda
AI-5 está em vigor!

Publicado em 18/02/2018 no Conversa Afiada

Vampiro não chupou mais o sangue do Presidente (Créditos: Mídia Ninja)

Bem que a TV Afiada avisou: a censura vai voltar, porque essa foi a intervenção dos desesperados.

Saiu no Globo Overseas:

‘Vampiro-presidente’ da Tuiuti desiste de usar faixa presidencial no desfile das campeãs

Uma das figuras mais comentadas do carnaval carioca, o vampiro-presidente da Paraíso do Tuiuti, vice-campeã do Grupo Especial, desfilou sem a faixa presidencial neste sábado. Segundo informações do barracão da escola, emissários da presidência da República pediram à Liga Independente das Escolas de Samba (Liesa) que impedisse a entrada do destaque. Questionado, o professor de História Léo Moraes, de 40 anos, disse que não tinha recebido essa informação, e que desfilaria com a faixa. Logo depois ele afirmou que perdeu o adereço no fim da apresentação de domingo. A reportagem do GLOBO, no entanto, viu o momento que o professor entregou a faixa para um funcionário da escola guardar dentro de um carro.

– Ele (o vampiro) representa um sistema. Isso que está acontecendo no Rio de Janeiro hoje, para qualquer um que tenha um conhecimento de história, é preocupante. A gente fica até com medo de se manifestar. Eu espero que isso não seja um grande retrocesso – disse o professor.

O carnavalesco Jack Vasconcelos disse que não teria como negar ou confirmar a informação:

– Para ser muito sincero eu passei o dia isolado. Acabei de chegar aqui. Não posso confirmar ou negar essa informação, pois seria leviano – disse.

Mais cedo, o diretor da escola Thiago Monteiro disse que Léo Moraes havia sofrido um mal-estar, mas que a participação dele no desfile estava garantida.

Muito integrantes da escola lamentaram o fato de o personagem entrar na Avenida sem o adereço:

– Uma pena não terem peito de deixar ele usar a faixa presidencial.

Ao fim da apresentação, o professor de história recebeu a orientação de se descaracterizar rapidamente. Ainda mesmo na dispersão ele retirou a maquiagem e a roupa de vampiro. De acordo com fontes da escola, até duas horas antes do desfile a informação era de que professor não desfilaria, mas depois resolveram que ele entraria na Avenida, mas sem a faixa.

A Tuiuti caiu nas graças da internet e foi destaque até na imprensa internacional ao levar para a Avenida o enredo “Meu Deus, meu Deus, está extinta a escravidão?”, com uma crítica social ao racismo e a exclusão social. Na parte final do desfile, a agremiação trouxe uma sátira política e criticou a Reforma Trabalhista e da Previdência. O GLOBO tentou entrar em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria-Geral da Presidência da República, mas não obteve resposta.Temer censura vampiro e Tuiuti se acovarda

Responder

Pedrão Paulada

18 de Fevereiro de 2018 às 08h51

Se eu fosse o general, no primeiro dia de trabalho, atacaria a maior organização criminosa do RJ. Fecharia as entradas e saídas da rede globo de televisão e crimes em geral.

Responder

Pezinho

18 de Fevereiro de 2018 às 07h52

Cinco hipóteses para a Intervenção Militar no Rio, por Ion de Andrade

ION DE ANDRADE
DOM, 18/02/2018 – 07:40 no Blog do Nassif

Cinco hipóteses para a Intervenção Militar no Rio

por Ion de Andrade

O tabuleiro da política nacional após o golpe e após a maldição do pré-sal é extremamente complexo. O Rio de Janeiro é a um só tempo a sede da Rede Globo, a sede operacional do Pré-Sal e a cidade potencialmente mais explosiva do Brasil pois ali as assimetrias sociais se assentam sobre uma geografia onde as periferias cercam as elites.


Sem mais delongas, penso haver cinco hipóteses válidas para explicar a intervenção militar no Rio de Janeiro. Os próximos dias serão decisivos para irmos entendendo o que ocorreu com mais profundidade.

Veja quais são as hipóteses: https://jornalggn.com.br/blog/ion-de-andrade/cinco-hipoteses-para-a-intervencao-militar-no-rio-por-ion-de-andrade

Responder

Pezinho

18 de Fevereiro de 2018 às 07h10

Números (OFICIAIS) desmentem “explosão de violência” no Rio
Ocorrências no Carnaval caem desde 2015

Publicado 17/02/2018 NO CONVERSA AFIADA

Carnaval carioca registrou menos ocorrências de violência do que em anos anteriores (Créditos: Fernando Maia/Riotur)

A respeito do comentário do governador Pezão de que o número de crimes no Carnaval em 2018 foi menor do que em 2017, o Conversa Afiada compartilha números do Instituto de Segurança Pública do Rio de Janeiro (ISP).

Segundo a diretora do ISP, Joana Monteiro, em matéria no Estadão, não houve “explosão de violência” durante o Carnaval do Rio. O número de ocorrências registradas entre os dias 9 e 14/II foi de 5.865. No carnaval do ano passado, quando a Polícia Civil estava em greve (ou seja, muitos incidentes não tiveram registro oficial), foram 5.773. Em 2016 foram 9.016 ocorrências e 9.062 em 2015.

O número de furtos também diminuiu: 584 em 2018, 613 em 2017, 1.704 em 2016 e 2.144 em 2015. Também tiveram queda outros crimes, como homicídios (queda de 14,81% em comparação com o ano passado) e roubos de celular (menos 29,7%).

A queda no número total de ocorrências, de 2015 para 2018, foi de 35,27%.

No total, 16 dos 27 indicadores de violência caíram durante o Carnaval do Rio. “Foi um carnaval muito parecido com o dos outros anos. Estou segura em dizer que não houve nenhuma explosão de violência neste ano”, afirmou Monteiro.

Em tempo: o ISP é um órgão vinculado diretamente à Secretaria de Segurança Pública do estado do Rio de Janeiro.

Leia também no Conversa Afiada:

Gal. Villas Boas, em 6/2017: intervenção é desgastante e perigosa!
Quem faz arrastão no Rio?
Arrastões na Globo são distribuição de renda
O rico se droga e o pobre leva porrada

OU SEJA, a Globo com o seu sensacionalismo consciente conseguiu enganar até o exército braZileiro.

Responder

Cláudio

18 de Fevereiro de 2018 às 04h13

:
: * * * * 04:13 * * * * .:. Ouvindo As Vozes do Bra♥♥S♥♥il e postando:

Poesia contra a distopia (Distopia = Ideia ou descrição de um país ou de uma sociedade imaginários em que tudo está organizado de uma forma opressiva, assustadora ou totalitária, por oposição à utopia. “Distopia”, in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa, 2008-2013, [consultado em 13-10-2016].)

Poema acróstico para o maior e melhor brasileiro de todos os tempos :

L ouvemos quem bem merece o mais pleno louvor:
U m homem simples, como as coisas boas da vida,
Í ntimo camarada, nosso irmão e amigo de valor,
Z elando sempre pelo bem da humanidade querida.

I nimigo dos maus, amigo dos bons, trabalhador
N ascido do povo que muito o ama e admira,
Á rvore de bons frutos, os de melhor sabor,
C onsciência plena de tudo que no mundo gira,
I magem perfeita do homem de si senhor,
O humano defensor de humana lira.

L uz de nossa gente, lutador incansável,
U m verdadeiro herói do povo brasileiro,
L úcido e consciente do mais admirável
A mor pelo ser humano e verdadeiro.

D igno e sincero, fraterno e muito humano,
A migo do povo, honesto e sempre lhano.

S eja o meu/nosso canto para te louvar,
I sso que a voz do povo já disse várias vezes:
L ula, o BraSil vive mais feliz só por te amar,
V itória da melhor sorte no número treze,
A fazer do brasileiro a humanidade a se ampliar.

::

Autor: Cláudio Carvalho Fernandes ( poeta anarcoexistencialista )
.:.
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥
* * * * * * * * * * * * *
* * * *
Por uma verdadeira e justa Ley de Medios Já pra antonti (anteontem. Eu muito avisei…) ! ! ! ! Lul(inh)a Paz e Amor (mas sem contemporizações indevidas) 2018 neles/as (que já PERDERAM, tomaram DE QUATRO nas 4 mais recentes eleições presidenciais no BraSil) ! ! ! ! !
* * * *
* * * * * * * * * * * * *
♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥ ♥

Responder

carlos

17 de Fevereiro de 2018 às 22h22

O verdadeiro sentido da intervenção é que o governador do Rio, é um fantoche que não serve pra outra coisa a não ser que seja pra fazer turismo.

Responder

Jose carlos lima

17 de Fevereiro de 2018 às 21h57

Como se desmonta uma bomba semiótica?

ė que as imagens geradas pela Tuiuti deram lugar aos tanques do Vampirão

com a intervençāo o postiço conseguiu abafar a volta da Tuiuti a avenida

desviou o assunto com a bomba semiótica da intervençāo

A farsa da intervençāo novas imagens e sensaçőes: nossa elite escravista, colonial e do atraso nāo dorme no ponto!

Responder

Monet

17 de Fevereiro de 2018 às 20h11

O espírito da coisa.
https://pbs.twimg.com/media/DWK4eJAXkAAC7Nm.jpg

Responder

luiz

17 de Fevereiro de 2018 às 19h19

parabens Jean

Responder

Marcos Carvalho

17 de Fevereiro de 2018 às 18h56

Acabei descobrindo, sem querer, de quem é a mão que manipula o Manifantoche: https://jornalggn.com.br/comment/1194206#comment-1194206

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com