Jornal da Forum: Lula quer reindustrializar o Brasil!

Considerações objetivas sobre os documentos de Tacla Duran

Por Miguel do Rosário

05 de março de 2018 : 04h40

(Repórteres Carl Bernstein e Bob Woodward na redação do jornal The Washington Post, no início dos anos 1970, sabiam que era preciso paciência).

Independente de “tretas” com blogs e deputados, continuo curioso acerca dos documentos divulgados nos últimos dias.

Investiguemos o caso com humildade e objetividade, interessados exclusivamente na verdade dos fatos.

Wadih Damous divulgou, há pouco, um dos documentos do processo envolvendo o ex-advogado da Odebrecht, Rodrigo Tacla Duran, que traz informação de que Duran não foi encontrado no endereço C/ Rio Umia, 22 – Poio, porque este endereço, segundo as autoridades espanholas, estava incompleto. Chamemos esse documento de número 2.

O site Duplo Expresso, por sua vez, havia divulgado, dias antes, com muito estardalhaço (incluindo memes de bombas atômicas), um outro documento (à esquerda na imagem abaixo), emitido pelo Ministério da Justiça do Brasil. Vamos nomear esse documento de número 1.

Os documentos são, obviamente, distintos. No documento 1, o setor de cooperação internacional do ministério da justiça do Brasil encaminha, a seu colega do ministério da justiça da Espanha, um pedido para que marque uma audiência de procuradores brasileiros com Rodrigo Tacla Durán. O local não é especificado, mas o próprio Tacla Duran informa que o depoimento seria dado diante de um juiz. Não seria uma audiência em sua casa, portanto. Seria num tribunal ou num espaço controlado pelo governo espanhol.

Na resposta que dá às perguntas do Estadão, Tacla Duran diz que anexou ambos os documentos acima, embora a reportagem, estranhamente, não os tenha disponibilizado.

O documento 1 refere-se aos processos números 5019961-43.2017.4.04.7000, cujo réu é Tacla Duran, e 5019727.95.2016.404.7000, cujo réu é Marcelo Odebrecht.

A informação contida no documento 1 dá a entender que a responsabilidade de entrar em contato com Tacla Duran seria das autoridades espanholas. Como o encontro entre procuradores e Tacla se daria num tribunal, ou numa sala de governo, e não na residência de Tacla Duran, as autoridades do Brasil não precisavam saber, naquele momento, o endereço residencial dele.

O documento 2, a julgar por ele mesmo, é de outra natureza. Pelo que podemos ler nele, trata-se de uma “notificação” direta, enviada do Brasil, com endereço anotado desde aqui. E o endereço estava incompleto.

Mas esse problema do endereço pode ser jogado nas costas de qualquer um na cadeia de comando que vai desde o juiz no Brasil, passando por procuradores e ministério da justiça, até a burocracia espanhola. Não prova nenhum crime de Sergio Moro. Ao contrário, Tacla Durán, na entrevista ao Estadão explica que Moro alerta para o fato do endereço não estar completo. Não deve ter sido muito enfático, contudo.

É um tanto bizarro que se criem, tão facilmente, ondas de credulidade, atribuindo a qualquer documento que as pessoas sequer leram ou entenderam direito, algum valor sobrenatural.

Mesmo sabendo que à Lava Jato não interessa ouvir Tacla Duran, em função das denúncias que ele tem feito contra áreas centrais da narrativa, é muito fácil para Sergio Moro e procuradores encontrarem uma desculpa qualquer para o problema do endereço.

Al Capone pode ter sido pego por sonegação de renda, mas será difícil pegar Moro por usar um endereço incompleto.

Quanto à ausência dos procuradores lavajateiros à audiência que eles mesmos haviam convocado, para o dia 4 de dezembro de 2017, a desistência deve ter sido provocada pela participação de Tacla Duran, no dia 30 de novembro, em audiência na CPMI da JBS.

No site do MPF há uma página de transparência, com todas as passagens aéreas usadas pelos procuradores federais. Não consta, de fato, nenhuma passagem para Madrid em dezembro.

Quem quiser trabalhar para entender as violações e suspeitas que recaem sobre a Lava Jato, precisa se debruçar sobre as 234 páginas de documentos vazados da CPMI da JBS. Aí tem muita coisa interessante sobre manipulação de dados, que poderiam gerar nulidades processuais sem conta.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

86 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Régis

07 de março de 2018 às 09h06

Vejam como é a narrativa do golpe. Ainda não sei dizer se o advogado foragido do Brasil (o sr. RoMula) realmente acredita que está defendendo a esquerda brasileira mas ele realmente conseguiu em pouco tempo arrebanhar uma orda de mínions programados para se autodinamitarem em defesa de teorias “suisuecas” que estão agora sendo reprovadas pelas lideranças históricas. Estabeleceram então uma guerrinha do tipo “se você não é a favor do brogui você é a favor do golpe”. E confesso que me deixei ludibriar com esse discurso. Nos últimos dias comecei a me questionar se o que estava lendo nele era verdade. Comecei a achar que Nassif, Paulo Pimenta, Joaquim de Carvalho, Kiko Nogueira, Miguel do Rosário, Wadih e tantos e tantos outros estavam realmente sem credibilidade. Até porque quando você vê o apoio figuras como Eugenio Aragão, dentre outras personalidades importantes, em transmissões ao vivo com os caras… Mas eu fiquei me perguntando… fiquei numa confusão mental… minha cabeça estava explodindo…

ATÉ QUE EU VI A MANIFESTAÇÃO DO MIGUEL! Pô, o Miguel é uma referência para mim. E afinal, não é só o Miguel. São muitas pessoas que estão sendo difamadas publicamente pelos caras do brogui e eles passam o dia inteiro trabalhando para fazer com que a esquerda se autodinamite. E ainda usaram figuras importantes para corroborarem suas teorias. Eu duvido que a esquerda, daqui pra frente, vai dar 1% de credibilidade para eles como eles tinham até uns dias atrás. Tentaram narrativa similar a de homens-bomba fundamentalistas, jogando o colete de explosivos nas costas de determinadas figuras que não aceitam os argumentos deles. Tá aí. É essa a minha opinião.

Responder

Clayton

05 de março de 2018 às 23h06

MR, vc tem muito mais valor que essas “obrigações nessas pifeis tentavas…”!
De estranho neste episódio, só o comportamento dos deputados, ficaram com “o orgulho do umbigo ferido…”!
Estão devendo…, e ao invés de falarem claro e tecnicamente sobre o episódio do documento de peso sim, resolveram apelar, dar carteirada e usar blog$, que ao se “empenharem nos favores”, acabam por se desmerecerem.
Deputado é um empregado dos eleitores, e deve sim explanações….!

Responder

    Miguel do Rosário

    06 de março de 2018 às 09h31

    Clayton, eles não tiveram tempo. E a intenção deles, que era desmoralizar a liderança da esquerda, quase foi atingido. A quem isso interessa?

    Responder

      clayton

      06 de março de 2018 às 15h24

      Valeu MR, torço pelo Seu Sucesso e dos demais de nossa mídia alternativa (blogosfera)! Mas vc sabe onde estão os erros e onde possam estar os seus, mesmo que só por questão de “interpretações”, entendemos, é como disse o Capitão Nascimento, “o sistema é foda”. Mas para este episódio, é chegada a hora de sair de pauta por Todos, nosso Lula neste exato momento “caminha para a forca”, e não são mais as divergências dos erros e acertos, dos errados e certos que o salvará, só as ruas…, com os Blogos-feras à frente…!

      Responder

        clayton

        06 de março de 2018 às 16h21

        Obs.: “eles não tiveram tempo…”. Mesmo quando o nosso Lula por ventura estiver encarcerado em um espaço de 6m² / 12²m, ainda será tempo e haverá tempo! “…desmoralizar lideranças…”, esses não são e se quer estão líderes, se “lançam nas oportunidades”, mesmo que sobre futuros “espólios…”! Portanto MR, esses se vão, passam e deixam ou não rastros…, mas vcs (blogs) ficarão, e trarão junto suas “histórias…”.

        Responder

twoprong

05 de março de 2018 às 20h25

Obrigado por fazer os esclarecimentos que o Romulus nunca quis fazer.

Responder

Vicente

05 de março de 2018 às 19h46

Prezado Miguel
O argumento de Romulus é que a justiça de um país ao desejar obter depoimento de um cidadão de outro país (como sabemos, Tacla Duran tem dupla cidadania, brasileira e espanhola) tem-se que oficializar a justiça no caso da Espanha solicitando que intime o cidadão que se deseja ouvir. Neste caso realmente não necessita do endereço residencial do depoente.
Sendo assim, pra mim que não sou advogadto, fica estranho a justiça brasileira intimar diretamente em sua residência na Espanha um cidadão com cidadania espanhola sem oficializar a justiça daquele país, ou seria um depoimento extraoficial.
Se o argumento do Romulus for vero, o Imperador Moro fica desmascarado, mas, recorrer a quem se a “chustisa” está totalmente contaminada, na verdade não acredito em consequências para o Imperador Moro.
Desejo esclarecer que acompanho tanto O Cafezinho como o Duplo Expresso e torço para ambos se entenderem e retornarem a parceria como era antes, como o povo, “os blogs unidos jamais serão vencidos”.

Responder

Luiz

05 de março de 2018 às 15h54

Senhores, olha quanto tempo e energia estamos perdendo com esse embate? Enquanto estamos aqui batendo cabeça, o golpe avança junto com a lava jato. Onde anda Aécio, Andreia Neves, o primo Fred??? Onde está a “panela de Curitiba”? onde está Duran? Porque ninguém quer ouvi-lo? Acho que devemos nos concentrar nessas e em outras questões importantes. Penso, por fim, que tudo é possível, inclusive sites e blogueiros infiltrados. No Brasil do golpe, nada deve ser desprezado. Vamos lutar sempre.

Responder

PauloDAndrad

05 de março de 2018 às 15h46

Para quem quiser confirmar a “lisura” do DE: https://www.youtube.com/watch?v=6C-s48GrHBQ à 1:17:36 do vídeo, Rômulo diz ao Ministro Eugênio Aragão que os processos que aparecerem no “documento bomba” deles não foram encontrados na Justiça Federal e que seriam “CLANDESTINOS”… Uma mentira deslavada!

É só buscar os processos aqui: https://www2.trf4.jus.br/trf4/controlador.php?acao=consulta_processual_pesquisa

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 17h45

    Sim, eu vi os processos lá. Eu nem sabia que eles tinham dito essa mentira.

    Responder

Delza Maria Frare Chamma

05 de março de 2018 às 14h24

Gostaria de saber o que está acontecendo com este blog. De manhã eu estava lendo o artigo sobre Tacla Duran e os 254 documentos que incriminam Moro e de repente sumiu e quando voltou percebi alterações no mesmo. Sou leitora de Miguel do Rosário desde o “Óleo do Diabo”. Leitora fiel! Lutamos juntos contra a farsa da AP 470. E agora estou confusa com essa história desencontrada sobre o Blog Duplo Expresso. Algo não está claro para o leitor. Se os blogueiros do D. E. estavam, manipulando e mentindo, por que tanto tempo para o Cafezinho se explicar? Nada está claro . Poderia, por favor, nos esclarecer melhor sobre esse assunto cheio de sombras?

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 17h46

    Leia o último post. Eu precisava de um pouco mais de tempo para preparar um post melhor.

    Responder

      Edite Lucas

      06 de março de 2018 às 01h42

      N costumo me manifestar aqui. Só ler. No DE tbm. Até compartilho matérias deste blog gom meus amigos e família. E a conclusão a q chego é q há um movimento contra o DE controlado por alguém ou um grupo q comanda os bastidores daqui e do GGN. Triste e lamentável a postura de ontem de vcs dois. Ql a intenção de detonarem Romulus? Sabe o saldo disso td até p qm gosta de ler vc e Nassif, como eu? Perderam credibilidade (Nassif desde já há algum tempo). Revelaram-se sórdidos como qm vcs criticam -Moro. Nem acreditei q era vc, Miguel, a escrever o texto colocando um ex colaborador como desequilibrado. Prefiro acreditar q vc assim como Nassif estão sendo coagidos ou chantageados por razões de ordem pessoal (n profissional) o q será compreensível e perdoável. Se for por pagamento… só posso dizer: atitude deplorável

      Responder

        Edite Lucas

        06 de março de 2018 às 01h47

        *com meus…

        Responder

Benoit

05 de março de 2018 às 14h23

Não tive tempo para me inteirar exaustivamente desse assunto dos documentos e posso estar equivocado. Mas me parece ser um bocado de ingenuidade achar que os documentos fariam alguma diferença grande, quer sejam verdadeiros ou não. Acho que o Miguel já explicou noutro artigo que existem várias explicações que poderiam ser dadas pelo Moro para o fato de ele não ter querido interrogar o Tacla Duran.

Além disso, todo mundo sabe que o processo contra o Lula é uma aberração. Há inúmeros fatos que comprometeriam esse processo conduzido por um juiz parcial, desonesto, incompetente, sinistro. Esse processo não passaria um teste básico para um processo justo de acordo com os princípios de um Estado de direito, ele está cheio de irregularidades do começo ao fim. Todo mundo sabe disso. Há livros mostrando detalhadamente as falhas da sentença que começam na primeira linha dela e vão até à última linha. A sentença é cheia de erros básicos de raciocínio. O processo foi um escândalo público. Inúmeros juristas competentes têm criticado esse processo. E no entanto, isso adiantou alguma coisa? Fez alguma diferença prática com respeito ao desfecho do julgamento? Houve alguma mudança no decorrer do processo? Nada. A verdade é que a sentença foi confirmada na segunda instância que saiu com uma sentença ainda mais severa. Houve manifestações grandes a favor do Lula. Isso mudou o resultado da sentença? Não. Há quem ache que o PT poderia fazer mais pelo Lula. Mas quem diz isso não diz o que o PT poderia ter feito. Eles (do PT) podem ou poderiam falar, podem pôr um post no facebook deles. Mas isso é e seria completamente ignorado por quem tem o poder. Eles poderiam falar no congresso e o outro lado simplesmente bocejaria de tédio. Dei uma olhada hoje e não parece haver absolutamente nenhuma nota nos jornais grandes acerca desses documentos. Se os documentos fossem teoricamente relevantes, eles seriam postos de lado com uma desculpa qualquer. Afinal adiantou o advogado do Lula ter feito uma excelente defesa, ter lutado até o fim incansávelmente pelo Lula? Não, o juiz mandou e desmandou como quiz.

É ingenuidade achar que existe uma chave mágica para acabar com a Lava Jato. Não acho que se deva desencorajar as pessoas que se empenham jornalisticamente e politicamente. Não se deve acabar com as esperanças. Mas é importante não ser vítima de ilusões, de se enganar com truques enganadores. As coisas dependem de um um trabalho longo e paciente que vem sendo realizado por pessoas na política, no jornalismo e que tem que ser feito com seriedade, sem ilusões.

Responder

sergio paulo

05 de março de 2018 às 13h44

Temos que pressionar para que a nossa justiça ouça o que o Tacla Duran nos tem a dizer. Só assim poderemos desmascarar o juiz Sergio Moro e sua corja.

Responder

PauloDAndrad

05 de março de 2018 às 13h43

Miguel, já está no seu e-mail despacho relacionado ao dito documento…

Responder

Mara Rocha

05 de março de 2018 às 13h40

gostaria de saber por que cargas d’águas o texto sofreu redução de partes importantes…foi censura? Foi pressão de alguém? O texto estava muito mais completo….e continha mais detalhes e posições de quem escreveu….que coisa surreal minha gente…

Responder

    Mara Rocha

    05 de março de 2018 às 13h42

    as 7 horas da manhã eu li outro texto que não era esse…o blog ficou fora do ar…quando voltou o texto para minha surpresa não era mais o mesmo….:(

    Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 13h59

    Não foi censura ou pressão de alguém. Tava confuso, longo de mais, eu mesmo resolvi mudar. O essencial permanece.

    Responder

      Mara Rocha

      05 de março de 2018 às 14h13

      Sinto muito ….o texto foi desfigurado por alguma motivo….lá se dizia que os blogueiros deveriam se unir para desvendar esses documentos…..lembro bem dessa parte….que as coisas não podem ser feitas de imediato….etc….etc….Outra parte dizia que os deputados fizeram um ótimo trabalho tinham em mãos 254 páginas de documentos que incriminavam Moro….O QUE HOUVE PRESSÃO PARA OMITIR ESSAS PARTES?

      Responder

        Miguel do Rosário

        05 de março de 2018 às 17h48

        Leia o último post e você vai entender. Eu tinha que esperar para escrever um post melhor.

        Responder

rgudes

05 de março de 2018 às 13h22

não estou entendendo em que sentido “o doc é lixo por causa da fonte de onde vem, que é envenenada”?
do ponto de vista legal, tem uma regra processual q simplesmente desqualifica/anula o que provém de uma fonte envenenada.
do ponto de vista moral, e tb do ponto de vista político, a credibilidade da fonte é importante: justifica cautela, mas não desqualifica imediatamente a mensagem. (no caso do vazamento por alguém do MJ, não dá pra pressupor, mas apenas desconfiar, q se trata de uma jogada maliciosa. se desse, os wikileaks seriam lixo a ser descartado.)
do ponto de vista lógico, a qualidade da fonte não se confunde com a qualidade do produto desta. Em inglês, chamam esta confusão de “poisoning the well” (envenenar a fonte) – um erro (ou truque) geral de raciocínio que inclui, entre outras falácias, o argumento ad hominem. (no caso, supondo que a cadeia de custódia que o doc percorreu é toda composta de canalhas, isso não afeta a sua verdade/validade/utilidade).

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 14h01

    a fonte é envenenada e o doc é inócuo, porque não prova nada. há 274 páginas de docs vazados da cpi da jbs do tacla duran, com docs periciados, que provam mais que isso.

    Responder

Jorge Costa

05 de março de 2018 às 12h53

Não vejo futuro com essa discussão! Lula foi condenado por um tribunal de exceção, com o cerceamento de sua defesa. Foi pedido pela brilhante defesa, por 4 vezes que Rodrigo Tacla Duran fosse ouvido como testemunha em seus processos. O álibi de Moro foi que não seria possível localizar Duran na Espanha. O doc 1 mostra que é possível, mesmo sem divulgar o endereço do mesmo, o que derruba a alegação de Moro. O foco é mostrar o propósito da Lava Jato em se manter como tribunal de exceção contra um inocente, contra aquele que lidera as pesquisas e é a esperança do povo e de quem entende dessa forma! É preciso união e não alimentar essa celeuma. É preciso sim ação política mais incisiva de todos os parlamentares petistas ou mesmo do campo progressista no que tange, especificamente, a defesa de Lula! Já temos Vacarri apodrecendo na cadeia e não há uma luta política em prol de sua liberdade!

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 14h16

    o doc não mostra isso. o álibi do moro não era que não tinha endereço. eram outros. uma vez era endereço incompleto, o que é diferente.

    Responder

      PauloDAndrad

      05 de março de 2018 às 14h37

      Miguel, sobe os despachos grifando o essencial, o que trata do endereço e o no qual ele desacredita TD… O pessoal vai ver que o endereço não faz a menor diferença aqui… que jamais derrubaria a LJ… Como já foi dito várias vezes, depois de tudo que esse juiz já fez (condução coercitiva, vazamento de grampo) contra Lula, como um documento desses poderia rifá-lo?! É um delírio…

      Responder

        Odete

        05 de março de 2018 às 15h33

        Bem isso. Os rapazes sem noção se empolgaram achando que com esta coisinha derrubariam a república de Curitiba. Com a grande maioria sensata, que luta bravamente por justiça para Lula, não deu a importância que queriam, ficaram ressentidos. E, ressentimento é o pior sentimento, pois leva à insensatez. E foi o que houve. Começaram a detonar pessoas que lutam por Lula e pela restauração da democracia no Brasil. Se arvoraram de donos da verdade e de orientadores ungidos da luta pela causa. Pena. Achei que os meninos tinham futuro, mas foram colocando os pés pelas mãos e deixando que o ego os cegasse e os fizesse afastar da causa a que estavam se dedicando. Pena.

        Responder

        Jorge Costa

        06 de março de 2018 às 19h01

        Com o uso jurídico, jamais! Qualquer documento, doravante, só pode ter algum efeito se for usado de forma Política!

        Responder

Roberto Machado Cassucci

05 de março de 2018 às 12h53

Honesta e francamente, não creio que o Objetivo Intrínseco, e principalmente, PREMEDITADO, desta “Celeuma” , tenha sido a Maximização de Ultra Exposição desses Documentos nas mídias… porém, Está Dando Certo, evidentemente!!!
Agora, todo o cuidado para não extravasarem nos “Quantum” de argumentações e contra argumentações, de ataques e contra-ataques, sobremaneira no fórum Pessoal, ao “alimentarem o Foco no Objeto”…
O Argumento é Forte; O Documento é Sólido; A Parcialidade da (in)Justiça é Gritante; O CRIME do Jui$x é Óbvio Ululante; O Lawfare contra LULA é Traidora e Covardemente Flagrante; …
Lembrem-se todos: – Se é verdade que “de Boas Intenções, o Inferno esta cheio”, ainda É Mais Verdadeiro, “a Falibilidade é condição Sine-Qua-Non e Indissociável da Natureza Humana”… …Fika Dika!!!!

Responder

Cristina

05 de março de 2018 às 12h45

O que é incompreensível é o fato dos deputados não se interessar entrar em contato com o site DuploExpresso e discutirem se de fato o documento 1 poderia ou não servir de prova que o Juiz Moro estaria mentindo no momento que negou chamar Tacla Duran por falta de endereço! Esta é a questão: Moro afirmar que não tinha endereço do Tacla para permitir a defesa do Lula ouvir em juízo o Tacla Duran. Sair falando que trata-se de gente perigosa, da CIA e o blogueiro Nassif ter liberado o nome do advogado Romulus que usava um pseudônimo gerou a possibilidade de termos direito a teorias de conspiração. O advogado Romulus após a quebra de sigilo do Nassif relativo ao seu nome e endereço da sua família no Brasil já tem a sua família no Brasil sendo ameaçada, conforme programa DuploExpresso 05 mar 2018. Nassif tem que tirar esta informação do ar: estamos em Estado de Exceção onde a democracia só funciona para quem não denuncia o processo da lava jato e está de acordo com os procedimentos operados por procuradores e Juízes que trabalham no processo.

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 14h19

    incompreensível porque? por que o site não apresenta o doc para o requião, para o lindberg? não acha estranho o site xingar os deputados e depois tentarem fazer com que eles lhes obedeçam? os deputados não viram valor no doc, assim como eu. é um doc que não prova nada. o moro não justificou a não tinha endereço, e sim que a rogatória voltou porque o enderçeo estava incompleto, e não sabemos se a culpa é de moro. o próprio tacla fala que a culpa não é de moro. as alegações de moro para negar o depoimento de tacla iam além do endereço. moro não achava útill, ditadorzinho que é, e ponto final. esse doc, a meu ver, é um golpe de marketing. não mostra crime nenhum, mas foi usado como instrumento de poder para caluniar os deputados.

    Responder

      Felipe

      05 de março de 2018 às 16h57

      Não estou totalmente a par da celeuma, mas analisando as argumentações e os docs., de fato não me parece ter o peso que querem dar. Não é uma bomba atômica, existem muito mais bombas atômicas nos despachos do Moro e em suas sentenças (sou advogado e professor, examinei algumas peças e é de fácil constatação)… Eu, no lugar dos deputados também não daria a mínima e, esse de não dar a mínima não pode, em hipótese alguma, ser confundido com uma conspiração dos deputados com o Moro e Eduardo Cunha. Também não creio na teoria conspiratória que o Nassif aventou de que se trata de um Cabo Anselmo com interesses profissionais por trás. Acho apenas que se trata de um par de novatos (inclusive o Calasans, no que tange a blogosfera ao menos) que estão desesperados por ‘clicks’ e que pretendem abocanhar uma audiência mais ampla partindo para a guerra seja lá com quem for. O Calazans deve ter seus motivos íntimos (e profissionais) e o tal de Romulus quer apenas, sem muita inteligência, ser amado (ou odiado, Andy Warhol explica). (lembrando que para ter mestrado e doutorado não se precisa ter inteligência, basta saber os caminhos).

      Responder

EDUARDO

05 de março de 2018 às 12h31

Me considero um dos mais assíduos e atentos leitores das suas matérias jornalísticas e analíticas. Na minha opinião você é um dos mais brilhantes blogueiros que hána blogosfera, mas achei uma bola fora essa entrevista com o deputado. Ficou parecendo apoio político incondicional ao político que ao meu ver faltou com a verdade ao afirmar que já tinha protocolado na PGR um documento que a bem da verdade e totalmente diferente daquele mostrado. Até aqui tudo bem, dar apoio a um amigo nas horas difíceis é um ato de grandeza. Mas infelizmente ao dar esse apoio, voz e espaço sem tocar no cerne da questão é que “pega” para você e seu trabalho. Por favor, faça um favor a você mesmo e tente esclarecer isso tudo. Se houve afirmação mentirosa dos deputados quando afirmaram que já tinham protocolado o documento na PGR e se o documento do DE é falso produto de uma intriga para desestabilizar tais deputados. Para mim isso agora é que é o importante para retomar a confiança.

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 14h20

    ora, o wadih foi caluniado sordidamente. e ele não falou nada disso. ele nem conseguiu entender o texto confuso do romulus. ele falou que havia protocolado docs de carta rogatória, não sabia que era esse aí.

    Responder

      EDUARDO

      05 de março de 2018 às 15h02

      Como alguém pode negar sobre algo que nem quis ver. Muita arrogância e soberba desses membros. Vc mesmo já foi vítima de tal soberba. Foi solenemente esnobado quando falou como deveria ser a comunicação social do governo Dilma. Estou muito triste com tudo isso. Você deveria fazer mais perguntas ao invés de ter todas as respostas na defesa desses políticos. No PT tem muita traíra. E quem te fala sabe muito bem o que está falando. cuidado pois a verdade virá e espero que vc esteja certo.

      Responder

Renata

05 de março de 2018 às 12h27

Dois dos “contributors” do paper de Romulus, “O segundo tempo do regime internacional dos investimentos: a nova geração de tratados e a prevenção de controvérsias investidor-Estado”, UERJ, 2011, são bastante ligados às questões petroleiras

Integrante da Association of International Petroleum Negotiators; sócia fundadora do Centro de Excelência em Desenvolvimento, Petróleo, Energia e Mineração( CEDPEM); membro-sócio do Instituto Brasileiro do Petróleo – Marilda Rosado de Sá Ribeiro – Consultora | Óleo e Gás | LinkedIn

Extensão universitária e cursos: Comércio de Petróleo e seus Derivados (Instituto Brasileiro de Petróleo, Gás e Biocombustíveis, IBP, Brasil); Especialização em Direito do Petróleo e Gás; Direito do Petróleo Norte-Americano – Clarissa Maria Beatriz Brandão de Carvalho Kowarski

Responder

PauloDAndrad

05 de março de 2018 às 12h06

Miguel, quer que eu te passe os links dos despachos?

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 12h09

    Pode me passar, manda para migueldorosario@gmail.com. Mas o doc é lixo por causa da fonte de onde vem, que é envenenada.

    Responder

      Valdson Silva Cleto

      05 de março de 2018 às 12h23

      Que coisa mais sem sentido dizer que o documento é lixo por conta de quem o divulgou! Já causa estranheza essa agressividade no uso desse termo, “lixo”, que combina mais com as postagens do MBL.
      Se o documento 1 não serve pra nada, o que dizer do documento 2, que serve apenas para confirmar a desculpa furada dada pelo Moro?

      Responder

        Liliana

        05 de março de 2018 às 12h38

        Concordo plenamente com você Vadson. Muito estranho essa resposta do Miguel e esse comportamento.

        Responder

          Edite Lucas

          06 de março de 2018 às 02h05

          Esse comportamento e as explicações. Mt coisa q n fecha os pontos. Só qm ler sem analisar as entrelinhas q acredita.

      PauloDAndrad

      05 de março de 2018 às 12h47

      Miguel, acabei de te mandar um dos últimos despachos (PDF)… Se for relevante, mando o restante… Estou procurando o que faz referência especificamente ao endereço (mas esse nunca foi o caso).

      Responder

Gustavo Horta

05 de março de 2018 às 12h04

Não são mais milhões de Moro. Não são mais milhões de Aécio. Não são mais milhões de Cunha. Não são mais milhões de porra nenhuma. Para estes que eram milhões de alguma coisa virou tudo “farinha do mesmo saco”.
É claro que pode ser tudo farinha. Mas são de sacos diferentes, são de qualidades diferentes.

100 MIL ANOS ATRÁS
> https://gustavohorta.wordpress.com/2018/03/05/100-mil-anos-atras/

Eu nasci há pouco mais de 100 mil anos atrás.Dez mil a mais, dez mil a menos cento e poucos mil… Que diferença faz?Já fui banguelo, ja fui barbudo, cabeludo. Já fui branco. Originalmente preto. Depois amarelo, vermelho, branco. Pardo, mestiço, caboclo, cafuzo, “afro-americano”.Já fui ocidental, já fui asiático.Você já fui índio, já fui cantor, já fui…

Responder

PauloDAndrad

05 de março de 2018 às 11h18

Miguel, esse imbróglio a respeito do juiz Sérgio Moro ouvir ou não o Rodrigo Tacla Durán nada tem a ver com a insuficiência de endereço na tal carta rogatória. Se alguém se der ao trabalho de ler os despachos do juiz nos processos que preside contra Lula, Vaccari e Marcelo Odebrecht, verá que as negativas se baseiam numa suposta “falta de credibilidade” de TD e por ele ser considerado foragido.
Nesses mesmos despachos, o juiz fala que “eventuais outros endereços poderão ser encontrados no Procedimento de Extradicion nº 44/16, autos 33/2017, do Tribunal da Audiencia Nacional, Sala de lo Penal, na Espanha”.
Portanto, por mais que esse documento seja verdadeiro, as negativas do juiz em ouvir Tacla Durán se basearem em outros motivos mesquinhos: intempestividade do pedido da defesa, custo da teleconferência, a não participação de TD nos fatos envolvendo a reforma do sítio, em não ser o responsável pela TI da empresa, por ser foragido, etc…

Responder

    PauloDAndrad

    05 de março de 2018 às 11h25

    E mais: segundo esse mesmo despacho, esse endereço foi informado à justiça brasileira pelo próprio TD num outro processo que responde naquele tribunal…

    Responder

      PauloDAndrad

      05 de março de 2018 às 11h47

      Apurando, de ontem pra hoje, você já mudou de opinião e agora reconhece que o suposto documento é brasileiro, do DRCI/SNJ… Miguel, tem até formulário próprio para pedir isso no site do MJ… Dá uma olhada aí…
      Acho que não precisa de perícia… Verdadeiro ou não, é fato que o juiz oficiou o MPF para que acionasse a justiça espanhola nessa mesma época… O documento é plausível, mas não tem esse valor todo…

      Sobre o sub relatório do Wadih: em qualquer comissão a maioria sempre impõe o relatório final… Não vejo o que o deputado poderia fazer… Ele tem assessoria, conhece o regimento… Imagino que fez o possível naquela circunstância…

      Responder

        Miguel do Rosário

        05 de março de 2018 às 12h10

        Sim, claro que eu mudo de opinião. Só maluco não muda de opinião. Exatamente. Não tem o valor de “derrubar” a Lava Jato. Quem deu o doc para eles foi o ministério da justiça golpista. Veio de dentro do golpe.

        Responder

          Humberto Borges

          07 de março de 2018 às 22h41

          Não acho que tenha vindo ‘de dentro do golpe’ e nem que foi o ‘ministério da justiça golpista’ que vazou o documento para o DE. Você deve saber e talvez já tenha usufruído, assim como outros blogs e órgãos informativos, de ‘vazamentos’ feitos por funcionário(s) de empresas e instituições que não compactuam com as práticas e ideologias de seus ‘chefes’ e que para alívio de suas consciências ‘vazam’ documentos.
          Quanto à validade do documento causa estranheza essa constante, insistente, lacônica e autoritária afirmação peremptória: ‘o documento não vale nada nem derruba Moro e a lavajato’.

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 12h00

    Sim, Paulo. Mas o doc não vale nada. Não tem o valor que eles apresentaram com esse messianismo todo.

    Responder

      PauloDAndrad

      05 de março de 2018 às 12h10

      Miguel, por favor, faça um post com todas as negativas de Sérgio Moro em ouvir Tacla Durán (com conteúdo e link do site da Justiça Federal)… Eu li a maioria delas… Daí você acaba de vez com essa polêmica…

      Responder

    Aguiar de Souza

    06 de março de 2018 às 15h25

    O problema é exatamente esse: o juizeco nega nos autos ouvir Tacla Duran por todos esses motivos que você citou e outros mais; no entanto, mandou os procuradores à Espanha para ouvi-lo em uma oitiva solicitada através desse documento que o DE conseguiu. Tacla Durán recebeu a intimação da justiça espanhola e lá compareceu no dia 04-12-2017, mas os procuradores destacados, um deles o Pozebon (preço bom), não apareceram para interrogá-lo. O que esse documento prova é a obstrução de justiça praticada pelo juizeco, NESSE CASO COM PROVA MATERIAL, à defesa do Presidente Lula, além de prevaricação. Pois enquanto negava ouvir o Tacla Duran nos autos, sorrateiramente autorizou os procuradores irem à Espanha para interrogá-lo lá. Suspeita-se que eles não foram em virtude do depoimento do Tacla à CPMI. Fatos decorrentes desse episódio: 1) Essa solicitação do Min da Justiça foi provocada por pedido do MPF e autorizado pelo juizeco, assim é o procedimento; 2) A procuradoria federal do Paraná teve que fazer empenho para passagens, hotel e diárias, portanto há mais provas materiais do crime; 3) O Romulus estava pedindo, gritando mesmo, que os deputados que tem prerrogativa para isso, solicitassem esse empenho para anexar ao doc conseguido pelo DE, para fazer uso político e jurídico dos mesmos; 4) Uso jurídico pelos parlamentares e não pela defesa do Presidente, já que essa oitiva da Espanha dizia respeito aos processos da Odebrecht e do próprio Duran, e, portanto, Zanin não pode atuar em processo que não representa. De que forma? Protocolando denúncia na PGR, no CNJ e CSMPF. 5) Uso político: nas tribunas da Câmara e do Senado, em manifestações mesmo que localizadas, mas que dessem visibilidade à denúncia e NA MÍDIA ALTERNATIVA, NA BLOGOSFERA, que no caso se fechou e não deu o menor espaço a essa pauta do DE. Por que será?
    O que aconteceu? Os parlamentares além de não agirem da forma que se esperava, passaram a pressionar o Romulus para esquecer essa pauta, e os BLOGS fecharam com eles e passaram a atacar o DE o DOC, e de forma rasteira o Romulus.
    PS: Os parlamentares, ainda por cima, foram à PGR com aquela desfaçatez, a pretexto de cobrar providências sobre às denúncias de Tacla Duran na CPMI, para incluir esse documento apócrifo, que é o álibi preparado pelo juizeco com esse delegado do Paraná que assina os pedidos de cooperação internacional, e que foi plantado nesse órgão do Min da Justiça desde 2015.

    Responder

Liliana

05 de março de 2018 às 11h17

Mais um milímetro e você estará defendendo Moro?! Não duvide da inteligência daqueles que acompanham seu blog a tempos! Primeiro, a justiça brasileira pode citar diretamente um cidadão europeu, sem passar pela justiça do outro país? Segundo, o doc 1 chegou ao destino, pois continha endereço correto é o intimado compareceu, mas quem pediu a audiência não. O doc 2 não chegou ao destino porque o endereço estava errado e deu álibi pra mentira do Moro de que desconhece onde se encontra o “foragido” e por isso não pode ouvi-lo. Análise bem fraquinha essa sua! Continua a dúvida.

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 11h59

    Pode, foi o que aconteceu no doc2. O doc1 não tem endereço. Foi audiência. O doc não vale nada, a meu ver. Parece armadilha para iludir a blogosfera e a militância.

    Responder

      Valdson Silva Cleto

      05 de março de 2018 às 12h16

      Se o doc não vale nada, por que não falaram isso inicialmente? A primeira “explicação” dada foi de que o documento já tinha sido apresentado! Foi um equívoco ou uma tentativa de iludir a militância?

      “Já a referida carta rogatória, que deitaria por terra a República de Curitiba, foi por nós juntada em dezembro e faz parte do acervo documental enviado à Procuradoria Geral da República. Esse “bombástico” documento segue anexado. Ninguém está escondendo nada.” trecho da nota do deputado

      Responder

        Miguel do Rosário

        05 de março de 2018 às 12h19

        Foi equívoco, óbvio, mas porque a fonte era envenenada e porque não dava para entender aquela loucura toda. Não dava nem para entender os posts do Anselmo.

        Responder

          Valdson Silva Cleto

          05 de março de 2018 às 12h29

          Por que a fonte era envenenada? Pelo que entendi você não está dizendo que o documento é falso, está apenas dizendo que ele não serve para nada. Então porque não explicar o motivo do documento não servir pra nada, em vez de atacar quem divulgou o documento e cobrou sua utilização?

      Liliana

      05 de março de 2018 às 12h50

      O doc 1 não tem endereço porque pede que a justiça espanhola encontre o Tacla Duran, e, pelo que seu, ela sempre teve o endereço dele, pois consta do seu documento de cidadania, tanto que foi intimado. Por outro lado, o doc 2, segundo você disse, foi enviado direto do Brasil, com endereço errado(?) e, por isso, não foi atendido. Ponto pro Moro. Tá vendo como está tudo muito estranho? Pode ser que esse doc 2 não valha nada assim como o doc1, o problema todo é que pode acontecer os maiores absurdos (e agora só falta a prisão do Lula) e todos vão assimilando sem reação. É isso que está irritando todo mundo.

      Responder

    Octaviof

    05 de março de 2018 às 13h29

    Lembrando que o Moro também não sabia onde encontrar a esposa do Cunha!! Só os donos de shopping sabiam!!! KKK!!

    Responder

Valdson Silva Cleto

05 de março de 2018 às 11h17

Miguel do Rosário, que bom que você mostrou que o documento divulgado pelo Duplo Expresso é totalmente diferente do documento mencionado pelo deputado em sua nota. Não foi o que o deputado deu a entender na nota:

“Já a referida carta rogatória, que deitaria por terra a República de Curitiba, foi por nós juntada em dezembro e faz parte do acervo documental enviado à Procuradoria Geral da República. Esse “bombástico” documento segue anexado. Ninguém está escondendo nada.”

Só não entendi por que você argumenta como se a questão fosse o endereço errado no documento 2. Essa questão do endereço é justamente a desculpa dada pelo Moro! Você na verdade nesse texto mostrou que o documento 2 não tem valor nenhum. E não falou nada sobre o documento 1, o que foi divulgado pelo Duplo Expresso! O documento 1 é que mostra que essa erro do endereço foi usado como desculpa, pois eles não precisavam do endereço para ouvir o Tacla! Também mostra que eles tentaram ouvir o Tacla de forma sigilosa, enquanto davam a desculpa do endereço para não ouvi-lo! Por que você considera o documento 1 “lixo puro”, como respondeu em outro comentário?

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 11h43

    É lixo, porque não significa nada. Não incrimina ninguém.

    Responder

      Valdson Silva Cleto

      05 de março de 2018 às 12h12

      Por que não?
      E por que você não explicou no seu texto os motivos do documento 1 não significar nada e não incriminar ninguém, e em vez disso fez considerações irrelevantes sobre a questão do endereço errado no documento 2?

      Responder

      Janaína

      05 de março de 2018 às 17h47

      E a nota do Wadih é o quê? Ninguém vai corrigir essa aberração não? Ele não vai esclarecer o equívoco não? A militância está toda cheia de razão divulgando esse equívoco aos 4 cantos.

      Responder

        Edite Lucas

        06 de março de 2018 às 02h23

        Qto mais Miguel explica e responde alguns argumentos dos comentários, enrola-se mais. Vergonha!!

        Responder

rgudes

05 de março de 2018 às 10h57

O fato relevante não é o de que o juiz
1) atende a demanda dos procuradores p/ ouvir Tacla e oficialmente solicita audiência à justiça espanhola (o q dispensa o juiz d saber o endereço, pois, como dizes, ela mesma se encarrega de encontrá-lo)
e ao mesmo tempo
2) nega a demanda da defesa (com justificativas variadas, entre elas a d não saber o endereço) ?
Isto não grita FRAUDE PROCESSUAL!? Não seria politicamente relevante, para a defesa POLÍTICA de Lula (para além da questão jurídica), ir atrás, em tempo hábil, de uma demonstração tão cristalina de que o juiz foi PARCIAL E MANIPULOU, com, MENTIRAS, o processo?

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 12h07

    Sim, é errado. Mas é mais um erro entre mil erros. Não tem esse valor que eles apresentaram.

    Responder

Leila

05 de março de 2018 às 10h55

Bom, Miguel, agora vc me deixou mais encafifada.
Acompanho o Duplo Expresso desde que era parte do teu blog. Assisti a vários Cafeínas contigo e com o Wellington e Romulus. Entendo perfeitamente que existam discrepâncias. O que não entendo: uma vez que vc comparou os dois documentos porque não tentou conversar com os dois do Duplo Expresso em vez de chamar o documento que eles possuem de “lixo”? Cara, não siga por aí… Vc é muito bom comunicador, não faça isso. Sou jornalista como vc, o Wellington e o próprio Nassif. Não tenho experiência na análise destes documentos, mas vamos combinar que vc deveria falar com ambos e não alimentar isso porque não vai nos levar a nada.
Temos de nos centrar na defesa do presidente Lula e na defesa do patrimônio brasileiro. Vc já viu tucano e os caras do DEM ou do PMDB divergindo nas próprias mídias? Enfim, vamos continuar.

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 12h08

    É lixo no sentido de que a fonte de onde vem é envenenada. A fonte são eles.

    Responder

      Valdson Silva Cleto

      05 de março de 2018 às 12h10

      Não entendi, o documento é lixo por que eles divulgaram? Como assim?

      Responder

Renata

05 de março de 2018 às 10h33

Miguel, o orientador do Romulus Maya (Rômulo Soares Brillo de Carvalho) na UERJ escreve para o Instituto Millenium – que coisa, né? Escreveu, em 2016, acerca da nomeação do Lula para ministro: “o Supremo teria que se posicionar sobre a nomeação de Lula para o Ministério, entendendo que se trata de uma tentativa de burla às normas processuais definidoras de competências [ ] o Supremo não deveria permitir que comportamentos oportunistas pudessem manipular o exercício da jurisdição no país. Para o bem do próprio Supremo e do Brasil” – https://www.institutomillenium.org.br/author/gustavo-binenbojm/

Romulus conta que seu pai é um apaixonado do PSDB mas sua mãe é brizolista e que sua irmã saiu ‘azul’ e ele ‘vermelho’. Mas esqueceu de contar que escolheu como orientador um professor neoliberal ligado ao Instituto Millenium, do qual fazem parte os ideólogos do PSDB.

Rômulo Soares Brillo de Carvalho, conforme Escavador, participou dos seguintes seminários e congressos:

Rio Oil & Gas Conference 2008. Aspectos das parcerias na indústria do petróleo: considerações sobre a solução de controvérsias no joint operating agreement. 2008. (Congresso).
Seminário de Direito Internacional e Geopolítica do Petróleo: Distribuição do Poder, Determinantes, Jurídicos e Perspectivas Brasileiras. 2009. (Seminário).
Dispute Resolution in the International Oil and Gas Business – AIPN. 2008. (Seminário).
AIPN Latin America Regional Chapter Conference: Update on Oil and Gas Developments in Brazil – The JOA, Renewable Fuels, Vessel Charters and Expropriation. 2007. (Seminário).
Seu trabalho de conclusão de curso foi: A Parceria Público-Privada (PPP) e a Sociedade de Propósito Específico (SPE). 2007. UERJ
Escreveu:CARVALHO, R. S. B. . Aspectos das parcerias na indústria do petróleo: considerações sobre a solução de controvérsias no joint operating agreement. In: Rio Oil & Gas Conference, 2008, Rio de Janeiro. Anais – Rio Oil & Gas Conference, 2008.

Responder

Geuvar

05 de março de 2018 às 09h59

Lula indo para o patíbulo e o cafezinho, GGN preocupados com a saúde do Moro, putz!

Responder

    Miguel do Rosário

    05 de março de 2018 às 10h39

    Bots pagos para defender DE. Que sinistro.

    Responder

      Octavio

      05 de março de 2018 às 13h47

      Bots pagos? Eu já vi este tipo de comentário no MBL!! Não é questão de defender o DE!! É questão de defender o ponto de vista de alguém!! Se a esquerda não for crítica, não haverá diferença entre ela e a direita!! Por que temos que confiar em quem vc confia? Vc confiava na Marta Suplicy? E no Cristovam Buarque? E agora?
      Se os documentos são fajutos, prove isto!! Muitas das análises políticas dos blogueiros não se concretizaram. Olha aí a Dilma deposta!! O TRF-4 inocentou Lula? Vc viu o socorro às injustiças pelo STF? Então, a partir daí, eu vou deixar de ler os blogs sujos?
      A questão é a seguinte, o Moro é desonesto. Já foi noticiado todas as ligações da República do Paraná entre advogados (Arns, Tacla Duran, Zigoloto , ou coisa parecida, e outras mais ), entre os instituições americanas e o PSDB. Já está mais do que provado que não podemos esperar nada de bom da Justiça brasileira. Mas temos políticos do PT, que parecem que não sabem disto. Ou pior, se não forem mais uma Marta Suplicy do PT.
      Por mais que os documentos não tenham a validade que foi alardeada, eles cumpriram muito bem o papel de divulgar a parcialidade do Moro e sua intenção de condenar o Lula e o PT.
      Depois que o PSDB (quem manda de fato) vender todas as riquezas do Brasil, ele não se importará de sair do poder. Posto que, quem cuidará destas riquezas, são países muito ricos, que podem muito bem invadir o nosso País, caso algum governo de esquerda queira retomar estas riquezas.

      É notório, até para um coxinha, que a Justiça brasileira acabou ou se revelou acabada.

      Responder

        Miguel do Rosário

        05 de março de 2018 às 13h57

        Crítica? Caluniar, mentir, divulgar mensagens privadas? Jogar para dividir? Isso é ser cachorro.

        Responder

          Edite Lucas

          06 de março de 2018 às 02h33

          E vc e Nassif fizeram pior com Romulus. Foram cachorros tbm? Podiam ter resolvido no privado. Até pq vcs dois tem mais experiência profissional e de vida.

          Reflitam. N deixarei de ler o blog de vcs. Mas farei com análise redobrada.

mara rejane de morais

05 de março de 2018 às 09h51

Estes documentos, que DE, apresentam, são provas, que a resistência deve usar para minar a lava-jato, e para proteger LULa, acho estranho atacarem os meninos em vez de usarem estas provas, à mim, fica a impressão de rabo presso. com o Cunha e Moro.

Responder

Jo

05 de março de 2018 às 09h37

Miguel nao tenta explicar o q o povao ja sabem. Seja humilde o povo emtende. Fique do lado do povao pois sao esses serem humanos q vao serem descartados em uma camara de gas pela elite. Mesmo assim lembre Deus é Deus e nos entendemos voce por favor nao se venda, mesmo q seja preso como o Lula e muitos e mesmos mortos como o povao vai ser. Depois q esses vampirao venderem tudo em nosso pois. Por favor fique do lado do povo do pobre. Tome o exemplo de Lula se preso a prisao para ele vai ser como um paraiso. Deus pode fazer isso e para os vampiraos a liberdade vai ser um inferno já aqui na terra.

Responder

Raul Capablanca

05 de março de 2018 às 07h24

sendo que os dados dos sistemas da odebrecht foram lacrados numa data conhecida;
sendo que esses dados foram plenamente acessados pela FRA e são inteligíveis;
sendo que os mesmos foram distribuidos pela FRA;
sendo que após essa pericia da FRA os dados usados pelos brasileiros parecem manipulados;
pergunto: o que falta para anular estes dados falsificados?
os dados destes sistemas ajudaram a formar a denuncia condenatoria de lula?
PRECISAM FIRMAR UM ACORDO PARA PARAR ESTA POLEMICA QUE SÓ AJUDA A FARSAJATO!!!

Responder

cida

05 de março de 2018 às 07h24

parabéns miguel ! Precisamos de sensatez,gente que aglutine forças,não o contrário.

Responder

Mario

05 de março de 2018 às 05h53

Romulus
sei q vc lerá.
Bola pra frente
Miguel: bola pra frente.
Ambos: ter leituras distintas de mesmos dcto é interessante. Mas precisamos nos unir . Inimigo é outro.

Responder

Fausto AMARAL DE BARROS

05 de março de 2018 às 05h28

Puxa-vida!…
Emoções, exasperações, vaidades, excesso de zelo… E mais alguma coisa, tudo pode ser percebido nesse imbróglio!
Não é do que precisamos.

Responder

Deixe um comentário

O 2021 de Bolsonaro O 2021 de Ciro Gomes O 2021 de Lula Parlamentarismo x Semipresidencialismo: Qual a Diferença? Fernanda Montenegro e Gilberto Gil são Imortais na ABL: Diversidade