Boulos na Carta Capital (ao vivo!)

Presidente de associação de funcionários da Caixa responde a artigo do Globo

Por Miguel do Rosário

10 de julho de 2018 : 11h27

Representante dos funcionários da Caixa, Jair Pedro Ferreira, presidente da Fenae, respondeu a artigo publicado no Globo, que pede a privatização do banco.

***

Artigo: “Fiel à lei, fiel ao país”

09/07/18 10:14

Por Jair Pedro Ferreira

Do ponto de vista do interesse estratégico nacional, a liminar do Supremo Tribunal Federal (STF), que proíbe venda de ações de empresas públicas sem autorização do Legislativo, é um daqueles momentos chaves da história do país, que vive, desde 2015, praticamente em um estado de exceção. Sob o manto da responsabilidade fiscal, o que se tem feito com o patrimônio público é completamente irresponsável com os destinos do Brasil e do seu povo.

A importante vitória no STF foi obtida por meio de uma Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) ajuizada pela Fenae – Federação Nacional das Associações de Pessoal da Caixa Econômica Federal e pela Contraf/CUT – Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, questionando pontos da Lei 13.303/2016, que trata do estatuto das empresas públicas. Mesmo provisória, uma decisão como essa nos faz ter esperanças de novos tempos.

No Brasil, as empresas públicas cumprem papel essencial no desenvolvimento econômico e social. No caso específico da Caixa, é praticamente impossível encontrar um cidadão que não tenha alguma relação com o banco, seja por causa do FGTS, do PIS, da casa própria, da poupança, das operações de penhor, dos programas sociais. Isso só é possível porque a Caixa é 100% pública, característica da qual os brasileiros não podem e não vão abrir mão.

Em sua decisão, o ministro Ricardo Lewandowski citou uma tendência de desestatizações que podem causar prejuízos irreparáveis ao país. E é justamente o que trabalhadores e entidades representativas, a exemplo da Fenae, têm denunciado. Há, sim, grandes riscos ao que é de todos, ao que é público. As mudanças que sobressaltam o país representam uma verdadeira cultura do atraso, atingindo conquistas nascidas de grandes lutas.

O debate sobre a importância das empresas, dos bens e dos serviços públicos precisa ser intensificado. Mais do que isso, é preciso entusiasmar os jovens, capacitar militantes, levar a discussão para os locais de trabalho e para dentro de casa, incentivar a formação de lideranças locais, apoiar os movimentos sociais, se engajar em mobilizações. Só assim será possível barrar projetos que representam retrocessos e perda de direitos.

Um Brasil soberano, com todos, por todos, para todos, só se faz com a articulação virtuosa entre políticas públicas, investimento público e empresas públicas. Caixa, Petrobras, Eletrobras, BNDES, Banco do Brasil, Embrapa e tantos outras são parte da solução para os problemas do país. Por isso, nunca cansaremos de dizer que defender as empresas públicas é defender o Brasil, porque, se é público, é para todos.

* Jair Pedro Ferreira é presidente da Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae)

Confira o artigo no site do jornal O Globo.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Curiosinho

10 de julho de 2018 às 17h04

Deixa de historinha!… Aqui na Eletrosul em Floripa também querem sucatear e tornar insolvente para privatizar!… Cada um !!!

Responder

MARCO AURÉLIO CARDOSO

10 de julho de 2018 às 13h22

De fato a CAIXA é importante demais para o Brasil, para os brasileiros.. e deve mesmo continuar 100% pública. No entanto, os desgovernos do pt e o descalabro com a destinação dos recursos da CAIXA, quase tornaram a empresa insolvente. Ainda bem que acabaram estes absurdos dos tempos do pt. Agora a empresa é lucrativa e vai continuar muito importante para o Brasil.

Responder

    Luiz Fco

    14 de julho de 2018 às 22h03

    Logo que pensasses em privatização lembras do PT, é porque é o único partido até hoje que ao invés de vender empresas publicas, comprou para aumentar o aparato do Estado e em prol do social, não é???

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com