O depoimento de Lula à juíza Gabriela Hardt

A ministra Rosa Weber durante audiência pública no Supremo Tribunal Federal sobre descriminalização do aborto. A ministra Rosa Weber, do Supremo Tribunal Federal (Crédito: José Cruz/Arquivo Agência Brasil)

Rosa Weber chegou ao Supremo com apoio de Tarso Genro e Carlos Araújo

Por Miguel do Rosário

14 de agosto de 2018 : 19h37

Na Agência Brasil

Nova presidente do TSE construiu carreira na Justiça Trabalhista

Tímida, Rosa Weber diz que fala nos autos

Publicado em 14/08/2018 – 13:40 Por Luiza Damé – Repórter da Agência Brasil Brasília

A discrição é a marca registrada da ministra Rosa Weber desde que entrou na magistratura nos anos 1970, como juíza substituta do trabalho, no Rio Grande do Sul. Assumidamente tímida, a nova presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) evita os holofotes e as entrevistas. Costuma dizer a seus interlocutores, sem alterar o tom de voz, que prefere falar nos autos. No comando do processo eleitoral, deve manter o estilo.

A ministra chegou ao Supremo Tribunal Federal (STF) em 2011, nomeada pela ex-presidente Dilma Rousseff (2011-2016), com o apoio do petista Tarso Genro e do advogado Carlos Araújo (morto em 2017), ex-marido de Dilma. Tanto Tarso quanto Araújo militaram na advocacia trabalhista e conheceram Rosa Weber como juíza do Trabalho. Antes de voltar a Porto Alegre, sua cidade natal, a ministra atuou em várias cidades do Rio Grande do Sul como juíza trabalhista: passou por Ijuí, Santa Maria, Vacaria, Lajeado e Canoas.

Na capital gaúcha, atuou por quase dez anos na 4ª Junta de Conciliação e Julgamento, até ser promovida, por merecimento, ao cargo de juíza do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 4ª Região. Entre 2001 e 2003 foi presidente do TRT. Em 2006, chegou a Brasília, nomeada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para o Tribunal Superior do Trabalho (TST).

No Supremo, Rosa Weber atua em harmonia com a ministra Cármen Lúcia, presidente da Corte, e com os ministros Edson Fachin e Luís Roberto Barroso, seu vice no TSE. Graduada em Ciências Jurídicas e Sociais pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), em 1971, foi professora da Faculdade de Direito da PUC-RS.

Filha do médico José Júlio Martins Weber e da pecuarista Zilah Bastos Pires, completará 70 anos em outubro, em pleno processo eleitoral. É casada com Telmo Candiota da Rosa Filho, procurador aposentado do Rio Grande do Sul. Tem um casal de filhos e duas netas. Gosta de futebol e torce pelo Internacional, o que faz questão de dizer aos interlocutores.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

helio

16 de agosto de 2018 às 09h08

O jornalista Miguel vê o mundo de forma muito particular, talvez de cabeça pra baixo, como apontou Marx de Hegel, resguardadas as diferenças do tema analisado e a grandeza do filósofo alemão. Dizer que a Weber tem como característica principal (a marca registrada) é a discrição, quando ela por duas vezes em julgamentos de repercussão nacional votou contra direitos e (segundo a própria) contra si mesma, não pode ser inocência, mas, a meu ver, discurso político.
Em uma luta tão visceral, tão definidora pela manutenção da democracia, já quase totalmente usurpada, fazer concessão aos adversários da democracia é adesão.

Responder

henrique de oliveira

16 de agosto de 2018 às 09h07

Nunca pensei que as mulheres brasileiras fossem tão mal representadas no judiciário , a mulher brasileira na sua grande maioria são umas guerreiras não covardes.

Responder

Aliança Nacional Libertadora

15 de agosto de 2018 às 21h14

Outro “Verme” o “não tem prova mas vou condenar porque meu cargo permite” foi uma cuspida nojenta na constituição e nos petistas…..muitos aqui pularam de alegria quando souberam que ela iria pro TSE.

Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com