Vila Militar do Chaves (Adnet satiriza Bolsonaro)

Fotos: Tânia Regô / Marcelo Camargo / Agência Brasil

Últimos programas de TV da eleição refletem a tendência das pesquisas

Por Pedro Breier

27 de outubro de 2018 : 13h56

Assistam ao último programa eleitoral da eleição, que foi ao ar ontem, neste link.

Ele reflete a tendência de queda de Bolsonaro e, óbvia e consequentemente, de alta de Haddad.

O programa de Bolsonaro foi quase inteiro ocupado com ataques ao PT.

A estética é semelhante à usada nas reportagens sobre corrupção da grande mídia, certamente para que os eleitores façam, inconscientemente, a conexão. O narrador é uma espécie de Willian Bonner (ainda) mais sinistro.

Após 3 minutos e 45 segundos – o programa tem 5 minutos – de ataques, Bolsonaro aparece falando algumas platitudes sobre união e corrupção. Nada sobre povo, emprego, saúde e educação, é claro.

Depois da fala de Bolsonaro o programa é encerrado de forma positivamente bizarra.

Aparece uma foto de Lula com o semblante fechado, em preto e branco e com um letreiro vermelho em cima: “REAIS INTENÇÕES”. Entra, então, um áudio de uma ligação telefônica em que Lula fala: “Eu to com a seguinte tese, é guerra viu, e quem tiver com a artilharia mais forte, ganha”. Só isso. Lula falou uma obviedade insignificante e a campanha de Bolsonaro, tratando seus potenciais eleitores como estúpidos, tenta pintar isso como algo gravíssimo.

O programa do PT também começa com ataques ao adversário. Evidente que com muito mais consistência.

Basta colocar as frases do próprio Bolsonaro para demonstrar o quão prejudicial ao país seria a sua eleição.

As críticas a Bolsonaro duram em torno de 2 minutos e 10 segundos. Depois, o clima alto astral e a fala empolgada de Haddad constrastam com o clima de velório do programa de Bolsonaro.

A pesquisa Ibope que apurou 51% a 49% para Haddad na cidade que ele governou, São Paulo, foi usada com o mote do “Quem conhece Haddad, vota nele”.

Normalmente, o segundo colocado acaba atacando mais o adversário do que o primeiro, pela necessidade de arrancar-lhe votos. Bolsonaro lidera as pesquisas mas ataca virulentamente, enquanto Haddad, o segundo colocado até aqui, se apresenta de forma alto astral, em um clima nitidamente mais positivo.

Sinal de que a tendência captada por Datafolha/Ibope e confirmada pelo clima das ruas – de um acirramento da eleição e da real possibilidade de uma virada – é preocupante para a campanha de Bolsonaro.

Em São Paulo e no Rio de Janeiro, a militância de esquerda está nas ruas desde ontem virando votos, movimento que deve estar se repetindo em outros lugares. A militância de Bolsonaro está tímida, também pela falta de experiência em campanha política fora do ambiente virtual.

Como diria aquele narrador chato (produz memes engraçados, convirjamos), haja coração, amigo.

Pedro Breier

Pedro Breier, colunista d'O Cafezinho, é formado em direito mas gosta mesmo é de jornalismo. Nasceu no Rio Grande do Sul e hoje vive em São Paulo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

3 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Fehnelon

27 de outubro de 2018 às 23h39

O campo democrático precisa de cada um disponível… Cade o Ciro?

Responder

    Ultra Mario

    28 de outubro de 2018 às 01h20

    O candidato é o Haddad. Esquece o Ciro.

    Você não vê o Bolsonaro se rastejando por aí em busca de apoio.

    Responder

Justiceiro

27 de outubro de 2018 às 16h07

Dá pena de ver gente como o cara que escreveu essas asneiras. Desde a virada do segundo turno, quando não tinha Alckimin pra fazer o jogo sujo, que o bananão ataca de forma virulenta, covarde bolsonaro. Bastava alguém aparecer morto que a culpa era do capitão.
Addad usou e abusou da garota que apareceu tatuada com a suástica, mas quando foi descoberto que ela mesmo fez, o canalha não disse nada.
Addad acusou o General Mourão de ser torturado, mas foi desmascarado. Addad acusa os eleitores de Bolsonaro de agressores, de marginais não reconhecendo nestes o direito de votar em quem desejar. Sempre se botou como o único candidato da democracia. Votar no outro é ser antidemocrático.

Como disse Cid Gomes, vai perder feio.

Responder

Deixe uma resposta