Boulos em Recife

Fotos: Anticorruption Policies Revisited / Lula Marques

Alberto Vannucci: proposta de Moro para corrupção é populista

Por Tadeu Porto

04 de novembro de 2018 : 13h43

O cientista político e italiano Alberto Vannucci apresentou, em entrevista para a BBC, uma ótima explanação sobre as consequências da parceria Bolsonaro/Moro.

Vale lembrar que o intelectual italiano é especialista no combate a corrupção e um dos estudiosos da operação Mãos Limpas, aquela que inspirou a Lava-Jato.

Vannucci argumenta que a presença de Moro no Ministério da Justiça traz um grande risco ligado a interferência que o judiciário poderá exercer sobre o executivo e vice-versa. O pesquisador italiano destaca que essa “jogada” abre brecha para Moro perseguir adversários [independente que ele faça ou não].

“Ele pode ter investigado políticos em sua carreira e, agora, estar trabalhando como um político. Ele pode, por exemplo, ter coletado informações sobre políticos e agora usar essas informações. É um fator de poluição nesse processo político.”

Outra coisa que chama a atenção na entrevista é a obviedade que temos no populismo da frase “implementar uma forte agenda anticorrupção e anticrime organizado”. Vannucci comentou assim:

É um argumento muito ingênuo e populista. Liderar uma operação judicial contra corrupção, com as habilidades de um juiz, não é garantia de que você saiba como políticas efetivas anticorrupção devam ser formuladas e aplicadas.”

Realmente, só faz algum sentido acreditar na eficiência de Moro no MJ se ele for lá apenas para ser o garoto marketing do negócio. A política dentro de um ministério tão importante é pesadíssima (a vida real são outros 500, não é tretinha de Facebook) e precisa ter certo grau de experiência para primeiro aguentar a pressão e depois conseguir tomar alguma ação efetiva.

Enfim, numa reflexão rápida sobre o quadro desenhado, interferência entre executivo/judiciário pode indicar sinais não apenas do caos institucional que vivemos, mas também da que concentração de poder, o que aumenta a probabilidade de um regime autoritário.

O Horário é de verão, mas o inverno bate na porta.

Tadeu Porto

Colunista do Cafezinho e diretor da Federação Única dos Petroleiros e do Sindicato dos Petroleiros do Norte Fluminense.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

14 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Luiz Cláudio Pedroso da Fonseca

06 de novembro de 2018 às 18h55

Prossegue-se, com álibi para não condenar.No país da mentira, a verdade jamais será alcançada.

Responder

Ricardo

06 de novembro de 2018 às 12h10

Com 82% de aprovaçáo da escolha do Juiz Sérgio Moro para o cargo de MJ do Governo Jair Bolsonaro, segundo o instituto Parana Pesquisas, pode se concluir que a opiniāo desse Italiano nāo quer dizer nada para a populaçāo.

Responder

Justiceiro

05 de novembro de 2018 às 18h23

Querem saber se esse palpiteiro italiano serve pra alguma coisa? perguntem pra ele se ele é a favor ou contra a extradição de Cesare Batistti.

Se for contra, já sabemos que tipo de gente é.

Responder

Renato

05 de novembro de 2018 às 13h55

Cientista político especializado no combate à corrupção ? Não sabia que na Itália, em vez de polícia , MP e judiciário , são os cientista políticos que combatem a corrupção. Será isso uma jabuticaba italiana ?

Responder

    Luiz Cláudio Pedroso da Fonseca

    05 de novembro de 2018 às 14h27

    Não fiquem tão preocupados, mais verdades virão pela boca do próprio Moro. Nesse sentido, o governo do Bolsonaro deveria empossar a comissão da verdade no ministério da Justiça. Mas as vestais do Ministério Público sugerem uma preferência homeopática.

    Responder

    Luiz Cláudio Pedroso da Fonseca

    06 de novembro de 2018 às 12h01

    De modo científico, creio que não haja um fundamento seguro para distinguir entre gente fascista e gente nazista.

    Responder

Justiceiro

05 de novembro de 2018 às 09h47

É incrível como a esquerda usa – e abusa! – das opiniões de gente estrangeira. Parece que eles sabem tudo de Brasil. É um juiz italiano que confessou que não conhece bem a Lava Jato mas já opinou que Moro não deveria ter virado Ministro, é esse cientista, também italiano, que critica Moro por ter virado ministro…fora os ex-qualquer coisa, que a esquerda para dizer que Lula está preso injustamente.

Mas, vá um estrangeiro elogiar a Lava Jato, vá um estrangeiro dizer que a prisão de Lula foi legal? Vai ouvir que não deve se meter nos nossos assuntos.

Responder

    Dimas

    05 de novembro de 2018 às 14h59

    O cientista político é especialista no processo da “Mãos limpas”, portanto deve conhecer aspectos do processo Lava-Jato já que Moro se espelhou naquele para implementa-la no Brasil. A unica diferença parece ser que ao inves de eleger um dono de rede de tv elegeu um capetão de extrema direita. Assim como a Italia foi ladeira abaixo, os brasileiros estão providenciando para que nós sigamos o mesmo caminho.

    Responder

Paulo

05 de novembro de 2018 às 09h23

Tenho dúvidas sobre a capacidade de Moro de ser um dirigente político. Ele conhece Direito Penal, profundamente. E um pouco dos demais ramos. Mas lidar com uma máquina como um Ministério da Justiça? E num momento em que será chamado a prestar contas? Temo pelo seu desgaste precoce, a menos que conheça pessoal especializado que possa ajudá-lo. Enfim, creio que ele vai esperar como nunca a “expulsória” do Celso de Mello…

Responder

Luiz Cláudio Pedroso da Fonseca

05 de novembro de 2018 às 07h14

No país da mentira, a verdade jamais será alcançada.

Responder

Deusdedit Leal da Silva

04 de novembro de 2018 às 14h56

Tinha que fazer alguma coisa, independente do Sergio Moro ser magistrado? O que interessa é que vai ser estancado a sangria que ai estava. E o pior de tudo a bandalheira. Vou ficar com voz do povo. Jornalista italiano que vai cuidar das mazelas da Itália e não vem aqui colocar em cheque o inicio de um longo trabalho. Independente de qualquer coisa se é populista ou não? O que não podia era continuar a ser Bolivariano. O senhor não é mau jornalista mas errou quando se meteu nas vidas dos brasileiros de bem deste pais. Cronica ou artigo super infeliz. Nos governos passados tiveram Juiz , Promotores, Delegados, e nunca vi artigo seu os criticando. A – eles já eram populistas.

Responder

    Padre Olegário

    04 de novembro de 2018 às 18h39

    Tá louco meu! Confessa que não bate bem da cassuleta! Fumou erva molhada ou era mer.da de vaca ?

    Responder

      Renato

      05 de novembro de 2018 às 14h03

      Que sabor e quais os efeitos de erva molhada e da mer.da de vaca, nobre petista ?

      Responder

    Dimas

    05 de novembro de 2018 às 15h00

    Então voce também e favoravel a estancar a sangria. Voce é um idiota. Ouviu o galo cantar e não sabe onde.

    Responder

Deixe uma resposta

Facebook Auto Publish Powered By : XYZScripts.com