Cafezinho 2 minutos: Posse de Bolsonaro e alegações finais contra Lula

Escócia é primeiro país a incluir aulas LGBTI em escolas públicas

Por Miguel do Rosário

10 de novembro de 2018 : 10h10

No site do jornal português Público

Escócia é o primeiro país a incluir aulas LGBTI em todas as escolas

O objectivo das aulas é fazer com que “todos as crianças e jovens LGBTI se sintam seguros, apoiados e incluídos na escola”. Mas também “promover a tolerância e as relações positivas” entre todos. Iniciativa governamental é estreia mundial.

RENATA MONTEIRO 9 de Novembro de 2018, 15:36 Partilhar notícia

A Escócia vai ser o primeiro país a leccionar, em todas as escolas públicas, os direitos das pessoas lésbicas, gay, bissexuais, transgénero e intersexo. O plano curricular vai passar a integrar a história dos movimentos que lutam pela igualdade da comunidade LGBTI, bem como discutir formas de explorar a terminologia e a identidade de género e combater a homofobia, bifobia e a transfobia.

O vice-primeiro-ministro escocês, John Swinney, apresentou no Parlamento, a 8 de Novembro, o relatório e as linhas de recomendação do grupo de trabalho Educação Inclusiva LGBTI. Estabelecido em Abril de 2017, o grupo foi liderado pelos representantes da campanha Time for Inclusive Education (TIE) e juntou dez comissões e associações tanto governamentais como não-governamentais — e até católicas. O governo escocês “aceitou por completo” todas as 33 propostas que resultaram da discussão.

“A Escócia já é considerada um dos países europeus mais progressivos na igualdade das pessoas LGBTI”, começou por dizer o vice-primeiro-ministro, referindo-se à sua protecção legal. “Estou encantado por anunciar que vamos ser o primeiro país no mundo a introduzir educação inclusiva no currículo escolar.”

O governo comprometeu-se a assegurar formação para actuais e futuros professores, melhorar a monitorização para assegurar a inclusão e facilitar o registo de queixas de bullying. As aulas dedicadas à inclusão e igualdade vão ser “transversais a diferentes idades e diferentes disciplinas, agrupadas em vários temas”. Os “factos vão ser apresentados de foram objectiva e sensível”. O objectivo é fazer com que “todos as crianças e jovens LGBTI se sintam seguros, apoiados e incluídos na escola” mas também “apoiar todos os estudantes para celebrarem as suas diferenças, promovendo a tolerância e as relações positivas”.

“Estas recomendações representam esforços para adoptar uma abordagem educacional para lidar com o preconceito contra jovens LGBTI”, escreve a LGBT Youth Scotland, uma das associações de voluntários que trabalha na área da inclusão social. “Os jovens LGBTI dizem sentir-se excluídos ou sub-representados da própria experiência de aprendizagem. A implementação das recomendações do grupo de trabalho são uma excelente oportunidade para assegurar que a Escócia é o melhor país para estas crianças e jovens crescerem e atingirem o seu potencial máximo”, disse o director executivo da organização.

Jordan Daly, co-fundador da TIE, campanha que se iniciou em 2015 e que vê aqui a sua “maior vitoria”, descreveu a aprovação das aulas de inclusão LGBTI como “um momento histórico” para o país que mostra, aos jovens desta comunidade, “que são valorizados na Escócia”. “A educação é uma das principais ferramentas ao nosso dispor para lidar com o bullying, preconceito e discriminação — é assim que se dá forma ao tecido da nossa sociedade.”

A Escócia descriminalizou a homossexualidade apenas em 1980, 13 anos depois da Inglaterra e do País de Gales. Até 2000, era proibido por lei “promover intencionalmente a homossexualidade” nas escolas escocesas.

Em 2016, relembra o Guardian, o antigo líder do Partido Trabalhista Escocês disse que o país tinha “o parlamento mais gay do mundo”, já que quatro dos seis líderes dos principais partidos ali representados se identificavam como lésbicas, gays ou bissexuais. No entanto, o mesmo jornal publicou esta semana uma reportagem que denunciava “o falhanço iminente das propostas de educação sexual” do governo escocês, para as escolas.

Miguel do Rosário

Miguel do Rosário é jornalista e editor do blog O Cafezinho. Nasceu em 1975, no Rio de Janeiro, onde vive e trabalha até hoje.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

7 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Tamosai

13 de novembro de 2018 às 13h33

São coisas longínquas, distantes, quase inatingíveis em certos lugares, chamadas civilização, humanismo, solidariedade, respeito à diversidade. É mais ou menos o que alguns brasileiros vêem quando visitam países europeus que oferecem educação gratuita e de boa qualidade, além de justiça social, mídia pluralista etc.
Se Darwin vivesse e voltasse a visitar o Brasil no ano 2018, talvez ficasse novamente espantado ao comparar a Inglaterra (mesmo depois da destruição Thatcherista) com o que se vê por aqui. O consolo é que esses elementos nefastos que chegaram ao poder não vão durar para sempre, como os milicos da ditadura, Sarney, Collor, Temer e FHC.

Responder

Padre Olegário

11 de novembro de 2018 às 16h02

Fico pensando como será a suástica bolsonariana… se não gosta de vermelho… vai ser verde mesmo! Cada um! E fico cogitando onde será o bunquer do suicídio forçado… se embaixo do congresso ou se mexer com os velhos aposentados… protestando nas ruas!

Responder

Justiceiro

10 de novembro de 2018 às 12h10

Escócia o primeiro??? quem disse?

O primeirão foi o Brasil com aquela prova ridícula do ENEM.

A FDP presidente do INEP até agora está escondida.

Responder

Paulo

10 de novembro de 2018 às 10h55

Não creio que essa matéria devesse ser abordada em sala de aula, especialmente para crianças…e notem a diferença: na Escócia, o homossexualismo era crime, até 1980 (pasmem!)! Aqui no Brasil, nunca foi, e esperemos que continue assim…

Responder

    Ultra Mario

    10 de novembro de 2018 às 20h34

    Concordo, deveriamos ensinar as nossas crianças mais sobre violência e menos sobre amor.

    Responder

      Alberto

      11 de novembro de 2018 às 11h24

      Exato. Vence na vida quem aniquila e estraçalha os mais fracos, amor e compaixão é para os fracos. A sociedade deve ser dividida em classes e grupos distintos, e as minorias terão de se curvar. sou cristão e penso assim.

      Responder

        roberto ricardo dos santos leal

        12 de novembro de 2018 às 11h14

        MARCOS 8.36 – 36 POIS QUE APROVEITA AO HOMEM GANHAR O MUNDO INTEIRO E PERDER A SUA VIDA? (ALMA).

        Responder

Deixe uma resposta