Live do Cafezinho: bate papo com o cineasta cearense Wolney Oliveira

Vídeo: o pedido de impeachment do PT e o identitarismo ideológico

Por Redação

21 de maio de 2020 : 19h14

Na análise de hoje, analisamos o pedido de impeachment apresentado hoje pelo PT e outros partidos.

A união com legendas de extrema-esquerda, como PSTU e PCO não me pareceu muito estratégica para quem deseja conquistar apoio de partidos de centro e centro-direita no congresso nacional, apoio este que será necessário para construir tanto o impeachment como um novo governo.

Outro tema, correlato, é o perígo do “identitarismo ideológico”, em que o debate político não é mais acerca de ideias e projetos, mas sobre se eu sou ou não de esquerda ou direita. Esse é um debate vazio, que gera polarização estéril. À esquerda, interessa tirar o debate desse ambiente histérico, e trazê-lo para o chão, discutindo ações concretas e projetos realizáveis, ao invés de se apegar a símbolos e identidades que não dizem nada ao povo.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

8 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Miramar

22 de maio de 2020 às 11h50

A coisa mais engraçada que acontece nesse site é quando seus leitores tratam as opiniões do Miguel e do Ciro como se fossem uma só pessoa…

A verdade é que a “esquerda” brasileira virou um antro de oportunistas, desonestos e ignorantes. O maior pânico de petistas e agregados e ver prosperar um pedido de impeachment contra Bolsonaro, pois acreditam que seus muitos eleitores arrependidos votarão até mesmo em um pestista para impedir a continuidade do seu péssimo e autoritário governo. Quer dizer, acreditam que o antibolsonarismo pode superar o antipetismo. Não consideram o aumento crescente de pessoas que são, a um só tempo, antipetistas e antibolsonaristas.

Em tempo, o antipetismo não se resume a direita. Eu próprio defendo a democracia representativa, os direitos humanos, os direitos trabalhistas e o papel central do estado em países em desenvolvimento. Me considero progressista.Mas não uso a palavra “esquerda” para me definir, posto que essa foi sequestrada pela malta canalha e suja dos petistas e agregados.

Responder

Misael

22 de maio de 2020 às 01h22

“A união com legendas de extrema-esquerda, como PSTU e PCO não me pareceu muito estratégica para quem deseja conquistar apoio de partidos de centro e centro-direita no congresso nacional, apoio este que será necessário para construir tanto o impeachment como um novo governo.”

Ué, antes o próprio Ciro condenava o PT por alianças com partidos como o PMDB, necessárias para governar.
Agora seus porta-vozes pregam aliança com partidos de direita?
Aliás, que frente é essa do PDT?

Esse papinho de “extrema-esquerda” é o mesmo com o qual o PiG busca atacar o PT, e equipará-lo à Bolsonaro, escondendo que este é filhote do próprio PiG.

A aliança do PT mostra coerência.

“Outro tema, correlato, é o perigo do “identitarismo ideológico”, em que o debate político não é mais acerca de ideias e projetos, mas sobre se eu sou ou não de esquerda ou direita. Esse é um debate vazio, que gera polarização estéril.”

Ora, quando se fala em ideias e projetos, se fala em ideologia. Não há como construir um projeto com partidos que representam interesses opostos.

Talvez o blogueiro queira que o PT se transforme nisso que virou o PDT após a morte do Brizola: Um partido sem ideologia definida, recheado de elementos direitistas, e até mesmo fascistas, apoiadores de Bolsonaro. É esse tipo de coisa que contribui para a despolitização da sociedade, deixando as massas confusas, sem entender o que cada partido representa. É essa confusão que nos trouxe até aqui.

O PT, dentre os grandes partidos, e por mais limitado que seja, é o único que tem ideias e lado definido. O resto é fisiologia e servidão total ao grande capital.

Ainda nessa aliança do PDT, temos o PSB, que seguiu o mesmo caminho. É outro recheado de direitistas e fisiologismo.

O PV é linha auxiliar do PSDB. E a Rede é um novo PV. O manjado “ambientalismo”/eco-imperialismo, com muita grana vinda do exterior, bancando ONGs de fachada. Quando Marina/Itaú foi candidata, sua função era tirar votos do PT. Em 2014 era o Plano B da finança, com o mesmo programa lesa-pátria tucano, mas se vendendo como fadinha protetora do meio ambiente, e assim conseguindo votos da esquerda despolitizada.

Fica a pergunta: Qual é o verdadeiro papel de Ciro Gomes?

Seria ele o sucessor da Marina?

Responder

    Miramar

    22 de maio de 2020 às 11h57

    Admiro muito Brizola. No entanto, é divertido ver os petistas tratarem o PDT do seu tempo de vida como um antro de esquerdistas radicais.Devem estar falando de Garotinho, Francisco Rossi, Nefi Tales,Paulinho da Força, César Maia, entre outros.Quando lembro como o PT tratava Brizola em seu tempo de vida…

    P.S.: Como cirista, quero agradecer pela comparação feita entre o Ciro e a Marina.Muito obrigado.

    Responder

James

21 de maio de 2020 às 23h03

Realmente, desta vez tenho que concordar com Miguel que o Lula e o PT deram bobeira se aliando com todos os matizes da esquerda e deixando o centro e a centro-direita livres. Agora o Ciro só precisa convencer esse povo a votar nele no lugar do Moro, do Huck, do Dória ou de qualquer outro apoiado pela Globo que ele já estará praticamente eleito. Moleza.

Responder

Marcos Videira

21 de maio de 2020 às 21h41

Continuam cultivando a IDOLATRIA a Lula.
O PSTU é um grupo sectário de extrema-esquerda, com militantes violentos e que almejam um regime totalitário.
O PCO é um minúsculo partido trotskista que julga ter o monopólio da verdade porque consideram-se os únicos que dominam o método materialista histórico.
Não sei quais são as ilusões do PSol e PCdoB nessa aliança.

Responder

Paulo

21 de maio de 2020 às 20h24

Gostei dessa expressão “lealdades excessivas”, que devem ser evitadas, realmente. Há muito me bato contra isso, na discussão política. O cara idolatra esse ou aquele político, como Bolsonabo ou Lularápio, e acaba tendo dificuldades irredutíveis em criticar seu ídolo, especialmente depois do voto. Reconheço o papel do carisma na construção do político, mas é preciso por freios nisso, até para não personalizar demais a política, ou você vira um tolo referendador de tudo que o seu candidato faz…

Responder

    Floriano de Oliveira

    22 de maio de 2020 às 09h17

    Pois é, isso se estende aos Ciropatas, que não percebem o coronelismo.

    Responder

      Miramar

      22 de maio de 2020 às 11h32

      Você não sabe nada sobre o conceito sociológico de coronelismo.

      Responder

Deixe uma resposta