Live com Marcio França, pré-candidato a prefeitura de São Paulo

Charge: Ribs

O impensável

Por Pedro Breier

04 de junho de 2020 : 20h59

O impensável está acontecendo no Brasil – com ares de normalidade.

Mil e tantos mortos por dia, descontada a fatalmente enorme subnotificação em um país que faz pouco testes para saber quem está infectado, é o nosso novo normal.

Nada indica que a marca das 2 mil mortes diárias que será atingida nos próximos dias gerará alguma comoção.

Pelo contrário, estados e municípios estão afrouxando de vez a quarentena meia boca que vinha sendo feita. Esqueçam serviços essenciais; estamos adentrando a fase do liberou geral.

Há, contudo, um detalhe mórbido: os casos seguem crescendo assustadoramente.

Governantes, imprensa, empresários, todos podem até virar o rosto para o lado, fingir que não há uma incongruência assassina entre a curva de contágio e as medidas adotadas pelo poder público e pelos agentes econômicos. O horror, contudo, não é menos horror porque não queremos vê-lo.

Há muitos responsáveis por essa calamidade, esta maneira profundamente idiota e sanguinária de lidar com a pandemia. Quanto maior o poder de quem se omitiu ou de quem agiu no sentido contrário ao consenso científico, maior a responsabilidade.

Sendo assim, é evidente que o responsável mor, o genocida dos genocidas, é Jair Bolsonaro, o presidente da República.

Sua mente perturbada jogou-nos a beira de uma guerra civil entre fascistas e antifascistas em meio ao morticínio provocado pelo coronavírus.

É claro que ir para as ruas é arriscadíssimo. Da mesma forma, é, no mínimo, exasperante assistir ao diminuto gado bolsonarista tocando o terror e pedindo golpe militar nas ruas. Como criticar quem se dispõe a fazer o enfrentamento?

É unânime a percepção de que Bolsonaro quer o confronto para fechar o regime. Os movimentos democráticos precisam ser cirúrgicos nesse momento, mas a ida às ruas em algum momento será inescapável; se não formos por conta da ameaça de ditadura, é porque já estamos sob uma.

Outro evento inescapável é o julgamento de todos os que colaboraram para a morte de milhares de irmãos e irmãs brasileiras. Especialmente o genocida dos genocidas.

É inadmissível que repitamos a anistia infame aos torturadores e assassinos da ditadura militar. Na Suécia, citada como modelo pelo presidente, será aberta uma investigação sobre a desastrosa atuação do governo na crise sanitária.

Bolsonaro e seus asseclas não podem escapar de seu julgamento de Nuremberg.

Pedro Breier

Pedro Breier é graduado em direito pela UFRGS e colunista do blog O Cafezinho.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

11 comentários

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

gasparzinho

05 de junho de 2020 às 19h15

Ainda nao aceitaram a democracia bibas…?

Responder

dcruz

05 de junho de 2020 às 15h52

A nau dos desesperados está entregue à maré da sorte, que me perdoem numa hora dessa relembrar o ditado antigo, mas atualíssimo, posto que cruel, a vaca foi pro brejo. Se já estava ruim, vai piorar, assim ditam as estatísticas. É cada um fazer seu papel obedecendo o que à ciência recomendar. E rezar, rezar para que a nau dos desesperados encontre seu porto seguro. E o bozo nem precisou usar a câmara de gás.

Responder

dcruz

05 de junho de 2020 às 10h29

Enfim, o bozo venceu, a vitória macabra está próxima. Assim ele governará com tranquilidade, pois cadáveres não protestam ( ou protestam?)

Responder

    Pedro Breier

    05 de junho de 2020 às 10h56

    Normalmente não, mas no Incidente em Antares, do Erico Veríssimo, isso rola… baita livro!

    Responder

      Alexandre Neres

      05 de junho de 2020 às 11h37

      Ê gaúcho, tu puxa a sardinha para a tua brasa. O livro é bom mesmo.

      Responder

    Andressa

    05 de junho de 2020 às 11h44

    Pro bozo golden shower, se cadáver protestar, pau de arara nele…

    Responder

Paulo

04 de junho de 2020 às 22h52

A responsabilidade pelo que esta por vir, sem dúvida, e do Poder Público. Não imagino como pretenderão se eximir…

Responder

Elaine

04 de junho de 2020 às 22h25

Infelizmente, não vai ter jeito. Vamos ter que ir para as ruas sim. O número de mortos está subindo e o governo já começou a atrasar os dados para a divulgação da imprensa. Isso tem nome CENSURA. Inclusive, o sinal da Globo foi sabotado enquanto ela exibia o depoimento de um médico infectologista. Jair Bolsonaro é o genocida responsável pelos rumos que a epidemia esta tomando no Brasil. Eles querem esconder essa verdade. Nao querem que a imprensa divulgue os dados. Pois o que ele chamou de ‘gripizinha’ está gerou mais de 1300 mortes ontem e mais de 1200 hoje.
A censura é uma marca das ditaduras. Tudo indica que já estamos numa e ainda tem gente que acha que dá para esperar para reagir.

Responder

Celso

04 de junho de 2020 às 22h09

Observei que eles mexeram no sinal da Globo de novo. Desta vez com mais força do que da outra vez. O JN está sofrendo CENSURA.
Quem diria hein Dona Globo ser atacada pelo monstro que criou. É a tal lei do retorno. Concordo com um internauta que disse que todo mundo que sacaneou Lula e Dilma está pagando e quem não pagou ainda vai pagar. Bolsonaro e sua trupe que aguardem a lei do retorno porque ela é implacável.

Responder

chichano goncalvez

04 de junho de 2020 às 21h33

Desculpe errei o nome do Sr. do PCB é Ivan Pinheiro.

Responder

chichano goncalvez

04 de junho de 2020 às 21h32

Realmente o Brazil segue sendo o pais da impunidade, só para os ricos e os poderosos. Concordo com o que disse o Iva Pinheiro: ” O Brazil só muda com revolução “, só que acho o atual povo brasileiro, muito mais covarde que em epocas passadas.

Responder

Deixe uma resposta