Live do Cafezinho (18 h): Pós-verdade na política brasileira (uma conversa com Fabio Palacio)

PDT pede ao STF para incluir Carlos Jordy no inquérito do gabinete do ódio

Por Redação

04 de julho de 2020 : 08h53

O deputado federal Carlos Jordy (PSL-RJ) é um dos mais ferozes bolsonaristas do estado do Rio. Tentou sair do PSL para entrar na nova legenda de Bolsonaro, a Aliança pelo Brasil, mas como o partido não conseguiu ainda ser formalizado, ele permanece no PSL.

Até pouco tempo era pré-candidato à prefeitura de Niteroi, mas desistiu e tenta ser cabo eleitoral do delegado Antonio Rayol.

Com base eleitoral em Niteroi, Jordy tem sido um dos principais adversários políticos do atual prefeito, Rodrigo Neves, que é do PDT.

Ao final de uma live recente de Jordy e Rayol, antes do streaming terminar, houve um diálogo vazado, no qual se fala em “equipe do mal” e “dossiês” (ver o vídeo vazado aqui).

O vazamento viralizou instantaneamente e Jordy fez vários vídeos tentando se explicar.

E agora o PDT, a pedido do deputado federal Chico D`Angelo, que também tem uma base importante em Niteroi, enviou um pedido ao ministro Alexandre de Moraes, do STF. O partido quer incluir o deputado Carlos Jordy nas investigações sobre o gabinete do ódio por causa de conversas dele com o delegado Rayol, vazadas após o encerramento dessa live.

Apoie O Cafezinho

Crowdfunding

Ajude o Cafezinho a continuar forte e independente, faça uma assinatura! Você pode contribuir mensalmente ou fazer uma doação de qualquer valor.

Veja como nos apoiar »

1 comentário

Os comentários aqui postados são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião do site O CAFEZINHO. Todos as mensagens são moderadas. Não serão aceitos comentários com ofensas, com links externos ao site, e em letras maiúsculas. Em casos de ofensas pessoais, preconceituosas, ou que incitem o ódio e a violência, denuncie.

Escrever comentário »

Paulo

04 de julho de 2020 às 22h25

Em alguns anos, os bolsonaristas serão uma espécie em extinção. Mais ou menos como os integralistas, na década de 30…

Responder

Deixe uma resposta